2 comentários:
De Finança e Transnacionais vs Estados a 6 de Dezembro de 2012 às 17:06

Carlos Carvalhas em 1997 Sobre a Moeda Única

«A moeda única (€uro) é um projecto ao serviço de
um directório de grandes potências e de consolidação do poder das grandes transnacionais,
na guerra com as transnacionais e as economias americanas e asiáticas,
por uma nova divisão internacional do trabalho e
pela partilha dos mercados mundiais.

A moeda única é um projecto político que conduzirá a choques e a pressões a favor da construção de uma Europa federal,
ao congelamento de salários, à liquidação de direitos,
ao desmantelamento da segurança social e
à desresponsabilização crescente das funções sociais do Estado.»
Carlos Carvalhas, Secretário-geral do PCP — «Interpelação do PCP sobre a Moeda Única»


De Izanagi a 1 de Dezembro de 2012 às 02:22
Não deixa de ser curioso, como alguns destes nomes, com grandes responsabilidades, pela situação atual do país, e não me refiro só a ex-governantes ou deputados, mas também aqueles que ocupando lugares de responsabilidade em organismos públicos, tais como universidades, ou tribunais, vêm aqui, demagogicamente, protestar.
O seu protesto resulta do receio de verem as mordomias que a democracia lhes proporcionou, diminuírem , para alguns, e extinguirem-se para outros. Mas nem no discurso conseguem ser criativos. Limitam-se a dizer o que o povo anónimo e menos diferenciado, diz na rua.
E como bom demagogo que sempre foram, utilizam muitas palavras mas não apresentam nenhuma solução concreta para o desenvolvimento do país. Redimir-se-iam se ao mesmo tempo que contestam as atuais medidas governativas, apresentassem modelos concretos e viáveis de criação de riqueza, aumentando assim o PIB e reduzindo a dívida e não se limitassem a promover o consumo, num país que importa mais de metade desse consumo, situação que só beneficia as economias que para cá exportam.
As crises podem ter aspetos positivos e um deles é não nos deixarmos enfeitiçar por palavras e exigir pragmatismo.
Chega de alimentar sempre os mesmos.


Comentar post