1 comentário:
De .. Austeridade + Desigualdade, ... a 25 de Junho de 2012 às 12:33
Pedro Veiga disse...

Vão continuar a pagar e a pagar mais os mesmos do costume!

Ele (o Gaspar) já o afirmou e passou despercebido a 99 % dos portugueses.

Quando terminar a febre do futebol mais uma onda de austeridade chegará às costas dos portugueses!
-------------
Não serve para nada não, serve para concentrar a riqueza nas mãos de uns tantos.
É por estas e por outras que a esquerda está como está: incapaz de desmontar as falácias neoliberais!
-----------
"o programa real do Syriza é o retorno à autarcia e ao proteccionismo, na verdade o único programa genuíno que a esquerda tem na Europa.
Escave-se fundo nas propostas da esquerda europeia, dispam-se das roupagens politicamente correctas e o que fica é um
erigir de fronteiras face ao dumping social chinês, para manter o que resta do “modelo social europeu”.

Se não for possível fazê-lo a nível da Europa, cada país tenderá a fazê-lo por si, com as excepções daqueles que vivem exactamente da globalização e da internacionalização.

A Europa proteger-se-á da competição com os produtos chineses mais baratos, feitos com mão-de-obra quase escrava,
as deslocalizações serão impedidas porque os seus produtos ficarão demasiado caros ao passarem pela pauta alfandegária,
os consumidores pagarão mais caro, mas os salários permanecerão altos e a regalias sociais serão mantidas pelo menos para a presente geração.

É uma solução errada, que não funcionará, mas é a única que existe à esquerda para garantir o “crescimento” assente num mercado único europeu protegido."

no abrupto
----------
liberais vêm sempre com estes argumentos...Vê-se mesmo que o investimento capitalista realizado na Ásia foi feito para tirar as vacas das ruas da Índia, limpar as águas do Ganges ou requalificar o ambiente na China...E os cortes salariais que eles promovem na Europa é apenas para os distribuir pelo resto do Mundo, não é?..
----------------

JOSÉ LUIZ SARMENTO disse...

A austeridade serve para aumentar as desigualdades.
E este aumento é um fim em si mesmo, desejado e prosseguido por muita gente poderosa.

Uma sociedade menos desigual não seria um jogo de soma zero:
se os pobres fossem menos pobres, isto não resultaria necessariamente em que os ricos fossem menos ricos.
Até pode ser que ficassem um pouco mais ricos em termos absolutos, embora não o ficassem, obviamente, em termos relativos.

Mas o que lhes interessa é ser mais ricos em termos relativos, não em termos absolutos.

A partir de um certo nível de conforto, já não se procura a riqueza por si mesma, mas sim o maior poder possível sobre os outros.
E este exige a desigualdade, mesmo que para a obter sejam necessárias perdas de eficiência económica.

Trata-se de tornar os pobres o mais pobres possível, para que se submetam a tudo.
Para obter isto, os ricos não se importam nada de ficar um pouco menos ricos.


Comentar post