NARRATIVAS, MORDOMIAS E MONSTRUOSIDADES

A direção do PS calou, em absoluto, a reentre de Sócrates na política, comentada e não desejada pelo povo. Como não sou da direção socialista nada me impede de o fazer, a mim e a ninguém que sofre, vítima de erros e do “voluntarismo excessivo” do honesto e honrado cavalheiro.

O “feroz animal político” que, candidamente, entregou vários Orçamentos de Estado aos gurus das PPP e a economia (estatal e familiar) aos irmãos (da Opus Dei e Maçons) banqueiros, está de volta. Sendo verdade que mais de milhão e meio de espectadores só colaram ao televisor para o ver e ouvir, na passada 4ª feira, quer dizer que não só passaram cartão a Sócrates como lhe atribuíram carta de alforria do passado para o futuro.

Pode carpir lágrimas de crocodilo à vontade, seja em entrevistas ou comentários. Pode criticar os atuais escavadores das desgraças alheias com emoção ou frieza de espírito, José Sócrates por mais que se explique não alivia a brutal carga que os portugueses sentem na pele todos os dias.

Apesar de tudo isso, sem réstia de dúvidas, as memórias são mesmo curtas e, a avaliar pela triste mediocridade dos atuais políticos, é caso para dizer “volta Sócrates, estás perdoado”.

Contudo, nada adiantaria branquear a situação ou negar factos. Sócrates não é o único nem é o maior dos monstros que nos caíram em cima. De monstros já falou e agravou o “escavador” Cavaco Silva quando exerceu as funções de Primeiro-ministro e quando tudo fez para colocar na caverna do poder os ditos Passos, Gaspar, Moedas, Portas …

Agora como em outros tempos o verdadeiro Monstro é o sistema de funcionamento partidário e a sua concomitante relação com o Estado. O monstro deriva da promiscuidade dos governantes, na vertente de financiamento partidário e de quem internamente se apropriou dessas estruturas, com os respetivos partidos. O verdadeiro monstro é a atual forma orgânica dos partidos e a sua relação com a democracia, sem o mínimo de ética nem transparência.

Como e bem referiu o anterior Procurador-Geral da República, Pinto Monteiro, não é a Constituição que se tem de adequar aos programas eleitorais dos partidos e dos governos mas sim estes a submeterem-se à lei soberana.

Urge que o eleitorado assuma o seu verdadeiro papel de cidadania e o exercício de uma democracia mais direta e mais verdadeira, materializando, assim, a premissa de que, efetivamente, é “o povo quem mais ordena…”.

Vale a pena ver e ouvir! http://www.youtube.com/watch_popup?v=tJj0H5C-uhc  



Publicado por Zurc às 10:08 de 04.04.13 | link do post | comentar |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO