De Nem autarcas, nem cidadãos se mexem !! a 20 de Julho de 2012 às 10:43
-----Dulce Costa :

realidade... nada mais há a dizer... só perguntar:

ONDE ANDAM OS VEREADORES...
OS PRESIDENTES DAS JUNTAS DE FREGUESIA...
OS PRESIDENTES DAS CÂMARAS????

----Ana Paula Fitas
... é caso para perguntar, Dulce... sem dúvida alguma! Obrigada!

------ brites :

Este país está sequestrado por interesses espúrios,
e parece que ninguém está disposto a mexer-se contra eles,
como se fosse uma fatalidade inscrita no adn das nossas necessidades !

O futuro é coisa impalpavel sem gente dentro,
para esta cambada toda que se remete ao silêncio e passividade.

----- Ana Paula Fitas
Brites, faço minhas as suas palavras, cujo sentido tanto dizem da nossa consciência:
"O futuro é coisa impalpável sem gente dentro"... Obrigada.
Um abraço.


De contra o Eucaliptal e lóbi celulose/... a 27 de Janeiro de 2014 às 16:13

Portucaliptal

--por Vital Moreira , 26/1/2014, CausaNossa


Não temos um partido verde nem uma consciência política ambiental.
Se tivéssemos, o DESASTRE ECOLÓGICO que é a contínua EUCALIPTIZAÇÂO do país, sem paralelo em nenhum outro país europeu, não continuaria, com o solícito apoio de todos os governos.

Ao contrário do que corre como verdade convencional, o principal lóbi do País não é a BANCA mas sim a indústria da celulose, à qual vamos sacrificando a paisagem e a diversidade florestal, assim como os AQUÍFEROS do país, para além de combustível fácil para os INCÊNDIOS florestais do verão...


De Porcaliptal e + ainda +... !!! a 4 de Junho de 2015 às 09:19
Portucaliptal

(-por Vital Moreira , 4/6/2015, Causa nossa)


«Portugal tornou-se a pátria mundial do eucalipto, mais do que a própria Austrália.
O eucaliptal não cessa de se expandir, dos vales às montanhas, dos terrenos esqueléticos aos de vocação agrícola, à beira de rios e de albufeiras.

Se não o é já, o eucalipto está em vias de se tornar a principal espécie arbórea do país, antes do pinheiro e do sobreiro.»

Eis a introdução da minha coluna semanal de ontem no Diário Económico.


De Portucaliptal no país e desgoverno a 10 de Novembro de 2015 às 10:14


---- Portucaliptal

( 03/6/2015, Vital Moreira, http://economico.sapo.pt/noticias/portucaliptal_220081.html )

Urge travar esta marcha irresponsável para o desenvolvimento insustentável da floresta entre nós, de que as próximas gerações não nos absolverão.

1. Portugal tornou-se a pátria mundial do eucalipto, mais do que a própria Austrália. O eucaliptal não cessa de se expandir, dos vales às montanhas, dos terrenos esqueléticos aos de vocação agrícola, à beira de rios e de albufeiras. Se não o é já, o eucalipto está em vias de se tornar a principal espécie arbórea do país, antes do pinheiro e do sobreiro.

O Estado tem participado ativamente na eucaliptização galopante do país, criando legislação favorável, deixando de impor as restrições que permanecem (como a eucaliptização de áreas queimadas), financiando generosamente a plantação de eucaliptos. O atual Governo leva a palma no desvelo pelo lóbi agroindustrial do eucalipto, protagonizada pela indústria do papel. Poucos casos haverá em Portugal de tão escandalosa captura do Estado por interesses setoriais.

Espécie de rápido crescimento (três ou quatro vezes superior ao pinheiro bravo), o eucalipto
é correspondentemente agressivo dos recursos hídricos e dos terrenos em que se implanta, sendo um inimigo declarado da diversidade biológica e da sustentabilidade ambiental. Sob uma floresta de eucaliptos nada medra e tudo seca. Depois dos cortes regulares ou depois de cada incêndio o solo nu fica exposto à erosão acelerada.

O eucaliptal é também visualmente agressivo. A monocultura do eucalipto está a tornar Portugal na paisagem rural mais medonha da Europa. Navegar na barragem da Aguieira ou passear na Serra de Ossa é uma experiência deprimente. Se a Toscana e a Córsega fossem em Portugal já estavam cobertas de eucaliptos.

2. Um das "falhas de mercado" que justificam e tornam necessária a regulação pública das atividades económicas consiste nas chamadas "externalidades negativas", ou seja, as situações em que parte dos custos daquelas acabam por ser suportados pela coletividade (por exemplo, custos ambientais), não recaindo sobre quem retira vantagens dessa atividades.

Tal é obviamente o caso da rendosa fileira agroindustrial do eucalipto que usufrui da mais-valia das externalidades que não paga. Como se isso não fosse bastante, em vez de limitar esses custos e de os fazer pagar pelos beneficiários, o Estado ainda vai subsidiar essas atividades, aumentando ainda mais os custos coletivos.
Urge travar esta marcha irresponsável para o desenvolvimento insustentável da floresta entre nós, de que as próximas gerações não nos absolverão.

Cumpre, antes de mais, restringir os terrenos suscetíveis de receber eucaliptos e estabelecer limites às áreas de monocultura extensiva contínua.

É necessário, em segundo lugar, fazer cumpri a legislação existente, dotando a polícia florestal de meios humanos e materiais e de instrumentos jurídicos adequados, desde o embargo administrativo às coimas dissuasoras.

Por último, é preciso não somente cessar a subsidiação pública do eucaliptal mas também fazer pagar à fileira do eucalipto os custos ambientais da atividade. Uma taxa sobre os eucaliptais constitui um instrumento plenamente justificado para internalizar os seus custos sociais, moderar a sua expansão e assegurar a fiscalização e efetivação da legislação florestal.

Mas, como é evidente, a primeira condição disto tudo é libertar o Estado (ministério da Agricultura e da Economia) do poderoso lóbi da celulose que dele se apoderou.


De .pró Eucaliptal, neoliberal, lobis... a 10 de Novembro de 2015 às 10:36
---JSoares:
...Que há muitos eucaliptos e poucas outras espécies é verdade. So what ? se a terra é privada e as industrias que compram as madeiras as pagam de modo diferente...as opções dos proprietários são obvias.
Claro que as politicas públicas devem "corrigir" os mercados, mas perseguir o eucalipto, com o que já se conhece da espécie, não parece ser o mais inteligente.

----LGaluxo:
O Professor Vital Morereira quer acabar com uma das principais fontes de divisas do país, umas das principais actividades a criar emprego nas zonas mais desertificadas, a cultura que impede que grande parte do território se resuma a cabeços de pedras e mato que ardem de 4 em 4 anos, o mais efectivo sumidouro de carbono disponível, e uma das principais fileiras a contribuir com impostos para o Estado. E o que colocar no seu lugar? Velhinhas com véu preto e estevas em fundo para os turistas chineses tirarem a fotografia?

----bursa:
Interessante que muito embora 90% dos investimentos privados sejam em (re)arborizações com eucalipto ninguém comenta o facto favoravelmente. O papel que utilizamos no dia a dia não nasce logo em resmas, que de noite aparecem nas prateleiras das lojas.
Contrariamente ao expresso todas as acções de(re)arborização estão sujeitas a apresentação de projecto.
A mudança de espécie florestal está condicionada por vários diplomas legislativos e refiro apenas os mais importantes, a saber DL 173 de 1988 de 17 de Maio e DL 169 de 2001 de 25 de Maio.
Não há qualquer liberalização das (re)arborizações, vulgo plantações, áreas superiores a 0,5 ha, estão todas sujeitas a apresentação de projecto. Basta consultar o site do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas para esclarecer o site é intuitivo.
... Não compreende que um proprietário tenha que abandonar uma vinha porque não a consegue trabalhar e plante eucaliptos para obter algum rendimento daqui a uns anos! É que é gente que tem que subsistir com o rendimento mínimo!Visualmente agressivo? Monocultura? A vinha, o olival intensivo, os pivots de milho, as estufas,(não são monoculturas, são agricultura em grandes extensões)não estão obviamente ligados a lobi nenhum... nem o pinho ou a cortiça. A ultima legislação sobre a matéria permitiu que certas Câmaras Municipais cobrassem as arborizações ao hectare...algo semelhante à emissão de moeda...será isso que está novamente na calha? De notar são estes homens que fazem as leis e recorda-me a frase " s´ils n´ont pas de pain, qu`ils mangent de la brioche"..

----FGSilva:
...espécie como o 'Eucalyptus globulus' estar tão bem, adaptada às nossas condições naturais, ao ponto de permitir o desenvolvimento de uma fileira que tanta riqueza e emprego gera no nosso país.
...há muito a fazer pela floresta portuguesa. Mas, acredite se quiser, o Eucalipto está longe (mas mesmo muito longe) de ser o problema da nossa floresta.
Sugiro-lhe ainda, perdoe-me a ousadia, que consulte os dados disponíveis na página do ICNF (www.icnf.pt) sobre incêndios florestais. Poderá ver que, ao contrário do que se diz, o eucalipto não é a espécie que mais arde, apesar do seu predomínio no território e, em particular, nas regiões do Centro e Norte do país.
... fileira tão importante para a nossa economia, e concentremos os nossos esforço na procura de soluções para os verdadeiros problemas que afectam a nossa floresta e dos pequenos proprietários florestais que necessitam de ver as suas pequenas parcelas gerar o rendimento necessário à sua conservação em bom estado.
... coisa que nos separa (ou talvez não): a ideia de o Estado não poder por e dispor daquilo que (neste caso o eucalipto) tem um dono (de acordo com a nossa legislação), e impôr, sem mais, e como muitos advogam, um ónus (diminuição do rendimento) sobre os proprietários florestais (geralmente muito pequenos) para que a estética de uma paisagem (que nunca foi um valor absoluto) prevaleça para benefício de terceiros. Ou está o meu amigo disposto a pagar mais umas taxas para que o Estado remunere adequadamente os proprietários florestais pelas limitações acrescidas que lhes coloca ao uso do solo?
Resumindo: ser corajoso com o dinheiro dos outros (neste caso pequenos proprietários rurais) é fácil. E as consequências estão à vista...


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres