De invests na desgraça ambiental. a 22 de Maio de 2015 às 13:14
O modelo de desenvolvimento económico do “por cima de toda a folha”, caduca ou persistente

( por josé simões, 19/5/2015, http://derterrorist.blogs.sapo.pt/)

De uma coisa ninguém pode acusar o CDS, que é a de não ter um modelo de "desenvolvimento" económico para o país.
Ou quando Pires 'soldado disciplinado' de Lima, pelo S. Martinho de 2013, anunciou no Parlamento investimentos na ordem dos 150 milhões de euros, 120 milhões pela Portucel e 26 milhões pela AMS Goma Camps,
pensavam que os castanheiros iam ficar en su sitio, a dar castanhas para acompanhar a água-pé, e
que os eucaliptos vinham por mar, importados em porões de navios, ou que,
pelo contrário, se iria liberalizar a plantação do eucalipto e assistir à eucaliptização do país, do Minho ao Algarve?

O ambiente, a biodiversidade e o ordenamento do território têm de ficar para depois
que a prioridade é fomentar a desertificação do terrirtório e
desertificação humana e
aumentar a mais-valia aos accionistas é tirar o país da crise e criar emprego.
Os incêndios ficam por conta do Orçamento do Estado que
por sua vez fica por conta do bolso do contribuinte.


Adenda:
Há dados relativos ao emprego criado pelo investimento de 150 milhões de euros por parte das empresas de celulose?
Há dados sobre qual a percentagem da riqueza criada por esse investimento de 150 milhões de euros
que foi aplicada novamente na economia ?
e sobre qual a percentagem que foi distribuída pelos accionistas?


De Centrão d'interesses desAmbienta. a 24 de Fevereiro de 2016 às 16:41

---- Não ter a puta da vergonha na cara é isto

(por josé simões, 20/2/2016, http://derterrorist.blogs.sapo.pt/ )


Duarte Marques, da bancada parlamentar PSD de suporte ao Governo que entregou a pasta do ambiente à agricultura da eucaliptização
por cima da biodiversidade, do ordenamento do território e da Reserva Agrícola Nacional "isso depois logo sé vê";
Duarte Marques, da bancada parlamentar de suporte ao Governo que entregou a pasta do ambiente à economia da celulose e da pasta de papel,
em nome da recuperação, do crescimento económico e da criação de emprego – directo e indirecto, propagandeado primeiro, nunca contabilizado e confirmado depois;
Duarte Marques, da bancada parlamentar de suporte ao Governo que bloqueou todas as acções inspectivas ambientais
em nome da racionalização de custos e meios e de cortar fatias de gordura ao Estado – o celebérrimo fazer mais com menos;
Duarte Marques, na bancada parlamentar da oposição preocupado com a poluição no rio Tejo provocada por uma fábrica de pasta de papel.

tags:
ambiente, celtejo, duarte marques, poluição, psd, tejo, vila velha de ródão


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres