De Governos apoiam RAPINA... até...? a 18 de Março de 2013 às 11:55
O momento cipriota

O que se passou hoje no Chipre mostra como a crise europeia ainda não bateu no fundo. A partir do momento em que o dinheiro que está no banco já não é de quem o depositou, o Chipre é a Argentina e Portugal para lá caminha.

Por enquanto, os banqueiros ainda têm governos em Portugal, na Grécia e no Chipre que permitam a rapina.
Mas quanto tempo passará antes de acontecer algo de politicamente muito violento?


De Alta Finança (+troika) rouba cidadãos a 20 de Março de 2013 às 11:48
------ A vergonha/crime poderia ter sido evitada pelos que comandam este nosso futuro incerto,
pelos que pela ganância de poder tanto protegem o sistema bancário e financeiro desregrado,
actuando à rédea-solta;
de uma empresa pública russa (Gazprom) vir dizer que se necessário resgata um país da UE.

------ Quem pos Chipre neste estado foram financiamentos
e investimentos especulativos dos bancos.
As pessoas nao tem de pagar os seus erros.

Que deixem falir os bancos!

-----O alemães o dinheiro deles é o nosso dinheiro
É precisamente isso que eu quero! Fiquem com o marco valorizado e deixem os outros países sossegados.

Não sei se já reparou, mas esta crise está a engordar escandalosamente a alemanha. Com a crise,o capital foge todo para a alemanha a taxas de juro negativas (ou seja a alemanha cobra dinheiro para "guardar" o dinheiro), de seguida a alemanha empresta o dinheiro a 3 ou 4%. Resumindo a alemanha empresta o dinheiro dos outros países..........aos outros países com uma boa margem de lucro. Grande negócio! Não acha!
--------


De Banqueiros q. paguem a falência. a 20 de Março de 2013 às 12:02
Três notas sobre o Chipre e a banca

1- O que se tem passado no Chipre por estes dias ilustra eloquentemente como funciona a banca.
Os depositantes são, antes de tudo, credores do seu banco.
O que está aqui em causa não é um imposto, mas sim o CUSTO da FALÊNCIA de dois gigantescos bancos e a forma como os credores são afectados.

2- Os depositantes não são credores como os outros. Dada a função social da banca enquanto guardiã das poupanças, o Estado garante parte dos depósitos em caso de falência.(geralmente até 100.000euros por depositante)
Foi essa garantia – da qual depende a confiança dos depositantes – que foi colocada em causa pela troika ao penalizar os depósitos abaixo dos 100 mil euros.
A confiança que já não é recuperável aconteça o que acontecer.

3- Os depositantes devem ser os últimos a serem afectados por uma falência bancária e, mesmo assim, de forma limitada graças às garantias públicas.
No caso cipriota, não se percebe porque é que os outros credores não são afectados prioritariamente, nomeadamente todos os empréstimos inter-bancários (ver os diferentes azuis do gráfico abaixo, retirado deste artigo).
A única justificação é o poder de cada credor face ao poder político.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres