Quinta-feira, 11 de Abril de 2013

    Impasse:  As  três  saídas  para  a  crise  política  (III)   (-por Daniel Oliveira)

--      Pelas razões que já expus, a continuação deste governo não resolverá nenhum problema. Como se viu na forma como lidou com o chumbo do Tribunal Constitucional, o governo está sem rumo. A sua única função, neste momento, é a de uma comissão liquidatária: antes de cair, garantir brutais cortes na saúde, educação e segurança social, que transfiram estas funções para os privados. Da saída do País da crise, nada resta. Apenas a agenda ideológica que sempre moveu Passos Coelho, uma extraordinária incompetência e um discurso punitivo que desmoralize os portugueses e os torne impotentes perante todos os abusos.

      ... A descrença dos portugueses no sistema político, que pode ser aferida pela dicotomia entre uma inevitabilidade que nos leva para um buraco e a pouca credibilidade nas alternativas e nos sujeitos políticos que as deveriam protagonizar é o resumo da mais profunda crise política que um país pode viver.

     ...    Perante o agudizar da crise e a inexistência de respostas alternativas de um primeiro-ministro que, perdido o seu rumo (por falhanço evidente), navegará à vista e tentará usar o tempo que lhe resta para impor uma agenda que destruirá a coesão social do País, a queda do governo é apenas uma questão de tempo. De pouco tempo.    Se não cair quando os números da execução orçamental forem realmente conhecidos, cairá no segundo resgate.    Se não cair no segundo resgate, cairá nas autárquicas.     Se não cair nas autárquicas cairá no próximo orçamento. Isto, claro, se não cair por causa de mais um pequeno escândalo que entretanto aconteça. Como se viu este fim de semana, a vontade de acabar este ciclo cresce dentro do próprio governo. Qualquer abanão chegará para o fazer cair.    Pior agora do que daqui a uns meses?   porquê?

 --    A alternativa que alguns têm apresentado para a evidente fragilidade do governo, que o torna incapaz de definir soluções estruturantes para sair desta crise, tem sido a de um governo de iniciativa presidencial.

     ...    Imaginemos, no entanto, que o Presidente conseguia encontrar alguém capaz de conquistar o apoio e a credibilidade para formar um governo. Silva Peneda, por exemplo. Sendo certo que a esse governo faltaria um programa anterior às eleições, não seria de esperar que tivesse condições para impor uma alternativa que não passe, no fundamental, pela aplicação do memorando da troika. Ou seja, para aplicar medidas de austeridade.

     A minha dúvida prática é esta: pode um primeiro-ministro que não passou pelo crivo eleitoral (mesmo que tenha o apoio maioritário do parlamento) impor uma única medida de austeridade sem ficar numa situação muito frágil? Manter-se-á o apoio maioritário do Parlamento, sem a lealdade partidária que geralmente o garante, ao primeiro falhanço? Quantos meses duraria um governo assim? Três meses? Quatro? Ganhamos alguma coisa em ter duas crises, a formação de dois governos, em vez de uma crise, umas eleições e a formação de um governo?

     ... Porque, nas democracias parlamentares, a legitimidade de um governo vem do Parlamento. Mas a legitimidade política mais profunda não dispensa eleições. Ainda mais em cenário de crise. E mais ainda, perante uma intervenção externa.

     A solução de um governo de iniciativa presidencial não só não resolve nada, adiando problemas, como se arrisca a criar bloqueios bem mais graves que degradarão ainda mais a situação política e a democracia portuguesa.

 --    Restam, assim, as eleições. Esta solução tem sido tratada como uma tragédia pela maioria dos comentadores e agentes políticos. A forma como cada vez mais gente vê as eleições como um problema, em democracia, deveria chegar para nos preocupar.  ...

     As eleições servem exatamente para vencer impasses. Depende do eleitorado se os resolvem ou não. Quando não os resolvem sabemos que os impasses não são apenas do mundo político, mas do país inteiro. No entanto, fugir dessa clarificação é atirar problemas para a frente.

     É, no entanto, de prever que das eleições, que muito provavelmente seriam ganhas pelo PS, não saia uma solução maioritária. E ainda menos provável que saia um governo com forte capacidade de mobilização para impor renegociações vigorosas do memorando e da dívida, com todos os riscos inerentes a esta escolha, e capaz de procurar aliados externos para um combate europeu.

    Sem maioria, ou o PS governa sozinho, e teremos um governo de meses, ou encontra parceiros. E aí, não se fazem milagres. Ou se alia ao CDS (se este chegar) e teremos um governo esquizofrénico, ou se alia ao PSD, e teremos um governo de gestão, incapaz de definir um rumo claro para sair da crise. Este governo só resolve os problemas para quem acredite que a forma de lidar com esta crise se resume a uma mera gestão das contas públicas. Ou seja, que não exige um diagnóstico claro e uma alternativa à austeridade.

 --    Restaria o que parece ser normal noutros países, mas aqui surge como impossível:    entendimentos entre os partidos de esquerda que permitam uma alternativa minimamente coerente. Um entendimento que tenha, nos seus objetivos, salvar o Estado Social, devolver dignidade ao País na sua relação com as instituições europeias e o FMI e romper o ciclo de empobrecimento que aposta na desvalorização da economia, contrariando a lógica perversa de um euro que, tal como existe, nos condena à asfixia económica. E é destes entendimentos à esquerda que falarei amanhã.



Publicado por Xa2 às 13:09 | link do post | comentar

4 comentários:
De .ultrapassar impasse na Esquerda. a 15 de Abril de 2013 às 11:03
...
Uma solução governativa desta natureza exige cedências de todas as partes.
O PS terá de assumir, de uma vez por todas, que o problema não é apenas a "austeridade custe o que custar".
Uma austeridade mais branda pode tornar a "espiral recessiva" mais lenta.
Serve para quem acredita, com base em não se sabe bem o quê, que haverá, muito brevemente, uma radical alteração no quadro europeu.
Quem duvide disso e mesmo assim defenda uma versão mitigada da austeridade está a enganar os portugueses.
A morte será mais lenta, mas a espiral recessiva regressará e, daqui a um ano ou dois, estaremos de novo em crise profunda e a aplicar as mesmas medidas que agora rejeitamos.

O Bloco de Esquerda e o PCP (os dois ou um deles) terão de aceitar negociar com os credores.
Não se pode defender a renegociação da dívida sem querer falar com aqueles a quem devemos.
E hoje os nossos maiores credores internacionais são institucionais. Ou seja: a troika.
Dizer que se quer renegociar a dívida e que não se quer falar com a troikaé uma falácia.
Mesmo assumindo, como eu assumo, que a troika é hoje a maior e mais poderosa inimiga dos interesses nacionais, é com os inimigos que se negoceia.
Com os amigos conversa-se.

Só que esta negociação pode correr mal. Se ela correr mal, poderemos ficar num impasse.
Ou metemos a viola no saco, e então não se pode falar de uma verdadeira negociação, ou usamos as duas únicas armas que temos:
sermos devedores e fazermos parte do euro.
No fim, se tudo correr ainda pior, podemos ficar sem financiamento e, no limite, sermos obrigados a sair do euro para nos conseguirmos autofinanciar (às consequências disto irei, repito a promessa, noutro texto).
E é aqui que a porca torce o rabo.
Chegados a este ponto, as divisões à esquerda deixam de ser as tradicionais. Esta é uma questão que divide transversalmente toda a esquerda.
Encontramos dentro do PS, do PCP e do BE quem considere a permanência no euro um tema tabu (a maioria) e quem já o comece a discutir como uma possibilidade a não descartar.
Ou seja, poderemos, num futuro próximo, chegar a um ponto onde as divisões da esquerda já não são as que eram e ultrapassam em muito as fronteiras partidárias atuais.

Um governo que nos queira realmente tirar desta crise é um governo que terá de saber lidar com uma enorme incerteza.
Certo, nesta crise, é que o caminho atual nos matará. Todas as alternativas não estão isentas de enormes perigos.
E, se os piores cenários se confirmassem, poderiam resultar numa pesada fatura política para quem as queira aplicar.
Mas, nos tempos que correm, os partidos e os políticos que não queiram correr este risco serão inúteis.

Seria bom que o estado do debate sobre os entendimentos à esquerda fosse o que aqui vou explanando. Mas não é.
A incapacidade da esquerda conversar nada tem a ver com a crise, com a troika e com euro. Ela tem, por um lado, a ver comum indisfarçável oportunismo, em que cada um anda a ver o que pode ganhar com o descontentamento das pessoas.
E, por outro, com um sectarismo histórico que vê qualquer conversa com o vizinho do lado como sinal de traição.

Um pequeno episódio recente ilustra bem o que aqui digo.
No concelho de Caminha, no Minho, PS, PCP e BE locais sentaram-se à volta de uma mesa para uma coligação que derrotasse o PSD.
O PCP concelhio acabou, por ordem da direção nacional, que interditou qualquer coligação em todo o País, por desistir.
O PS e o Bloco, depois de voltarem a tentar que o PCP se juntasse ao processo negocial, chegaram a um acordo, com base em princípios programáticos. Estava tudo pronto, até que os órgãos nacionais do BE entraram em campo. A Mesa Nacional do Bloco de Esquerda vetou o acordo já firmado.
Por razões que nada tiveram a ver com a situação em Caminha ou com divergências de programa.
Apenas com o argumento de que o PCP, que fora envolvido nas negociações de que saiu por decisão própria, não estava na coligação.
Ou seja, entregando ao PCP a estratégia nacional de alianças do próprio BE (com excepção para o Funchal).
O resultado será que o Bloco provavelmente nem concorrerá naquele concelho.
Conclusão: mais vale não ir a votos do que correr o risco de fazer qualquer entendimento à esquerda. Não vá o País pens


De .Esquerda: cuidado aprox. de Tempestad a 15 de Abril de 2013 às 11:14
...
Conclusão:
mais vale não ir a votos do que correr o risco de fazer qualquer entendimento à esquerda.
Não vá o País pensar que os partidos oposição falam a sério quando falam de um governo de esquerda.

Se um entendimento à esquerda é impossível, por razões de estratégia nacional, numas eleições locais, onde as divergências programáticas e ideológicas são muito menores, para derrotar o PSD, há três mandatos consecutivos de poder incompetente num concelho em crise,
quando tem ali existido uma razoável convergência entre os partidos da oposição (sendo que a proposta de coligação nasceu do BE local), imaginem no País.

Junte-se a isto as vozes de dirigentes do PS que repetidamente defendem, no caso provável do próximo governo ser minoritário, um governo de bloco central (ou a sua indisponibilidade para debater soluções fora dos limites do memorando da troika)
e temos um clima bem mais claro de indisponibilidades mútuas, sempre disfarçadas com outros argumentos.

E esta é, devo dizer, a maior razão do meu desalento:
perceber que todos os partidos querem ter razão, mas que são poucos os que estão disponíveis para arriscar a pele pela razão que têm.

Enquanto os partidos da oposição não perceberem que vivemos mesmo num momento de emergência nacional, em que são chamados a cumprir um papel histórico que, como sempre acontece nestas alturas, lhes pode correr mal, estaremos condenados a esta agonia.

Não aprendemos nada com a tragédia alemã dos anos 30, quando social-democratas e comunistas se guerreavam, enquanto os nazis de apoderavam do poder.
Com as devidas distâncias, é esta a situação em que os partidos de esquerda se encontram:
ou assumem as suas responsabilidades históricas ou estarão condenados a ser espetadores revoltados desta crise.
E os portugueses, suas vítimas submissas.

(-por Daniel Oliveira, 12/4/2013, Arrastão e Expresso online)


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS