De Violência pró-Ditadura e Medo a 19 de Novembro de 2012 às 11:03

Mais esclarecimentos sobre a carga policial de 14 de Novembro

(-por Daniel Oliveira, Arrastão e Expresso online)

Na semana passada vários "doutorados" em intervenções policiais explicaram daimpossibilidade das forças de segurança intervirem na concentração de dia 14, em frente ao Parlamento, para isolar e retirar os manifestantes violentos que, ao fim de tanto tempo, estavam claramente identificados por toda a gente.
Se fosse precisa mais experiência do que a das últimas manifestações, expliquei que é isso mesmo que tem sido feito. Neste caso eram mais violentos e mais organizados. Seria mais difícil.
Mas alguma coisa estaria muito mal se, para travar umas poucas dezenas de desordeiros, fosse preciso espancar centenas de pessoas num raio de quilómetros.

O "Correio da Manhã", que tem boas fontes na polícia e é insuspeito de antipatia para com os seus comandos ou para com o governo, deu-nos ontem conta da
irritação das brigadas infiltradas por o Corpo de Intervenção não ter cercado cerca de uma dezena de agressores iniciais, dando cobertura aos agentes à civil que os deveriam deter.
No jornal surgem várias críticas ao Comando de Lisboa, vindas de responsáveis policiais, por se ter optado por esperar quase duas horas e depois se ter efectuado uma carga policial indiscriminada, que além de ter atentado contra a integridade física de uma maioria de manifestantes pacíficos, impediu que os agressores fossem detidos em flagrante, dificultando a sua merecida punição judicial.
Segundo fontes policiais do CM, era perfeitamente possível "uma contenção imediata do fenómeno, com prova consolidada para os principais agressores - evitando-se aquela extensão de confrontos".
E diz-se que os polícia à civil foram "desaproveitados".

Esclarecidos os que diziam ser impossível o que toda a gente sabe que se pode fazer - e já foi feito - e sabendo-se agora que a polícia tem treino específico para fazer o que, desde a primeira hora, várias pessoas que participaram na manifestação esperaram que fosse feito, resta saber de quem foi a responsabilidade.
Ao que se percebe, a decisão de deixar que um pequeno grupo violento tomasse conta do Largo de São Bento para depois correr tudo à bastonada até Santos veio do Comando de Lisboa.

Este deve justificar a sua opção e informar se, tal como aconteceu com a carga policial (segundo o "Expresso"), a ordem veio diretamente do ministro Miguel Macedo.
Ou seja, se correspondeu a uma opção política.

Não deixa, no entanto, de ser interessante que a origem de tantos parabéns dados à atuação policial tenha uma exceção: a própria polícia.
A carga policial resultou de uma negliência de duas horas que deixou milhares de cidadãos entregues à vontade de uns poucos arruaceiros onde se incluem, sabe-se agora, meninos de claques de futebol.
Fica a dúvida:
de que lado está quem dá ordens à polícia?
Dos que querem que a contestação se torne violenta ou dos que defendem o direito à manifestação?
---------

Violência de Estado (-por Sérgio Lavos)

[ver vídeo]

Aqui está um dos profissionais da desordem de que falou o ministro da Administração Interna.
O tal que ficou ofendido quando uma jornalista lhe perguntou se havia agentes infiltrados.
Parece que tinha razões para ficar indignado.
Os agentes não eram infiltrados, mas sim provocadores.

-------
Defender a democracia e o Estado de direito é isto
(-por Miguel Cardina)

A deputada Cecília Honório entregou no Parlamento um pedido para que Miguel Macedo explique a ação policial e as detenções aleatórias realizadas do dia 14 de novembro.
---------

Inquérito (-por Miguel Cardina)
...
...Relatos indicam que ninguém ou quase ninguém ouviu os avisos que terão precedido a intervenção.
E, como fica claro nas imagens, mesmo que se tivessem afastado teriam sido alvo da sanha policial.
Mais:
é no mínimo estranho que a polícia não tenha capacidade ou conhecimento para neutralizar um punhado de tipos a alguns metros de distância.

Isto cheira a outra coisa:
quem manda na polícia parece ter-se servido daquele fenómeno para agir como agiu de modo a tentar esvaziar as próximas manifestações.

E, quando assim é, não são só cidadãos e cidadãs os alvos do maquiavelismo securitário.
É a Democracia.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres