Palhaços

 

 

 

 

Quando eu fui menino só se viam palhaços no circo, em tempos natalícios, no fim de cada ano civil.

A vida era coisa seria ainda que, como hodiernamente, houvesse muita miséria.

Agora levam-nos ao engano, com a democracia o circo é todo ano, e vemos palhaços todos os dias.

Há palhaços ricos que vivem em certos condomínios fechados, ali para o Restelo, na Freguesia de Belém. E com altos cargos também.

Por todo este país, desde o interior desertificado, onde alguém mandou arrancar vinhas e olivais. Onde outros mandaram retirar maternidades além de outros serviços estatais;

Nos bairros mais diversos das cidades, em que só alguns são sociais, vivem os palhaços pobres que suportam as mordomias, além de termos de pagar as más (boas para quem obteve chorudos lucros) acções de BPNs e luxuosas mansões algarvias, de certos palhaços ricos.

Sempre houve palhaços, uns ricos e outros pobres. Os bons palhaços, ricos ou pobres, costumavam fazer-nos rir, agora há palhaços que nos fazem chorar. deve ser por isso que se não assumem.

É a vida de uma sociedade que continua feudal, de servos e senhores.



Publicado por Zé Pessoa às 12:08 de 29.05.13 | link do post | comentar |

3 comentários:
De Os palhaços e os filhos da puta a 1 de Junho de 2013 às 13:41
Os palhaços e os filhos da puta
Ramada Curto foi um advogado e jornalista bastante popular do meio teatral e jornalístico lisboeta da primeira metade do século XX, tendo intervindo nalguns dos processos-crime mais célebres do seu tempo.
Uma das suas histórias judiciais que ficaram célebres teve a ver com a defesa de um arguido acusado de chamar “filho da puta” ao ofendido, expressão que, na altura, era considerada altamente ofensiva. Nas suas alegações, Ramada Curto começou por chamar a atenção do juiz para o facto de, muitas vezes, se utilizar essa expressão em termos elogiosos (“Ganda filho da puta, é o melhor de todos”) ou carinhosos (“Dá cá um abraço, meu grande filho da puta!”), tendo concluído as suas alegações da seguinte forma: “E até aposto que, neste momento, V. Ex.ª está a pensar o seguinte: “Olhem lá do que este filho da puta não se havia de ter lembrado só para safar o seu cliente!...”.
Chegada a hora de sentença, o juiz vira-se para o réu e diz: “O senhor vai absolvido, mas bem pode agradecer ao filho da puta do seu advogado”.
Isto vem a propósito de recente afirmação de Miguel Sousa Tavares, que fez a capa do Jornal de Negócios, de que nós já teríamos um palhaço que se chamava Cavaco Silva. O que tu foste dizer?!... Em Portugal, os nossos políticos são todos muito susceptíveis e o povo muito reverente. Em Portugal, um político pode arruinar uma autarquia ou um país, enriquecer os amigos e a família e lançar o povo na miséria, destruir lares, famílias e vidas, que não lhe acontece nada. Mas, se alguém chama “palhaço” a um político, tem logo o procurador e a polícia à perna.
Eu até compreendo que certos políticos não gostem que lhes chamem “palhaços”, porque, efectivamente, os únicos e verdadeiros palhaços nesta história não são os eleitos mas quem os elegeu. Com efeito, por muito que nos custe reconhecer, os palhaços somos nós, o povo eleitor, que, durante os últimos vinte anos, temos eleito e sido governados pelos ofendidos da história de Ramada Curto.
Santana-Maia Leonardo,
Ponte de Sor
(Jornal Público, Cartas ao Director, 28-05-2013)


De Palhaço, eu? a 29 de Maio de 2013 às 16:23
Toda a palhaçada será castigada
Por: JOÃO MIGUEL TAVARES
Portugal tem a agradecer ao senhor Presidente da República o facto de ter vindo relembrar o povo, neste momento tão importante da sua história, que existe um artigo no Código Penal Português - o 328.º - que atribui ao titular de um cargo político um direito de protecção da honra que não é reconhecido a mais ninguém. Portugal é uma originalidade nesta matéria? Não, também há leis semelhantes em França ou Itália, mas sobretudo em países africanos, do Leste europeu, islâmicos ou latino-americanos. Digamos que, à medida que o amor à liberdade de expressão diminui, a protecção da honra dos presidentes aumenta, e por isso é particularmente triste ver Cavaco a enviar queixinhas para a Procuradoria-Geral da República porque Miguel Sousa Tavares lhe chamou palhaço.
Não custa perceber que este resquício do crime de lesa-majestade que perdura no nosso código penal é especialmente ofensivo nos tempos que correm, mas parece faltar ao excelentíssimo senhor professor doutor Presidente Cavaco Silva sensibilidade suficiente para entender que, num país garroteado pela austeridade, mais insultuoso do que alguém chamar-lhe palhaço é ele ocupar o tempo do Ministério Público com palhaçadas. Mais. Numa democracia saudável, não só não faz sentido que a honra do Presidente da República seja mais protegida do que a de um cidadão comum, como, pelo contrário, a sua honra deveria estar mais exposta, enquanto titular de poder, ao exercício da liberdade de expressão.
Nos Estados Unidos, esse país tão atrasado, insultar o Presidente é perfeitamente legítimo. Não se pode ameaçar o Presidente, mas insultá-lo, sim. Em 2006, no caso Guiles v. Marineau, uma escola foi condenada por impedir um aluno de envergar uma t-shirt ofensiva para com o então Presidente George W. Bush, e ainda na passada quinta-feira Barack Obama teve de aturar várias intervenções muito desagradáveis por parte de uma activista anti-drones, que insistia em interrompê-lo enquanto discursava.
Mas a verdade é que o respeitinho está tão entranhado na nossa pele que até o habitualmente ousado Miguel Sousa Tavares se desdobrou em actos de contrição, acabando a sacudir a água do capote para cima da jornalista que o entrevistou. "Fui atrás da pergunta", disse ele. "Não é uma coisa que me tenha saído espontaneamente." Se, em vez de perder tempo a desenvolver o curioso conceito de insulto espontâneo dito de forma não-espontânea, Miguel Sousa Tavares tivesse ido pesquisar o leque de crimes contra o Estado previstos no código penal, teria encontrado, vinte artigos antes do 328.º, o 308.º. Após essa descoberta bastar-lhe-ia enviar à PGR um bilhetinho a dizer: "Solicito que analise o comportamento do Presidente da República à luz do artigo 308.º do Código Penal."
Afinal, código penal com código penal se paga, e isto dos políticos quererem os direitos sem cumprirem os deveres já começa a enjoar. Ora, o artigo 308.º penaliza - e bem - a traição à pátria por parte de quem exerce funções de soberania. Reza assim: "Quem ofender ou puser em perigo a independência do País é punido com pena de prisão de 10 a 20 anos." Ora, se a honra do Presidente está ofendida, qualquer tribunal concordará que muito mais ofendida está a independência e a honra do país. Portanto, se Miguel Sousa Tavares for para a cadeia, parece-me de elementar justiça que Cavaco Silva seja o seu companheiro de cela.


De Zé T. a 30 de Maio de 2013 às 11:25

Excelente texto/comentário.

A contínua palhaçada deles é que ofende e castiga os cidadãos, os trabalhadores que pagam impostos, os reformados e mais ainda os desempregados - isso é que é um Crime e os Portugueses devem exigir mudanças e responsabilidades aos governantes/dirigentes deste país.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO