Ditadura provisória e manifestações

            Uma  questão de  tempo     (-por Sérgio Lavos, Arrastão)

     Não surpreende que o PSD e os seus avençados mediáticos tenham escolhido a via da vitimização para tratar o caso do inimputável Dr. Relvas. Os piores crápulas gostam sempre de fingir indignação quando são despidos em público. O que surpreende é a reacção de algumas pessoas de esquerda e uma ou outra luminária do regime que já veio botar faladura sobre o assunto.

     Vamos lá ver as coisas como elas são:  esta gente saberá o que é censura?  O que é liberdade de expressão?  Não saberão que a censura é sempre um acto de poder exercido pelo mais forte sobre o mais fraco?   Uma limitação de expressão que visa calar opiniões contrárias, prévia ou posteriormente?   Ontem, quando o Dr. Relvas entrou no ISCTE, rodeado de seguranças, e subiu para um palanque posto à disposição pela estação com mais audiências do país, quem detinha o poder?   O ministro dos Assuntos Parlamentares, que tutela a comunicação social e decide os destinos do país, que tem o controle directo sobre os instrumentos que podem exercer a violência de Estado (a polícia e as forças armadas),  ou um grupo de estudantes que diariamente sofre as consequências das políticas implementadas pelo Governo a que o Dr. Relvas pertence?

      É de facto inacreditável que haja quem esteja, por ignorância ou pura má fé, a confundir censura com o que aconteceu ontem.  Durante três minutos, os assobios, os insultos e os apupos ao Dr. Miguel Relvas sobrepuseram-se à propaganda ministerial.  Os outros quinhentos e vinte e cinco mil e seiscentos minutos do ano são usados pelo Dr. Relvas para sobrepujar, humilhar e empobrecer os estudantes que ontem não o deixaram falar e deram voz à raiva e à humilhação sentida por milhões de portugueses. Confundir um direito em democracia - o direito à manifestação - com um instrumento das ditaduras - a censura - não é, não pode ser, sério.

      O que muita gente parece não perceber é que a democracia não são aqueles breves dois segundos em que depositamos o nosso voto na urna. Os quatro anos (dois milhões, cento e dois mil e quatrocentos minutos) a que cada Governo tem direito não são um cheque em branco.  Cada minuto passado no poder por cada um dos governantes tem de ser um minuto a prestar contas, não só ao seu eleitorado mas a todos os cidadãos. Um mandato de quatro anos não é uma ditadura provisória, durante a qual tudo pode ser legítimo, mesmo (e sobretudo) quando todas as promessas eleitorais ou o que está no programa do Governo não é cumprido.

     O que o Dr. Relvas sentiu ontem foi a consequência imediata de um ano e meio de desvario, prepotência e desrespeito pelo povo que ele era suposto servir. Três minutos em que a democracia se sobrepôs à ditadura de quatro anos, que parece ser o modo como este Governo olha para o seu mandato. Não se perceber isto é não se perceber nada de nada. Um regime que ataca um grupo de estudantes contestatários (e não-violentos) para defender uma figura sinistra como o Dr. Relvas precisa urgentemente de repensar a sua natureza e existência. 

--------

Falemos de corrupção (11)  (- títulos do CM: «Amigas de Portas colocadas em Londres, ganham concurso diplomático»; «Passos e Relvas investigados») . “Há jogos atrás da cortina, habilidades e corrupção. Este Governo é profundamente corrupto nestas atitudes a que estamos a assistir” - D. Januário Torgal Ferreira, 16/07/2012.

 No ISCTE  não lhe deram  equivalência : (e Relvas teve de abandonar a sala, protegido pelos seguranças... ficando sem sabermos 'como será o jornalismo daqui a 20 anos?').

 -  "Isto é um sítio privado, não tens direitos!" :  Não se fiquem pela canção. Vale a pena tomar atenção ao estilo do moderador do 'clube dos "pensadores". (em defesa do seu convidado Relvas perante a 'Grândola...' e  os insultos que lhe foram dirigidos da assistência ...)

- " Cada vez que um português encontre um ministro, um secretário de Estado ou um banqueiro ...  cante-lhe a 'Grândola, Vila Morena'."- Paulo Raposo, do movimento "Que se lixe a troika".

- Pedro Rosa Mendes:   « ... encontramo-nos na Rua. »  também a 2 Março 2013.



Publicado por Xa2 às 07:55 de 21.02.13 | link do post | comentar |

2 comentários:
De ...neoliberal... ditadura... revolução ? a 21 de Fevereiro de 2013 às 16:18
Há quem tenha princípios e sentimentos

«“Não posso como cidadão deixar de pensar em todos aqueles que tendo tido também uma vida ao serviço do país se vêem empurrados para a pobreza e exclusão social, não lhe sendo sequer concedido uma vida de sobrevivência", afirmou.

Pinto Monteiro foi mais longe:
"Costumo dizer aos amigos que estou de férias da justiça, mas não estou seguramente de férias da cidadania.
Não posso deixar de mostrar a minha preocupação como magistrado, que sou há muitos anos, pelo que me parece estar a desenhar-se, uma menor transparência na separação de poderes”, afirmou.» [CM]

Parecer:

Nunca a democracia portuguesa esteve tão próxima da ditadura, nunca a paz esteve tao perto do conflito, nunca o capitalismo esteve tão perto da revolução.

: «Acordem.»


De .Protestar e cantar a Grândola... a 21 de Fevereiro de 2013 às 12:31

Eu cantei a Grândola
(-por andrelevy, 20/2/2013, http://blog.5dias.net)

... Não esperem que os Portugueses se submetam às politicas de austeridade, a retrocessos civilizacionais
sem levantarem a voz, sem resistirem,
sem tornarem as vidas dos seus responsáveis políticos insustentáveis, com manifestações de rua, com greves … e com música.
Os portugueses declaram guerra sem quartel à política de direita.
Não cabe aos cidadãos esperar pelas eleições.
Cabe ao governo mudar de política ou sujeitar-se a escrutínio, pois uma política alternativa é necessária e urgente.
Não vivemos tempos “normais”, pelo que não esperem que cidadãos responsáveis e conscientes se “comportem”.

Escândalo não é pessoas cantarem a Grândola, lembrando as Portas que Abril Abriu, e exigindo o cumprimento da Constituição, por oposição a uma “refundação” do Estado Social.

Escândalo é que a PSP esteja a tomar nota dos elementos que cantaram a Grândola !

Pois bem, eu cantei na AR, cantei no ISCTE, cantei no Clube dos Pensadores, cantei na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto,
e juntarei a minha a outras vozes cantando a Grândola ou palavras de ordem em protesto
contra este governo e a política de Direita.

-------------------------
21.02.2013, 21H. Hotel Sana Lisboa
(Av, Fontes P.Melo)
--->>>
Vitor Gaspar # inimigos do Gaspar
Vem cantar a «Grândola vila morena...»
----------------------------------------------------------

Não há duas sem três, nem quatro, nem… quantos Ministros tem mesmo o Governo ?

Depois de Passos Coelho e Miguel Relvas, a Grândola chegou aos ouvidos do Macedo. (Min. Saúde )
Como disse um amigo, ”o medo está a mudar de bando”.
(-por Renato Teixeira, 20/2/2013)
--------------
Onde está a bulgaridade?

«Nós temos dignidade e honra. Foi o povo que nos deu o poder, hoje percebemo-lo»
(Público, 20-2-2013), afirmou o primeiro-ministro, de centro-direita, justificando o seu pedido de demissão apresentado hoje.

«Não participarei num Governo quando a polícia bate no povo
e quando as ameaças de protestos substituem o debate político», argumentou no Parlamento.

Onde se passou isto? Em Portugal?
Não. Foi na Bulgária. (devido às medidas de austeridade impostas)

(-por António Paço , 20/2/2013)
------------


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO