Sexta-feira, 27 de Abril de 2012

              Escola da Fontinha: just do it  (-por Daniel Oliveira)

      A Escola da Fontinha era um edifício abandonado durante cinco anos, usado por toxicodependentes. Como é num bairro pobre, nunca Rui Rio se preocupou com isso. Um dia, um grupo de cidadãos resolveu fazer o que a Câmara não fazia: dar um uso àquele espaço. Arranjaram, limparam, pintaram.

      E durante um ano aquele edifício abandonado foi usado pela comunidade: atividades culturais, acompanhamento escolar para os miúdos, aulas. As pessoas que ali trabalharam faziam-no de graça. E isso Rui Rio nunca entenderá.

Muito menos a ideia de um grupo de cidadãos se juntar, na "sua" cidade, sem a sua superior autorização, para fazer alguma coisa pelos outros. Muito menos para desenvolver qualquer tipo de atividade cultural que não passe pelo seu crivo provinciano. Rui Rio matou a vida cultural do Porto, transformando uma das mais vibrantes cidades portuguesas numa pequena cidade de província. Porquê? Porque Rui Rio é um verdadeiro autoritário. Abomina a liberdade dos outros, a criatividade dos outros, a opinião dos outros.

     Mas a Escola da Fontinha carregava outro perigo: ao usarem uma ruina da incúria do poder local para fazerem qualquer coisa de útil para os outros, coisa que todos os vizinhos agradecem e aplaudem, aquelas pessoas exibiam, sem terem de abrir a boca, a negligência do presidente da Câmara. E passavam uma mensagem que Rio não aguenta: se quem te governa não cumpre, faz tu. Muito menos quando quem o faz não procura o lucro.

     O despejo violento de gente que usa um espaço abandonado, ao qual o Estado se recusa a dar uso, para ajudar a comunidade, é um excelente retrato da cultura política e cívica o poder Estado português. Não serve para servir a comunidade.

Serve para impor a vontade do governante. E para exibir o seu poder, não se importa de deixar um edifício emparedado no lugar onde alguém fazia alguma coisa de útil. O gesto autoritário do Presidente da Câmara, injustificável aos olhos de qualquer pessoa com o mínimo de sentido cívico, faz todo o sentido: não é Rui Rio que serve o Estado para este servir os cidadãos. É o Estado que serve Rui Rio para os cidadãos se vergarem ao seu poder

Querem saber porque somos um país atrasado e subdesenvolvido? Porque admiramos a autoridade de homens como Rui Rio. Como se a força bruta fosse a única forma de poder que entendemos. 

Do meu lado, aqueles que fizeram a Escola da Fontinha só podem merecer o respeito, admiração e solidariedade. Eles são, com a sua vontade e generosidade, quem pode fazer deste país uma sociedade decente. Rio, na sua soberba autoritária, é apenas um reflexo da estupidez arrogante do poder que nos atrasa há séculos. E não encontro melhor data para escrever este artigo do que o dia 24 de Abril. 

        

   Fontinha  (-por Bruno Sena Martins)   "Activistas do movimento Es.Col.A reocuparam a Escola da Fontinha, no Porto, em 25 Abril 2012." 

 



Publicado por Xa2 às 11:46 | link do post | comentar

2 comentários:
De DC a 30 de Abril de 2012 às 11:38
O PCP e o BE parece seguir-lhe os ensinamentos não fez outra coisa que mobilizar pessoas para manifs , assim "o faça você mesmo" da politica ainda não encontrou nenhum AKI , Merlin outro espaço de bricolage que não fosse a rua.

Por outro lado quer o PS como o PSD o que cultivaram e criaram foi corruptos e oportunistas acasalados com os mais variados fluxos de interesses económicos e financeiros (Motas, Brizas , Lusopontes ; BPNs, SLNs, etc, etc).

Asim não, assim não vamos lá.

Faltam os ensinamentos e as praticas de cidadania individuais e colectivas.

O resultado sente-se e está à vista.


De .Ditadura Democapitalista. a 3 de Maio de 2012 às 18:04
Pode ser numa escola do Bairro da Fontinha que agora está abandonada e encerrada?
(-por Daniel Oliveira, Arrastão)

O Ministério Público (MP) exigiu ontem que os três homens detidos nos confrontos com a polícia no despejo do movimento Es.Col.A do Alto da Fontinha, no Porto, a 19 de Abril, sejam condenados a penas de prisão suspensas e cumpram trabalho comunitário.

O cúmulo da ironia é punir alguém por defender o trabalho para a comunidade e dar-lhe como pena trabalho para a comunidade.

-----------
mário borges
Não é ironia. É grave.
Então confirma-se que aquelas pessoas vão ser mesmo condenadas?
Qual é mesmo a gravidade do crime que cometeram?
Não se veja o trabalho comunitário como uma benesse.
Estas pessoas pura e simplesmente não podem ser condenadas.
------
chapeleirolouco
só se saberá dia 10 de maio.
-------
Nuno
O que raio é o crime de "injúrias"???
É que se fôr chamar nomes, o Benquerença pode mandar muita gente pr'á choça!!
-------
Nightwish
A filhadaputice é jurisprudência hoje em dia.
---------
RH-

Pior ainda é ter a procuradora do ministério público a fazer política quando diz, a determinada altura em audiência,
"A breve tempo o edifício destina-se a um espaço de intervenção social. Sei o que estou a dizer porque me informei".

Primeiro, esse é um facto nada relevante para o que está em causa no julgamento

Segundo, será que se informou? ou está apenas a tomar partido por uma autarquia que já mostrou estar neste processo de má fé desde o primeiro momento?

Que projeto de intervenção social? aquele que a câmara tenta implementar agora depois do despejo apenas para ficar bem na fotografia.

é absolutamente impensável que uma procuradora do ministério minta, e caso não seja mentira, poderá por favor informar o tribunal das diligência levadas a cabo junto da autarquia para apurar que tipo de projeto irá ser instituído no edifício onde já funcionava um projeto com enorme aceitação e com resultados?

o que ontem acontecu nos juízos de pequena instância criminal do porto foi um julgamento de tribunal plenário (tipo regime Salazar/PIDE) !!
só não vê quem não quer!


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS