Declarada a morte da social-democracia

Dando voz ao programa dos sociais-democratas (coligados com os liberais, centristas), o Rei Guilherme anunciou ontem o fim do Estado Social na Holanda. Será substituído pela "sociedade participativa", o que passa, na prática, por cada um se desenrascar sozinho. Traduzido por miúdos, o governo holandês vai fazer um corte de seis mil milhões de euros nas despesas públicas. Espera-se que o desemprego suba e que o poder de compra dos holandeses caia 0,5%. Os social-democratas holandeses chegaram ao poder com um discurso contra a austeridade. Uma sondagem da televisão pública diz que 80% da população é contra estes planos governamentais. E, como tem sido habitual na Europa, eles avançarão na mesma.

Faço notar que não há falta de dinheiro na Europa. Pelo contrário, há enormes excedentes que explicam, aliás, como consegue a Alemanha financiar-se a juros negativos. O que há na Europa, em toda a Europa, é a vitória de uma agenda ideológica e dos interesses financeiros que se apoderaram dos principais centros de poder e que sonham com a privatização de todas as funções sociais do Estado. Não espanta que essa vitória venha pela mão de governos social-democratas. Gerhard Schroeder fez mais no ataque ao Estado Social e na contração dos salários dos trabalhadores alemães (o que contribuiu decisivamente para a crise do euro) do que Angela Merkel alguma vez sonhou. Foram os governos socialistas e social-democratas, e não a direita, que construíram o essencial das regras de uma moeda única disfuncional. E, em todos os países europeus onde têm recuperado o poder, não o usaram para travar esta loucura. François Hollande limita-se a anunciar, como um tonto, o fim da crise do euro. Na esperança de não ter de chegar a fazer realmente alguma coisa do que prometeu. Nem um rasgo de coragem se vislumbra na generalidade dos partidos socialistas e social-democratas europeus. O PS português incluído.

O papel que os partidos social-democratas desempenham e desempenharam, nas duas últimas décadas, na destruição do Estado Social e na desregulação económica e financeira é o mais inacreditável gesto de traição de um movimento político à sua própria história. Transformados em meras federações de interesses, os partidos socialistas e social-democratas não estão apenas a enterrar o Estado Social. Estão a enterrar a esperança na democracia, que depende de uma alternativa a este caminho (a confiança nos políticos e no governo atingiu, na Holanda, como em tantos outros países, mínimos históricos). E estão, afinal de contas, a enterrar-se a si mesmos. O comunismo morreu com a queda do muro de Berlim. A social-democracia morreu com esta crise financeira.

Por: Daniel Oliveira [Expresso]

 

Nota pessoal: Diz Daniel Oliveira que a social-democracia morreu. Pergunto eu, e a democracia-social? Também já morreu?
É que lembro-me que há uns anos Mário Soares, enquanto líder do PS, dizia que o seu partido não era socialista (era preciso na época afastar-se do "esquerdismo marxista" que a palavra "socialista" trazia e ainda, encontrar um espaço ideológico que distinguisse o PS, por do PPD/PSD e por outro do PCP) e o termo que o então líder do PS usou foi que o distinguia do PPD/PSD era que este era social-democrata enquanto o seu PS era democrata-social.

Portanto reforço a pergunta: E a democracia-social? Também morreu? Ou nunca existiu e que houve sempre em Portugal foram dois partidos políticos com nomes diferentes mas com a mesma ideologia e políticas idênticas que disputavam entre si a alternância no poder? E com os tempos e o andar da carruagem não teremos agora os mesmos dois partidos, com políticas liberais ou neoliberais, a disputar o mesmíssimo poder de sempre, continuando a fazer o mesmo, com habilidosas palavras e promessas diferentes?



Publicado por [FV] às 08:14 de 21.09.13 | link do post | comentar |

1 comentário:
De Renegociar já. Pobreza não paga a dívida a 23 de Setembro de 2013 às 09:23
A dívida aterrou no centro das nossas vidas

renegociar@pobrezanaopagaadivida.info

Para pagar os juros, diminuem-nos os salários e pensões,
destrói-se a a economia, a Educação e a Saúde,
privatizam-se recursos que são um bem comum, a dívida aumenta.

Aumentam também a AUSTERIDADE, os DESPEDIMENTOS e a exigência de PRIVATIZAÇÕES.

O que podemos fazer para quebrar este círculo vicioso?

Renegociar já! (quanto mais tarde, pior).

A favor do povo português, com transparência.

Pedimos-lhe que divulgue a petição
"Pobreza Não Paga a Dívida, Renegociação já!"
http://www.pobrezanaopagaadivida.info
(aqui a quantidade conta, muitos seremos uma força!)
---------------

A nota pessoal ao 'poste' (repetido do dia anterior) «declarada morte à social-democracia» é pertinente.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO