Neoliberais e alta finança infiltram e "condicionam" governos e políticas

Os homens do Goldman Sachs no governo que pediu a intervenção estrangeira   (-por R.Narciso)

  Os portugueses que votaram no PSD/Passos julgaram que estavam a votar no partido de Sá Carneiro e na política que o candidato falsamente anunciava. Afinal votaram na política do Goldman Sachs, do Lehman Bothers, do Morgan Stanley e do BES.           Senão vejamos:
Numa entrevista à revista Sábado, esta semana, João Moreira Rato, presidente da Agência de Gestão do Tesouro e da Dívida(IGCP, que emitia certificados de aforro - e porque deixaram de vender dívida pública/C.Aforro directamente aos particulares e só a vendem aos bancos, com bom juro/lucro para estes ?!!) dá-nos as pistas.
    Fez tese de doutoramento em Chicago, na escola do neoliberalismo radical e segundo o próprio, tinha (e suspeito que mantém) uma visão exacerbada desta teoria monetarista cujo mais conhecido guru é Milton Friedman, o Nobel que se prestou a ir a Santiago ajudar o ditador Pinochet a aplicá-la no Chile.
    E por onde é que andou o Sr João Rato antes de ir para o governo de Vitor Gaspar? Andou pelo Lehman Brothers que faliu e despoletou a grande crise nos EUA e abala a UE, pelo Morgan Stanley, pelo Goldman Sachs o banco através do qual a alta finança internacional mais ostensivamente controla governos nos EUA e na Europa, vide o caso de Mario Monti, ex-PM italiano, e Lucas Papademos, novo PM grego ambos importantes quadros do Goldman Sachs. 
   Aqui João Rato relacionou-se com Carlos Moedas e António Borges, outro elemento chave do govermo de Passos Coelho, encarregado de preparar a privatização das empresas essenciais ao funcionamento do país (EDP, REN, TAP, RTP, CTT, CP, ...). Mas João Rato também se relacionou patrioticamente com bancos nacionais. De acordo com a entrevista criou um fundo de investimento a "NAU Capital" com dinheiro do BES, por exemplo.
    Com esta rodagem nos "melhores bancos" da grande especulação financeira, com vocação para condicionar e infiltrar governos, João Rato revelou a sua apetência para a política e sacrificou mesmo um salário melhor por uns minguados 10.800 €, quase 2 vezes o ordenado de 1º M, apesar daquela decisão do Governo de limitar ao vencimento do 1ª M os ordenados destes empregados do Estado.
     O sr. João Rato iniciou-se na política no Gabinete de Estudos do PSD a convite de Carlos Moedas mas esclareceu, o que julgo ter sido desnecessário, que não era social democrata mas liberalTendo dado boas provas, suponho que revelando-se um "exacerbado" fiel da escola de Friedman, Vitor Gaspar que é quem verdadeiramente define a política do governo, convidou-o para presidente da IGCP.
    Por tudo isto concluo como comecei:      os portugueses que votaram no PSD/Passos julgaram que estavam a votar no partido de Sá Carneiro e na política que o candidato falsamente anunciava.  Afinal votaram na política (dos"Bangsters") Goldman Sachs, do Lehman Bothers, do Morgan Stanley e do BES.


Publicado por Xa2 às 13:59 de 22.05.13 | link do post | comentar |

1 comentário:
De .infiltrados do Império BANGSTER. a 22 de Maio de 2013 às 16:18
Traição (de infiltrados e fantoches do império BANGSTER)

Forçar o país a afundar-se na crise financeira para contar com o apoio de forças estrangeiras para se impor uma política contra a vontade de um povo
e com base em eleições onde foram apresentados FALSOS programas de governo tem um nome, é alta traição e os CRIMINOSOS que cometeram este crime devem ir a julgamento.

Não há lei que o permita?
É fácil de resolver o problema, adoptam-se os princípios desta gente em matéria de constitucionalidade e publicam-se leis penais à medida dos seus crimes para os poder julgar e condenar com efeitos rectroactivos,
Isto é, trata-se o cão com o seu próprio pêlo, faz-se aos sacanas o que eles querem fazer a todos os que a título de salário ou de pensões são remunerados pelos Estado, retiram-se os direitos e aplica-se-lhes leis retroactivas.

(-por OJumento, 13/5/2013)
-------------

O vírus de Lisboa
(21/5/2013,OJumento)

Parece que os nossos banqueiros, gente honesta, cumpridora, respeitadora dos princípios da legalidade e grande defensora do interesse nacional, estão preocupados com o vírus do Chipre,
diz a comunicação social que todos os dias fazem as continhas aos depósitos não vá alguém pôr-se ao fresco.
Parece que o senhor Costa, bancário com alguns conhecimentos de economia que cuida do rebanho financeiro, também anda sobressaltado com o assunto.

Isto é, os mesmos senhores que promoveram a gangrena na economia e na sociedade, ao ponto de conduzir o país ao desastre,
os mesmos bandidos que andaram anos a instalar offshores e a ajudar os seus clientes de primeira a colocar uma boa parte da riqueza nacional longe do país,
os mesmos gestores responsáveis por esse imenso transvase da riqueza nacional para o estrangeiro,
estão agora preocupados como vírus do Chipre, como se o vírus do Chipre fosse mais perigoso para a economia portuguesa do que o vírus de Lisboa.

Quem os ouve até pode ficar a pensar que nenhum banco português foi vítima da fuga dos depositantes
ou que são tão sólidos e honestos que precisam de ser infectados pelo vírus do Chipre.
Não terá sido antes o Chipre a sofrer com algum víus de Lisboa?
Não terão sido as mafias lisboetas envolvidas na banca portuguesa a ensinar às mafias russas os esquemas financeiros da banca?
Um dia destes ainda vamos descobrir que por lá há um Dias Loureiro com apelido grego e até mesmo algum sindicato de magistrados a organizar congressos numa ilha grega financiados por banqueiros.

Quem ouve falar os nossos banqueiros pode ficar a pensar que processos como o Monte Branco, o BPN ou a Operação Furacão aconteceram no Chipre.
Ou que os primeiros bancos a terem pedido ajuda estatal foram os bancos cipriotas.

O vírus de Lisboa é bem mais perigoso do que o vírus cipriota, é um vírus que corrompeu vastos sectores da Administração Pública,
que instalou centenas de off shores para exportar a riqueza nacional para esquemas corruptos e duvidosos,
é um vírus que corrompe a classe política ao mais alto nível,
é um vírus que patrocina sindicatos de magistrados altamente envolvidos nos golpes políticos.

O vírus de Lisboa é um vírus de cura difícil e que chega a tomar conta de todo o organismo,
quando receou o perigo foi capaz de forçar o país a um pedido de ajuda internacional e hoje, quando toda a economia portuguesa está à beira do colapso, a banca é o único sector que recupera.
Não admira que sejam os grandes portadores do vírus de Lisboa a virem sistematicamente a público defender as políticas do governo.

Quem forçou o governo a pedir ajuda?
Quem tem mais funcionários em altos cargos governamentais?
Quem é ouvido sistematicamente pelo poder?
Quem recebeu milhares de milhões de empréstimos com a garantia de que os juros lhes seriam devolvidos?
De quem se disse que iam ser controlados pelo rigoroso Gaspar e agora se sabe que pagam chorudos prémios a gestores de competência duvidosa?

Começa a ser tempo de os portugueses se curarem do vírus de Lisboa e há duas formas de isso suceder,
ou o país expropria os bancos de banqueiros corruptos e oportunistas
ou terão de ser os cidadãos a levá-los à falência em defesa da democracia.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO