POVOS, POLITICOS E CONTRATO SOCIAL

Algumas vozes de tão frágeis, são quase rentes ao chão, que aqui e ali se vão levantando e quase ninguém as ouve. Uns cegos, outros surdos, muitos mais ainda por conveniência dos próprios interesses nos benefícios já conseguidos ou a reboque de esquemas, mais ou menos tardios mas sempre prometidos, farejam por dentro dos aparelhos partidários as suas mesquinhas oportunidades.

Os partidos democraticamente apodrecidos, submetem-se a compadrios e corrupções. Aprisionados pelo servilismo bacoco, os partidos atuais, colocam o aparelho do Estado e os próprios aparelhos internos ao serviço de grupos de extorsão da riqueza estatal e da subversão do regime democrático.

A PIDE, a MOCIDADE PORTUGUESA e a LEGIÃO foram organismos criados pelo regime salazarista e só desapareceram estruturalmente. O povo português não conseguiu, ainda, varrer dos seus hábitos e cultura de tais pigmentos.

Socialmente, enquanto povo e cada um, continuamos agarrados (com estes partidos aumenta) a esquemas feudalistas que em certos casos já envergonhariam o próprio Salazar.

É um lugar-comum dizer-se que “cada povo tem os políticos que merece”. Não corresponde, de todo, a um rácio razoável da relação políticos/sociedade: ainda que poucos, há políticos bem escolhidos, raramente se aguentam muito tempo em exercício (os aparelhos não gostam deles); quanto ao povo as crianças e os idosos tornam-se as maiores vitimas dessa inverdade relativa.

Fala-se demasiado em consensos, coisa difícil de se obter. Porque não trabalhar em compromisso mínimos, sem perder a face do essencial das diferenças de cada um e de cada grupo?

Na modesta opinião de uma voz frágil, como a minha, a fundamental razão de estarmos nas atuais circunstâncias deve-se à conjugação da evolução tecnológica globalizadora e à incapacidade de exercício da cidadania individual e colectiva.

A Europa parece ter perdido as raízes culturais e valorativas. Em cada país, componente do seu mosaico cultural, a forma de exercer a política uniformizou-se, dentro das piores praticas corroendo o que de melhor havia nas relações sociais e no contesto do “Contrato Social”.

Urge que os povos se revoltem exigindo uma refundação partidária e um renascimento do Contrato Social, consubstanciando novas formas de exercício da política, tanto representativa como direta. Todos os povos merecem políticos honestos, desde que a maior parte dos cidadãos o sejam também.



Publicado por Zé Pessoa às 12:16 de 20.06.13 | link do post | comentar |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO