ELEIÇÕES | PROPOSTA

Meus Caros,

Se estão a admitir, nas próximas eleições, votar em branco ou nulo, por descrença nos partidos, esqueçam: Existe outra opção que dá menos trabalho e poupa imensa dinheiro ao estado, isto é, a todos nós:

- Pura e simplesmente, não votar: A abstenção!

E porquê?

Porque de acordo coma lei do Financiamento dos Partidos Políticos e das Campanhas Eleitorais: Lei n.º 19/2003, com a s alterações introduzidas pelo Decreto-Lei 287/2003, a Declaração de Retificação n.º 4/2004, mais a Lei n.º 64-A/2008 e a Lei n.º 55/2010 (ufa…!) cada voto expresso vale para os partidos políticos 1/135 do salário mínimo nacional por cada ano de legislatura. Ou seja: 3,60€ por cada voto expresso x 4 anos = 14,40€ pelos 4 anos.

E isto mesmo no caso dos votos em branco ou nulos. Pois esse valor é distribuído por todos os partidos concorrentes às eleições.

Portanto só a abstenção é que não lhes dá pívia nenhuma!

E sabem qual é a quantia estimada de poupança se os 5 milhões de eleitores não comparecerem às eleições? Mais ou menos 70 milhões de euros de poupança ao estado!

E isto são números, portanto são factos!

E em época de austeridade quem disse que nós, os «Zés», não podemos ajudar e reduzir a despesa do estado? Aqui fica uma sugestão à vossa consideração:

- Deixemos os «cabeçudos» a votarem neles mesmos… Assim como assim, eles são eleitos na mesma e nós poupamos umas «lecas» a nós próprios e eles se quiserem mais «cacau» tem que se autofinanciar. Fica a ideia.

 

 
E aqui fica uma musiquinha para ajudar a refletir na proposta aprentada...


Publicado por [FV] às 09:10 de 07.08.13 | link do post | comentar |

11 comentários:
De Izanagi a 8 de Agosto de 2013 às 15:09
este artigo merece uma correção: o que a Lei diz é que o financiamento ( parte dele) resulta do numero de votos que os partidos obtiveram. Pelos votos nulos e brancos ( estes não aconselho) não há financiamento.
Em consequência, mais do que não votar, aconselho os leitores a votarem pela seguinte ordem:
em quem acreditam
Se não acreditarem em menhum partido, votem pela penalização dos que já governaram
não escolhendo nenhum desta 2 vias, votem, mas anulem o voto.


De worten a 8 de Agosto de 2013 às 15:10
wortem sempre.


De ,,, a 10 de Agosto de 2013 às 17:29
dos tais 5 milhões de eleitores ... mesmo que votem apenas um milhão, ou até só 200.000 , ... os deputados candidatos são eletos e formar-se-á um governo ...
Aqui é que está o problema:
- Que deputados e governantes queremos que nos representem e decidam por nós ?
Aqueles que estão lá para defenderem os seus próprios interesses e negociatas ?... Aqueles que pertencem aos partidos que nos têm desGovernado, roubado, mentido, ...?!!
Sejamos conscientes e cidadãos activos;
vamos VOTAR sim,
mas não nos mesmo «centrão de interesses» !!!


De Zé das esquinas, o Lisboeta a 11 de Agosto de 2013 às 15:53
Oque é que neste post o amigo não percebeu?
Pelo seu comentário não percebeu nada!
Ou então acha que os que lá estão agora e que pelos vistos o amigo elegeu, ou ajudou a eleger, estão lá a defenderem os nossos interesses - os dos portugueses em geral e os interesses do país? Acha mesmo? Quer portanto insistir na asneira dos manter lá ou pôr lá outros iguais ou piores ainda?
O amigo existe mesmo é só uma assombração?


De .Votar bem ... não nos mesmos. a 29 de Agosto de 2013 às 16:55
Votar bem nas autárquicas
(1/8/2103, OJumento)

... no caso da minha terra a candidatura apresentada pelo PS era de ir ao vómito e vómito por vómito o diabo que escolha.

O PS é um partido monárquico, ali ser filho de uma personalidade de peso é sinal de uma carreira fácil, ter sangue azul coloca estes jovens acima da carne seca.
Não admira que na minha terra seja candidato do PS o filho do senhor que governou tão bem a autarquia que a entregou à direita.

Mas no PS a vontade do povo pouco conta para a nobreza por lá instalada, o que conta são os laços familiares, de clã, a notoriedade resultante dos favores passados.
Ter feito um grande favor a Almeida Santo é garantia de poder até à quinta geração.

Escolho a minha terra como exemplo repelente, mas a verdade é que esse exemplo é generalizado, uma boa parte das candidaturas autárquicas apresentam sinais óbvios de podridão, mas mesmo assim os partidos insistem nelas.
Por isso é muito difícil votar nas autárquicas de acordo com as convicções, os princípios e os projectos, o mais certo é sermos obrigados a votar no menos mau, no menos corrupto ou menos podre.

Por mais se aumente o divórcio entre o povo e os partidos estes são incapazes de inverter esta tendência, a corrupção, os compadrios e os jogos sujos são mais fortes.
Resta-nos votar o menos mal possível.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 29 de Agosto de 2013 às 20:29
Parece-me que este senhor está com um «problema» lá em Cascais...
E como o nome cacafonicamente permite, vou brincar, dizendo-lhe que Caiscais... nessa de ir votar na cais caca em vez do no cias poia, porque nos «venderam» essa de que votar é um «dever»... Não é não. Dever seria os eleitos de governarem para o povo que os elegeu e para os que não elegeu, da mesma maneira, em vez de fazerem a merda que fazem.
Não votar conscientemente porque não se revê em nenhuma candidatura é um tomada de posição muito nobre. Também se poderia dizer que não votar conscientemente porque não se quer votar, é um dever de cidadania como qualquer outro que está implícito no ser um cidadão livre nos seus atos.


De [FV] a 11 de Agosto de 2013 às 15:56
Se está errado, agradeço que corrija. mas fundamente na lei. Cite-a e diga o nome, nº e § por favor. Para termos a certeza do que estamos a falar. Pode? Obrigado.


De VOTEM noutros ! ou Pactuam c. sistema... a 30 de Agosto de 2013 às 10:28
ver Leis eleitorais no sitio da CNE

http://www.cne.pt/content/lei-eleitoral-dos-orgaos-das-autarquias-locais - LEI ELEITORAL DOS ÓRGÃOS DAS AUTARQUIAS LOCAIS, Lei Orgânica nº1/2001, de 14 de agosto.
------
e como em Portugal não há «clausula-barreira» em que a obtenção de representação (nº de mandatos/ deputados) depende de uma percentagem mínima de votos, impedindo o acesso ou não atribuição de mandato, [ anotação ao art.º 152º da CRP, ] ... - daí resulta :
mesmo que 99,9% dos eleitores não votem, são sempre eleitos (pelo método de Hondt) o total de candidatos para os lugares existentes, basta que UM !!! ou os próprios votem !!!
- assim o apelo ao não voto ou à abstenção ou anulação é, de facto,
o PACTUAR com o SISTEMA, mantendo os MESMOS !!
BASTA. é Preciso MUDAR, VOTEM em OUTROS.
...
ou criem a VOSSA própria LISTA de cidadãos eleitores ( + ou - independentes) !!
vejam o Manual de candidatura de Grupos de cidadãos em : www.cne.pt/sites/default/.../apoio_al_2013_manual_candidatura_gce.pdf‎


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 30 de Agosto de 2013 às 11:17
Não é bem assim.
O que diz da legislação é verdade.
Mas o resto é meramente opinativo - não é uma verdade absoluta.
Porque serem eleitos com meia dúzia de votos, os seus próprios e haver 99% de abstenção, não impede a eleição, mas mostra inequivocamente a falta de carácter de um político que aceita ser eleito por 1% dos eleitores... E de resto não há dispêndio de tesouraria para financiamento dos partidos porque os cidadãos não votaram.
O NÃO ao VOTO se for maciço, é também, uma forma de exercer o direito de cidadania que a democracia permite. E é elequoente, no mínimo.
Mas quando um com a sua. E o meu amigo continua a insistir legitimamente na sua ideia que é votem nesta espécie de alternativas na continuidade...
Mas permita-me lembrar-lhe o um velho ditado português: á primeira caem todos, à segunda só quem quer e à terceira só os tolos... E como diria o outro: o povo é que sabe!


De .Não fazer o jogo da Direita e do $$€€. a 2 de Setembro de 2013 às 12:18
VOTAR ou não-Votar

1º- o não-voto NUNCA é/será maciço, pelo menos os candidatos votam em si próprios... e há sempre posições diferentes, cabeças próprias, ... e arrebanhados ou enganados.

2º- sim, é também um direito , mas quanto a ser eloquente ... engana-se - é abafado por muitos ruídos: dos vitoriosos, dos perdedores, de outros assuntos de momento, ... e de muito desinteresse.

3º- o custo/subsidio atribuído aos partidos ...- embora seja um montante que faz falta e daria imenso jeito a muita gente ...- é, em termos de Orçamento GE, nada relevante,.

4º- Porém, em termos de Democracia, o que se PERDE com a falta de participação cívica e eleitoral dos cidadãos,... a qual permite que se mantenham no poder (no arco da governação) políticos da treta, incompetentes, corruptos, nepotistas, burlões, malfeitores, ... que são MARIONETEs/ paus mandados do PODER FINANCEIRO 'nacional' e internacional ... - e que nos levam à DESGRAÇA... isso sim é um CUSTO elevadíssimo, inaceitável, BASTA .

5º- Se acha que contribuir (através dos impostos) com 5 ou 15 euros para o financiamento dos partidos... é muito (claro que poderia ser melhor aplicado...),
o que acha de PAGAR + de MIL vezes esse valor ?!!
(sim) ao ser ROUBADO diariamente por uma MÁ governação (desGoverno) ?!!
sim, não se esqueça, do que o desgoverno lhe vai ao bolso em impostos, taxas, comparticipações em serviços directos, e o que o desGoverno PERMITE a empresas privadas (concessionárias ou não) lhe levam em comissões, juros, taxas, margens de lucro, ...desvio/fuga de impostos, subsidios, contratos (PPP, outsourcings, consultorias, ...)... !!!
e ainda o que o desGoverno (com as privatizações, com o deixar cair o ensino e saúde pública, serviços vários, ...) o obriga a gastar em serviços que deixa de proporcionar (em quantidade, qualidade, rapidez, diversidade, especialidade, ...)

Além de que este desGoverno e ATAQUE / DESTRUIÇÃO dos serviços públicos, de serviços do Estado com poder e competência, e dos direitos e garantias consagrados na CONSTITUIÇÃO é uma contra-revolução, uma viragem para um regime de mais insegurança, mais Desigualdade, menos Liberdade, menos Democracia, menos Direitos Humanos sociais, laborais e económicos.


De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 2 de Setembro de 2013 às 13:09
Se fosse assim como diz... era uma coisa.
Mas se o voto dos cidadãos valesse realmente de alguma coisa, se fizesse a diferença, então o amigo não tinha, e c vou citá-lo: "políticos da treta, incompetentes, corruptos, nepotistas, burlões, malfeitores, ... que são MARIONETES/ paus mandados do PODER FINANCEIRO 'nacional' e internacional ... - e que nos levam à DESGRAÇA..."
Lembro-lhe que esses todos que referiu e com quem está zangado, dececionado ou desiludido, foram eleitos por si ou pelos métodos ditos democráticos, que tanto apregoa com esse apelo ao voto.
O que este regime fez durante estes últimos anos, foi a meu ver, mascarar o regime de democracia. Mas não o é. Só que o amigo continua a achar que estamos num regime verdadeiramente democrático, que todos são iguais nos deveres e nos direitos, no acesso e ao usufruto dessa democracia, mas na minha modesta opinião, não é assim.
Hoje, votar é perpetuar com os falsos democratas, hoje votar é que é ser fantoche dos poderes instituídos. E não vale a pena dizer para votar noutros, porque a questão é falaciosa. Os outros são os mesmos com outros nomes e ou outras siglas.
Mas que se quer continuar a acreditar em milagres, ou continuar a fazer de «palhaço» neste circo em que se transformou a política portuguesa, está à vontade.
Mas eu reafirmo: Eu não sou palhaço, basta-me ser pai de palhaço.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO