Levantar barricadas : Defender o "Estado Social" ... ser Cidadão e não Servo !

É  tempo  de  agir .   É tempo de aumentar a intensidade da nossa acção 

   Para os revolucionários que se preparam para sair da sua conta de facebook e dos blogues e derrubar o poder, isto não interessa nada. Para as restantes pessoas, aqui fica a intervenção final, aprovada por unanimidade, de quem convocou e construiu a manifestação do passado dia 26 de Outubro:

      É tempo de agir. É tempo de aumentar a intensidade da nossa acção.
A apresentação do Orçamento do Estado para 2014 reforça a ideia de que a austeridade tem 2 objectivos:

 empobrecer-nos e desmantelar os serviços públicos que construímos. As mentiras do controlo do défice e da diminuição da dívida externa são artifícios para aumentar o desemprego, a pobreza e a miséria. Não nos querem apenas mais pobres, querem-nos cada vez mais dependentes.
     Os sacrifícios que esmagaram a população do país no último ano e que forçaram à emigração centenas de milhares de pessoas não tiveram qualquer impacto no défice. O deste ano será exactamente igual ao de 2012.  A dívida pública chegou, no final do 1.º trimestre de 2013, aos 131,4% do PIB. Quando a troika entrou em Portugal, essa dívida era de 97%.

     Durante mais de dois anos de troika, o desemprego disparou para os níveis mais altos de sempre e a dívida pública aumentou mais de trinta e quatro pontos percentuais. Esta dívida é impagável (e) A gula dos especuladores não terminará no próximo ano, como nos pretendem fazer crer.
     Passos Coelho anunciou esta semana um novo nome para o memorando/'resgate': Programa Cautelar.

     Derrubar este governo é uma necessidade urgente. A denúncia da acção deste governo não nos deve fazer esquecer que estas mesmas medidas, com diferentes nomes, têm vindo a ser aplicadas por sucessivos governos. Do mesmo modo, também não nos podemos esquecer de que o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, é uma figura central, por um lado, na definição do estado a que o país chegou e, por outro, na aprovação de todos os ataques aos direitos sociais, à soberania, à Constituição.

     Entre Educação para todos e Educação só para alguns, nós escolhemos Educação para todos. Hoje, aqui, afirmamos que erguemos uma barricada para defender a nossa Escola: a Pública.

     Entre Saúde pública e flagelo, nós escolhemos Saúde pública. Hoje, aqui, afirmamos que erguemos uma barricada para defender o Serviço Nacional de Saúde.

     Entre transporte público e gueto, nós escolhemos transporte público. Hoje, aqui, afirmamos que erguemos uma barricada para defender o acesso de todos ao transporte público.

     Entre a manutenção na esfera pública de sectores estratégicos e a sua privatização, nós escolhemos a manutenção da água, energia, transportes, florestas e correios na esfera pública. Hoje, aqui, afirmamos que erguemos uma barricada para lutar contra as privatizações.

     Entre Cultura e ignorância, nós escolhemos Cultura. Hoje, aqui, afirmamos que erguemos uma barricada para defender o acesso de todos à Cultura.

     Entre pensões e salários dignos e miséria permanente, nós escolhemos a Dignidade. Hoje, aqui, afirmamos que erguemos uma barricada não só para lutar contra a precariedade e contra o desemprego, mas, também, para defender os trabalhadores e os pensionistas, que, ano após ano, têm vindo a ser roubados nos seus direitos e rendimentos.

     Entre a Constituição e o memorando, nós escolhemos a Constituição. Hoje, aqui, afirmamos que erguemos uma barricada para defender a Constituição da República Portuguesa em tudo aquilo que este governo a deseja aniquilar.

     Nós ou a troika? Hoje, aqui, afirmamos que escolhemos resistir para existir.

     Que se lixe a troika, não há becos sem saída.

     O ataque a que o nosso povo e todos os povos da Europa estão a ser sujeitos exige uma resistência dura, articulada, solidária, persistente e internacional. O nosso combate é pela democracia e pela liberdade — e é feito ao lado de todos os que as defendam. O nosso combate é pela necessidade de cada povo decidir sobre o seu destino. O nosso combate é contra a guerra entre povos para a qual nos querem conduzir.
    Hoje, sabemos que, pelo país fora, há milhares de pessoas que se manifestam.(e protestam e resistem)
    Hoje, sabemos também que milhares de pessoas pelo mundo fora olham para nós com a esperança de poderem regressar ao país em que querem viver. É por eles, e com eles, que contamos para construir o nosso futuro. Cá e lá, resistimos.
    Hoje levantámos barricadas.
       A saída somos nós.    O povo é quem mais ordena.



Publicado por Xa2 às 19:48 de 29.10.13 | link do post | comentar |

2 comentários:
De Neoliberais: explorar e degradar trabalh a 30 de Outubro de 2013 às 14:41
Francisco Louçã:
“Políticas neoliberais precisam do aumento absoluto da exploração”
[esquerda.net, 29-10-2013, via MIC]

Na sua comunicação “O capital fictício na Economia Sombra”, no II Congresso Internacional Karl Marx, o economista e dirigente do Bloco sustenta que, a partir dos anos 1980, o aumento do peso do capital financeiro e a hipertrofia dos mercados financeiros não regulados mantém o processo de queda da taxa de lucro e explica a agressividade das políticas que buscam o aumento absoluto da exploração e pretendem impô-la através de formas autoritárias.

No volume III do “Capital”, Marx escreveu: “Como é evidente, todo o sistema artificial de expansão forçada do processo de reprodução não pode ser remediado fazendo com que um banco, como o Banco de Inglaterra, entregue aos responsáveis da fraude o capital deficiente, imprimindo notas.” (Volume III, p.479). “Marx enganou-se neste ponto, se isto fosse uma previsão”, observou Francisco Louçã, porque “foi isso exatamente que foi feito na crise de 2008”. Mas o facto de os “responsáveis da fraude” terem sido recompensados pelos bancos centrais apenas comprova até que ponto o mundo da finança ocupa hoje um papel predominante na apropriação da mais-valia gerada na sociedade.

Derivados representam mais de 16 vezes o valor do PIB mundial

Isso quer dizer que a análise de Marx estava errada? Não. Francisco Louçã vai buscar a Marx a definição de capital fictício, conceito que considera essencial para explicar a crise atual. Marx falava de três tipos de capital fictício do banqueiro: ações, como as dos caminhos de ferro, que representavam capital real (títulos sobre capital); títulos de dívida soberana (títulos emitidos sobre capital gasto); e títulos de crédito, que permite ao banco o aumento dos ativos, em consequência do crédito e, portanto, da parte do capital financeiro na apropriação da mais valia. Ocorre que nos tempos de Marx, o fenómeno da financeirização da economia – e estes seguindo o terceiro tipo de capital fictício – não tinha a importância que adquiriu particularmente a partir dos anos 80 do século XX.

Os números dão calafrios: hoje, o valor do mercado de derivados não regulados ultrapassou um quadrilião de dólares e duplicou desde o início da atual recessão. De onde vem esta massa de capital que não tem correspondência na produção real de valores? Trata-se evidentemente de capital fictício, mas que tem o seu valor garantido por dívida, que é garantida por salários, pensões e impostos, obrigando a um controlo implacável. “A dívida é uma forma de exploração, porque é uma garantia do valor dos salários que é pago no futuro sob a forma de impostos”, explica Louçã.

Mais-valia absoluta

Nos últimos anos, prossegue Louçã, há uma grande discussão entre os economistas marxistas em torno de se existe ou não, atualmente, queda da taxa de lucro. A partir dos anos 80, registar-se-ia uma recuperação da taxa de lucro se forem levados em linha de conta os critérios normais de cálculo. Mas se se levar em conta as formas de moeda ou quase moeda, como títulos, ações, obrigações, o que Marx chamou de capital-crédito, então a taxa de lucro é muito mais pequena e, na verdade, prossegue a sua queda. Essa redução da taxa de lucro explica a agressividade das atuais políticas neoliberais, que buscam um aumento absoluto da exploração e pretendem impô-la através de formas autoritárias.

“A partir dos anos 80, quando as políticas neoliberais ganharam muita força nos principais países capitalistas, generalizou-se a grande dimensão do capital financeiro, este capital baseado na dívida, na extração da mais-valia absoluta, ou seja, no aumento da exploração do trabalho. Neste processo, estes novos setores do capital acumularem uma grande parte do valor que é produzido na sociedade”.

Formas autoritárias de exploração
...


De !! Aumentar a exploração !! a 30 de Outubro de 2013 às 14:42
Francisco Louçã: “Políticas neoliberais precisam do aumento absoluto da exploração”


... ...
Formas autoritárias de exploração

Para contrariar a queda da taxa de lucro, as classes dominantes multiplicam as formas autoritárias de exploração do trabalho, de todas as modalidades possíveis, nos países capitalistas da periferia, Portugal, Grécia, etc., sob a forma da renda fiscal, do aumento dos impostos, do aumento do trabalho gratuito, da redução de salários, da redução das pensões. “E esse processo é totalmente baseado no poder imenso que o Estado dá ao capital financeiro”. É o que Louçã chama de “governo sombra numa economia sombra”.

Este capital sombra é também capital real, na medida em que seja garantido por dívida que venha a ser paga, porque determina a distribuição e a apropriação de parte da mais-valia total da sociedade. O seu instrumento é a dívida, que é fictícia, mas cuja distribuição é política e até, eventualmente, militar. E por isso, “o capital fictício é a forma mais autoritária de poder político”.

Para Louçã, “o que a burguesia europeia pretende é a estabilidade de um regime que permita assegurar o aumento da extração da mais-valia, a recuperação da taxa de lucro, a reconstrução da sociedade degradando todos os direitos dos trabalhadores”.



Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO