De Desgoverno, Cleptocracia, bancocracia a 1 de Outubro de 2013 às 11:54
Cleptocracia (sistema de governo de ladrões e corruptos, burlões, ... dos "donos do país")


Hoje dei a minha volta semanal pelos jornais do costume. O pessoal continua a dizer que se se baixarem os impostos e se desregulamentar os mercados a crise passa, os empresários ganham dinheiro e criam empregos, pagam salários e a economia dispara.

Há 35 anos que eles dizem isto e há 35 anos que o poder de compra das famílias vai baixando, enquanto os ricos vão ficando mais ricos.

Parece-me que a coisa é (outra e) mais simples:
a) os ricos compram os políticos;
b) os políticos baixam-lhes os impostos e dizem-nos que não há dinheiro e que temos de apertar o cinto;
c) os ricos empregam-lhes os filhos
(para os defender e propagandear os seus interesses e ideologia neoliberal desregulamentadora nas TVs, ... universidades, partidos, parlamento e governo ... ).


De Finanças Públicas duvidosas e ... a 9 de Outubro de 2013 às 10:29
(8/10/2013, FP)

(manigância e asneiras nas) Contas do défice e rácio da dívida ...
----------------------------------------------------
Se parece bom demais ...

Quem ler esta notícia Parpública passa a entrar nas contas do défice e dívida pode deter-se na frase "É por isso que, pelo menos, os três mil milhões de euros que o Estado deve à Parpública vão deixar de ser contabilizados no rácio da dívida."
e pensar que isto é bom para as contas públicas.

MAS toda a moeda tem o seu REVERSO e se a dívida do Estado à Parpública deixa de contar para a dívida e o défice, a dívida desta para com terceiros passa a contar para a dívida pública.

E quanto é isso? Segundo o Relatório e Contas da empresa (página 6) no final de 2012, eram 4,8 mil milhões de euros.

Portanto, melhora o ratio da dívida em 3 mil milhões? Não, piora, e PIORA em quase 2 mil milhões.

A falta que faz os jornais não se limitarem a transcrever a informação que lhes "dão" ...

----------------
3/10/2013:

Sobre a "almofada de tesouraria" ( 20.000 M€ de "reservas" ?!! e o seu custo ?!! )

Não há nada de novo. A manutenção de saldos elevados, que geram um aumento de dívida pública e a necessidade de pagar sobre essa "folga" juros, que afectam o défice, tem vindo a acontecer desde o início do programa.

Aos portugueses isto de nada serve, a não ser mais despesa pública inútil. Serve para almofadar o sistema financeiro e para consolo dos credores. Quanto custa? Não sei, algum jornalista podia perguntar. mas serão umas centenas de milhões de euros, pelo menos.

Ainda sobre a almofada

Não há dados oficiais, mas a imprensa fala em 20.000 M€ de "reservas".

Num País em crise é muito.

Supondo que está certo e fazendo alguma especulação informada estamos a falar de ter quase 12% do PIB (estimado em 2012 em mais ou menos 165.000 M€) de "lado", o que nos custa, assumindo uma taxa de juro média conservadora (3%), qualquer coisa como 600 milhões de Euros de juro por ano. Ou quase dois mil milhões no período do programa.

E pesa no défice uns 0,3 a 0,4%. Dava para a "folga" entre os 4 e os 4,5% de que se fala estar a ser tão dificil negociar. Estas opções deviam ser explicadas, mas não são matérias que tenham atenção devida.

Ficam dúvidas, muitas dúvidas ...
--------------------------------------------------------



Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres