De Degoverno recusa Frente do Sul. a 5 de Dezembro de 2013 às 14:25
(-por P.Rainho, i, 30 Nov 2013)


Secretário de Estado português foi à Grécia e saiu de lá como..."o alemão"

Bruno Maçães recusou uma frente de países do Sul. Imprensa grega ficou surpresa com a proximidade à posição alemã.

A visita do secretário de Estado dos Assuntos Europeus à Grécia há uma semana valeu a Bruno Maçães a qualificação de "o alemão" na imprensa helénica.

No dia seguinte à passagem do governante pela capital grega, onde participou numa mesa--redonda sobre o tema "Governância económica e crise europeia", dois diários do país publicaram artigos de opinião expressando surpresa com a proximidade do discurso de Maçães à posição alemã. O secretário de Estado recusou a ideia de uma união de esforços a sul - nomeadamente entre os países intervencionados, mas contando também com a Itália ou a França. Os dois jornais sublinharam a falta de "solidariedade" com os países da União que defendem um caminho diferente do da Alemanha.

No final do encontro, promovido pela embaixada de Portugal em Atenas e pela Fundação Helénica para a Política Europeia e Estrangeira (ELIAMEP), Bruno Maçães respondeu a algumas questões da comunicação social que fazia a cobertura do evento. Um dos jornalistas aí presentes conta ao i que a reacção às palavras do secretário de Estado foi de "bastante surpresa" porque "se mostrou resolutamente contra uma frente europeia do Sul na zona euro". Bruno Maçães terá ainda defendido que as questões fiscais no seio da União devem ser tratadas a nível nacional, ao mesmo tempo que se mostrou a favor de uma política económica comum entre os estados-membros, apesar de não concordar com a criação de um lugar de ministro da Economia para a zona euro.

"Ficámos verdadeiramente desiludidos, porque tínhamos a expectativa de encontrar um amigo da periferia europeia que se revelou um rigoroso académico sem qualquer solidariedade com um país com problemas semelhantes ao seu", diz um dos jornalistas que confrontaram Maçães com o resultado do encontro entre os líderes francês e italiano. No dia anterior ao do encontro em Atenas, François Hollande e Enrico Letta participaram numa cimeira bilateral em Itália. No final, Letta assumiu que a aposta numa "capacidade fiscal" da zona euro como um todo "representa um grande objectivo". A união de esforços entre os dois países contra a posição alemã da União Europeia levou à divulgação de uma declaração conjunta, no final do encontro, onde os governantes defendiam uma "maior harmonização" fiscal que dê à zona euro uma "capacidade financeira real" para investir na economia e criar mais emprego - ideias já rejeitadas pela Alemanha.

A reacção dos jornais helénicos à "posição germânica" do secretário de Estado português aconteceu no dia seguinte. No diário "Ta Nea" - próximo do partido socialista grego (PASOK) -, um editorial não assinado, mas cuja responsabilidade cabe em regra à editoria de política, referia-se ironicamente à "boa solidariedade" de Bruno Maçães, apresentado como um português que "fez de alemão". Um governante que o jornal considera ser "mais troikano que os troikanos", por considerar que não deve ser pedido mais tempo para os países intervencionados executarem as reformas exigidas pelos credores internacionais.

No outro diário que focou a intervenção do secretário de Estado, o "E Kathimerini", Maçães é também descrito como "mais alemão que os alemães" por "proclamar com paixão quão importante é a disciplina fiscal".


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres