4 comentários:
De Viragem EconomicoSocial no FED dos EUA ? a 21 de Outubro de 2013 às 15:04

Janet Yellen: Quem é a mulher mais poderosa do mundo?
(Visão, 20/10/2013)

Pela primeira vez nos seus 100 anos de história, a Reserva Federal dos EUA (FED) vai ter uma mulher como presidente. Um desafio ímpar para esta economista discreta, preocupada com o desemprego. Seis factos sobre a sua vida:

1. Nasceu há 67 anos, no bairro nova-iorquino de Brooklyn. No final do liceu, quando era diretora do jornal da Fort Hamilton High School e tinha de entrevistar o melhor aluno, como era da praxe, entrevistou-se a si própria.

2. É apontada como a pessoa mais bem preparada para liderar o FED. Licenciada em economia pela Universidade de Brown e doutorada por Yale, os seus talentos académicos permitiram-lhe lecionar em Harvard e Berkeley.

3. Em Yale, conheceu o professor que mais a marcou, o Nobel James Tobin. Foi com ele que Yellen diz ter aprendido a importância do serviço público: "Trabalhar não significa apenas alcançar um elevado nível intelectual, também consiste em contribuir para melhorar a condição humana."

4. Em 1977, foi nomeada para a divisão de Finanças Internacionais do FED, em cujo refeitório conheceu o amor da sua vida, George Akerlof. Em 2001, o seu marido partilhou o Nobel da Economia com Joseph Stieglitz.

5. Em 1980, o casal foi para Berkeley, na Califórnia, onde nasceu o filho de ambos, Robert (também doutorado em economia). Quando este era bebé, Janet desenvolveu a teoria de que as pessoas mais bem pagas trabalham melhor - pressuposto confirmado com as sucessivas babysitters que contratou.

6. Caso a sua nomeação seja confirmada pelo Senado, iniciará funções a 1 de fevereiro. Nessa altura se verá se ela continuará a usar a sua "bola de cristal" - como fez em 2005, quando era governadora do FED, em São Francisco - para alertar para a bolha imobiliária e defender que o capitalismo tem limites que exigem a intervenção de um regulador capaz de fazer com que o mercado funcione.
--------------
Ler mais: http://visao.sapo.pt/janet-yellen-quem-e-a-mulher-mais-poderosa-do-mundo=f753738#ixzz2iMfIcr4c


De Problema: pobreza, exploração,...precari a 21 de Outubro de 2013 às 16:30
« Num país em o que ordenado mínimo é inferior a 500 euros e onde as propinas são superiores a 1000, onde o aumento do desemprego e dos impostos é assustador e a precariedade está presente, é capaz de explicar parte do problema.»

-por antonio, em : Crato pediu inquérito sobre queda das candidaturas ao superior


De menvp a 20 de Outubro de 2013 às 00:55
P.S.
Como é óbvio, é possível – note-se bem: possível – aumentar a receita (um ex: taxa Tobin)… todavia… não se pode estar a colocar a carroça (leia-se, a despesa) à frente dos “bois”.


De menvp a 19 de Outubro de 2013 às 23:10
-» Anda por aí muito pessoal a dizer: «Nós defendemos uma política baseada no aumento da procura, essencial para fazer crescer a oferta».
-» Este pessoal é discípulo do 'grande mestre' Eng. José Sócrates!!!
.
-» O 'grande mestre' anti-austeridade (vulgo: «política baseada no aumento da procura… essencial para fazer crescer a oferta…) em seis anos fez a dívida subir de 61,7% do PIB (final de 2005) para 108,1% do PIB : o Eng. Sócrates quase duplicou a dívida pública em seis anos!
.
-» Um Estado endividado… é um ESTADO DE JOELHOS perante a alta finança… e um Estado de joelhos vende empresas estratégicas para a soberania!
-» Já foram a gasolina, a electricidade, as comunicações, etc … e já há pessoal a falar na privatização da água, do espaço marítimo português, etc .
.
.
-» A manta tapa de um lado destapa do outro… leia-se: importante importante mesmo é ABRIR O DEBATE!...
-» Ora, de facto, Portugal não precisa de políticos que querem contraír mais dívida… mas sim, de POLÍTICOS DISPONÍVEIS PARA DISCUTIR INTENSAMENTE A GESTÃO DOS RECURSOS DISPONÍVEIS!... [nota: os CGTP’s sempre fizeram o contrário!!!]
-» De facto, durante anos foi o regabofe total: os CGTP's queriam mais e mais.. jubilavam quando os aumentos vinham... e... varriam para debaixo do tapete o facto da entidade pagadora (leia-se o Estado) estar a atingir um nível de endividamento muito perigoso...
-» Não podemos pactuar com conversa à CGTP… ou seja: conversa de quem vier a seguir que feche a porta!
.
-> Resumindo: os lobbys poderão negociar normalmente com os governos… só que… depois… a coisa terá que passar pelo 'crivo' do contribuinte: "O Direito ao Veto de quem paga" (vulgo contribuinte) - ver blog 'fim-da-cidadania-infantil' (Democracia Semi-Directa).


Comentar post