De .política de miséria . a 18 de Outubro de 2013 às 10:21

Reinventar o "socialismo de miséria".
Temas: 9. Polis (16/10/2013)
... ...

... ele era politicamente preferível à dissimulação dos actuais malabaristas.

Entretanto, às vezes aprende-se tanto (ou mais) a ouvir os apoiantes dos governantes como a ouvir os próprios mandantes. Leio por aí que "a esquerda" devia estar contente com a proposta de orçamento de Estado para 2014, porque ele poupa os de menos recursos e vai buscar aos que estão mais confortáveis (enfim, os "ricos" com rendimentos a rondar os 2000 euros e os funcionários públicos, porque estes não serão despedidos tão facilmente como os demais). O que se aprende com estas teses?, perguntar-me-ão. Aprende-se, respondo eu, como um debate ideologicamente datado pode entrar, de forma bizarra, pela porta do cavalo. Quando a esquerda defendia sem falsas vergonhas a importância da igualdade, a direita acusava de que a meta era "o socialismo de miséria". Quer dizer: a esquerda, combatendo as diferenças excessivas e só aceitando aquelas que resultassem do mérito e do esforço próprio, estaria a provocar o nivelamento por baixo. Hoje, quando não há qualquer travão às desigualdades brutais ditadas apenas pela origem de classe, pela falta de pudor na rapina ou pela corrupção dos circuitos de decisão, a direita vira o bico ao prego e reinventa, à sua maneira, o "socialismo de miséria". Mas, desta vez, é mesmo a sério: quem não esteja ainda na miséria (viver com o salário mínimo ou com 600 euros é o quê se não a miséria?) tem de aceitar ser cortado até alcançar gloriosamente, no altar da austeridade, esse patamar mínimo. Se não for este ano, será no próximo. Ou no seguinte. Se deixarmos.

-----------

« Nós temos que reduzir o salário dos trabalhadores e retirar-lhes o direito à greve »- Adolfo Hitler, 1933

- Soa-lhe familiar ?
Acordem !!


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres