ESCUTAS - PASSOS “APANHADO”, MAIS UMA VEZ

O Primeiro-ministro foi apanhado a falar com um sem-abrigo, cuja conversa aqui se divulga, publicamente e em primeira mão.

“Senhor primeiro-ministro, sou um sem-abrigo, adaptado às circunstâncias e com larga experiencia de alguns anos nesta vida de excluído que já mal me lembro da anteriormente vivida.

Não lhe vou contar agora, as circunstâncias e rupturas que para aqui me arrastaram, é uma longa história que levaria muito tempo a contar e o senhor, seu ex-amigo e consigo, também ele, desenganado, que fez o favor de me emprestar o telemóvel, já me avisou que é curto o tempo disponível do mesmo.

O que lhe quero dizer é que o senhor e a camarilha que o acompanha, assim como as suas, desastrosas, políticas me têm complicado, desastrosamente, a vida.

O cartão que me faz de cama e em que me abrigo todas as noites começa a escassear. Com frequência encontro ocupados, com novos concorrentes, os meus cantos e vãos de escada, que habitualmente escolhia, conforme as circunstâncias do tempo e a época do ano ou os eventos na cidade.

As associações de beneficência, até há pouco tempo, quase se acotovelavam umas às outras, para nos darem uma sopa quente e um papo-seco besuntado com margarina que molhávamos na referida, passaram a aparecer mais espaçadamente e agora ou dão a sopa ou o papo-seco, já não ambas.

O senhor além de mentiroso é um ladrão. Está a fazer tudo ao contrário do que disse e foge ao que afirmou quando enganou quem em si votou. O senhor rouba-nos os bens, a dignidade e a esperança.

O senhor não tem um pingo de vergonha e muito menos de ética política, caso contrário já teria concluído ser indigno de continuar no lugar que ocupa, na medida em que faltou, tão profunda e descaradamente, à palavra dada aos seus eleitores, seus compatriotas.

O contrato, que com eles celebrou, já não está valido visto que o senhor não o tem respeitado, minimamente, e, segundo os princípios da boa-fé contratual, o não respeito de um acordo, por uma das partes, permite que o mesmo seja resolvido, tanto pela parte que o defraudou como pela parte defraudada.

Não espere que alguém o coloque em tribunal e lhe peça indemnizações por danos causados. Vá-se embora, por sua própria iniciativa, se não pela honra à palavra dada, que já percebemos não ter mas, para salvar a honra de quem o pariu.  

É essa a vontade expressa por quem passa na rua onde me julgam dormitando e pensam que não oiço o que dizem: este filho da pu.., desculpe mas não sou capaz de dizer a palavra, a senhora sua mãe não tem culpa dos seus desvarios nem da sua falta de seriedade e de respeito à palavra dada mas, numa coisa eles, os que passam por aqui e todos mais, têm razão é que foi ela que o pariu e se tal não tivesse acontecido não teríamos nós agora de o aturar. Está bem, diz-me que não sendo o senhor seria outro no seu lugar mas, nesse caso, já a sua mãe não era para aqui chamada, seria a desse outro.

Mas, concluído a frase sem dizer a tal palavra toda, o que eu oiço é: este filho da pu.. deste Passos Coelho não há maneira  de desaparecer e de deixar de dar cabo do país e estragar as nossas vidas…,  prrirrir……...”

Caiu a chamada ou esgotou-se o plafond!?

 

P.S.

A divulgação desta escuta não teve a autorização do senhor Presidente do Supremo Tribunal de Justiça mas, tal como nas mais situações, não há perigo de julgamento ou condenação tanto mais que não disponho de morada certa nem uso identificação. Não há como poder receber qualquer, eventual, citação.



Publicado por Zé Pessoa às 10:17 de 08.11.12 | link do post | comentar |

1 comentário:
De Arre porra a 8 de Novembro de 2012 às 12:33
Arre porra que isto é demais!
E os desempregados e reformados andam todos ocupados, se não já teriam montado acampamento permanentes em volta da Assembleia de Republica e do Palácio de Belem.
Qem estivesse dentro dentro ficava e quem estivesse fora cá fora teria de ficar até que outros fosse ocupar aqueles lugares.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO