25 comentários:
De Resistir e assumir a 2 de Janeiro de 2013 às 23:50
È isto mas não só. convém ler o livro BASTA, de Camilo Lourenço, que explica por linguagem simples e gráficos as razões porque nos deixamos arrastar par o abismo económico e financeiro, enquanto país e povo que somos. perante os vícios privados e as publicas virtudes é precuiso:

Resistir, nunca desistir

por BAPTISTA-BASTOS

Entrámos no ano de todos os perigos e de todos os medos. Ninguém ameniza as perspectivas, e o primeiro-ministro acentuou a nossa angústia afirmando que nunca as coisas, depois do 25 de Abril de 74, tinham estado tão escuras. Os seus apaniguados, contentíssimos, aplaudiram as declarações, considerando-as sinal de honrada "transparência". Esqueceram-se, evidentemente, de que, à esquerda e à direita, gente altamente qualificada e sensata já advertira da tragédia próxima. E Passos Coelho continua a não reconhecer, claramente, o que a aplicação da ideologia neoliberal nos tem feito. Nem o que essa ideologia significa de risco para a própria democracia, cada vez mais acanhada até ao ponto de constituir uma humilhação e um desespero intoleráveis para quem nela acredita.
O ano traz, portanto, malvados prenúncios. E, embora sabedor da nociva sorte que nos aguarda, Passos Coelho não move uma palha para inverter a funesta tendência. Não move ou não sabe mover. A representação do poder demonstra enorme desprezo pelos protestos de rua, pelos movimentos de massas (o 15 de Setembro testemunhou a recusa da apatia e da resignação, pelas razões que em si mesmo comportava), pelos depoimentos e pelas declarações veementes de economistas, sociólogos, políticos, alarmados com o caminho para o desastre a que o País é impelido. Interpelado sobre se a população aguenta o caudal de restrições, impostos e constrangimentos, o banqueiro sr . Ulrich admitiu: "Aguenta! Aguenta!", num escabroso convencimento, a roçar o insulto e o impudor. É em criaturas deste jaez e estilo que o primeiro-ministro se apoia, pois elas mesmas caracterizam um dos pilares em que assenta a ideologia que defende.
A ideologia. Eis a questão capital. E o novo paradigma político e social, que nos tem sido imposto, inscreve--se nessa nova experiência do capitalismo, como emergência de sair da crise por si criada.
A regressão a que Pedro Passos Coelho nos obrigou contém uma incerteza dramática, que o atinge, atingindo-nos cruelmente. Ele abriu a caixa de Pandora e, agora, não sabe como fechá-la. É um tonto perigosíssimo. Arruinou a pátria, não somente a pátria política, social e económica mas, sobretudo, a pátria moral. Nem daqui a duas ou três décadas o desastre será remediado, diz quem sabe. O nefasto "rotativismo" ocultará ou dissimulará os erros e os crimes cometidos. Ninguém vai parar à cadeia, porque eles protegem-se uns aos outros, com o impudor de quem se reconhece acima de deus e do diabo.
É pungente assistir-se às torções do PS, como aos embustes, ao vazio de sentido dos discursos do PSD. Não desejo referir-me, neste texto, ao dr . Cavaco, por nojo e estrito resguardo mental. Desejo, isso sim, demonstrar o orgulho e a vaidade que sinto por pertencer a um povo como este, sofrido, cercado, mas decente e indomável.


De . Resistir, informar, Lutar . a 3 de Janeiro de 2013 às 09:40
Resistir , informar e Lutar

- sobre o Camilo L. não partilho a sua visão política/ macro-económica (embora concorde pontualmente ).
- sobre o texto de Baptista Bastos concordo.

- e aquela importante denúncia/chamada de atenção (a que parece ninguém ter ligado) de F.Louçã, sobre a primeira linha dos DEPUTADOS na A.R. do arco do poder (PSD-CDS -PS?) serem empregados do BES (pagos pelo banco que mais saca do Estado !!, como podem depois defender os interesses do Povo ?!!, eles foram lá colocados para defender os interesses da Banca e grandes empresas que lhes pagam as contas !!)

- ou ainda de 1/3 dos deputados serem licenciados em Direito (advogados, juristas, ... integrados em grandes/poderosas sociedades a quem são encomendadas a feitura das Leis, os pareceres ... e depois a defesa dos todo-poderosos clientes/empresas, pois sabem quais as alíneas e virgulas ...que introduziram para poderem contornar a Justiça !!) - como podem ser eles representativos/representantes dos interesses do Povo/ eleitores ?!!


De .Quem Beneficia e quem Paga. a 3 de Janeiro de 2013 às 10:01
A BANCA (e seus grandes accionistas, especuladores, administradores pagos principescamente, consultores sabujos, ...) é que «anda a viver à conta dos trabalhadores» por conta de outrém (directamente pelo que saca aos clientes, e indirectamente pelo que saca ao Estado via ParceriasPP, intermediações, pareceres, outsourcings, juros agiotas, ...)
veja:
http://www.youtube.com/embed/58ZT9PeozzU Raquel Varela no Inferno e seu livro «Quem Paga o Estado Social»
Conclusão:
Mas Há sempre saída : tomar as coisas em mãos..., em vez de (se alienar e só) "passar cheques em branco" (a partidos/governantes/...) !!

------------------------------------------
MAIS MIL e CEM MILHÕES

A dívida nunca mais tem fim! Esta é a última grande decisão do governo português em 2012 (31/12/2012 de transferir dos cofres do Estado para o BANIF a quantia de 1.100.000.000,00 € (mil e cem milhões de euros).
O caso passou de certo modo despercebido dada a coincidência com a data que as pessoas aproveitar para se distrais um pouco daqui que as atormenta, mas a verdade é que a SIC não se esqueceu dele, tendo veiculado a notícia no programa "Notícias da Tarde" pelo editor de economia daquela estação, José Gomes Ferreira, em delarações à jornalista Conceição Lino e mais tarde também politicamente por Miguel Sousa Tavares.

Enquanto isto, o (des)Governo continua a arranjar mil e um pretextos para tornar INSUSTENTÁVEL a vida de milhões de portugueses, para além dos 2 milhões de indigentes e 3 milhões desempregados e/ou precários, e centenas de milhar que expulsa, forçando-os a emigrar !...

Se, ao contrário do que diziam no início da crise, esta é, na maior parte, de Bancos Privados,
porque hão-de ser os cidadãos contribuintes(o Estado) a pagar tudo isto?
E o que fez a Justiça para condenar e reaver os milhares de milhões roubados de alguns desses Bancos?
Até hoje, nada!

As pessoas estão já fartas disto !!!


De .'chinificação' putrefacta por vendidos. a 3 de Janeiro de 2013 às 13:43
“Um dos grandes objectivos da troika é aproximar-nos da China”
(- 29/12/2012 por Raquel Varela, Entrevista que dei ao Jornal I, edição de hoje, a propósito de Quem Paga o Estado Social Em Portugal?. Entrevista de Nuno Ramos de Almeida.)
Aqui, alguns destaques:

«A obra contraria a tese muito em voga de que o nosso problema é que os pobrezinhos comeram muitos bifes. Nas suas páginas fazem-se contas e chega-se à conclusão de que alguém ficou com o dinheiro dos nossos impostos»

«Se nós tivemos de nos endividar nos últimos 20 anos para compra de habitação isso não significa que tenhamos vivido acima das nossas possibilidades, mas abaixo delas.
Os salários portugueses mantiveram-se tão baixos nos últimos 20 anos que as pessoas para resolverem este direito básico que é a habitação tiveram de se endividar»

«Estão-se a criar condições para ter um mercado de trabalho à escala continental.
É por isso que a nossa precarização vai ser o enterro dos direitos sociais dos trabalhadores alemães.
O que se prepara é que de hoje para amanhã os trabalhadores qualificados do Sul ocupem por um salário muito mais baixo o lugar de um trabalhador alemão.
É este o objectivo da política da troika»

«O processo de globalização que vivemos é um processo de globalização imperialista.
Era bom que recuperássemos a esse respeito este conceito que os cientistas sociais têm tido medo de usar.
Embora recentemente nas discussões de instituições internacionais como a OIT (Organização Internacional do Trabalho) haja alguns autores que recuperam estes conceitos»

«É preciso ter cuidado com todas essas chamadas teorias do decrescimento.
Dizer que um país vive acima das suas possibilidades não é correcto do ponto de vista histórico.
Num país há pessoas que vivem acima das suas possibilidades e outras que não (…)
Nós não temos um consumo excessivo, temos é um consumo exagerado de hidratos de carbono, temos um consumo deficitário de legumes frescos com nutrientes, temos um consumo exagerado de transportes individuais e um consumo deficitário de transportes colectivos.
Ou seja, o problema do consumo não é abstracto, concretiza-se numa sociedade que é DESIGUAL »

«Os historiadores marxistas estão sempre a anunciar crises terminais que nunca o são.
Aquilo que eu tenho lido é que se não tivesse havido um socorro enorme ao sistema financeiro estaríamos numa crise muito semelhante à Grande Depressão de 1929, embora nós vivamos um processo substancialmente diferente devido à globalização da economia.
A interdependência dos mercados é hoje infinitamente superior.
Se a crise teve as consequências que teve, revoluções e contra-revoluções durante dez anos, eu não sei que consequências teria tido esta sem as medidas que foram adoptadas.
Agora salvar o sistema financeiro teve um preço que é a situação de BARBÁRIE social que vivemos»

«Chegamos a um nível de desenvolvimento tecnológico que naturalmente acarreta um patamar de desemprego estrutural se nós não mudarmos a nossa forma de viver.
Temos de criar uma sociedade em que toda a gente trabalhe menos horas, mas que trabalhe»

Entrevista completa aqui
http://www.ionline.pt/portugal/raquel-varela-dos-grandes-objectivos-da-troika-aproximarmo-nos-da-china


De .PS mudo espera ... ser arrasado. a 3 de Janeiro de 2013 às 10:33

Concordo com a análise em «Palavras Mudas»
(do PS, -por R.Namorado em http://ograndezoo.blogspot.pt/ 27/12/2012 ) e que...

'também' "o povo socialista está a começar a chatear-se!"
(aliás, já está atrasado, e a ser demasiado paciente !!
... e tanto que os 'militantes' de base/sem 'tacho' deixaram de aparecer nas reuniões, as secções só têm pó, ninguém paga quotas, ...) .
--------
Zé T.


Comentar post