E depois queixam-se da Merkel

Há dois dias, recebi um mail da escola dos meus filhos mais velhos a informar que, devido às eleições do próximo domingo, a escola iria estar fechada na segunda-feira. Razão: sendo um dos locais de voto em Lisboa, é preciso arrumar as salas. Confesso que me senti tentado a pedir junto da Comissão Nacional de Eleições a suspensão das autárquicas na freguesia de Alvalade. Assim como assim, todos sabemos que António Costa vai ganhar, não vale a pena estar a punir 400 crianças e respectivas famílias por causa de uma votação esvaída de suspense. Mas depois decidi afastar este pensamento pouco democrático e armar-me em jornalista. Telefonei para a CNE (que me aconselhou a ler a lei eleitoral), para o Ministério da Educação ("as escolas fecharem não é uma prática corrente"), para a junta de freguesia (as escolas da zona fecharem é uma prática corrente) e para vários professores, só para lhes colocar a pergunta que consumia as minhas entranhas: "Isto é mesmo assim? Uma escola inteira pode encerrar na segunda-feira por causa de uma votação que termina às 19 horas de domingo?"

 

Parvo que sou - claro que é assim. Está na lei. E a lei é A LEI. Dura lex sed lex, e o dura lex os pais que desembrulhem. Pelos vistos, há décadas que milhares de indígenas, um pouco por todo o país, são obrigados a faltar ao trabalho nas segundas-feiras pós-eleitorais porque é necessário efectuar essa hercúlea tarefa que consiste em arrastar o mobiliário escolar para o seu local de origem. Diz o artigo 69  da lei eleitoral autárquica, no ponto 4: "Quando seja necessário recorrer à utilização de estabelecimentos de ensino, as câmaras devem solicitar aos respectivos directores a cedência das instalações para o dia da votação, dia anterior, para a montagem e arrumação das estruturas eleitorais, e dia seguinte, para desmontagem e limpeza." Ora cá está: as escolas têm todo o direito a um dia inteirinho para desmontar uma dezena de biombos, arrumar meia dúzia de salas e varrer o chão. Enquanto isso, os alunos ficam a melhorar o Inglês em casa, com a ajuda da PlayStation.

 

Por muita troika que nos visite, enquanto certas mentalidades não mudarem o país também não muda. Este é um daqueles típicos casos em que toda a gente está a cumprir escrupulosamente as suas funções sem que ninguém pareça disposto a mexer um dedo para que o simples bom senso se imponha em relação a uma lei que prejudica inutilmente milhares de pessoas. É a burocracia no seu pior: a CNE diz que esta parte da logística eleitoral não é com ela, o Ministério da Educação diz que não sabe de nada, as juntas dizem que a arrumação é responsabilidade das escolas, as escolas dizem que, com os cortes no pessoal auxiliar, não há gente para arrumar as salas, e suponho que os membros das mesas de voto, apesar de serem cinco por mesa e ganharem 76,32 euros ao dia (total: 381,6 euros/mesa), mais um dia de folga, digam que não estão disponíveis para mover cadeiras no final da contagem dos votos, que não é para isso que lhes pagam. Afinal, é tão mais prático deixar no dia seguinte centenas de crianças sem aulas. Se até está na lei...


Na escola dos meus filhos, os pais chegaram a oferecer-se para ir arrumar as mesas no final da noite eleitoral. O melhor que conseguiram foi que a escola reabrisse às 12h30 de segunda-feira. É verdade que muitas vezes as coisas não funcionam porque não há dinheiro. Mas demasiadas vezes as coisas não funcionam porque não há vontade.

 
 

http://www.publico.pt/opiniao/jornal/arrumacao-poseleitoral-27149329

 



Publicado por Izanagi às 10:49 de 27.09.13 | link do post | comentar |

1 comentário:
De Zé das Esquinas, o Lisboeta a 28 de Setembro de 2013 às 17:22
A sério? Este post é a sério?
Claro que as coisas são como são porque as pessoas são como são.
Já aqui escrevi inúmeras vezes que quem governa Portugal é o povo. Já o disse de diversas formas, expressões ou exemplos.
O que este post aqui refere, infelizmente, só me dá razão e confirma que vivemos numa «democracia do proletariado». O povo está no poder e revê-se nele. Ou de outra forma, mas com o mesmo sentido: Estes nossos últimos e atuais governantes são «povinho» naquilo que esta expressão tem de pior e não naquilo que ela deveria ter e ser - o melhor.
Andámos nos últimos anos a cultivar a mediocridade e agora estamos a colhê-la. De que estávamos, portanto, à espera? De milagres?
Andam a enganar-nos nos últimos 40 anos como nos andaram a enganar nos outros 40 antes destes. Não da mesma expressão, mas da mesma forma.
É triste, não é o que eu gostava, nem queria, mas não deixa de ser um facto, uma verdade.
Antes só alguns eram «doutores» agora todo o mundo é «doutor»...
Quem não sabe que 0º e 360º estão no mesmo ponto?
Quem tem dúvidas que no «antes» não se podia falar e que agora fala-se mas ninguém ouve?
Só que agora estamos pior. E sabem porquê?
Também já aqui o referi, mas vou repetir:
- Porque agora roubaram-nos a esperança!
Eu explico melhor:
- Se dantes estávamos em ditadura e tínhamos como horizonte a liberdade, a democracia, etc, ou seja havia esperança na possibilidade de um futuro melhor;
- Agora dizem-nos que estamos em democracia e que este era o futuro melhor que ambicionávamos antigamente...
- Antes podias pensar na revolta e na revolução...
- Agora não pode pensar nem na revolta nem na revolução porque apenas te dão, quanto muito, o direito à indignação...
Triste país este que se deixa embalar nestas tretas das conversas politiqueiras de uma europa democrática...
Podia para já concluir que:
- Antes estávamos «orgulhosamente sós»!
- Hoje estamos mal, mas mesmo muito mal, acompanhados!
E como é que diz o povo?
Boa tarde e (deixem-me rir, para não chorar) não se esqueçam de ir votar (entre as várias m_erdas, escolham uma) está bem?
- Porque isso de o voto ser uma «arma» só é válido se esse voto/arma estiver carregada, perceberam?


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO