5 comentários:
De .OBRIGADO professores do básico e sec. a 29 de Janeiro de 2013 às 12:05
Do preconceito contra os professores

[Paulo Guinote, parlamentoglobal.sic.sapo.pt, 21-01-2013]

Falo dos não-superiores. Dos básicos, aqueles que se considera serem uns incapazes de fazer outra coisa, gente que faz aquilo que outros não querem.
Uma espécie de varredores do lixo alheio, mesmo se tratam da mais nobre missão que existe na vida em sociedade e que é ensinar as novas gerações para um futuro cada vez mais sombrio.

Na última década deu-se um exacerbamento das críticas contra os professores na opinião publicada e partilhada por uma elite de políticos, de especialistas automáticos em Educação e de outros analistas dotados em diversas artes divinatórias e ocultas, a começar pela Economia e Finanças.

E esse exacerbamento atingiu nos anos mais recentes um nível de delírio absolutamente incompreensível, ao ponto de ser negada aos professores qualquer qualidade positiva ou responsabilidade por uma ínfima parte do que de bom aconteça na Educação em Portugal.

Há pouco tempo conheceram-se os resultados dos testes TIMMS (relacionados com a Matemática) e PIRLS (relacionados com a literacia e leitura) que tentam medir e comparar o desempenho dos alunos do 1º ciclo a nível internacional.
Os alunos portugueses estão acima da média e foram dos que mais melhoraram desde 1995.

É algo muito positivo, conseguido a partir da base, na média duração.
É resultado de todos os envolvidos no processo educativo, sendo injusto singularizar um único aspecto, embora em primeiro lugar os resultados sejam dos alunos que, em termos relativos e absolutos, melhoraram muito.

Mas se é errado singularizar esta ou aquela medida, é profundamente injusto procurar todas as explicações menos a que envolve o trabalho dos professores.
Fala-se na melhoria organizacional das escolas, no aumento do financiamento na Educação, da subida do perfil socio-académico dos pais.
Só não se reconhece o trabalho dos professores porque se afirma que não é possível medir isso.
Mas é.

E se é possível com alguma facilidade é no 1º ciclo, em que a monodocência permite uma relação mais directa entre o trabalho dos professores e o desempenho dos alunos.
E em que é possível fazer uma análise comparativa entre as habilitações e formação complementar dos professores de meados dos anos 90 e dos actuais.

Que não se faz mas que, se fosse feita, mesmo a uma vista desarmada, demonstraria como essa formação melhorou e, como consequência não muito forçada, a qualidade do seu trabalho.

Mas, sem que isso se faça, eliminam-se logo os professores da equação, que a vox publicada insiste em considerar uns privilegiados e alguns até acham fazer parte dos parasitas do Orçamento.

Quando apenas vão fazendo, apesar de todas as contrariedades, pressões e ofensas, o seu trabalho. Com resultados.

Paulo Guinote


De contribuinte cansado a 29 de Janeiro de 2013 às 01:55
O PS, como grande partido de Portugal, não deve deixar cair aqueles militantes que, com o seu saber, com a sua honestidade, com a sua democraticidade, o seu desinteressado trabalho em prol dos desfavorecidos e da causa pública, o transformaram numa instituição respeitada e acarinhada pelos portugueses. Aqueles que , sacrificaram os seus interesses pessoais, aos da Pátria e da Democracia, deverão ser os escolhidos na pesada tarefa de liderar o Partido. Saliento as figuras de José Sócrates, Paulo Campos, Mário Lino, José Lelllllo, Edite Estrela, A. Vara, Penedos, Ana Paula Vitorino, como candidatos, de mérito inquestionável , à liderança do Partido, em lugar desses betinhos ligados ao Seguro. Viva o PS.


De da Maçonaria? a 29 de Janeiro de 2013 às 19:46
Estou, total e completamente, de acordo: honestidade, transparência , votos de pobreza e castidade. Tudo me faz lembrar os cavaleiros templários ou os irmãos da opus dei. ou será da maçonaria?
São todos tão desapegados ao poder que nem sei em quem votar nas proximas eleições!


De Caiam na real. a 28 de Janeiro de 2013 às 21:34
Vejam bem como o articulista começa o artigo, que de resto deve corresponder à verdade “… pediram, em Lisboa, a demissão do ministro da Educação” PEDIRAM leram bem?
Como é que os trabalhadores, mesmo os professores, supostamente mais qualificados que os outros, se libertam pedindo essa liberdade.
Então a liberdade pede-se ou conquista-se?
Pois é, pois é, os trabalhadores andam desde 1917 a ser enganados com slogans que não têm correspondência concreta na sua libertação.
Fomos sendo arrastados pela rua gritando “os ricos que paguem a crise” ou “o povo unido nunca mais será vencido” e nunca fomos capazes de obrigar os ricos a pagar o que usurparam nem fomos capazes de nos unir, minimamente. Em grande parte por culpa de demagogos e oportunistas ditos sindicalistas.
Como diria o brasileiro “caiam na real” enquanto é tempo e deixemos de ser pedintes.


De:
Anónimo

Data:
28 de Janeiro de 2013 às 18:19


Comentar post