EDUCAÇÃO, RESPONSABILIDADE E DEMOCRACIA

 Apresentação de diapositivos

Andámos vários anos distraídos e a ser enganados pelos políticos que fomos elegendo como nossos, legítimos, representantes na governação do país. Os resultados nem todos estão à vista. Desconhecemos, grande parte e respetivos montantes, dos valores extorquidos ao erário publico. Parcela dos nossos impostos.

Esses políticos que, vistos com olhos de ver, são, muitas vezes, mais aparentados com vendedores de ilusões do que de sérios governantes, prometeram-nos festas (em cada campanha eleitoral realizada) e nós fomos, sucessivamente, aceitando o engodo, elegendo aqueles que maiores festanças nos ofereciam. Sem nunca perguntar de onde provinha o dinheiro para as suportar.

Nunca, em várias décadas, nos perguntamos quem iria pagar as faturas de tanta fartura eleitoralista, nem as rendas de tanto km feito de alcatrão, os custos dos vários metropolitanos, os elefantes brancos em estádios de futebol transformados, os túneis do Alberto João, etc., etc.

Mesmo quando “o dinheiro era barato” não nos deveríamos ter assim deixado embriagar com ele porque corremos o risco de ficar viciados, como parece ter sido o caso, além de enganados politicamente. Os gastos/investimentos raramente foram aplicados em atividades reprodutivas.

Não nos demos conta de que o sucessivo acumular do deficit da Balança de Comercial (importar mais do que exportar) associada ao deficit orçamental Pagamentos (o Estado gastar mais do que podia visto que o valor das receitas dos impostos e diretas foram sendo inferiores às despesas) mais tarde ou mais cedo levariam o país à falência.

O povo, e aqueles que no desempenho de funções de responsabilidade administrativas que negligenciaram o devido controlo de gastos, é responsável, em primeira linha, pelo estado a que chegou o país na medida em que não se comportou como “guardião do reino” exigindo a observação dos princípios do bom governo da rés-pública e cedeu às capturas dos lóbis partidários. O país continua capturado pelos partidos e por quem por sua vez os capturou também.

Assim, com tal negligente conivência, permitimos que, pela terceira vez, o país tivesse caído na ruptura económica e na falência do Estado.

Já devíamos ter exigido a suspensão da lei 19/2003 com as alterações introduzidas pela lei nº 1/2013 de 3 de janeiro do financiamento dos partidos que, como qualquer outra associação se deve financiar pelas quotas dos seus militantes e eventuais doações. Esta exigência obrigaria as forças partidárias a ter outros comportamentos mesmo na relação com seus militantes. Maior respeito e melhor democracia interna. Em vez disso, Cavaco Silva, mesmo com dúvidas de "transparência e do controlo dos financiamentos políticos", acabou por promulgar a sua revisão.

Resolvida a presente situação, como o foram as duas antecedentes, nada nos garante que não voltemos a cair em idêntica desgraça se todos não aprendermos a ter outros comportamentos e não nos habituamos a observar novas condutas, sendo mais exigentes connosco mesmos, enquanto cidadãos em plenitude de direitos e obrigações.



Publicado por Zurc às 10:44 de 19.01.13 | link do post | comentar |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO