O QUE FIZERAM AO MEU DINHEIRO?
 

Teoricamente, vivemos, desde o 25 de abril de 1974 ou sendo mais rigoroso e descontando o período do PREC, desde as eleições da primeira Assembleia Constituinte, em democracia.

Supostamente, os eleitos governam em nome e com o dinheiro do povo. Não seria tempo de, cada um de nós individualmente e todos de forma organizada, perguntarmos aos políticos “o que fizeram ao meu/nosso dinheiro?”

Vejam que não foi só o resultante dos pesados impostos mas “sacaram” também o que havia numa série de fundos de pensões de sectores de atividade e empresas públicas ou privadas como a MARCONI, os CTT, os CORREIOS, a CARRIS, os BANCARIOS, entre muitas outras.

É caso, mais que suficiente, para perguntarmos aos políticos o que fizeram ao nosso dinheiro.

Tarda em seguirmos o exemplo da Islândia e agora do Chipre, para que seja criada uma comissão ad hoc, nomeada pela Procuradoria-Geral da República, com plenos poderes de investigação para encontrar os responsáveis pelos diversos monstros financeiros, que têm engolido e continuam a engolir a riqueza produzida e parte da que se produzirá no futuro.

Muito se escreveu sobre “a auditoria à divida publica” parece ter caído no esquecimento tal iniciativa ou esbarra na indiferença dos tubarões.



Publicado por Otsirave às 13:22 de 05.04.13 | link do post | comentar |

1 comentário:
De .Aberrações Públicas- Divulgar e Acabar a 5 de Abril de 2013 às 17:45
: REFORMA DOS ORGÃOS DE SOBERANIA

Para que os responsáveis políticos ponderem, não só em relação à reforma de funcionamento de alguns orgões de soberania,
nomeadamente,
quanto às remunerações que auferem no desempenho dos cargos políticos e públicos,
ao excessivo número de deputados e de assessores dos ministros, secretários de Estado e da Presidência da República.

Também a reforma da Justiça é um imperativo nacional, uma vez que a que temos é excessivamente lenta e não criminaliza os políticos e os chamados crimes de "colarinho branco".

---------------------------------
Deputados ingleses... Pelos vistos, a palavra xulo não existe por estas bandas.... DEPUTADOS NO REINO UNIDO...!

Não é de estranhar, mas é interessante saber... como tudo é diferente...

Os deputados do Reino Unido, na "Mãe dos Parlamentos",

1 . não têm lugar certo onde sentar-se, na Câmara dos Comuns;

2 . não têm escritórios, nem secretários, nem automóveis;

3 . não têm residência (pagam pela sua casa em Londres ou nas províncias) -
Detalhe: e pagam, por todas as suas despesas, normalmente, como todo e qualquer trabalhador! -;

4 . não têm passagens de avião gratuitas, salvo quando ao serviço do próprio Parlamento;

5. E o seu salário equipara-se ao de um Chefe de Secção de qualquer repartição pública!

Em suma, são SERVIDORES DO POVO e não PARASITAS do mesmo.

----------------------------

A propósito, sabiam que, em Portugal, os funcionários não deputados que trabalham na Assembleia têm um subsídio equivalente a 80 % do seu vencimento?

Isto é, se cá fora um técnico ganhasse 1000,00 €, lá dentro ganharia 1800,00 €.
Porquê? Profissão de desgaste rápido???

E por que é que os jornais não falam disto?

-----------------

E porque é que um trabalhador nos Serviços de Registos/notariado, ou nas Finanças, ou ... recebe «emolumentos» (tipo participação nas Receitas cobradas aos clientes/cidadãos) que às vezes equivalem a um outro vencimento ?! ... enquanto os trabalhadores das carreiras gerais nada mais recebem (em funções e categorias semelhantes). ?!

E porque é que existem tantas carreiras especiais ?!,
tantas remunerações e regras diferentes ?!,
tanta confusão e falta de transparência na 'organização' e procedimentos dos serviços públicos ?!

Não será a «velha política» de « dividir para reinar» e de « quem parte e reparte e não fica com a melhor parte, ou é tolo ou não sabe da arte (...)»


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO