O DÉFICITE PÚBLICO EXPLICADO EM 2 MINUTOS!

Ainda não percebeu? Veja outra vez... são só 2 minutos!

 


Publicado por [FV] às 17:10 de 15.10.13 | link do post | comentar |

4 comentários:
De Sacanas desGovernantes sádicos a 16 de Outubro de 2013 às 11:41
Novo ciclo
(-por Sérgio Lavos, 15/10/2013, Arrastão)

Nós somos mesmo o melhor povo do mundo. Andamos desde 2010 a levar com cortes impostos por um poder externo - a União Europeia - com o argumento de que estes cortes são para o nosso bem, servem para equilibrar as contas públicas e transportar o país para uma fase de prosperidade e riqueza.
Nestes três anos, vimos
o desemprego crescer de 12% para mais de 17%,
a desigualdade aumentar de forma brutal,
a qualidade dos serviços públicos piorar de forma incomensurável,
a pobreza generalizar-se a uma classe média que ainda por cima foi acusada pelos governantes e por alguns dos seus sabujos de ter andado a viver acima das suas possibilidades,
as prestações sociais que deveriam servir para acudir a quem passa mal em alturas de crise serem drasticamente reduzidas;
vimos o nosso nível geral de vida degradar-se de forma substantiva,
levando à emigração de centenas de milhar de portugueses jovens e menos jovens;
vimos os nossos filhos a terem um ensino público muito pior,
os nossos pais e avós a verem as suas reformas retalhadas sem piedade,
deixando de poder ajudar os filhos e netos desempregados e a si próprios;
vimos as nossas vidas serem viradas do avesso por causa de uma troika que transformou a Europa no único continente onde neste momento a pobreza aumenta - e bastante -
e de um Governo que quis ir, desde o primeiro momento, além da troika,
um Governo de mentirosos, de delinquentes com passagem pelo BPN, de irrevogáveis carraças do poder que andam a sugar-nos há décadas,
de incompetentes alucinados que não acertam uma previsão, uma meta, um objectivo,
de deslumbrados com complexos de messianismo cujo destino pretendem que seja indestinguível do do país que transitoriamente governam,
uma soma de nulidades políticas que, por obra de manobras politiqueiras de quinta categoria, se viram alçados ao poder e ao pote num dos piores momentos da nossa História.

Assistimos a tudo isto de forma mais ou menos passiva, com um ou outro assomo de dignidade rapidamente substituída por uma generalizada anomia.
Quando depositamos o destino das nossas vidas nas mãos de medíocres perigosos --
- e temos a certeza de que eles são as duas coisas, mesmo quem votou no PSD e no CDS sabe muito bem que gente é esta que nos (des)governa -,
abdicando do poder que lhes delegámos, desistimos do nosso país e de nós próprios.

Somos o melhor povo do mundo porque às mãos de sádicos submetemos a nossa possibilidade de escolha, de mudança.
Se tudo piorar - e vai piorar -, não poderemos ficar surpreendidos -
teremos o resultado daquilo que abdicámos de escolher,
teremos um país pior, mais desigual, um país onde os ricos ficam mais ricos, a classe média empobrece e os pobres tornam-se miseráveis.
Está a acontecer, neste momento, as notícias saem diariamente.
Merecemos isto?


De [FV] a 16 de Outubro de 2013 às 16:21
Pergunta o amigo (ou o Sérgio Lavos) se nós como portugueses merecemos isto?
Vou dar-lhe a minha opinião:
- Merecemos!
E justifico o porquê de o merecermos.
- Primeiro porque enquanto povo somos uns «canastrões». Estamos sempre à espera de que alguém resolva os problemas por nós. Não só os do País, mas desde logo os do dia-a-dia, quer seja em casa quer seja no trabalho, quer seja no bairro onde vivemos, etc... Esse espírito de «encostados» já vem de longe. Já esperámos por El-Rei D. Sebastião e continuamos a esperar nesse mesmo espírito sebastianista, que apareça alguém que resolva;
- Segundo porque espelhamos esse nosso estar, nas eleições. Votamos sempre nos «mesmos» tendo memória curta ou acreditando imbecilmente nas promessas eleitoralistas do momento. Funcionamos para além de sem memória também de sem raciocínio próprio...
- Terceiro porque este espírito de «encostados» se espalhou pelo mundo dito «civilizado» e ocidental... Nos dias que correm os problemas dos Estados Unidos são idênticos aos nossos e ao do resto dos outros países dos regimes democráticos ou tolerantes...
- E ainda, porque valorizámos as «igualdades» em vez das «diferenças». Por nos aburguesámos - habituaram-nos `«papinha toda feita». Ninguém está disponível para o trabalho (no sentido do sacrifício) para merecer o seu salário. Entra-se numa empresa e a primeira coisa que procuramos saber é quais são os nossos direitos... quando não quando me posso reformar...
- Porque a civilidade matou o sentido «animal» do instinto que fazia os Homens lutar pela sobrevivência na sociedade. Hoje os «civilizados» contam com o «ovo no cú da galinha» mas não estão disponíveis para tratarem do «galinheiro» todos os dias do ano sem direito a férias ou a apetites, porque as galinhas têm de comer e beber todos os dia, senão não há «ovo» e depressa não haverá sequer galinhas...
- E por último porque nos termos tornados em «objetos» sem alma nem vontade própria ficámos nas mãos de uma minoria que comanda os destinos das nações. E não me estou a referir aos patéticos políticos que exercem os cargos de «relevo» na comunidade, porque esses são meros «fantoches» ou marionetas nas mãos dos «ultra» do poder económico. Esses não são mais que meros e descartáveis representantes descartáveis que a troco de uns «tostões» e de visibilidade mediática e social se prestam a tudo para se manterem acima da mediania e mediocridade do chamado povo.
Portanto, caríssimo, quanto à sua questão reafirmo: Sim, merecemos, tudo o que nos está a acontecer! Porque globalmente comportamo-nos não com Homens mas como carneiros em que basta um saltar para um lado e vão todos atrás e isto se não estivermos todos já «adormecidos» pelo «alprazolam»...


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO