De Críticas e falsa Liberdade e = interna a 28 de Novembro de 2013 às 11:16
09:06 (JPP) 28/11/2013

POR QUE É QUE NO PSD NÃO SE CONSEGUE APLICAR QUALQUER “LEI DA ROLHA”?

Deu algum brado uma tentativa de iniciativa de Santana Lopes num Congresso para introduzir nos estatutos do PSD uma cláusula punitiva para o DELITO de OPINIÃO, aplicável aos períodos pré-eleitorais, quando as críticas internas poderiam “prejudicar o partido”. Teve muitos aplausos e depois nada se fez.
Nunca tive dúvidas que era na altura o alvo da “lei da rolha”, e hoje, de vez em quando, há quem me queira sancionar por ser mais FIEL aos FUNDAMENTOS SOCIAL-DEMOCRATAS e politicamente liberais do programa do PSD do que aos seus actuais DIRIGENTES que os VIOLAM.

Significa isso que o PSD mantém uma boa tradição de consagrar a liberdade de expressão interna, ao ponto de permitir críticas muito duras à sua direcção e aos seus dirigentes? NÃO, não significa.
Não é o amor pela LIBERDADE interna que explica a aceitação das CRÍTICAS, mas o TEMOR de que um processo PERSECUTÓRIO revelasse muitos outros factos e comparações que convém não lembrar.
O resultado é bom, as razões são más.
As recentes revelações de como, sob a direcção de Miguel Relvas, se organizou a “fracção Passos Coelho” no interior e no exterior do PSD, violando mesmo os prazos de nojo da “lei da rolha” visto que se atacou Manuela Ferreira Leite em período pré-eleitoral, mostra que são os pés de barro de muitos dos actuais dirigentes, - Primeiro-ministro, ministros, altos responsáveis do aparelho partidário, JSD, etc., que impedem de por na ordem os seus adversários sem serem confrontados com as suas práticas que, nalguns casos, roçaram a ilegalidade.

Um dos participantes nessas manobras para colocar Passos Coelho no poder, - que ele conhecia e em que participou, - revelou numa entrevista à Visão como foi MANIPULADA a opinião pública através de operações “negras” na Internet e nos órgãos de comunicação social.
Aliás, eu faço esta comparação com a “liberdade de opinião”, mas ela é forçada, porque estamos na verdade a falar de outra coisa, na criação de uma fracção estruturada para TOMAR CONTA do PARTIDO, de fora e de dentro, cujos contornos ainda estão por esclarecer, visto que os FINANCIAMENTOS da campanha interna ainda não foram revelados apesar de haver um compromisso público de Passos Coelho para o fazer.
Isto revela que o ambiente no interior do PSD é muito pouco sadio, o que não é novidade nenhuma.
Na verdade, no partido há quem mais se indigne com a liberdade de opinião alheia do que com a INTRIGA anónima, do que com a CORRUPÇÃO, ou com práticas inaceitáveis do ponto de vista ético de alguns membros do partido que afectam a sua imagem pública muito mais do que as críticas políticas.
Sobre isto há CUMPLICIDADES, silêncios e complacências.

Não se esqueceram que bateram palmas em uníssono a Miguel Relvas num Conselho Nacional?
Que o debate Rangel – Passos Coelho tenha sido objecto de operações “negras” nas redes sociais para formatar a opinião a favor de Passos Coelho, - ou seja uma manipulação eleitoral, - é irrelevante?
Que um dos objectivos definidos por este grupo, em colaboração com um grupo de JORNALISTAS principalmente do Diário de Notícias, fosse “derreter Manuela Ferreira Leite”, não lhes merecem pelo menos alguma crítica?
E isto é apenas o topo do iceberg.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres