Incompetência ou corrupção?

Ontem li no jornal Metro, o artigo infra, de Manuel Falcão, que me pareceu uma opinião que merece uma reflexão. Daí a liberdade de partilhar convosco o artigo.

"

Uma das curiosidades mais intrigantes dos últimos dias é a forma como as operações de swaps que mais prejuízos causaram em empresas públicas estão concentradas em número apreciável ligadas ao sector dos transportes. Podia ter acontecido noutras áreas, mas a verdade é que desde os Metros de Porto e Lisboa até à Carris ou Refer, é grande a concentração destas operações em empresas públicas tuteladas pelo Ministério dos Transportes, decisões tomadas praticamente em simultâneo, na época do Governo Sócrates. Por acaso foi também nos Transportes que surgiram as negociatas com as sucatas e as pressões para que fossem tomadas decisões de favor. No caso dos swaps alguns responsáveis financeiros dessas empresas, à época, já estão identificados. Mas a mim quer parecer-me que falta contar muita coisa: Quem apareceu com o negócio? Quem fomentou o negócio? Quem trouxe os bancos e os seus contratos? Foram os diretores financeiros ou eles limitaram-se a obedecer a instruções das suas administrações? A ideia de fazer do dinheiro dos contribuintes material para apostas arriscadas veio dessas administrações ou através da tutela? Quem montou um jogo de apostas ruinoso nas empresas públicas de transportes? Quando o dinheiro dos contribuintes se envolve em negócios privados, que terminam com um prejuízo colossal para o Estado e um lucro desproporcionado para os privados, a coisa merece atenção.

Pode ter sido incompetência: pode ter sido ambição; mas também pode ter sido corrupção. E convinha esclarecer isso - é que no fim do dia quem toma as decisões e gera prejuízos acaba olhando para a paisagem com ar intrigado -, mas os contribuintes são sempre quem tem de pagar a fatura dos disparates que outros fizeram em seu nome.



Publicado por Izanagi às 00:09 de 02.05.13 | link do post | comentar |

1 comentário:
De Incompetencia? a 2 de Maio de 2013 às 19:01
Incompetência ? olhe que não, olhe que não!Corrupção talvez e muita. então o pagode não quis festas e inaugurações? Alguma vez perguntou como, quem, e quando se pagava o foguetorio?
O caro Izanagi alguma vez leu algum Relatório & Contas de alguma dessas empresas? Não se preocupe com tal falha, os politicos que mandaram pedir o dinheiro emprestado também não leram, mas, estão lá os valores das dividas e dos contratos com as ditas SWAPs.
Já um "correligionario" seu aqui do blog escreveu qualquer coisa sobro o tema, não leu?
Os politicos gostam muito de lavar roupa soja mas contiuam uns porquitos, não é?


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO