De Reestruturar Estado ou Nepotistas e inco a 13 de Fevereiro de 2013 às 15:06

Reestruturação de Estado à salchicheiro

(-por OJumento, 13/2/2013)


Se o falso estudo apresentado pelo FMI é uma ofensa à inteligência dos europeus e põe em causa a credibilidade técnica daquela instituição e constitui razão suficiente para pensar que a inteligência do seu representante para Portugal estará entre o deficiente e o imbecil,
a forma como o governo fala de refundar o Estado é mais digna de salchicheiros do que de governantes de um país que até há pouco tempo estava bem acima da Etiópia do Salassie.

É óbvio que o Estado precisa de ser reestruturado, até podem dizer refonixe em vez de refundar, a verdade é que tal como estava o Estado era uma fonte de subdesenvolvimento, era insustentável, era
uma imensa máquina de transvase do dinheiro dos contribuintes para empresas privadas pouco competitivas, geridas por gente corrupta.

O Estado estava alimentando a banca com juros fáceis e esta preferia financiar o consumo privado e o Estado a financiar a economia, os seus grandes investimentos alimentavam os negócios da Opus Dei e da maçonaria através das empresas de obras públicas.

O país ficou refém de uma elite de xulos corruptos e corruptores que detendo o poder
na comunicação social, na banca, nas grandes obras públicas e até na justiça
asseguravam que a riqueza do país e, principalmente, as ajudas comunitárias iam direitinhas para os seus bolsos.

Mudar o Estado e o estado a que o país chegou era uma urgência, mas um Estado não se muda com palpites sobre montantes, ainda por cima quando se percebe que esses montantes correspondem exactamente aos
desvios colossais no défice público provocados por uma política económica conduzidas por ultra liberais fanáticos, que parecem estar mais interessados em testar as suas teses do que em ajudar o país.

Não está em causa saber se o potencial de poupança são cinco mil, seis mil ou nove mil milhões, o que está em causa é que
no Estado há muito por fazer, há toda uma burocracia instalada que urge lancetar, há gente a mais, há dirigentes incompetentes por tudo quando é lado,
todos eles devidamente escolhidos por concursos pagos pelo Estado, há tantos generais e almirantes que até parece que West Point fica ali para os lados do Carregado.

Mas o simples facto de alguém ter dito que a refundação do Estado significava um corte de 4.000 milhões revela que o Estado vai ficar na mesma,
a burrocracia continuará bem instalada, os generais e almirantes poderão continuar a brincar às guerrinhas e daqui a dois ou três anos
os BPN, os Ulrichs e o Millennniuns voltarão a sacar ao Estado depois de terem esgotado mais um ciclo de incompetência e oportunismo económico.

Refundar o Estado com base em metas que ninguém explica e com um Marques Mendes (ou será Mentes?) a divulgar os palpites para cada ministério é algo pouco digno de um país.
Reestruturar o Estado de um país europeu merece mais cuidado, não pode ser coisa para gente com linguagem de salchicheiro .


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres