1 comentário:
De + 50.000 despedim., se deixarmos. a 12 de Novembro de 2012 às 09:44

Dispensar (amigavelmente) 50 mil funcionarios. No mínimo.


Abaixo transcrevo o que nos diz o Expresso na edição de ontem ("FMI deixou road map para reforma do Estado", p. 4).
Para ler com atenção a fim de começarmos a tomar consciência do que vai ser a "refundação" do Estado português sob orientação dos consultores da troika. Se deixarmos.

É com este trabalho de casa feito que o Governo volta a receber a troika, com a prioridade de cortar 4 mil milhões de euros.
E espera convencer os credores internacionais de que é preciso dar a Portugal condições excepcionais que permitam ao Governo prosseguir com uma reforma tão profunda.
A questão crítica é assegurar o financiamento de um programa de rescisões amigáveis na administração pública, que permita uma poupança estrutural e permanente ao Estado.
Um programa dessa envergadura - que pode, no mínimo, envolver a dispensa de 50 mil funcionários - custa dinheiro que só pode vir de receitas extraordinárias, que dependem do aval da Europa e do FMI.

(-por Jorge Bateira , Ladrões de B.)


Comentar post