Sexta-feira, 20 de Dezembro de 2013

   ...   Quanto à realidade, por mais que a tentem esconder, ela impõe-se. As notícias da “retoma” não passam de propaganda, um sol enganador.... A verdade é que o BCE já confirmou que vai existir um segundo programa, um programa que vai ter de ser aprovado em todos os parlamentos europeus no rescaldo ou em plena campanha para as europeias de 2014.   Um programa que pode muito bem ser um segundo 'resgate'. 

   O FMI já confirmou que o ajustamento vai levar décadas.   O recente crescimento pífio foi fruto do aumento do consumo interno, coisa que o actual orçamento vai liquidar.    Entretanto a saída pelas exportações atingiu o seu limite.  Da Europa o máximo que podemos esperar é a continuação da estagnação

   Em Portugal, para o ano, os salários vão continuar a baixar, vai haver mais despedimentos (no privado e no  público, enquanto os boys são promovidos ), a emigração vai continuar  e a miséria vai aumentar.   (as famílias estão em "situação dramática" e a classe média está a ser "completamente dizimada" , se este rumo não for alterado, as privatizações em saldo vão continuar, o "Estado Social" continuará a ser destruído, a liberdade e direitos civis e políticos reduzidos, a Democracia e a Justiça serão apenas fictícias, o desemprego, a precariedade e as desigualdadesarbitrariedades agravar-se-ão).

    Perante isto a estratégia do governo é a dissimulação. No início ele era o “ir mais além da troika”, ele era “o PS vai seguir a Troika por obrigação, nós seguimos por convicção”, ou o “o programa da Troika é o nosso programa”.   Tudo isso foi dito pelo governo de inimigos do povo e traidores à pátria e pelos seus lacaios  Agora (...) o Passos também vai ensaiando esse discurso de distanciamento em relação à Troika.

    Mas a dissimulação não se fica por aí. Muito notório na miserável entrevista dada recentemente por Passos  (em que o director da TSF Baldaia comportou-se como um agente de propaganda ao serviço do Passo-Troikismo) foi a tentativa de criar a ideia de que a tragédia social e económica que se vive em Portugal foi obra de forças sobre-naturais e sem rosto, que toda a miséria criada não tem absolutamente nada a ver com a sua acção política. Pois bem, muito pelo contrário !

    A actual situação económica e social é resultado directo das acções governativas e é uma estratégia seguida de forma deliberada. O objectivo destas políticas era mesmo gerar uma monumental crise para purgar a economia e sociedade consideradas “provincianas, dos escombros destadestruição criativa uma novaeconomia cosmopolitadistópica (desregulada, ultra-neoliberal, global) seria erguida. 

    A fome, a emigração em massa (de jovens e activos), a redução de salários, as falências, o desemprego, a miséria, o colapso demográfico, a diminuição do rendimento, não foram efeitos indesejáveis de políticas para as quais não havia alternativas.   Não, estas políticas foram uma escolha deliberada e a barbárie social é parte integrante do plano deste governo sociopata e é para continuar.

Derrubar este governo, recorrendo a todos os meios ao nosso alcance, é uma condição para a sobrevivência, é o primeiro passo para podermos sair desta tragédia social.



Publicado por Xa2 às 13:33 | link do post | comentar

1 comentário:
De (des)governo vai nú. a 20 de Dezembro de 2013 às 16:51

Onde isto já vai!


Qual Bagão Félix, qual Pacheco Pereira, qual Manuela Ferreira Leite !
Até Alberto João Jardim já disse hoje que
o Tribunal Constitucional «chumbou e bem» o regime de convergência das pensões,
«porque violava o princípio da igualdade e o princípio da confiança no Estado»,
e defendeu a «reestruturação da dívida».

É que o rei vai mesmo nu e o governo é uma ilha isolada.


Comentar post

MARCADORES

administração pública

alternativas

ambiente

análise

austeridade

autarquias

banca

bancocracia

bancos

bangsters

capitalismo

cavaco silva

cidadania

classe média

comunicação social

corrupção

crime

crise

crise?

cultura

democracia

desemprego

desgoverno

desigualdade

direita

direitos

direitos humanos

ditadura

dívida

economia

educação

eleições

empresas

esquerda

estado

estado social

estado-capturado

euro

europa

exploração

fascismo

finança

fisco

globalização

governo

grécia

humor

impostos

interesses obscuros

internacional

jornalismo

justiça

legislação

legislativas

liberdade

lisboa

lobbies

manifestação

manipulação

medo

mercados

mfl

mídia

multinacionais

neoliberal

offshores

oligarquia

orçamento

parlamento

partido socialista

partidos

pobreza

poder

política

politica

políticos

portugal

precariedade

presidente da república

privados

privatização

privatizações

propaganda

ps

psd

público

saúde

segurança

sindicalismo

soberania

sociedade

sócrates

solidariedade

trabalhadores

trabalho

transnacionais

transparência

troika

união europeia

valores

todas as tags

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS