Factores de produção económica e falsidade

Pela n-ésima vez: a ‘produtividade do trabalho’ NÃO é determinada pelo esforço dos trabalhadores

    Volta não volta temos de voltar a isto. Um comentador económico aparece na televisão, põe um ar sério e ufano, e diz:

 “o problema da economia portuguesa é a baixa produtividade do trabalho”. E logo a seguir qualquer coisa do tipo “em Portugal trabalha-se pouco e mal” ou “os trabalhadores portugueses são preguiçosos” ou “é preciso liberalizar o mercado de trabalho para fazer as pessoas trabalhar mais”.
     Este tipo raciocínio é tão absurdo que às vezes apetece-me responder ao mesmo nível, com algo do género:
QUEM DIZ QUE A BAIXA PRODUTIVIDADE DO TRABALHO EM PORTUGAL SE DEVE À FALTA DE ESFORÇO DOS TRABALHADORES  É IDIOTA OU DESONESTO – OU AMBOS. 
     Mas já percebi que esta é uma ideia feita que passa tão bem ou melhor que outros mitos do senso comum, pelo que vale a pena tentar, uma vez mais, desconstruir isto.
     A produtividade é um conceito que remete para a relação entre factores produtivos e valor acrescentado pela produção. Ou seja, uma economia (ou um sector, uma empresa, etc.) é mais produtiva do que outra se consegue gerar mais valor acrescentado com os mesmos recursos, ou o mesmo valor acrescentado com menos recursos, ou uma mistura das duas. A produtividade, enquanto conceito, é importante porque existe uma forte associação entre o crescimento da produtividade e o crescimento económico – e, diria eu contra algumas sensibilidades, o aumento do bem-estar geral.
     Se o conceito de produtividade é relativamente fácil de entender, é muitíssimo mais difícil de medir. O problema é que os factores produtivos são muitos e diversificados, e colocá-los sob a mesma unidade de medida é semelhante a querer comparar laranjas com maçãs.
     Os factores de produção clássicos são a terra, o trabalho e o capital. Mas a terra não tem toda a mesma qualidade, existem infinitas formas de capital, e os tipos de trabalho utilizados na produção dos bens e serviços das sociedades modernas são tudo menos homogéneos – e, logo, dificilmente comparáveis. Para além disto poderíamos (e deveríamos) acrescentar factores de produção imateriais como o conhecimento científico e tecnológico, as formas de organização, etc. Medir isto tudo e colocar sob a mesma unidade de medida, para perceber se uma economia está a gerar mais ou menos valor com recursos produtivos equivalentes, é um bico-de-obra.
     Esta é uma das razões pelas quais frequentemente se simplifica a análise usando um indicador que está facilmente disponível – um indicador que dá pelo maldito nome de “produtividade do trabalho”.
     Em geral, quando os economistas falam em “produtividade do trabalho” referem-se a um rácio entre o valor acrescentado gerado numa economia e o número de trabalhadores (ou de horas trabalhadas) associados a essa produção num dado ano. Ou seja:
“Produtividade do trabalho”= “Valor acrescentado”/ “Nº de trabalhadores” 
     É só isto. Não há aqui nada a dizer se esta economia é muito ou pouco intensiva em capital (máquinas, equipamentos, redes de transportes e comunicações, etc.), nem a qualidade desse capital (já desgastado ou ainda novo, com grande incorporação de tecnologia avançada ou rudimentar), etc. Também não sabemos se esta economia recorre mais a trabalho altamente qualificado ou a mão-de-obra barata e desqualificada. Não sabemos se as empresas são bem ou mal geridas, como se posicionam nas cadeias de valor internacional, se assentam a sua competitividade nos baixos preços ou em factores avançados como o design de produto, a engenharia de produção ou a investigação e desenvolvimento.
     O facto de o rácio acima apresentado ser mais elevado nuns países do que noutros é explicado por todos estes factores. Um país bem pode ter o povo mais esforçado do mundo que se não tiver máquinas e equipamentos modernos, boas infraestruturas e de transportes e comunicações, competências e conhecimentos avançados ou estratégias empresariais adequadas a cada contexto, terá sempre uma “produtividade do trabalho” modesta.
     Por outras palavras, dizer que o nosso problema é a “baixa produtividade do trabalho” é o mesmo que dizer que chegámos ao que chegámos por culpa dos gambuzinos. Na verdade, é mais correcto atribuir a baixa produtividade da economia portuguesa aos gambuzinos do que dizer, com ar sério e ufano, que a culpa é da preguiça endémica que assola o nosso país.
     Este post, escrito há mais de 5 anos, tentava avançar um pouco na discussão. Mas está visto que, volta não volta, temos de voltar ao tema.       



Publicado por Xa2 às 07:50 de 25.02.13 | link do post | comentar |

6 comentários:
De Produtividade economia e Estado a 20 de Abril de 2015 às 11:54

Estado empreendedor

(João Galamba, 20/4/2015, Expresso)

Todos concordam que um dos desafios do país é produzir mais e de forma mais justa. O problema vem a seguir.
Podemos dizer que uma economia de um país é tanto mais produtiva quanto mais produtivo for o conjunto dos seus trabalhadores e quanto mais produtivo for o seu stock de capital*.
Mas esta afirmação, embora verdadeira, pode induzir em erro, porque dá a ideia que faz sentido olhar para uma realidade chamada produtividade dos trabalhadores e uma outra chamada a produtividade do capital, como se qualquer uma delas pudesse ser analisada independentemente da outra.
Quando isso acontece, e quando crê nos axiomas de uma certa vulgata liberal, o resultado é trágico.

Olhemos para a produtividade dos trabalhadores portugueses e dos trabalhadores alemães.
Os alemães são mais produtivos que os portugueses, mas não são mais produtivos porque trabalham mais ou porque são mais esforçados, nem são mais produtivos porque trabalham melhor ou pior do que os portugueses.
Mesmo que os portugueses fossem trabalhadores piores ou menos qualificados que os alemães, a principal razão por que os alemães (ou japoneses ou americanos) produzem mais do que os portugueses é porque a economia portuguesa é diferente da economia alemã.
Os trabalhadores portugueses exercem a sua actividade no contexto de economia que tem um perfil produtivo que, por muito que os trabalhadores se esforcem, por muito que tentem, não permite atingir os níveis de produtividade da economia alemã.
Num certo sentido, a produtividade dos trabalhadores tem muito pouco a ver com os trabalhadores propriamente ditos.

Portugal nunca poderá aumentar a produtividade dos seus trabalhadores forçando-os a trabalhar mais horas, com menos direitos e com menores salários.
No contexto europeu, os portugueses já trabalham mais horas do que outros países mais produtivos, não consta que tenham mais direitos do que na generalidade dos países europeus, e não têm seguramente salários demasiado elevados.
Se o objectivo for o subdesenvolvimento do país, podemos sempre apostar nessa via, como é evidente.
Não consta que seja uma opção viável, muito menos aceitável.

A actual maioria, prisioneira de uma visão da economia onde o Estado é visto como um entrave ao dinamismo, criatividade e capacidade de inovação da iniciativa privada,
não concebe outra política económica que não a fragilização da situação do trabalhador (quanto menor a protecção maior o incentivo a trabalhar)
e a entrega de recursos ao sector privado, prioritariamente reduzindo o IRC e reduzindo os custos salariais.
Tudo isto financiado por desinvestimento público, para evitar aumentar o défice.
Na cabeça de alguns, isto é o caminho para a prosperidade.

Os crentes nesta estratégia acham que, se o Estado desinvestir na educação, desinvestir na ciência e na tecnologia, a iniciativa privada toma conta do recado.
E se, por qualquer razão, essa verdade axiomática não se estiver a verificar, então é porque o Estado ainda não facilitou o suficiente.
Trata-se uma espécie de visão mecânico-liberal do desenvolvimento:
Estado recua, privados emergem, mais fortes, mais pujantes e mais criativos, e o milagre acontece.
O PCP defende algo semelhante, mas ao contrário.

Em alternativa a esses dois extremos encontra-se a realidade da grande maioria dos países desenvolvidos,
onde o Estado e a iniciativa privada foram e são parceiros no desenvolvimento do país, cada um desempenhado a sua função, de forma complementar, e onde o trabalho não é uma mera variável de ajustamento económico.
O Estado não se resume a ser facilitador, como se bastasse o seu recuo ou não intervenção para produzir milagres.
Mas também não é um simples regulador de mercados, fornecendo os meios para o seu regular e justo funcionamento.
Faz mais do isso e também cria mercados.

É uma ilusão pensar que basta investir na regulação pública dos mercados e nas qualificações dos trabalhadores (presentes e futuros) para que a produtividade aumente.
Trata-se de um investimento essencial, sobretudo num país como Portugal, mas está longe de ser suficiente.
Se não houver investimento na qualificação e na modernização do contexto onde exercem a sua actividade, o investimento em qualificações, por si ...


De Estado empreendedor: > produtividade a 20 de Abril de 2015 às 11:59
Estado empreendedor

(João Galamba, 20/4/2015, Expresso)
...
...
...
Se não houver investimento na qualificação e na modernização do contexto onde exercem a sua actividade,
o investimento em qualificações, por si só, servirá de pouco e, por falta de oportunidades internas, tenderá a ser exportado, via emigração.
É o que tem acontecido.

É por esta razão que, para além de investimento em qualificações, é fundamental investir em ciência, na inovação e na modernização do nosso tecido produtivo.
Todos estes investimentos requerem - directa ou indirectamente - o Estado e dependem da existência de políticas públicas adequadas.
Não se trata de nacionalizar ou privatizar, mas de reconhecer uma política que mobilize todos os actores - administração pública, laboratórios e centros tecnológicos público e privados, instituições de ensino superior, empresas e sindicatos - com o objectivo de alterar e qualificar o perfil produtivo da economia nacional.
Isto envolve necessariamente financiamento público directo e indirecto.
E é uma estratégia que não é compatível com a ideia de um Estado meramente facilitador
e muito menos com a diabolização do investimento público
que tem sido e continua a ser uma das bandeiras da actual maioria.


--- * o conceito de stock de capital é problemático, porque, ao contrário do stock de trabalhadores, não é algo mensurável em unidades físicas.
Podemos somar trabalhadores, não podemos somar uma fábrica de automóveis com uma cimenteira ou com um cabeleireiro.
Para fazê-lo, precisamos de uma unidade de valor monetário, sem o qual o conceito de capital não tem significado.
Isto leva a que a função matemática que a generalidade dos economistas usa para representar o lado da oferta de uma economia tenha graves problemas metodológicos.

--------------------
Palavras-chave: Blogues, Tempo comprado, João Galamba

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/estado-empreendedor=f920643#ixzz3XqVWOo3c


http://expresso.sapo.pt/estado-empreendedor=f920643


De .Auditar, Renegociar a Dívida e ... a 25 de Fevereiro de 2013 às 13:29
É a procura, estúpido!

(Da imprescindibilidade de renegociar a dívida)
• João Galamba, «Refundar tudo»:

‘Os dados do último trimestre de 2012 e a calamitosa execução orçamental de Janeiro de 2013 levaram a estratégia de Vítor Gaspar à bancarrota.

Parafraseando o seu primeiro discurso na Assembleia da República, Gaspar foi de ‘sucesso' em ‘sucesso', até ao desastre final.

O sétimo exame regular não marca ‘o princípio do fim do Programa de Ajustamento Económico', como disse Vítor Gaspar na semana passada.
Tem de marcar o fim da actual estratégia económica e financeira do Governo.

Não precisamos de um mera ‘recalibração':
chegados aqui, só uma renegociação radical do memorando serve os interesses de Portugal.
Nós não precisamos de mais tempo para fazer o mesmo mais devagar.
Precisamos de mais tempo para fazer algo inteiramente diferente.

É urgente estancar a queda da procura interna, que tem sido a principal causa do aumento do desemprego, das falências e dos sucessivos buracos orçamentais.
Isto obriga a que não sejam tomada mais medidas recessivas, isto é, não pode haver nem mais aumento de impostos nem quaisquer cortes nos salários e nas prestações sociais.
E a ideia do corte dos quatro mil milhões, faseado ou não, é para esquecer.
Mas isto não chega. Para além de estabilização, Portugal precisa de crescimento económico.

Com as exportações em forte desaceleração, senão mesmo em queda, urge recuperar a procura interna.
O aumento do salário mínimo e do complemento solidário para idosos são, por isso, fundamentais para dinamizar o consumo, sem impacto significativo nas importações.
Mas isto continua a não chegar. Por muito que Gaspar e a Comissão Europeia insistam em desvalorizar a procura agregada, o investimento não recuperará por via da melhoria das condições de financiamento.
Nenhum empresário investe se não houver recuperação das suas encomendas. Para tal, é urgente retomar o investimento público, que arrastará o investimento privado.
O secretário de Estado das Obras Públicas já falou, e bem, de obras de recuperação de estradas, mas é preciso mais.
É preciso, por exemplo, um grande projecto de reabilitação urbana em todo o país, que ajudaria a combater o desemprego no sector da construção.

Tudo isto custa dinheiro, mas tudo isto é necessário.
Mesmo com o apoio do BCE, o crescimento e o emprego, por si só, não são suficientes para garantir a sustentabilidade da dívida pública.
Para que isso aconteça, Portugal terá de reestruturar a sua dívida pública e privada.
Só isso permite libertar recursos para pôr em prática um programa que liberte Portugal da espiral recessiva e da destruição de emprego que actualmente constituem a maior ameaça ao futuro do país.’
-----------
e Falta Responsabilizar estes (e anteriores) desGovernantes. !!


De .'Mercados' a saquear Estado... a 25 de Fevereiro de 2013 às 13:35
O êxito do regresso aos mercados (2)

A entrevista de Gareth Isaac, da gestora de activos Schroders, ao Público é, de facto, elucidativa do enorme êxito do regresso aos mercados.

Mais uma passagem da entrevista (a que se fez alusão aqui):
- Em relação à emissão portuguesa, verificou-se uma mudança do tipo de investidores que participaram. Antes eram maioritariamente bancos e agora são hedge funds e gestores de activos. Porquê?

O primeiro factor é que o rating português está actualmente com o estatuto de "lixo". E isso é um problema porque os investidores institucionais estabelecem por vezes limites mínimos e tiveram de vender esses títulos e agora ainda não os podem comprar. Mas, com o programa de compra de obrigações do BCE, os gestores de activos vêem agora as obrigações portuguesas como um bom investimento, tendo em conta o que são as suas taxas de juro.
Embora no passado recente fossem vistas como um activo muito arriscado, agora parecem muito menos arriscados. E a verdade é que continuam a render quase 6% numa emissão a cinco anos. E se se acreditar que o BCE vai sempre apoiar o Estado português - e que o Governo vai fazer sempre aquilo que o BCE pede -, então este é um muito bom investimento. Principalmente, quando as taxas de juro na zona euro estão a 0,75%.

-Portanto, para si, como investidor, o que o atrai em Portugal é um risco relativamente baixo, com uma taxa de juro relativamente alta...

Actualmente, para investidores como eu, as obrigações de empresas estão com taxas de juro baixas e as obrigações de Estados como a Alemanha, o Reino Unido ou os Estados Unidos estão com taxas de juro abaixo de 2% nas emissões a 10 anos.
E, por isso, se se consegue encontrar um investimento em que se é adequadamente compensado pelo risco - e é o que eu acho que acontece no caso de Portugal, com taxas acima de 5,5% -, ficamos perante uma boa oportunidade.

-Também está a comprar dívida italiana e espanhola?

Não, de momento. Prefiro a dívida portuguesa, porque oferece taxas de juro mais altas. Acho que as taxas de juro até estão altas de mais.
Deviam estar ao nível das irlandesas, e eu penso que vão ficar quando conseguir o acesso total ao mercado e solicitar ao BCE a aplicação do programa de obrigações.
Não acho que o BCE vá chegar a comprar qualquer obrigação, mas o simples facto de esse programa ser activado vai fazer baixar as taxas de juro.


De 'Bomba' do incompetente e Doloso desGov. a 25 de Fevereiro de 2013 às 13:21
Marcelo diz q. Passos tem de reconhecer q. FALHOU
e considera qu. a revisão em baixa das previsões económicas do Governo foi uma "BOMBA" ...

---------------
Agora até o prof. Marcelo já culpa os ERROS/previsões (incompetência) de Gaspar e defende a Necessidade de MUDAR de política ...

- E para quando a exigência de os RESPONSABILIZAR pelas políticas de Destruição, desemprego, falências, suicídios, ... empobrecimento, sucessivas privatizações/vendas de património a preços 'd'amigo', ... a incompetência e Nepotismo do seu desGoverno ... ??!!
--------

Mas afinal vamos passar o resto da vida a assistir que os políticos falhem consecutivamente com Dolo ou não e fica sempre o mesmo de sempre a pagar as asneirolas que cometem?
---------

No que diz respeito a falar aos portugueses, francamente, não imagino o que possa explicar e prometer
depois das promessas feitas, da política seguida que tem todo o mundo português a gritar-lhe que assim não, que assim dá cabo resto e tudo o mais que todos sabemos bem o que se tem passado.

Claro, como v. será do Partido, nem quer perceber o que significa essa falha para os portugueses.
Isto não foi uma pisadela em que se pede desculpa e seguimos assobiando.

Falhou, porque nunca poderia ter êxito porque não sabe senão seguir as ordens do FMI.
Falhou agora e sempre falhará.
Como governo falhado que passou a ser
deve assumir que não falhou só numa disciplina, falhou em todas, perdeu o ano lectivo e nós perdemos meses de salários e pensões, empregos e ajudas sociais.

Mas v. está mais preocupado com as consequências (eleitorais e implosão do PSD) para a Coligação do que do DESASTRE para o país.

E, deve ser assim desta vez falhei mas para a próxima é que vocês vão ver a minha pontaria. Isto é algum jogo de bilhar?

-----------


De .Dívidas Públicas, Ag, Rating, Mercad... a 25 de Fevereiro de 2013 às 12:11

E ainda há quem culpe o tamanho da dívida pública

Portugal, final de 2010 :
A dívida pública atingia os 93,5% do PIB.Este crescia a 1,9%.
Algumas semanas depois o país pedia assistência financeira.

Reino Unido, final de 2012 :
A dívida pública atinge os 95,4% do PIB. Este está estagnado.
Algumas semanas depois, uma (e apenas uma) das três grandes agências de notação baixa a sua nota de AAA (o máximo) para Aa1.


Todos os dias ainda ouvimos paralelismos entre esta intervenção externa e outras duas há 3 décadas atrás, culpabilizações do despesismo do Estado e a necessidade de o reduzir. Deficiências estruturais do €uro, não será certamente.
A fé de um católico fervoroso dificilmente teria tanta força.

(-por Miguel Carvalho, 23/2/2013, Esquerda Republicana)


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO