De .Não JUSTIÇA. Lama e jogos de poder. a 14 de Dezembro de 2012 às 10:41

Desgraçado de quem tenha o azar de se cruzar com a justiça portuguesa

(-por Daniel Oliveira, Arrastão, 14/12/2012)

As buscas à residência e escritório de Medina Carreira, por o seu nome ter sido usado por suspeitos para ocultar a verdadeira identidade de outros envolvidos no branqueamento de capitais e fuga aos impostos, no caso Monte Branco, pode ter resultado de um engano.
Um engano grave pelo qual os investigadores devem responder. Mas a capa do "Sol" não foi engano nenhum.
A rapidez com que qualquer busca ou escuta que envolva figuras públicas acaba nos jornais já não é defeito da Polícia Judiciária e do Ministério Público. É feitio.

Depois do caso de Medina Carreira, foi o de Teixeira dos Santos Almerindo Marques e o ex-secretário de Estado Costa Pina.
As buscas às suas residências e escritórios também acabaram, ao fim de poucas horas, nos jornais e televisões.
Em causa está uma investigação às PARCERIAS Público-Privado.
E se no caso de Medina Carreira foi fácil provar imediatamente a sua inocência, o mesmo não acontece com estes três.
A divulgação destas buscas transformou-os, aos olhos da opinião pública, em condenados políticos sem direito a defesa.

Nunca escondi as minhas profundas discordâncias com Medina Carreira, que considero ter sido, como comentador, um dos principais advogados de defesa da austeridade, antes dela chegar - parece que entretanto mudou de opinião - e um POPULISTA de todos os costados.
E considero que Teixeira dos Santos foi, dentro do governo anterior, o principal defensor de uma intervenção externa e o seu maior facilitador.
Mas as minhas discordâncias com os dois anteriores ministros das finanças são políticas.
E é no campo da política, e não em julgamentos mediáticos, que o confronto com os dois se deve fazer.

O que a justiça portuguesa fez a estas duas pessoas, que não tenho qualquer razão para suspeitar de falta de honestidade, é uma NOJEIRA.
Não são os primeiros. Não serão os últimos.
De Sócrates a Passos Coelho, o poder político vive sob ameaça do Ministério Público e da PJ.
Vivem eles e vivemos todos nós.
Todos podemos ver a nossa vida devassada, as nossas conversas telefónicas publicadas em jornais, sem que sejamos culpados de coisa alguma.

Toda a gente que seja suspeita de ter cometido um crime deve ser investigada. Dentro da lei e com todas as garantias.
Seja um cidadão comum, seja um detentor de um cargo público, seja um comentador.
Mas também todos temos direito o ver o nosso nome protegido da calúnia.

O problema é sabermos que, como sempre, estas investigações não darão em nada. E não darão em nada porque não são para dar.
Se fossem, não víamos escarrapachada nos jornais cada diligência judicial, cada escuta, cada busca. Se fossem, teríamos menos suspeitos e mais condenados.
Se fossem, não ficávamos com a estranha sensação de que as buscas são feitas para serem noticiadas, que as escutas são efectuadas para serem publicadas.
E que, por de trás de cada fuga de informação, estão sinistros jogos de poder em que as corporações da justiça se envolvem.

A cada episódio destes - e já foram tantos - cresce o temor de que a JUSTIÇA, em vez de nos proteger, nos põe em PERIGO.
Em vez de investigar a CORRUPÇÃO e os CRIMES de colarinho branco, atira lama sobre as pessoas sem nunca chegar a qualquer conclusão.
Em vez de usar o seu poder para fazer justiça o usa para ajustes de contas.
E uma justiça assim assusta. Não assusta os criminosos.
ASSUSTA, acima de tudo, os INOCENTES que tenham o azar de se cruzar no seu caminho.

Esta justiça, tão expedita na forma de investigar e sempre tão parca nos resultados finais, não serve ninguém.
Só acaba por servir, na forma como descredibiliza, os que, com tanto ruído, se vão safando de pagarem pelos seus crimes.

(publicado no Expresso online)


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres