De .. a 26 de Julho de 2012 às 11:00
---- O faroleiro disse...
é de facto um dilema terrível

por um lado o proteccionismo nos países desenvolvidos condena milhões à pobreza nos países menos desenvolviods

por outro lado, sem esse proteccionismo é todo um modelo civlizacional que desaba

----- as disse...
declaração de interesses: não sou, nem nunca fui comunista ou socialista. nos sentidos ortodoxos, pelo menos.

mas por vezes lembro-me, e talvez seja bom não o esquecer, que o manifesto do marx expunha claramente que o proletariado não tem nacionalidade.

o seu problema não é nacional nem é resolvido por ser tornado nacional.
o problema é uma relação de forças totalmente desequilibrada.

e, na verdade, não vejo porque movimentos de expansão de um todo político - no caso, europeu - não possam ser acompanhados de movimentos de atomização governativa - no caso, regiões.

parece-me, aliás, bastante óbvio que assim deveria ser.

---- David Domingues disse...

É muito interessante este conceito de desglobalização na dupla vertente ambiental e social.

A esquerda mantém-se aprisionada nos seus pruridos contra os nacionalismos e deixa o campo livre ao "internacionalismo" capitalista que nos conduz ao inferno.

---- as disse...
não me parece que A Esquerda se mantenha aprisionada.
aliás, este post não vem Da Direita e aponta mesmo a saída nacional - este post talvez não, mas o joão.

em todo o caso, o que se poderia discutir era formas alternativas de articular um governo de proximidade com o máximo de abertura mundial.
- e isto não implica ceder ao off-shore ou à deslocalização de empresas,
não implica a desregulamentação por parte do estado, por exemplo (e não, não é incongruência. o estado antes de ser nação, foi, pelo menos, cidade).

por isso, embora concorde com uma leitura ambiental e social antiglobalização, se quiser (e não anti-internacionalista) não é por via do regresso à nação que ele me convence.

e mais, e não é por via ortodoxa por uma razão:
porque o próprio internacionalismo seria apenas um colocar em contacto os nacionalismos. inter - nacionalismo.
e é também nesses estados-nação que o desequilíbrio de forças - veja-se portugal - está já sedimentado.

que os mecanismos económicos ou financeiros de combate À crise ou que a soberania nacional fossem recuperados, não duvido.
mas soberania de quem? a mim cheira-me que o primeiro salário a ser cortado continuava a ser o meu.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres