Falta de ética e predadores da Escola Pública

Santana Castilho* dirige carta a Nuno Crato (ministro da Educação e Ensino Superior)
«Senhor ministro:

     Como sabe, uma carta aberta é um recurso retórico. Uso-o, agora que se cumpre um ano sobre a sua tomada de posse, para lhe manifestar indignação pelas opções erradas que vem tomando e fazem de si um simples predador do futuro da escola pública. Se se sentir injustiçado com a argumentação que se segue, tenha a coragem de marcar o contraditório, a que não me furto. Por uma vez, saia do conforto dos seus indefectíveis, porque é pena que nenhuma televisão o tenha confrontado, ainda, com alguém que lhe dissesse, na cara, o que a verdade reclama.

    Comecemos pelo programa de Governo a que pertence. Sob a epígrafe “Confiança, Responsabilidade, Abertura”, garantia-nos que “… nada se fará sem que se firme um pacto de confiança entre o Governo e os portugueses … “ e asseverava, logo de seguida, que desenvolveria connosco uma “relação adulta” (página 3). E que outra relação, senão adulta, seria admissível? O que se seguiu foi violento, mas esclarecedor. O homem que havia interrogado o país sobre a continuidade de um primeiro-ministro que mentia, referindo-se a Sócrates, rápido se revelou mais mentiroso que o antecessor. E o senhor foi igualmente célere em esquecer tudo o que tinha afirmado enquanto crítico do sistema. Não me refiro ao que escreveu e disse quando era membro da Comissão Permanente do Conselho Nacional da UDP. Falo daquilo que defendia no “Plano Inclinado”, pouco tempo antes de ser ministro. Ambos, Passos Coelho e o senhor, rapidamente me reconduziram a Torga, que parafraseio: não há entendimento possível entre nós; separa-nos um fosso da largura da verdade; ouvir-vos é ouvir papagaios insinceros.

    Para o Governo a que o senhor pertence, a Educação é uma inevitabilidade, que não uma necessidade. Ao mesmo tempo que a OCDE nos arruma na cauda dos países com maiores desigualdades sociais, lembrando-nos que só o investimento precoce nas pessoas promove o desenvolvimento das sociedades, Passos Coelho encarregou-o, e o senhor aceitou, de recuperar o horizonte de Salazar e de a reduzir a uma lógica melhorada do aprender a ler, escrever e contar. Sob a visão estreita de ambos, estamos hoje, em relação a ela, com a mais baixa taxa de esforço do país em 38 anos de democracia.

    O conflito insanável entre Crato crítico e Crato ministro foi eloquentemente explicado no último domingo de Julho de 2011, no programa do seu amigo, professor Marcelo. Sujeito a perguntas indigentes, o senhor só falou, sem nada dizer, com uma excepção: estabeleceu bem a diferença entre estar no Governo e estar de fora. Quando se está no Governo, afirmou, /“tem de se saber fazer as coisas”/; quando se está de fora, esclareceu, apresentam-se “críticas e sugestões, independentemente da oportunidade”. Fiquei esclarecido e acedi ao seu pedido, implícito, para arquivarmos o crítico. Mas é tempo de recordar algumas coisas que tem sabido fazer e que relações adultas estabeleceu connosco.

    A sua pérola maior é o prolixo documento com que vai provocar a desorganização do próximo ano lectivo, marcado pela *obsessão de despedir **professores*. Autocraticamente, o senhor*aumentou o horário de trabalho dos **professores*, redefinindo o que se entende por tempos lectivos; *reduziu **brutalmente as horas disponíveis para gerir as escolas, efeito que será **ampliado pela loucura dos giga-agrupamentos*; *cortou o tempo, que já era **exíguo, para os professores exercerem as direcções das turmas*; amputou um tempo ao desporto escolar; e determinou que os docentes passem a poder leccionar qualquer disciplina, de ciclos ou níveis diferentes, independentemente do grupo de recrutamento, desde que exista “certificação de idoneidade”, forma prosaica de dizer que *vale tudo logo que os directores **alinhem*.
    Consegue dormir tranquilo, desalmado que se apresenta, perante um cenário de despedimento de milhares de professores?

O despacho em apreço bolsa autonomia de cada artigo. Mas é uma *autonomia **cínica*, como todas as suas políticas. Uma autonomia *decretada*, *envenenada *por normas, disposições, critérios e limites. Uma autonomia *centralizadora*, *reguladora*, *castradora*, afinal tão ao jeito do marxismo-leninismo em que o senhor debutou politicamente. Poupe-nos ao disfarce de transferir para o director (que não é a escola), competências blindadas por uma burocracia refinada, que dizia querer implodir e que chega ao *supino da cretinice*com a fórmula com que passará à imortalidade kafkiana: *CT=K x CAP + EFI + T*,em que *K* é um factor inerente às características da escola, *CAP* um indicador da capacidade de gestão de recursos humanos, *EFI* um indicador de eficácia educativa (pergunte-se ao diabo ou ao Tiririca o que isso é) e*T* um parâmetro resultante do número de turmas da escola ou agrupamento. Por menos, mentes sãs foram exiladas em manicómios.

     Senhor ministro, vai adiantada esta carta, mas a sua “reorganização curricular” não passará por entre as minhas linhas como tem passado de fininho pela bonomia da comunicação social. O rigor que apregoa mas não pratica, teria imposto o único processo sério que todos conhecem: primeiro ter-se-iam definido as metas de chegada para os diferentes ciclos do sistema de ensino; depois, ter-se-ia desenhado a matriz das disciplinas adequadas e os programas respectivos; e só no fim nos ocuparíamos das cargas horárias que os cumprissem. O senhor inverteu levianamente o processo e actuou como um sapateiro a quem obrigassem a decidir sobre currículo: *fixou **as horas lectivas* e *anunciou que ia pensar nas metas*, sem tocar nos programas.
Lamento a crueza mas o senhor, que sobranceiramente chamou ocultas às ciências da educação, perdeu a face e *virou bruxo no momento de **actuar*: simplesmente achou.
    O que a propósito disse foi vago e inaceitavelmente simplista. O que são “disciplinas estruturantes” e por que são as que o senhor decretou e não outras? Quais são os “conhecimentos fundamentais”? O que são o “ensino moderno e exigente” ou a “redução do controlo central do sistema educativo”, senão versões novas do “eduquês”, agora em dialecto “cratês”? Mas o seu fito não escapa, naturalmente, aos que estão atentos: despedir e subtrair à Educação para adicionar à banca.

    Duas palavras, senhor ministro, sobre o Estatuto do Aluno. É preciso topete para lhe acrescentar a Ética Escolar. Lembra-se da sua primeira medida, visando alunos? Eu recordo-lha: foi abolir o prémio para os melhores, instituído pelo Governo anterior. Quando o senhor revogou, já os factos que obrigavam ao cumprimento do prometido se tinham verificado. O senhor podia revogar para futuro. Mas não podia deixar de cumprir o que estava vencido.
    Que aconteceu à ética quando retirou, na véspera de serem recebidos, os prémios prometidos aos alunos? Que ética lhe permitiu que a solidariedade fosse imposta por decreto e assente na espoliação? Que imagem da justiça e do rigor terão retirado os alunos, os melhores e os seus colegas, do comportamento de que os primeiros foram vítimas? Terão ou não sobeja razão para não acreditarem nos que governam e para lamentarem a confiança que dispensaram aos professores que, durante 12 anos, lhes ensinaram que a primeira obrigação das pessoas sérias é honrar os compromissos assumidos?
     Não é isso o que os senhores hoje invocam quando reverenciam Sua Santidade a Troika? Da sua ética voltámos a dar nota quando *obrigou jovens com **necessidades educativas especiais a sujeitarem-se a exames nacionais*, em circunstâncias que não respeitam o seu perfil de funcionalidade, com o cinismo cauteloso de *os retirar depois do tratamento estatístico dos **resultados*. Ou quando, dias antes das inscrições nos exames do 12º ano, mudou as respectivas regras, ferindo de morte a confiança que qualquer estudante devia ter no Estado. Ou, ainda, quando, por mais acertada que fosse a mudança, ela ocorreu a mais de meio do ano-lectivo (condições de acesso ao ensino superior por parte de alunos do ensino recorrente).
    Compreenderá que sorria ironicamente quando acrescenta a Ética Escolar a um Estatuto do Aluno assente no castigo, forma populista de *banir os sintomas **sem a mínima preocupação de identificar as causas*. Reconheço, todavia, a sua coerência neste campo:*retirar os livros escolares a quem falta em excesso* ou *multar quem não quer ir à escola e não tem dinheiro para pagar a multa*, fará tanto pela qualidade da Educação como *dar mais meios às escolas que **tiverem melhores resultados e retirá-los às que exibam dificuldades*.
    Perdoar-me-á a franqueza, mas vejo-o como um relapso preguiçoso político, que não sabe o que é uma escola nem procurou aprender algo útil neste ano de funções.»

        (-* Professor do ensino superior)



Publicado por Xa2 às 07:40 de 18.07.12 | link do post | comentar | ver comentários (4) |

Injustiça e demagogia na educação de 'antigamente'

                   Um Crato em cada esquina    (-por Daniel Oliveira )

     Em sociedades injustas deve aprender-se desde cedo que o cumprimento das regras e das leis é para todos, mas que a punição pelo seu incumprimento será sempre diferenciada. Aplicando este princípio, o ministro Nuno Crato determinou que em casos de excesso de faltas de um aluno, pais e encarregados de educação poderão ser multados. E, caso não haja dinheiro, essas multas serão substituídas pelo fim dos apoios da Ação Social Escolar.

     Percebo que a ideia de responsabilizar os pais pelos erros dos filhos seja apelativa. Não nego, longe disso, que a demissão dos pais (ou outros encarregados de educação), sobretudo durante a escolaridade obrigatória, torna o trabalho das escolas impossível. Não desprezo a importância da disciplina num espaço cheio de crianças e adolescentes para todos nos sentirmos minimamente seguros e para que a escola cumpra a sua função. Muito menos contesto a importância que se dá ao envolvimento dos pais. Acredito que isso depende mais do ambiente que se cria na escola e do tipo de proximidade que se consegue ter com os pais do que de mil e um regulamentos que satisfaçam a opinião pública e aliviem pais e professores. E sei duas coisas: que em famílias desestruturadas, de onde veem alguns dos alunos mais complicados em matéria disciplinar, esta medida ou será inútil (porque inaplicável) ou representará uma desistência da escola (se for aplicada com rigor). E que em famílias com mais desafogo financeiro a medida terá muito menos impacto do que nas restantes.

     A mensagem que se passa aos alunos é esta: podes comprar as regras e no fim elas apenas são importantes para os pobres. Penalizações financeiras, na escola pública, são a negação de todos os valores que esta escola deve transmitir. Perante a mesma violação disciplinar, os desafogados têm um transtorno, os remediados um problema e os pobres, que dependem do apoio social para manter os filhos na escola, o fim dos estudos. Ou seja, a escola, como a sociedade, será desigualmente exigente.

     Por fim, anoto que, para além do regresso à pedagogia do "antigamente" (uma das expressões que o ministro mais usa), da multiplicação de exames (somos agora o único país da Europa a tê-los no 4º ano), a substituição dos planos individuais de trabalho para os estudantes que têm demasiadas faltas pelo trabalho a favor da comunidade (mostrando uma falta de exigência da escola consigo própria), o ministro apenas tem soluções que passam pelo castigo. Sei que cai bem nas caixas de comentários dos jornais e no fórum TSF. Ganha aplauso fácil numa sociedade zangada e incapaz de valorizar o que, na escola como noutros sectores, conseguiu nos últimos trinta anos. Mas não acrescenta rigorosamente nada à qualidade do nosso ensino.

     A motivação de alunos, pais e professores, tratada como se fosse uma invenção de pedagogos mariquinhas para meninos mimados, é estranha ao discurso do ministro. Porque, e isso bate certo com tudo o que os seus colegas de governo pensam, só o sofrimento educa. Curiosamente, se olharmos para os melhores sistemas de ensino do Mundo, é no gosto por aprender (aliado, claro está, a regras) que se aposta. Mas isso não se decreta. Leva tempo e exige mais esforço do que a mera apresentação do Estatuto do Aluno. A verdade é esta: Nuno Crato é facilitista nas soluções e politicamente preguiçoso.

     Nada disto me espanta. Ao contrário da imagem que muitos tinham deste ministro, sempre o considerei um populista.Trabalha para o ressentimento de uma geração que, dependendo da classe social, ou era pouco escolarizada ou via a escola como privilégio de elites. Uns ainda acreditam que se aprendia muito na "antiga 4ª classe", outros pensam que os graus mais altos de escolarização devem ser, como são em todos os países subdesenvolvidos, uma coutada da elite.

     Se Crato for bem sucedido no seu programa demagógico, o "antigamente" voltará. Com o mesmo atraso cultural do passado. E a mesma seleção social que a Escola alimentava desde muito cedo. Ficaremos satisfeitos. Porque o que faz falta a este País é um Crato em cada esquina.



Publicado por Xa2 às 07:42 de 06.06.12 | link do post | comentar | ver comentários (12) |

Desenvolvimento, liberdade e soberania

         Para  acabar  de  vez  com  a  cultura     (-por Daniel Oliveira)

 

 

      Os subsídios à cultura têm três funções: desenvolvimento económico, defesa da liberdade de escolha e promoção da soberania cultural.

         Comecemos pelo desenvolvimento económico.

      Quando andei pela Islândia a preparar a reportagem que a revista do "Expresso" publicou há 15 dias visitei uma empresa que se tem saído muito bem nesta crise. A CCP, criada em 1997 por três jovens, é responsável por um jogo online com tanta gente registada como toda a população da Islândia. Como as suas receitas são em moeda estrangeira, não foi afectada pela desvalorização da coroa islandesa. Como tudo o que faz é exportar um serviço, não foi afectada pela crise no mercado interno. Como exporta um bem imaterial, o isolamento do país não a afecta. Como tudo o que precisa é de uma mão de obra altamente especializada, tem na Islândia o excelente lugar para trabalhar.

      A CCP é hoje a maior empresa instalada no porto de Reiquiavique e tem escritórios em Atalanta, Xangai e Newcastle. É maior do que as maiores empresas de pescas do País, o ganha pão mais seguro dos islandeses. Compreensivelmente, o Presidente da Islândia, Ólafur Grímsson, deposita muitas esperanças neste sector. Disse-me, na entrevista que então lhe fiz:

 "Vemos jovens a abrir empresas, a fazer investigação, a trabalhar nas artes, na música, no design, no cinema, na literatura, na tecnologias de informação, e percebemos que temos uma vida mais vibrante nos últimos três anos do que nos anteriores. O sucesso das economias no século XXI não dependerá do sector financeiro, mas dos sectores criativos."

      Também por cá, o sector da tecnologias de informação e do entretenimento é tratado, em discursos de circunstância de muitos políticos, como fundamental para termos algum futuro económico que não dependa de salários baixos. Regresso então à sede da CCP, onde tive uma interessante conversa com um dos responsáveis pelas relações públicas da empresa. Dizia-me Eldor Astthorsson:

 "A indústria IT não cresce num país onde não haja muita atividade cultural tradicional. É a ela que vamos buscar os músicos, os guionistas, os estilistas, os desenhadores e os realizadores que fazem os nossos jogos. Os computadores não chegam para garantir a indústria de entretenimento".

       E isto não se aplica apenas à indústria dos jogos de computador. Não há indústria do calçado, do têxtil ou do mobiliário que sobreviva sem bons designers. E não há bons designers sem bons artistas plásticos. Não há desenvolvimento das telecomunicações, dos novos media e do entretenimento sem conteúdos. E não há conteúdos sem desenvolvimento das artes. Não há turismo competitivo sem atividades culturais. E não há atividades culturais, incluindo as do puro entretenimento, sem cinema, teatro, literatura. Não há cinema comercial sem o experimentalismo do cinema de autor. Não há marketing sem publicidade, não há publicidade sem realizadores e guionistas.

       O sector cultural e criativo representava, em 2010, 3,4% do comércio mundial. Em Portugal gerava 2,8% da riqueza e dava emprego a 126 mil pessoas. Neste sector estão incluídas muitas atividades, que vão do património à publicidade. Mas o combustível desta gigantesca indústria em crescimento são as atividades culturais nucleares: o cinema, a literatura, o teatro, a dança. Sem elas, o motor para. E a criatividade que pode alimentar a economia também.

       Se os sucedâneos comerciais das atividades criativas têm retorno quase imediato, o mesmo não acontece com as atividades culturais de que se alimentam. Todos os países desenvolvidos do mundo, EUA incluídos, têm financiamento público à criação artística. E se isto é verdade em países com mercados de alguma dimensão, em países do tamanho de Portugal deveria ser indiscutível. Assim como o apoio público à Investigação e Desenvolvimento não tem retorno imediato mas é central para o desenvolvimento económico e social de qualquer país, o apoio à cultura é prioritário para quem não queira condenar uma sociedade ao subdesenvolvimento económico, social e cultural. Os subsídios à cultura não são uma esmola. São um investimento. Um pequeníssimo investimento, para dizer a verdade. Talvez dos investimentos públicos onde a relação entre o que é gasto e o retorno final é mais favorável.

          Quanto à defesa da liberdade de escolha, a coisa é ainda mais simples de perceber.

       O Estado não tem gosto. Não escolhe o que é bom e o que é mau. Sabe apenas uma coisa: se deixarmos a cultura apenas ao mercado só teremos acesso ao que tenha retorno financeiro imediato. E o que tem retorno imediato é o que agrada ao máximo de pessoas pelo mínimo investimento possível. E, acima de tudo, o que represente menor risco. A produção com intuitos meramente comerciais é, por natureza, conservadora e avessa ao risco. Inova pouco porque se dirige ao gosto mainstream. Isso não tem mal nenhum. Eu gosto de filmes comerciais. Mas se ficarmos por aí nem os filmes comerciais sobrevivem.

      É comum dizer-se que devem ser as pessoas a escolher o que querem ler, ouvir e ver. Assino por baixo. Não tenho a arrogância de pensar que o que eu gosto é melhor do que o gosto dos outros. Apenas sei que se não houver uma política pública para garantir a diversidade ela morre. E eu, como todos os outros, deixo de ter a possibilidade de escolher. Apenas posso ler, ouvir e ler o que a maioria quer ler, ouvir e ver.

       Ponho a coisa assim: sem investimento público (seja de Estados, seja de monarcas ou instituições mais ou menos públicas), não teríamos podido ouvir Bach ou contemplar grande parte do nosso património arquitectónico. E sem isso, até a nossa música comercial e arquitetura mais acessível seriam hoje muito mais pobres. Resumindo: o investimento público na cultura é a única forma, sobretudo num país da dimensão de Portugal, de garantir a liberdade de escolha que os absolutistas do mercado dizem defender.

          Por fim, soberania cultural.

      Talvez não se saiba, mas, depois do futebol e das praias, a literatura e o cinema portugueses são, de longe, os melhores embaixadores do País. Fica bem desprezar Manoel de Oliveira e João César Monteiro. Mas vão por essa Europa fora e ficarão a saber que são bem mais conhecidos do que a esmagadora maioria das nossos banqueiros ou estadistas. Claro que saem mais caros que um Saramago ou um Lobo Antunes. Apenas porque o cinema exige um investimento dispensável na escrita. Mas um país sem criadores é um país que não existe. Porque nada tem a acrescentar a um mundo globalizado. Não existe na economia, não existe na política, não existe na diplomacia.

      O cinema português assistiu a um corte de 100% de investimento público. Nenhum outro sector vive tal sangria. Neste momento, nenhum dinheiro público (que resulta de taxas sobre a publicidade e não, como muitos julgam, do Orçamento do Estado) está a ser canalizado para a produção cinematográfica. Assistimos, na música (os membros da Orquestra Metropolitana de Lisboa estão hoje em greve, garantindo eventos culturais à população de borla), noteatro e na dança ao mesmo tipo de desinvestimento público que está a levar a criação cultural à penúria absoluta. O estado de falência é generalizado. Dirão: no meio desta crise económica, o que interessa? Interessa tudo. Isto, claro, se alguma vez quisermos sair do subdesenvolvimento político, económico e social que nos atrasou e nos deixou tão vulneráveis a esta crise.

      Tenho lido, pacientemente, muitos disparates sobre os subsídios ao cinema e à cultura. Muito resulta de pura ignorância.

Noutros casos, trata-se de ressentimento social e cultural. Noutros ainda, de populismo barato, num país onde a palavra "intelectual" é usada como insulto. Sobre os prémios internacionais recebidos pelos realizadores João Salaviza e Miguel Gomes, houve mesmo quem tivesse escrito que se tratavam de subsidiodependentes de "chapéu na mão" incapazes de captar investidores internacionais para o seu trabalho. Dá-se o caso de "Rafa" e "Tabu" terem conseguido, antes dos prémios que receberam, financiamento francês, alemão e brasileiro. Porquê?

      Porque há países que sabem o que andam a fazer. Passaram, por assim dizer, à fase da maioridade. Investir na cultura (incluindo na produzida por estrangeiros) é visto como uma indiscutível prioridade política. Aqui, pelo contrário, desprezar os artistas e tratá-los como pedintes mimados rende muito aplauso fácil.

      Pagaremos cara tanta ignorância atrevida.

 (idem para o (des)investimento na Educação, Ciência, Saúde, ... e nos bens públicos.)



Publicado por Xa2 às 19:26 de 24.05.12 | link do post | comentar | ver comentários (3) |

Suspenso o futuro do país ... emigrar ou levantar a cabeça ?

                              Levantar a cabeça    (-por Andrea Peniche)

      Quando nos anos 90 do século passado o movimento estudantil avisava que se estavam a abrir as portas à desigualdade no acesso e frequência do ensino superior público, chamaram-nos fantasistas; quando avisámos que a introdução de propinas traria consigo a elitização do ensino superior, chamaram-nos catastrofistas; quando dizíamos que a justiça se fazia nos impostos e não com a introdução de novas taxas, disseram-nos que não sabíamos do que falávamos.

      20 anos depois temos um ensino superior público destinado a quem consegue pagá-lo. Quem tanto enche a boca com o discurso meritocrático, devia abri-la agora: o ensino superior público não é para os melhores mas para aqueles que conseguem pagá-lo. A desigualdade está aí, servida com brutalidade.

      Há 20 anos dizíamos que uma lei injusta não podia ser lei. Porque perdemos a batalha, porque a solidariedade nos foi recusada, o resultado é hoje este: 30 mil estudantes perderam a bolsa, 10 mil abandonaram o ensino superior e o futuro de milhares de estudantes e do país está em suspenso.

      Amanhã, no Porto, é dia  de  LEVANTAR  a  CABEÇA.       [Mais informação aqui.]
       Alguém se esqueceu de desligar a RTP memória   (-por Pedro Sales )      ... O Governo vai aumentar o número de alunos por turma, vai encerrar cursos profissionais e concentrar os recursos da formação profissional nas áreas da caça, pesca e agricultura, em detrimento das novas tecnologias e informação.
     Austeridade/crise faz aumentar o desemprego (15%), incluindo o desemprego jovem e de diplomados ...
     Governo aconselha a emigrar. 
     Ofertas de emprego no estrangeiro para áreas da saúde, engenharia e ciência ... levam à emigração da massa crítica  e de importantes activos portugueses (Pessoas, famílias) ... para além da privatização/ venda de infra-estruturas, recursos, empresas (quase-)monopolistas...


Publicado por Xa2 às 13:34 de 22.05.12 | link do post | comentar |

Educação, delação, assédio, produtividade, economia ... e nossas ruas

                Educação para a delação
     «Mais tarde ou mais cedo tinha que acontecer algo assim. Conta o "Público" que uma escola do 1º Ciclo pôs alunos (crianças entre os 6 e os 10 anos) a fazer patrulhas durante as horas de recreio, com instruções, acusam os pais dos alunos de uma turma do 4.oº ano, como "tomar nota do nome dos colegas que apresentam comportamentos inadequados", nomes depois "colocados em local público para que toda a comunidade escolar tenha conhecimento dos mesmos". E, pelo andar que as coisas levam em Portugal, ainda vamos no princípio...
     Fardadas com uma "t-shirt" com a inscrição "PSP", significando "Patrulha de Segurança do Pontal", as crianças da escola do Pontal (Portimão), duas por turma, são enquadradas por graduados, digo, professores, devendo efectuar "rondas no recinto escolar nos horários críticos da escola, valorizando sempre o diálogo".
     Os pais contestatários pensam antiquadamente que "as crianças têm como principal função aprender, tendo direito a um intervalo para brincar; não têm de 'espiar' os colegas". Presume-se que a maioria, ciente da sociedade de novo tipo hoje em construção, veja na educação para a delação dos seus rebentos apenas a preparação destes para um paisano futuro profissional brilhante a denunciar colegas de trabalho ou, se fardado, a espancar manifestantes e jornalistas "valorizando sempre o diálogo".»  ([JN], Manuel António Pina, via OJumento)

                 PRODUTIVIDADE  E  ASSÉDIO  MORAL ! 

    «O objetivo deste artigo é mostrar o modo como as práticas organizacionais e a cultura dos locais de trabalho podem levar a experiências de humilhação e a situações constrangedoras no trabalho. A discussão baseia-se em entrevistas realizadas no decorrer de 2007, com 20 trabalhadores de três fábricas de calçados localizadas no Ceará (Brasil).

     A análise de conteúdo das entrevistas indica que, apesar da humilhação e do constrangimento serem formas de violência conduzidas por indivíduos investidos de poder e autoridade na empresa, essas práticas transcendem as relações interpessoais e estão relacionadas às políticas de gestão organizacional centradas no estabelecimento de metas de produção a serem cumpridas pelos trabalhadores. As políticas determinam quanto e como produzir e, ao mesmo tempo, as relações interpessoais que se estabelecem dentro das fábricas.»

     Um artigo de investigadores brasileiros com muito interesse sobre uma temática cada vez mais pertinente e atual !Infelizmente os nossos investigadores tardam na abordagem destas questões naturalmente incómodas porque têm uma dimensão social.VER   (-p 
                       Na minha rua
Lisboa     Na minha rua existem dois organismos do Estado. Nota-se que as pessoas que neles trabalham passaram a transportar uma marmita com os restos do jantar.
      O vai-e-vem que animava a minha rua transformou-se no lá-vai-um.
      Na minha rua existem dois cafés. O do Sr. José, com o anúncio na montra a avisar que o Joaquim e o Francisco já não trabalham lá porque o estabelecimento assumiu o aumento do IVA sem o reflectir nos preços e o da Dona Maria, que deixou de fornecer refeições por falta de pessoal.
      Na minha rua havia uma papelaria que fechou. Os funcionários da marmita deixaram de comprar o jornal e os empregados dos cafés deixaram de lá entrar.
      Na minha rua há uma farmácia onde os avós iam com os netos para se aviarem. A farmácia despediu a Sara e a Sofia porque as receitas do fim do mês não chegavam para os parcos vencimentos que tinham.
      Os avós da minha rua já não ficam com os netos. As reformas não aguentam e os pais que trabalhavam no escritório, que entretanto fechou, e no infantário, que tem cada vez menos miúdos, dispensam esse apoio.
      Consta que, lá para a Guarda, encerrou a fábrica de peças de automóveis depois da oficina, que havia na minha rua, ter fechado as portas.
      Na minha rua já não passa o autocarro porque as pessoas que o apanhavam ficam em casa.
      Na minha rua já não se ouvem lamentos piegas. O último foi aquele que o vizinho do 76 proferiu durante o voo que fez do sexto andar.
      Na minha rua o silêncio inquieto que sempre antecedeu barulhos violentos só é quebrado pelo ruído das persianas que se abrem para deixar à mostra o anúncio de venda e pelo grito de quem se aventura ao assalto frequente.    (- LNT [0.250/2012], A Barbearia do sr.Luís)


Publicado por Xa2 às 07:51 de 08.05.12 | link do post | comentar | ver comentários (6) |

Boas e más notícias

             E  boas  notícias    (-por J.Vasco, 21.3.2012)

Como acompanho regularmente o Fado Positivo, já desde 2009 vou sabendo das notícias positivas quase silenciadas a respeito da nossa balança comercial.
Uma evolução gradual ao longo dos anos, com altos e baixos, que está prestes a atingir um ponto simbólico: a nossa balança comercial está quase equilibrada.
Como se conseguiu? Entre outras coisas, foi a aposta na inovação e na educação, no Turismo de qualidade, na produção de energia, etc...
Agora parece que se pretende apostar na diminuição dos salários e dos direitos laborais - uma escolha com falta de visão.

A aposta que falta fazer é a de criar um sistema de Justiça que funcione: é isso que vai promover o investimento, sem sacrificar o crescimento económico e o desenvolvimento do país.

 

          Más  notícias

«Receita do Estado caiu 4,3% nos dois primeiros meses deste ano»
«Défice do Estado quase triplica até Fevereiro»
«[BCE] não exclui a possibilidade de uma contracção de 5%, tal como consta do boletim mensal»
E haveremos de sair desta crise? Claro que sim, a mal ou a bem, mais tarde ou mais cedo, todas as crises chegam ao fim.

Mas a ganância, a sede de poder de quem chegou ao Governo foi responsável por um enorme agravamento desta crise, e o país vai pagar muito caro ter dado ouvidos às suas mentiras.

 

                   Revista de blogues (21/3/2012) 

         «(...) Arriscamo-nos a perder a geração que mais esforço e dinheiro nos custou a formar, e na qual depositámos esperanças na modernização do país. Se isso acontecer, os efeitos da austeridade de 2012 ainda estarão convosco em 2022. O país estará divido entre aqueles que mais dependem da segurança social e do sistema nacional de saúde e uma população ativa de onde os mais formados saíram do país. Junte-se a esse panorama as remessas da emigração e o “Conta-me como foi” passa a ser uma série sobre o futuro de Portugal.
      Há maneira de inverter essa tendência. A União Europeia precisa de competir com o enorme investimento que os países emergentes fazem em Investigação & Desenvolvimento. Só o que a China gasta nessa área é superior a todo o orçamento da UE. O Brasil abre novas Universidades Federais todos os anos. Porque não fazem os europeus o mesmo, fundando estrategicamente Universidades da União nos países mais afetados pela crise para impedir a fuga de cérebros e preparar os sillicon valleys do futuro? (Defendo essa ideia, chamando-lhe “o programa Erasmus levado à maturidade” num artigo da revista Europa: Novas Fronteiras dedicado à sociedade do conhecimento).

         (...)

       Exemplos como o da emigração dos jovens qualificados permitem-nos entender como a austeridade, no contexto errado, pode ser pior do que um disparate: é um desperdício.» (Rui Tavares)

 

                    Revista de blogues (20/3/2012)

        «(...) É verdade que o valor nominal dos impostos será menor se o Estado investir menos em educação, sendo o resto constante. Mas é falso que isto represente uma redução no esforço económico médio das pessoas que contribuem os impostos. Isto porque custa muito menos pagar dois mil quando se ganha seis mil do que pagar duzentos quando se ganha seiscentos. Os impostos são a melhor forma de reduzir o sacrifício médio de pagar algo que a maioria deseja, pela forma como distribuem o esforço. (...)

      Haverá sempre quem tenha dinheiro para pagar cursos da treta, e haverá sempre empreendedores a lucrar oferecendo-os. Quanto mais o Estado se ausenta do ensino, mais o critério principal de concorrência passa a ser o lucro, que depende mais da capacidade de cobrar dinheiro aos clientes do que de de dar uma boa formação aos alunos. (...)

        Felizmente, o curso não é o mais importante, porque o fundamental no ensino superior é que os alunos aprendam a aprender. Tanto faz que estudem física nuclear, biologia molecular ou história da arte, o que importa é que desenvolvam a capacidade de lidar com informação nova, de a examinar de forma crítica e de testar as opiniões que vão formando. Não é realista planear antecipadamente uma carreira de quarenta anos. Mas saber ler, escrever, aprender e pensar é sempre uma vantagem, e a proficiência nisto exige muito mais formação do que a maioria julga.



Publicado por Xa2 às 13:49 de 22.03.12 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

Professores tendenciosos, cursos mercantilizados e 'economês'

ACONTECEU  EM  HARVARD !

   Se vires sair da tua televisão, entrando-te pela casa dentro, um sujeito grave e algo acinzentado, coberto de títulos académicos, autor de artigos de uma alegadamente sólida ciência, dizendo-te, num “economês” altivo, coisas que te parecem estúpidas ou simplesmente injustas, não te deixes esmagar pela figura, mantém a tua liberdade de juízo.
    De facto, o que aí anda com o falso carimbo de ciência única, a justificar o confisco de bens e a degradação da qualidade de vida, mais não é do que uma simples escola de pensamento económico, questionável como qualquer outra, que partilha com as suas congéneres, algumas das quais bem diferentes dela, a multiplicidade de perspectivas, a partir das quais se procura compreender a sociedade e melhorar a vida. Neste caso, é certo, ela parece destinar-se essencialmente a assegurar que a vida corra bem aos poucos do costume, mesmo que isso exija o sacrifício dos massacrados de sempre.
    Sem prejuízo de ser sempre bom exercitarmos sem complexos o nosso pensamento crítico, é estruturalmente saudável e útil darmos conta de que um pouco por todo o mundo, em circunstâncias previsíveis ou inesperadas, há quem não desista do futuro, não se vergando perante os oráculos que o querem usurpar.
    Nesta medida, hoje vou dar-vos dois textos a ler. O primeiro é um artigo escrito para a revista brasileira de grande circulação CartaCapital, por João Sicsú (Professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que foi diretor de Políticas e Estudos Macroeconómicos do IPEA (Instituto de Pesquisa Económica Aplicada) . De Harvard para as ruas ─ é o título do texto. Dá conta da incomodidade dos estudantes de uma emblemática Universidade norte-americana, em face do modo como é orientado o ensino da economia nessa prestigiada escola. O segundo texto é a reprodução da posição tomada pelos estudantes de Harvard, que é comentada no primeiro texto.
**************1º Texto :  De Harvard para as ruas (- por João Sicsú)
   " Dia 2 de novembro (2011). O dia dos mortos. No curso introdutório de economia (rotulado “economia 10”) da Universidade de Harvard, os alunos ressuscitaram. Entregaram uma carta ao renomado professor Gregory Mankiw informando que estavam se retirando da sua sala de aula em protesto contra o conteúdo do curso que o economista está lecionando. Escreveram:

Quando ser novo-keynesiano não significa seguir as ideias de John Maynard Keynes
   “Hoje, estamos saindo de sua aula, Economia 10, a fim de expressar o nosso descontentamento com o viés ('bias', enviesamento) dado a este curso de introdução à economia. Estamos profundamente preocupados com a maneira que esse viés afeta os estudantes, a Universidade e a sociedade, em geral.”
   Valeria ter noticiado este evento no Brasil? Sim, vale a pena! Greg Mankiw é bastante conhecido e muito admirado pelos economistas conservadores brasileiros. Tem livros traduzidos para o português e vastamente adotados nos cursos de graduação de economia do Brasil. E muitos de seus artigos acadêmicos são utilizados nos cursos de mestrado e doutorado. Ademais, de 2003 a 2005, foi presidente do Conselho de Consultores Econômicos do presidente George W. Bush. Hoje, é assessor do pré-candidato republicano Mitt Romney à Casa Branca em 2012.
    Mankiw se considera um economista novo-keynesiano. Mas, para o leitor que tem a sorte de não conhecer os mínimos detalhes (que beiram a loucura) da vida acadêmica de economia, tal rótulo não quer dizer que Mankiw seja um seguidor do inglês John Maynard Keynes. Pasmem: quer dizer exatamente o oposto.
   De volta à carta. Em seguida o texto dos estudantes explicita o viés mencionado: “não há justificativa para a apresentação de teorias econômicas de Adam Smith como sendo mais essenciais ou básicas do que, por exemplo, a teoria keynesiana”.
Segundo os estudantes, o curso teria a tendência de valorizar a teoria da “mão invisível” do mercado, a ideia fundamental do pensamento smithiano, em detrimento das visões que valorizariam o papel do Estado, a concepção keynesiana, como promotor do equilíbrio e do bem estar. Aparentemente, os alunos têm razão, cursos de introdução à economia devem apresentar uma visão ampla da teoria, mostrando que existem diversas possibilidades de leitura da realidade econômica. Embora jovens, os alunos sabem as consequências de cursos tendenciosos:
    “Graduados de Harvard jogam um papel importante nas instituições financeiras e na definição de políticas públicas em todo o mundo. Se Harvard não equipar seus alunos com uma compreensão ampla e crítica da economia, é provável que suas ações prejudiquem o sistema financeiro global. A prova disso são os últimos cinco anos de turbulência econômica.”
   Melhor ainda: os alunos não se retiraram da sala de aula para lanchar no McDonald´s. Foram para as ruas.
Estamos saindo hoje para nos juntar a uma ampla marcha em Boston para protestar contra a mercantilização do ensino superior que é parte do movimento global ‘Occupy’. Já que a natureza (en)viesada do curso ''Economia 10'' simboliza e contribui para a crescente desigualdade econômica nos Estados Unidos, nós estamos saindo da aula de hoje tanto para protestar contra a sua discussão inadequada da teoria econômica básica, como para emprestar o nosso apoio a um movimento que está mudando o discurso americano sobre injustiça econômica.”
   Em novembro, manifestações do 'Ocuppy' ganharam o reforço dos economistas de Harvard. Foto: AFP/Timothy A. Clary
Mankiw, depois de um mês do ocorrido, se pronunciou em sua coluna do New York Times de 3 dezembro. No artigo, argumenta, como esperado, em defesa do seu curso e da sua trajetória profissional. Não vale a pena comentar. Apenas, vale mencionar dois fragmentos de seu texto. E a conclusão fica para o leitor…
   “A administração da universidade, que tinha ouvido falar sobre o planejamento do protesto, enviou vários policiais, como medida de precaução, para sentar na minha classe no dia [da manifestação]. Felizmente, eles não foram necessários.”  “… minha (…) reação foi de tristeza ao percebr como mal informados parecem estar os manifestantes de Harvard. Tal como acontece com grande parte do movimento ‘Occupy’ por todo o país, suas queixas me parecem ser um apanhado de platitudes anti-establishment sem uma análise realística ou claras prescrições de política.”
     (link para) 2º TEXTO :  An Open Letter to Greg Mankiw , by Harvard Talks Politics
(The following letter was sent to Greg Mankiw by the organizers of today’s Economics 10 walkout.)
      (-por/via Rui Namorado, OGrandeZoo)


Publicado por Xa2 às 07:50 de 14.12.11 | link do post | comentar |

«carpe diem»
FAMÍLIA, ESCOLA E CIDADANIA: QUAIS OS CAMINHOS?
[FLORIANÓPOLIS, SC / BRASIL] 2008
Palestra de Mário Sérgio Cortella [Filósofo, mestre e doutor em Educação pela PUC-SP]
 

 



Publicado por [FV] às 16:41 de 25.10.11 | link do post | comentar |

No coments...


Publicado por [FV] às 07:59 de 10.09.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Reprovados

A coligação negativa - formada pelo PSD, CDS, PCP, BE e Os Verdes -, é a responsável pela estagnação política vivida em Portugal nos dois últimos anos, em que o governo do PS esteve em minoria no parlamento. Num país pequeno e concentrado como Portugal, a estagnação política afecta outros sectores: económico, cultural, civilizacional... É um cancro.

Foi ela que abriu as portas ao FMI. O chumbo do PEC IV foi só a passadeira vermelha. Aliás, imediatamente após o envio do convite aos cobradores sem rosto, este promíscuo concubinato juntou de novo os trapinhos para fazer o frete à Fenprof, aprovando uma lei para suspender a avaliação dos professores.

Recorde-se que esta lei foi discutida e aprovada duma vezada, na generalidade e na especialidade, numa só tarde… Nunca o parlamento teve tanta produtividade!

Para fazer regredir as melhorias introduzidas nos últimos anos no sector da Educação, reconhecidas e valorizadas internacionalmente, aqueles partidos não olharam a meios. Nem sequer repararam na Constituição.

Este atabalhoado processo legislativo ficará para história da Assembleia da Republica como uma das suas mais negras páginas. A decisão do Tribunal Constitucional não deixa margem para dúvidas: “O decreto aprovado pelos partidos da oposição na Assembleia da República violou o “princípio da separação e interdependência dos poderes” e representou uma “invasão nas competências que cabem ao Governo enquanto órgão de soberania”.

Ao contrário de outras vezes, o boicote ao desenvolvimento do país foi mal sucedido, desta vez. Mas os responsáveis continuam por aí, a atirar pedras, na vã tentativa de esconderem os seus telhados de vidro...

É importante para os portugueses, pais e jovens em particular, identificar quem se preocupa com a melhoria das condições do ensino, não os confundindo com os que temem enfrentar as corporações, as quais, no que à educação diz respeito, têm como uma única preocupação que os professores atinjam o topo da carreira o mais depressa possível. Todos!

José Ferreira Marques [A Forma e o Conteúdo]



Publicado por JL às 21:17 de 30.04.11 | link do post | comentar |

Oficina de sobrevivência

Titulo deveras sugestivo. Na verdade a sociedade não se constrói só em contestação, também, se muda em (e com) acção.

A iniciativa, levada a cabo por esta organização sediada em Coimbra, é bem ilustrativa de que alguma coisa com inovação se vai fazendo neste país.

Estão de parabéns os seus promotores e oxalá a adesão seja aquela que o evento merece.



Publicado por Zurc às 00:03 de 16.03.11 | link do post | comentar |

Ensino privado vs público

O ensino privado não é melhor que o público: selecciona os alunos, e claro que tem melhores resultados

Na discussão sobre o ensino privado alimentado pelos nossos impostos volta sempre o velho mito da suposta qualidade dos colégios. Aparentemente os pais escolheriam os colégios porque estes teriam melhores resultados.

Para começar esquece-se uma evidência: se fosse concedido aos pais escolherem a escola para os seus filhos e todos optassem pelo privado, além de o público ficar às moscas, gostava de ver a proclamada qualidade do privado que não pudesse seleccionar os alunos. Porque essa é a questão: quem escolhe alunos (como aqui provei que se escolhe, tendo em conta “o percurso escolar do aluno”) fica com os melhores e estes obtêm melhores resultados. É óbvio. Tão óbvio como este velho texto do Pedro Sales, que mantem a sua actualidade ranking após ranking:

O colégio São João de Brito é da Companhia de Jesus, a qual tem mais duas escolas com ensino secundário. O Instituto Nun´Álvares, em Santo Tirso, e o Colégio da Imaculada Conceição, em Cernache – Coimbra. Como acontece com quase todas as escolas privadas no interior, têm um contrato de associação com o Estado. Ao contrário do São João de Brito, recebem alunos de todas as classes sociais. A Companhia de Jesus afirma que os métodos de ensino, contratação e formação de professores são idênticos. Quais são, então, os resultados? O Nun´Álvares ficou em 177.º, a Imaculada Conceição em 91.º. Há quatro anos, ficaram em 164.º e 249.º, respectivamente. O São João de Brito, com os mesmos métodos pedagógicos e de ensino, ficou este ano em 3.º no ranking e, há quatro anos, foi a ”melhor” escola…

Questionado, na altura, pelo “Público” sobre essa brutal disparidade entre uma escola que recruta os seus alunos entre a elite da elite e dois colégios privados com todo o tipo de estudantes, o responsável pelo São João de Brito diz que “o Colégio de Coimbra fica num meio paupérrimo”. “é um meio rural, com fraco nível cultural. Teríamos outra posição no ranking se estivéssemos mais perto de Coimbra”. Pois é, teria a Companhia de Jesus e a escola secundária de Alpiarça ou a de Campo Maior. Mas não têm, o que não as impede de ver na comunicação social que as escolas privadas são melhores do que as públicas. Uma leitura redutora que, como se vê, tem os seus dias. Ou melhor, os seus sítios e classes sociais.

João José Cardoso [Aventar]



Publicado por JL às 19:32 de 03.02.11 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Evangelizemos, o Estado paga

No "site" da Agência Ecclesia, Jorge Cotovio, secretário-geral da Associação Portuguesa de Escolas Católicas, apela à "luta" e à "acção" contra a decisão do Governo de atribuir às escolas privadas com contrato de associação, designadamente às da Igreja, financiamento por turma igual ao que recebem as escolas públicas. Porque, "se achamos que as escolas católicas são um meio privilegiado de evangelização junto da juventude e das suas famílias, não podemos atirar a toalha ao chão".

Reivindicam-se as escolas católicas como "escolas públicas não estatais" que prestam "serviço público" de ensino e que devem, por isso, ser financiadas pelo Estado (e até, pelos vistos, com financiamentos superiores àqueles com que o Estado financia as suas próprias escolas). Afinal, o "serviço público" que tais escolas têm em vista é a "evangelização junto da juventude e das suas famílias".

Temos assim os contribuintes a financiar a evangelização de uma confissão religiosa sob a capa do "ensino público", e apesar de a Constituição determinar que "o ensino público não será confessional" (artº 43º, nº 3).

A financiar, por exemplo, um colégio de Coimbra onde os alunos são, contra a lei, seleccionados conforme o seu, e dos pais, "ideário" e onde é seu dever "desenvolver uma devoção especial a Nossa Senhora" e dever dos professores "participar na oração comunitária da manhã na Capela". Isto numa "escola pública".

Manuel António Pina [Jornal de Notícias]


MARCADORES: ,

Publicado por JL às 00:01 de 02.02.11 | link do post | comentar | ver comentários (3) |

Privados lutam pelo subsídio do Estado

As escolas privadas de Coimbra também foram chorar a Lisboa

Como era de esperar a luta dos empresários privados, e confissões religiosas, continua. Vejam o caso de Coimbra. A verde os que, só da zona urbana, foram hoje manifestar-se. A amarelo a rede de ensino pública (2º e 3º ciclo e secundário), com quase todas as escolas subaproveitadas, algumas muito longe do número de alunos que já tiveram.

Escolas-de-Coimbra

Transcrevo também o comunicado do meu Sindicato, o SPRC, que desde sempre denunciou esta situação pregando aos peixes, enquanto o Ministério da Educação continuava a esbanjar o seu orçamento para satisfazer a ganância de alguns empresários e de uma confissão religiosa:

Posição do SPRC face aos protestos promovidos pelos empresários do sector da educação. 

Também na região centro, colégios privados com contrato de associação iniciaram hoje alguns dias de protesto com o objectivo de continuarem a pressionar o governo a pagar-lhes um valor superior ao do financiamento das escolas públicas.

Ao longo de muitos anos, o poder político, não só fechou os olhos, como pactuou com a proliferação destes colégios, alguns dos quais construídos ao lado de escolas públicas, mas, mesmo assim, tendo celebrado contrato de associação com o Estado.

Exemplo em Coimbra foi o Colégio de São Martinho que, praticamente, se encostou às EB 2.3 de Taveiro e Inês de Castro, ficando sempre a dúvida (que ainda hoje paira) sobre os expedientes que os proprietários do colégio (ex-dirigentes da DREC) terão utilizado para obterem o que, pela lei vigente, a todos parecia impossível.

Mas não é esse o único problema. As histórias contadas por professores de colégios são muitas e os documentos que as ilustram permitem perceber como enriqueceram empresários que encararam a Educação como um negócio, tendo, alguns, construído verdadeiros impérios.

Confessa um desses empresários que, pela forma como organiza as coisas, põe uma turma a funcionar todo o ano por pouco mais de 50.000 euros. Acima desse valor tem lucro, pretendendo garantir que ele seja o mais elevado possível. Se é assim ou não é, o SPRC desconhece, mas que os sinais exteriores de muito lucro existem, isso está à vista de todos!

O que chega ao Sindicato, relatado por vários professores, chega a surpreender e indignar. São

… os recibos de vencimento que exibem valores superiores ao que é pago;

… a devolução, em dinheiro, do montante correspondente ao subsídio de refeição;

… os horários que apresentam uma “face oculta”, havendo muitos em que são impostas actividades lectivas na componente não lectiva;

… as (muitas) horas de trabalho à borla”;

… as professoras que estiveram de licença de maternidade e entregaram ao patrão o cheque da Segurança Social que receberam quando regressaram ao serviço;

… os registos biográficos que não correspondem à assiduidade dos docentes: uns por defeito, outros por excesso;

… as actividades pagas pelo ME que também são pagas pelos pais mas que não são pagas aos professores que as desenvolvem…

São muitas as histórias que chegam ao Sindicato, grande parte seguindo depois o percurso normal da via jurídica, não surpreendendo que professores obtenham indemnizações que, no caso do SPRC, já atingiram os cem mil euros.

É agora num quadro de redução do financiamento público que os colégios ameaçam encerrar as suas portas durante alguns dias. Como? Em lock-out? Não podem! Em greve dos professores? Não há!

Por decisão dos pais que impedem as crianças de frequentar a escola? É preciso cuidado, pois, por essa razão, há pais de alunos de escolas públicas que foram abordados pela polícia por não garantirem que os seus filhos frequentassem a escolaridade obrigatória. Como vale mais prevenir do que remediar, aos professores o SPRC aconselha:   cumpram, nesses dias, o seu horário na escola, não vá a entidade patronal descontar-lhes o salário do dia de trabalho.

Apanhados neste turbilhão, sobre os professores abate-se uma violenta onda de pressões e ameaças, sendo “convidados” a aceitar cortes nos salários, alterações nos horários e até indemnizações para serem despedidos. É vergonhoso que isto aconteça, pois são situações que têm lugar num clima de grande pressão sobre os docentes!

Para o SPRC, não há qualquer justificação para que não se cumpra o clausulado do Contrato Colectivo de Trabalho e não se respeitem as normas das leis laborais, pelo que não pactuará com as ilegalidades praticadas.

É insuficiente a verba que os colégios recebem para promoverem uma resposta que, no caso dos contratos de associação, é pública? Há que fazer contas e saber isso, mas fazê-las também para o público, pois, neste caso, o ensino não pode ter custos diferentes conforme os promotores!

Foi a passividade de vários governos que permitiu chegar ao ponto a que se chegou. Durante quantos anos o poder político fechou os olhos e arquivou processos disciplinares instaurados a colégios? Talvez por isso se sinta hoje refém da sua própria apatia.

João José Cardoso [Aventar



Publicado por Xa2 às 18:07 de 28.01.11 | link do post | comentar |

Ensino privado, dinheiro público

O Governo entende, e bem, que o Estado não deve financiar os colégios privados com contrato de associação (onde o ensino é, como nas escolas públicas, pago pelos contribuintes) com valores superiores àqueles com que financia as escolas públicas.

Mas os colégios querem mais, e, ontem, dirigentes de alguns deles, arrastando consigo pais e crianças (há notícia de casos em que as crianças que não foram a essa e a outras manifestações promovidas pelos colégios tiveram falta), depositaram caixões junto do ME, querendo com isso simbolizar a "morte" do ensino privado... por ter que viver com o mesmo com que vive o ensino público. É a "iniciativa privada" no seu melhor: sempre a clamar contra o Estado e, ao mesmo tempo, sempre a exigir subsídios e apoios.

Diz a ministra que o Estado não deve contribuir com dinheiro dos contribuintes para as piscinas, o golfe e a equitação de alguns colégios privados, e é difícil não lhe dar razão.

Mas talvez esta fosse boa altura para, finalmente, o ME ir mais fundo e apurar o destino que é dado em alguns desses colégios aos dinheiros públicos. Saber, por exemplo, se todas as verbas destinadas aos professores chegarão ao seu destino ou se, em certos casos, o Estado não andará a financiar, afrontando a Constituição, um ensino abusivamente selectivo e confessional, onde os professores têm, de novo só por exemplo, que "participar na oração da manhã na Capela".

Manuel António Pina [Jornal de Notícias]



Publicado por JL às 10:50 de 26.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

Tem toda a razão

A ministra da Educação, Isabel Alçada, considerou "absolutamente justo" o diploma sobre o regime dos apoios do Estado ao ensino particular e cooperativo, que coloca este financiamento num patamar "equivalente" ao do ensino público.

"O financiamento tem que ser idêntico. Nenhum português compreenderá que se financie a níveis superiores o ensino privado em relação ao ensino público. Tem que ser equivalente", argumentou a ministra.

[Jornal de Notícias]



Publicado por JL às 22:45 de 20.01.11 | link do post | comentar |

Ainda o financiamento das escolas privadas pelo Estado

O lobby das escolas privadas que são financiadas pelo Estado não desarma: onde estiverem Cavaco ou Alegre, lá estarão manifestações de criancinhas, devidamente industriadas, gritando "SOS", ou os respectivos paizinhos empunhando cartazes com palavras de ordem.

Aprendeu bem a Direita a lição com o PCP.

Há só um aspecto que me faz confusão: mantendo-se o financiamento das escolas privadas instaladas em áreas em que não há oferta pública (financiamento limitado - claro - a valor igual ao que é entregue às escolas públicas), por que razão os cartazes parentais ostentam palavras de ordem como "tenho o direito de escolher a escola do meu filho"?

É que, obviamente, se eu escolher colocar as minhas filhas numa escola privada, sei que terei de pagar o valor real de propinas que permitem a escola funcionar. Mas porque raio deverão ser os restantes contribuintes a pagar a minha escolha?

É que aquelas manifestações não defendem a instituição do cheque-ensino com a possibilidade de escolha universal por parte de todas as famílias portuguesas.

Nada disso.

Defendem apenas a sua possibilidade de escolher.

Como qualquer corporação.

Nuno Santos Silva [Arcádia]



Publicado por JL às 20:04 de 16.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

A amizade é muito bonita…

Naqueles longínquos anos 80 o Prof. Aníbal Cavaco Silva era docente na Universidade Nova de Lisboa. Mas o prestígio académico e político que entretanto granjeara (recorde-se que havia já sido ministro das Finanças do 1º Governo da A.D.) cedo levaram a que fosse igualmente convidado para dar aulas na Universidade Católica.

Ora, embora esta acumulação de funções muito certamente nunca lhe tivesse suscitado dúvidas ou sequer provocado quaisquer enganos, o que é facto é que, pelos vistos, ela se revelou excessivamente onerosa para o Prof. Cavaco Silva.

Como é natural, as faltas às aulas – obviamente às aulas da Universidade Nova – começaram a suceder-se a um ritmo cada vez mais intolerável para os órgãos directivos da Universidade.

A tal ponto que não restou outra alternativa ao Reitor da Universidade Nova, na ocasião o Prof. Alfredo de Sousa, que não instaurar ao Prof. Aníbal Cavaco Silva um processo disciplinar conducente ao seu despedimento por acumulação de faltas injustificadas.

Instruído o processo disciplinar na Universidade Nova, foi o mesmo devidamente encaminhado para o Ministério da Educação a quem, como é bom de ver, competia uma decisão definitiva sobre o assunto.

Na ocasião era ministro da Educação o Prof. João de Deus Pinheiro. Ora, o que é facto é que o processo disciplinar instaurado ao Prof. Aníbal Cavaco Silva, e que conduziria provavelmente ao seu despedimento do cargo de docente da Universidade Nova, foi andando aos tropeções, de serviço em serviço e de corredor em corredor, pelos confins do Ministério da Educação.

Até que, ninguém sabe bem como nem porquê… desapareceu sem deixar rasto… E até ao dia de hoje nunca mais apareceu.

Dos intervenientes desta história, com um final comprovadamente tão feliz, sabe-se que entretanto o Prof. Cavaco Silva foi nomeado Primeiro-ministro E sabe-se também que o Prof. João de Deus Pinheiro veio mais tarde a ser nomeado ministro dos Negócios Estrangeiros de um dos Governos do Prof. Cavaco Silva, sem que tivesse constituído impedimento a tal nomeação o seu anterior desempenho, tido geralmente como medíocre, à frente do Ministério da Educação.

Do mesmo modo, o seu desempenho como ministro dos Negócios Estrangeiros, pejado de erros e sucessivas “gaffes”, a tal ponto de ser ultrapassado em competência e protagonismo por um dos seus jovens secretários de Estado, de nome José Manuel Durão Barroso, não constituiu impedimento para que o Primeiro-ministro Aníbal Cavaco Silva viesse mais tarde a guindar João de Deus Pinheiro para o cargo de Comissário Europeu.

De qualquer modo, e como é bom de ver, também não foi o desempenho do Prof. João de Deus Pinheiro como Comissário Europeu, sempre pejado de incidentes e críticas, e de quem se dizia que andava por Bruxelas a jogar golfe e pouco mais, que impediu mais tarde o Primeiro-ministro Cavaco Silva de o reconduzir no cargo.

A amizade é, de facto, uma coisa muito bonita…

Recebido por email



Publicado por JL às 20:35 de 14.01.11 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

Verificar outra possibilidade... às vezes há uma escolha ao lado ...

Ouça um bom conselho...

Transcrição de parte do artigo de Maria João Guimarães e Nicolau Ferreira publicado na revista "Pública" de domingo passado sobre receber e dar conselhos:  Escolher o terceiro caminho.
"A única frase que o físico e professor catedrático da Universidade de Coimbra Carlos Fiolhais considera aproximar-se de um conselho que procura seguir leu-a num livro e é em si mesmo um anticonselho. "Entre dois caminhos, escolhe sempre o terceiro", lembra Carlos Fiolhais à Pública. "Na área dos negócios, é o pensar 'out of the box' ", acrescentou. É uma ideia que sugere utilizar a nossa criatividade para olhar para o mundo fora das fronteiras que alguém estabeleceu por nós. "Somos confrontados com problemas que parecem ser binários, e às vezes há uma escolha ao lado que é a resposta."

Fiolhais conta que se lembra de ler a frase num livro, quando era adolescente. Era um conselho dado pelas mães judias aos seus filhos. O físico associa esta frase à história dos judeus, quando durante a II Guerra Mundial as escolhas eram entre lutar e entregar-se aos alemães - e nas duas situações o destino seria trágico. A terceira opção poderia ser fugir.

Na realidade científica, o terceiro caminho é muito utilizado e pode ser de ouro. "Niels Bohr, prémio Nobel da Física, um dos mais importantes físicos do mundo, talvez tão importante como Einstein, aconselhava sempre os seus alunos a pensar ao lado. O génio é isso, é ir para o caminho que não nos é dado." O físico de Coimbra conta que faz no seu trabalho científico este esforço permanente de "pensar ao lado", de verificar sempre a possibilidade contrária do caminho A ou do caminho B. Bohr dizia que  "o oposto de uma verdade absoluta pode bem ser outra verdade absoluta." Fiolhais pergunta: "O oposto de A ou B não será também algo viável?"

Carlos Fiolhais explica que mesmo na sua vida particular este conselho já o ajudou: "Todos temos problemas, e pensamos que a solução ou é uma coisa ou é outra..."
Fica de pé atrás quando se fala em conselhos tradicionais. "São vias de obediência, às vezes de uma forma amigável e paternalista, mas são autoritários", diz. "O livro 'O Segredo' [de Rhonda Byrne] é um manual de conselhos, é puro lixo intelectual. Desconfio sempre de conselhos."

O físico prefere servir-se de referências, de pessoas como os seus pais ou alguns professores que se tornaram exemplos. "Mais do que ouvir palavras de orientação, o importante é olhar para a vida das pessoas", defende. Continuando na senda de mostrar que uma verdade e o seu contrário podem ser compatíveis, conclui: "Tenho 54 anos, já tenho idade para não dar conselhos." "
-Posted by De Rerum Natura at 2010.09.07

 



Publicado por Xa2 às 00:07 de 08.09.10 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

Novas espécies identificadas no Estado social português (2)

O jogo das influências, das cunhas e dos pedidos sempre fez parte da nossa relação com o Estado enquanto poder

 

O povo do meio "Todos os anos é a mesma coisa. Mas não me consigo habituar a tanta incompetência: 45 dias depois do fim das aulas, neste final • de Julho, os alunos e as famílias não conhecem os horários do próximo ano lectivo, impedindo de atempadamente planearem transportes, tempos livres, actividades extracurriculares, enfim, planearem a sua vida. Como se tal não bastasse, a 5 dias do fim do mês, recebo carta a informar-me que o meu filho que vai iniciar o 7o ano afinal já não fica na escola onde se inscreveu. Criaram à pressa um novo agrupamento, juntaram as turmas todas desse ano noutra escola. Dizem que tenho cinco dias para me opor, mas nem sequer informam o que acontece se o fizer: fica na rua? Vai para outra escola ainda mais longe? Tá tudo maluco" - escreveu Gabriel Silva no blogue Blasfémias.

Ao contrário do que escreveu Gabriel Silva não está nada "tudo maluco". Quem assim procede sabe muito bem o que está a fazer, pois, como diz o provérbio, manda quem pode, obedece quem deve. E nós portugueses devemos. Ou muitos de nós devem. Muito particularmente aqueles que gostam de se definir como classe média e que estão presos pela retórica, pelos impostos e pelas aparências a um Estado que se diz social. É o povo do meio.

Para aqueles que vivem nas franjas, o problema naturalmente não se coloca. Ou colocam os filhos em colégios privados, de preferência estrangeiros para que as crianças fiquem a salvo de alguns desvarios pedagógicos nacionais e sobretudo aptas a triunfar em qualquer lugar do planeta, ou então gritam muito e invocam discriminações e traumas vários que lhes garantem a compreensão de muitas assistentes sociais e animadores culturais.

Só quem está no meio precisa de saber em Julho os horários que os filhos vão ter em Setembro, pois os outros têm sempre quem resolva ou se preocupe por eles. Quem está no meio é que não tem saída. Quem garante que as crianças cujas famílias contestem não acabarão num agrupamento pior? Num horário que não dá jeito? Ou numa turma que se designa como problemática? E qual é a alternativa a não obedecer? Pedir ao agrupamento que entregue a cada família os 5 mil euros que lhe custa o aluno e usar esse dinheiro para pagar um colégio ou colocar o filho noutra escola pública? Não pode ser que isso, dizem, é a destruição do Estado social. Claro que seria sim a destruição do Estado deles. Daqueles para quem vários pais nesta espécie de jogo de sorte e azar telefonam para que o seu filho aparentemente calhe numa turma conveniente. Dos chefes deles. E dos chefes dos chefes deles.

O jogo das influências, das cunhas e dos pedidos sempre fez parte da nossa relação com o Estado enquanto poder. Quando o Estado se passou a chamar social, a mobilidade social passou a depender cada vez mais da capacidade que tivermos para nos relacionar com a sua estrutura. O povo do meio para passar a ser povo de cima não tem de trabalhar mais. Tem de aprender a mexer-se melhor no labirinto estatal. E sobretudo não esquecer que a primeira regra para conviver com o Estado social é que este não se contesta. Influencia-se.

 

Público



Publicado por Izanagi às 10:07 de 02.08.10 | link do post | comentar |

Gadgetismo, aldrabice estatística, educaçãorrota, irresponsáveis e ...

O "GADGETISMO"

Por Santana Castilho *

 

Com esta desumana fórmula de gerir escolas, ...

A dúvida assalta-me a cada nova acometida:

a sucessão das etapas desagregadoras da educação nacional foi planeada à distância?

Olho para os protagonistas e logo rejeito.

Mesmo para urdir estrategicamente a maldade mais odiosa é necessária uma inteligência que não possuem. Actuam à bolina e move-os um só desígnio: embaratecer o custo do trabalho honesto de muitos para enriquecer uns tantos, protegidos pela burqa da legalidade podre que corrói o país.

Anima-os uma cultura: o "gadgetismo" bacoco. Suporta-os o sonambulismo cívico da nação.

 

Aos Magalhães, aos quadros interactivos e a toda a corte de gadgets electrónicos, enganosos salvadores da ignorância que floresce, acrescentam-se agora os gadgets pedagógicos e organizacionais do momento:  a learning street e os megagrupamentos de escolas.

 

Sob os auspícios da Parque Oculta, dizem-me que José Trocado executa o comando de José Trocas-Te:  um megagrupamento de escolas por concelho.

Exagero ou não, tanto faz. Facto é que as direcções regionais iniciaram a fusão dos agrupamentos existentes.

Trata-se de arrebanhar crianças de tenra idade, retirá-las do seio familiar contra a vontade dos progenitores e abandoná-las numa comunidade de milhares de alunos com idades que vão até aos 18 anos (apontam os 3000 como limite, mas com a credibilidade que lhe conhecemos, só eles sabem onde a loucura os pode deter).

 

Perfilam-se surreais ligações administrativas e pedagógicas de escolas separadas por dezenas de quilómetros, com projectos educativos tão idênticos como a velocidade e o toucinho.

Adivinham-se os inerentes megagrupamentos de docentes e a megamobilidade dos ditos, com o primeiro tempo da tarde a quilómetros do local onde leccionaram de manhã.

Tudo caucionado pela crise económica, pela grilheta limitativa do calendário das presidenciais e pelo jogo dos pequenos interesses dum bloco central envergonhado.

 

Com esta desumana fórmula de gerir escolas, a decantada qualidade do ensino deteriorar-se-á ainda mais.

Desaparecerá a gestão de proximidade que o acto educativo não pode dispensar. O que restava da pedagogia cederá passo ao centralismo administrativo que, sendo já mau, agora fica gigantescamente deplorável.

O caciquismo vai refinar-se, a burocracia expandir-se e a indisciplina aumentar. Não esperem que se aprenda mais ou que o abandono e o insucesso escolar diminuam.

florescerá a aldrabice das estatísticas e a crista dos galos que permanecerem nos poleiros.

 

Toda a lógica gestionária, entronada há apenas um ano como a (e sublinho o artigo definido) solução, já vai de arrasto, directores às urtigas, órgãos dos agrupamentos às malvas.

Não é exequível qualquer projecto educativo com tais loucos ao leme.

Não são criminosos no sentido penal do termo. Mas são hediondos criminosos pedagógicos.

 

Não só escaqueiraram o que encontraram, como deixam armadilhado o caminho dos que se seguirem, que outra alternativa não terão senão voltar a virar tudo do avesso, salvo se forem tão insanos como eles.

O sistema educativo não aguenta tamanha instabilidade. Tudo o que possa ser sério e válido é visceralmente incompatível com este tumulto.

Para fazer o que a nação reclama que seja feito, quem se seguir tem que se alicerçar num diálogo social e num pacto político que gere estabilidade à volta do que é estruturante. Doutra forma o sistema soçobra.

Percebo bem que os portugueses se preocupem com a bancarrota. Não entendo que não reajam à "educaçãorrota". Depois de lhes sacrificarem os filhos, ainda não se dispõem a defender os netos?

 O ano lectivo vai terminar de forma grotesca.

 

De fanfarronada em fanfarronada, os sindicatos foram ao tapete:

cederam na aberração da avaliação do desempenho; aguardam com a paciência dos desistentes um estatuto de carreira por promulgar que, em boa verdade, só muda as moscas; assistiram ao sacrifício dos contratados e ao adiamento de tudo o que libertasse os professores da escravidão em que caíram.

Pactuaram quando tinham que ser firmes. Persistiram no erro quando puderam reconhecê-lo.

E, não contentes, espadeiraram contra os que estavam do seu lado, cegos pela ganância de não partilharem o protagonismo das negociações eternas.

 

Cabe aos professores rejeitarem vigorosamente o papel de simples sujeitos-mercadoria que o "gadgetismo" irresponsável lhes reserva, impondo-lhes, como se desejo seu fosse, toda a sorte de porcaria perniciosa.

Mas não cabe só aos professores.

É tempo do novo responsável do PSD dizer ao que vem.

Dizer claramente se sustenta a dissimulada mas escandalosa privatização do Ministério da Educação, que o polvo da Parque Escolar vai sorvendo;

dizer, com urgência, se acompanha ou não a subalternização da sala de aula e a substituição do ensino pelo entretenimento atrevido e ignorante do "eduquês" pós-moderno de Teresa Heitor;

dizer, sem dar espaço às habituais tergiversações do PSD, se, uma vez no Governo, porá fim à terraplanagem selvagem da identidade e da cultura das escolas portuguesas;

mais que dizer, mostrar, numa palavra, ele que tanto se detém nos labirintos da economia e da globalização, que interiorizou as razões pelas quais as multinacionais do Ocidente procuram os alunos da China, da Coreia do Sul e da Índia.

 

*Professor do ensino superior. s.castilho@netcabo.pt   (via comentário no post «Ignóbil reduto da iliteracia diplomada»)



Publicado por Xa2 às 12:50 de 09.07.10 | link do post | comentar | ver comentários (6) |

Matilde Rosa Araújo

Obrigado.

 

A escritora Matilde Rosa Araújo morreu ontem de madrugada, em casa, em Lisboa, aos 89 anos. Nascida em Lisboa em 1921, licenciou-se em Filologia Românica pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, e foi professora do ensino técnico profissional em várias cidades do País.

Foi autora de livros de contos e poesia, dedicou-se à defesa dos direitos das crianças através da publicação de livros e de intervenções em  diversos organismos.

A poetisa e pedagoga foi distinguida com vários prémios.

O funeral realiza-se hoje, às 15h00, no Cemitério dos Prazeres.



Publicado por Xa2 às 00:07 de 07.07.10 | link do post | comentar | ver comentários (4) |

Ignóbil reduto de iliteracia diplomada

Ignorância

É no mínimo estranho este Mundo onde se aplaude quando se exige silêncio, onde se usa ácido quando se exige açúcar, onde se age privado quando se exige público.

Digo “no mínimo estranho” para não aprofundar a descaracterização total do que nos identifica e para evitar rotular comportamentos de quem não sabe estar no mundo dos homens e dos seus significados.

Tudo isto é espelho da decadência e resulta da impreparação ético-cívica de quem desempenha cargos públicos a todos os níveis. Vai do mais alto que se abstém do seu papel representativo ao mais baixo que se apresenta num canal público, em dia de luto nacional, de gravata berrante a questionar quem quer recolhimento com as mais inacreditáveis cretinices.

A culpa talvez não seja deles mas de nós que somos cada vez menos exigentes.

A causa talvez não resida só na incapacidade dos pais transmitirem aos filhos os conceitos base dos comportamentos em sociedade, mas nesta bandalheira ignóbil que transformou Portugal numa gigante bancada de futebol incapaz de assistir ao jogo sem insultar o árbitro por ele não se dar ao respeito e sem esbofetear o vizinho de cadeira por ele usar uma camisola diferente.

Na fona da instrução para a inscrição estamos a transformar este País num reduto de ignorantes com estudos.

LNT, A Barbearia do Senhor Luis



Publicado por Xa2 às 08:07 de 22.06.10 | link do post | comentar | ver comentários (11) |

Não ter acesso, estudar e emigrar

Estudar Medicina fora do País

Acabo de ler que estão cerca de 1000 estudantes a estudar medicina fora de Portugal (em Espanha) e que, juntando a República Checa, o segundo país com mais estudantes portugueses e, depois os restantes onde portugueses estudam medicina, se atinge o número 2500 que é só duas vezes e meia os que estudam em Portugal.

Isto tudo por um numerus clausulus que ninguém compreende excepto a corporação Ordem dos médicos.

Depois faltam os médicos pelo país todo. E vêm muitos de todos os lados.

Eu não sou contra esta permutação. Até achava altamente positivo se as razões fossem naturais com base em acordos, porque a troca de saber é sempre muito positiva.

A questão é que isto tem na origem e já há muitos anos um erro de base em que todos perdem.

Perde o País porque gasta muito mais na formação dos médicos.

Perdem as famílias porque têm a mais um dispéndio financeiro para que os filhos estudem.

Perde o SNS porque não tem médicos suficientes e presta assim um serviço insuficiente e perde o doente porque tem uma medicina de pior qualidade.

Se este problema está diagnosticado e é claro o erro, porque não se o resolve?

Este problema não é de agora. Atravessou muitos governos, incluindo os de Cavaco Silva. Teve 10 anos no governo e saúde e justiça é o que se vê.

Tudo seria fácil se ao longo dos anos se algum ministro da saúde tivesse mesmo defrontado os loby's que os há e que impedem por interesses próprios que esta situação se resolva calmamente e é certo para bem de todos.

João Abel de Freitas, Puxa Palavra

 

Não há dúvida de que os médicos (OM e profs.Fac.Med.) usaram do poder que têm tido para limitar a formação de médicos e, assim, manter privilégios.

Agora, há outras "coutadas", por exemplo o licenciamento de farmácias, aliás, actividade mais rendosa que a profissão de médico, ainda que não pareça.
A falta de concorrência eleva os custos e não incentiva o progresso, a melhoria da qualidade.
A falta de Estado interventivo e esclarecido, com meios para enfrentar lobies, leva o país para a dicotomia dos muito ricos/muito pobres, ao desenrasque e à exploração desenfreada, à falta de uma larga classe média que eleve a generalidade da população para um patamar superior de bem-estar, tolerância, paz e segurança.
O que temos vindo a assistir em Portugal, há décadas ou séculos, é ao reduzir da classe média em favor duma minoria de privilegiados (de velhos e novos nobres, novos-ricos aproveitadores das 'revoluções' dinásticas de XIV, XVII, liberal, republicana, militar-democrática) e
do «escorraçar» (para a emigração ou para trabalhos subalternos) dos valores existentes, de todos aqueles que têm capacidade e mérito mas não os «padrinhos/ cunhas/ nepotismo» que lhes permita ultrapassar a «barreira à entrada» na profissão, na indústria, no sector da actividade dominado por poderosos lobies monopolistas ou cartelistas.
Zé T.


Publicado por Xa2 às 13:07 de 14.06.10 | link do post | comentar | ver comentários (6) |

Assim vai este Portugal

 

Um dia depois de o Governo vir pedir sacrifícios e sempre aos mesmos, temos respostas de ministros, como a da Educação, que perante uma situação de deficiência na construção diz que o problema é do novo clima. Se isto não é gozar com os portugueses o que será?
Isabel Alçada prosseguiu em Beja o roteiro por escolas secundárias e foi confrontada com o desagrado da comunidade escolar
A ministra da Educação, Isabel Alçada, foi ontem surpreendida durante a visita à Escola D. Manuel I, em Beja, com uma situação inesperada: o pavilhão polivalente coberto, acabado de construir - ao abrigo do projecto de requalificação do edifício escolar -, deixa entrar água a ponto de interditar o espaço às aulas de Educação Física. A governante, que disse ter sido informada da situação ontem de manhã, não escondeu o incómodo quando os jornalistas a confrontaram com o problema. E argumentou com uma insólita explicação. "Foi-me dito que o miniclima de Beja está relativamente diferente, graças ao Alqueva, que refrescou a cidade, e que tornou um pouco mais húmida esta zona."
Público

MARCADORES: ,

Publicado por Izanagi às 12:39 de 10.03.10 | link do post | comentar | ver comentários (11) |

Portugal, que futuro?

Ao ler os comentários ao Post “Propagandas”, sobretudo o primeiro de DD, sobre os licenciados, desemprego, políticas de desenvolvimento do país, entendi que apesar da distancia temporal, o momento era oportuno para dar a conhecer uma parte de um longo artigo que o Público em 16 de Março de 2007 dedicou ás energias alternativas.

Já em diferentes momentos, aqui neste Blog, fiz referência às principais áreas que bloqueiam o desenvolvimento do país, destacando a JUSTIÇA pelo facto de abarcar transversalmente todos os sectores da sociedade. As outras são a Educação, mas colocando o foco do problema não no ensino obrigatório, mas sim no ensino superior e igualmente importante, a ausência de rigor na informação disponível, quer do sector público quer privado.
Felizmente que recentemente surgiu uma Fundação, que no site http://www.pordata.pt/azap_runtime/ disponibiliza a toda a população, uma base de dados, criada com o máximo rigor possível.
Tinha, relativamente á Justiça alguma esperança de os partidos políticos com representação na AR, promovessem reformas, na medida em que há um consenso nacional sobre a necessidade de tornar a Justiça, eficiente e eficaz, para além de “cega”.
Puro engano! O Procurador-geral da República desdobra-se quase quotidianamente em mentiras e continua em funções.
À semelhança da Justiça, também os “operadores” do Ensino Superior têm-se empenhado em mudar alguma coisa para que tudo fique na mesma, a começar pelo processo de avaliação de desempenho, que será feito por Auditores Externos mas que sistematicamente vai encontrando pretextos para ser adiado.
E o que temos? A resposta pode ser dada com um extracto do artigo que o Público publicou em 17 de Março de 2007.
Se tiverem alguma curiosidade e o lerem, verificarão que foram estabelecidas várias etapas e diferentes prazos para cumprir. Houve também dinheiro dos contribuintes envolvido. E o que é que foi cumprido? Apenas foi gasto o dinheiro dos contribuintes.
Num momento em que o paradigma do modelo produtivo está a sofrer uma forte mudança, com este tipo de comportamento, nunca seremos concorrência.
Artigo
O advento da primeira microturbina eólica "Made in" Portugal
Terá 20 metros de altura, entre dois e 2,5 metros de diâmetro e uma potência de 2,5 kW. Marca: Turban, com versões de eixo horizontal e vertical. É a identificação sumária da que está para ser a primeira microturbina eólica concebida de raiz e desenvolvida em Portugal, por cerca de 20 cientistas de seis instituições universitárias e científicas e sete empresas.
A Turban, uma microeólica especialmente desenhada para ambiente urbano, ainda só existe em protótipo virtual, mas vai ter de ganhar rapidamente corpo.
 0 contrato assinado com a Agência de Inovação, no âmbito do programa Demtec, impõe que a primeira versão física, eixo horizontal com as tradicionais três hélices, esteja pronta no início do Verão de 2007. Um ano depois, terá de estar pronta para produção industrial.
A equipa está confiante no sucesso da Turban, cujas primeiras imagens em movimento foram divulgadas há três dias. Ana Estanqueiro, a investigadora do INETI que coordena o projecto, defende que as perspectivas são positivas apesar do que ainda falta fazer até que esteja em condições de ser lançada no mercado.
A microturbina será feita em materiais plásticos termoendurecíveis, uma novidade nestes equipamentos, tradicionalmente em fibra de vidro ou carbono, o que lhe permitirá chegar ao mercado - acreditam os seus criadores - com um preço 30 por cento inferior à média, sem mais detalhes por enquanto.
O INETI coordena e tem a responsabilidade contratual sobre a equipa que dispõe de ano e meio para fabricar o modelo e testá-lo. Em Junho de 2008, o novo equipamento deve estar em condições de ser produzido para o mercado.
O trabalho começou há cerca de ano e meio, juntando o Inesclnov (conversão mecano-eléctrica], Universidade do Minho [materiais), Inegi (teste experimental), IST-IDMEC (consultoria aerodinâmica) e, do lado industrial a 7Sta da Iberomoldes, a Ciclo-Fapril, Samortécnica e a Réplica Fiel, com a consultoria da Dinâmica Aplicada, a Kymaner e a Projecto Detalhe. As empresas envolvidas neste projecto funcionam como fornecedores de componentes associados e com potencial envolvimento na futura empresa produtora destes equipamentos. O projecto está orçado em 1,5 milhões de euros, dos quais 700 mil são comparticipados.
Ana Estanqueiro não hesita sobre o objectivo deste projecto de investigação e desenvolvimento. "Estamos a fazer isto para canalizar para o mercado": É a pensar no mercado, e nas economias de escala, que a Turban, terá também uma versão de eixo vertical, menos conhecida e mais indicada para colocação no topo de edifícios, por causa da maior variabilidade da direcção do vento, enquanto a de eixo vertical é mais adequada à instalação no solo, junto às moradias ou no campo. A economia de escala vem do facto de as duas versões poderem aproveitar o desenvolvimento de uma parte comum que é a conversão mecano-eléctrica.
Esta é a primeira incursão portuguesa no campo da energia eólica, depois de algum trabalho feito numa área mais simples, dos painéis solares térmicos. Convicta do "nicho tecnológico das microeólicas" e do potencial de desenvolvimento do mercado de consumo, a investigadora refere que uma futura comercialização deste modelo não pode limitar-se ao país. "Não se põe uma empresa a fabricar este equipamento só para o mercado nacional", alerta Ana Estanqueiro, lembrando que o projecto tem de ter critérios empresariais e que a prioridade externa da Turban deverá ser os países de língua portuguesa - na janela aberta pelo acordo de Quioto com os Mecanismos de Desenvolvimento Limpo e a exportação de tecnologia limpa. Para dissipar dúvidas, diz que "Portugal, na microgeração, está mesmo na vanguarda", lembrando que é necessário entrar no fabrico de tecnologia própria - o salto crítico que dita a existência de um projecto ou a sua arrumação na prateleira dos trabalhos científicos que não passaram de ideias. Outra razão de optimismo deriva da constatação de que "não há bons fabricantes, havendo uma enorme carência destes equipamentos". A explicação está no facto de nenhum grande fabricante se interessar pela pequena escala. "O esforço de I&D foi todo dedicado às grandes máquinas", afirma a mesma responsável, resultando que uma microeólica custa hoje entre três a cinco vezes mais por kWh do que uma grande turbina.
Com a manutenção de uma grande procura de grandes turbinas, os fabricantes continuarão a ter mais a ganhar no desenvolvimento das grandes máquinas. Quanto a quem produzirá a Turban é uma incógnita. Em 2008, o INETI (ou a entidade sucessora, dado ter sido já decidida a sua extinção mas sem mais ter sido feito) fará o "spin-off" do projecto para transferência do processo de desenvolvimento para a área industrial e comercial.

 Quem já mostrou interesse? "Uma empresa italiana



Publicado por Izanagi às 11:15 de 04.03.10 | link do post | comentar | ver comentários (6) |

Mobilidade social ou reprodução ?

«PROPAGANDA»

Opinião - Jornal i, 1/03/2010

 

A igualdade de oportunidades é, acima de tudo, um discurso propagandístico. Por muito que a educação e o “mérito” sejam importantes para entreabrir as portas de subida dos mais carenciados, o certo é que estes transportam consigo o seu próprio “travão” que os impede de subir.

Trata-se de um processo sociocultural, quase congénito, em que o baixo estatuto herdado dos pais define um “destino” (provável) que empurra os indivíduos para se manterem em padrões de vida (económicos, profissionais ou educacionais) idênticos ou próximos da sua origem social.

Em sociedades com estruturas sociais mais rígidas e enraizadas na história, como Portugal e os países latinos, as barreiras de classe tornam-se praticamente intransponíveis para a esmagadora maioria.

É um facto que o ensino se democratizou, mas as credenciais académicas perdem importância (quer no estatuto, quer nas oportunidades que abrem) à medida que se massificam. O que está em causa não é apenas desigualdade mas a monopolização de recursos escassos, e o poder que daí se retira. O estatuto só é importante quando é exclusivo, e o privilégio de uns gera a exclusão de outros. Por isso as desigualdades se reproduzem.

 


Publicado por Xa2 às 08:05 de 03.03.10 | link do post | comentar | ver comentários (7) |

A grande burla

 

Num Post aqui publicado no dia 22 com o título “Denegrir o progresso do ensino em Portugal” da autoria de DD, fiz um comentário onde alerto para o problema do ensino superior.
Um recente inquérito coordenado pelo Prof. Vítor Crespo, referido na crónica de Vasco Pulido Valente, ontem, 24, no jornal Público, vem confirmar o que afirmei.
Não é com tentativas de iludir a realidade que vamos encontrar soluções para os problemas nacionais.
Agora a crónica:

Pela primeira vez, uma alta personagem do Estado - o governador do Banco de Portugal, Vítor Constâncio - reconheceu que o problema do nosso perene "atraso" é um "problema histórico". Falta agora reconhecer que o regime democrático que, não sem dificuldade, saiu do "25 de Abril tratou esse problema com erros também "históricos", que complicaram tudo e resolveram muito pouco. Desses erros, dois sempre se distinguiram desde o século XIX: a política de educação e a política de obras públicas. Da política de obras públicas não vale a pena falar, quando o desastre é mais do que patente. Mas vale a pena falar da política de educação, que se tornou o tropo obrigatório da retórica ortodoxa e que governo sobre governo tomaram, ou disseram que tomaram, como prioridade absoluta.

 

Fiquemos por enquanto pelo ensino superior. Segundo um inquérito recente do prof. Vítor Crespo, antigo ministro de Sá Carneiro, Portugal é hoje o país da Europa com mais instituições de ensino superior por milhão de habitantes (17) e, naturalmente, com mais cursos (4870). Existem por aí 825 licenciaturas diferentes (não se imagina em quê) e 133 só em engenharia. Parece que este caos se criou porque, nas doutas palavras de Sobrinho Teixeira, "os jovens de Bragança, Beja ou Covilhã têm (...) o mesmo direito" a uma vida decente do que os jovens de Lisboa, do Porto ou de Coimbra. Claro que, se os sentimentos são louváveis (embora, no caso, sem sentido), a qualidade é baixa e a "excelência" rara ou até nula. Ultimamente foi criada uma "Agência de Avaliação e Acreditação" para limitar ou reduzir esta catástrofe. Mas, como declarou o respectivo presidente, se houver "rigidez", quer ele dizer na sua, um mínimo de exigência, não fica nada, ou quase nada, aberto.
Ou seja, apesar do palavrório e dos trémulos de voz (quem não se lembra de Guterres com o coração na boca?), o Estado nunca de facto se preocupou em educar os portugueses. Ou porque não sabia o que era a educação (coisa provável e muitas vezes manifesta no pessoal dirigente) ou porque se limitou a ceder a pressões - regionais, corporativas, económicas, partidárias - com um total desprezo pelo resultado. Neste capítulo, o grande "esforço" oficial, como eles gostavam de chamar à falcatrua, não passou na prática de puro fingimento. Não admira que estejam hoje no desemprego entre 40 e 50.000 "licenciados". Nem que a produtividade não aumente. O que admira é que ninguém perceba que Portugal fabricou a sua própria miséria: por desleixo, corrupção e militante estupidez.
Público


Publicado por Izanagi às 10:12 de 25.01.10 | link do post | comentar | ver comentários (6) |

Acordo Governo (Min. Educação) e Docentes (sindicatos)
 
 
Fenprof  diz que acordo fica aquém em alguns aspectos

A Fenprof  (e a FNE ...) reconheceu hoje que o acordo assinado com o Governo é «bom» para os professores, mas fica aquém daquilo que tem defendido, pelo que vai continuar a lutar para alterar alguns aspectos da carreira docente.

 

«É um acordo importante para os professores. Contudo, em alguns aspectos, é um acordo que fica aquém do que a Fenprof defende, pelo que continuaremos a agir e a lutar no sentido de alterar», afirmou o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores, Mário Nogueira, após o acordo assinado com o Governo sobre a carreira e avaliação docente.

Segundo o sindicalista, a Fenprof considera que o modelo de avaliação vai continuar muito próximo do 'simplex' aplicado no último ano lectivo, continuando a discordar da realização da avaliação de dois em dois anos, bem como da existência de quotas na atribuição das classificações mais elevadas, apesar dos docentes com as notas de 'Muito Bom' e 'Excelente' não necessitarem de vagas para progredir na carreira.

 

«Sendo um mecanismo que advém do regime geral da administração pública, a Fenprof manterá uma luta forte e activa no âmbito da frente comum dos sindicatos da administração pública no sentido de combater as quotas e tudo aquilo que condiciona a avaliação dos professores e de todos os funcionários públicos», garantiu.

 

No entanto, o sindicalista congratulou-se pelo facto de Governo e professores terem acordado a revisão de outros aspectos do Estatuto da Carreira Docente, como os horários dos professores, funções da componente não lectiva, formação, faltas, dispensas, licenças e aposentações, já a partir de 20 de Janeiro.

Mário Nogueira manifestou-se ainda satisfeito pela antecipação em dois anos do próximo concurso de colocação de professores, previsto apenas para 2013, o que considerou também importante, tendo em conta que «30 mil professores» foram impedidos de concorrer no último por serem titulares e que 23 mil contratados já deviam estar integrados nos quadros.

 

«Este acordo assegura que os professores classificados com Bom chegarão ao topo da carreira e que, finalmente, acabou a divisão da carreira em duas categorias hierarquizadas», sublinhou.

Outro dos aspectos positivos apontados por Mário Nogueira prende-se com o facto do modelo de avaliação hoje acordado ser revisto no final do primeiro ciclo de avaliação e não apenas no final do segundo, «como pretendia o Ministério da Educação».

«Infelizmente achamos que serão poucos os aspectos que funcionarão bem», afirmou.

 

O secretário-geral da Fenprof sublinhou que a luta dos professores tem valido a pena e que vai continuar, tendo em conta a «urgência» em rever outras matérias do quotidiano dos professores, como as condições de trabalho nas escolas, a autoridade dos professores, o regime de vinculação dos contratados, o estatuto do aluno, a educação especial ou o alargamento da escolaridade obrigatória para 12 anos.

 

Questionado sobre a diferença entre negociar com a equipa de Isabel Alçada e com a da anterior ministra, Maria de Lurdes Rodrigues, Mário Nogueira disse que «desta vez aconteceu negociação».

«Há quatro anos e meio que não sabíamos o que era isso. Houve negociação, vamos ver se continua a haver. Já tínhamos saudades de uma boa negociação. Nunca deixámos que nos vergassem a coluna, nem nos tempos mais difíceis de Maria de Lurdes Rodrigues», assinalou.

Lusa / SOL, 8.1.2010



Publicado por Xa2 às 08:02 de 08.01.10 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

Boa Sociedade

Estas conversas de economistas que todos os dias vemos na televisão ou lemos nos jornais, que os problemas do 'mundo' são problemas económicos e se resolvermos os problemas económicos pelos mecanismos da economia o 'mundo' fica salvo é, para mim, conversa da treta.
 

Os problemas económico-financeiros que as sociedades ditas ocidentais hoje apresentam foram criados pelos economistas, isto é, pelas políticas económicas aplicadas por estes ou outros ditos pensadores e fazedores das economias dos países.
São estes senhores 'engenheiros da moeda' que ao raciocinarem (mesmo que de boa fé) sobre as sociedades destas formas económico-financeiras, que levaram a todo este global descalabro.
E vêm agora com receitas e medicamentação do mesmo veneno que aplicaram à sociedade. O problema e solução, neste caso são faces da mesma moeda, logo terá de se repensar o que levou a sociedade a este caos. E para mim, os 'economistas' não estão no lote dos que podem agora opinar, quanto mais pensar.
O problema existe porque a sociedade (o Homem) evoluiu no sentido do 'dinheiro' em vez da 'felicidade' (realização enquanto seres humanos). Não é por acaso que aparece o ditado “o dinheiro trás a felicidade”. E é por isso que aparecem os ‘economistas’ para nos fazer ganhar dinheiro. Só que a realidade (o presente) mostra que não foi assim.
O dinheiro trouxe sim, miséria para muitos e dinheiro (poder) só para alguns.
Certo é que já não andamos de ‘pés descalços’ nem vivemos em ‘casa dos pais’. Mas certo é também que nos custa imenso andar calçados e pagar a prestação da casa e não temos vida para além destas efémeras regalias. Esquecemo-nos de ser felizes.
Temos uma aparente melhor vida mas não somos mais vazios. Quem só evolui nos bens e esquece a alma, torna-se pior ser humano. Hoje todos os nossos filhos (e até nós) têm um curso superior (são doutores) mas estão desempregados ou a trabalhar fora da área de formação e ganhar de forma insuficiente (não chega para as despesas que assumiram) e não estão realizados (são infelizes).
A sociedade só poderá regenerar-se através dos valores sociais e da família (da vizinhança, do bairro, da cidade e do país) que se foram perdendo no caminho inverso do poder social – económico. Temos de voltar a perceber que não somos todos iguais, não temos todos direito ao sucesso económico (direito à propriedade) pelo facto de existirmos.
Perdeu-se a vivência e aprendizagem com os mais velhos (vão para os lares ou são abandonados) e as crianças perderam a educação dos pais/família (vão para a creche ou ficam fechadas em casa ou na rua).
Evoluímos no sentido de mais instrução mas abandonámos a educação. Porque a escola não trás obrigatoriamente educação. E era possível ter conjugado as duas e eu quero acreditar que ainda é possível. Mas reconheço que o temo urge e já é muito difícil de o fazer porque estamos a atingir uma fase em que as gerações que têm ainda educação já estão a 'morrer'. E ninguém pode dar o que não tem e a geração da economia (dinheiro) só pode dar o que tem, dinheiro e este começa a faltar e a estar muito caro.
 
O dinheiro pode ajudar a fazer a felicidade, mas só por si, não a dá. Só mesmo a efémera e essa tem juros altíssimos a pagar e caminhamos para uma sociedade que já não cumpre os seus compromissos, porque infelizmente é academicamente culta mas não é educada e por conseguinte já não tem honra.


Publicado por [FV] às 12:17 de 04.01.10 | link do post | comentar | ver comentários (4) |

Nas bancas



Publicado por JL às 00:01 de 21.12.09 | link do post | comentar |

Ver...como S.Tomé

Oxalá Isabel Alçada consiga esse milagre, sem deitar para a valeta o esforço de milhares de professores.

Há quatro anos, quem ousasse falar numa reforma do ensino em Portugal era considerado "persona non grata" pela corporação, que estava "gorda e anafada" gozando os seus privilégios, sem nexo. Os relatórios das instituições internacionais especializadas davam conta da existência de um sistema de ensino anacrónico, um dos mais atrasados da Europa, com índices de aproveitamento escolar de bradar aos céus, com faltas de assiduidade dos professores em percentagens elevadas. O ensino profissionalizante tinha sido condenado à insuficiência, o parque escolar mantinha-se degradado, o começo dos anos lectivos nunca se verificava a tempo e horas.

Sócrates tomou posse como primeiro-ministro de um Governo de maioria absoluta e anunciou ao País que a modernização do ensino era uma prioridade do Governo.

Maria de Lurdes Rodrigues assumiu a pasta da Educação e começou então uma longa e difícil batalha para mudar aquilo que era uma evidência. Passados quatro anos não se pode sequer comparar a situação que este Governo herda com aquilo que Maria de Lurdes Rodrigues recebeu. As mudanças foram em todas as áreas. Nenhuma foi fácil. Todas encontraram resistências tremendas. No entanto, como a determinação era grande, as alterações foram-se sucedendo.

Obviamente que nada disto poderia ir por diante sem a criação de uma carreira docente e de um sistema de avaliação consequente. Tocou-se nos privilégios, e aí foi o ‘inferno’.

Os sindicatos, que são puras correias de transmissão dos partidos, envenenaram todo o ambiente e desencadearam uma guerra ao Governo e ao ministério, a propósito, sobretudo, do sistema de avaliação. Não aceitavam que fosse adoptada uma solução séria que premiasse os bons e punisse os maus. Maria de Lurdes Rodrigues foi embora, e eu, que não a conheço de lado nenhum, só posso, como cidadão, agradecer-lhe o que fez pela modernização do ensino em Portugal.

Temos agora uma nova ministra neste Governo de maioria simples de Sócrates. Isabel Alçada já distribui muitos sorrisos e garante que numa semana se põe de acordo com as 14 organizações sindicais a propósito da carreira profissional e de um sistema de avaliação que sirva mesmo para avaliar. Oxalá Isabel Alçada consiga esse milagre, sem deitar para a valeta o esforço de milhares de professores que cumpriram a lei.

[Correio da Manhã, Emídio Rangel]



Publicado por JL às 00:03 de 15.11.09 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Um olhar sobre a democracia parlamentar

Ela aí está – a Educação a preencher de novo e com honras de prioridade a agenda parlamentar.

Como é do conhecimento público, um grupo minoritário de deputados do Partido Socialista demarcou-se, na anterior legislatura, da linha política do seu grupo parlamentar, nas áreas do Trabalho e da Educação.

No que à Educação diz respeito, o ponto da discórdia teve a ver com o Estatuto da Carreira Docente e o modelo de Avaliação dos Professores. Sem qualquer sucesso, aqueles Deputados preveniram a bancada parlamentar do PS sobre o crescente mal-estar nas Escolas; alertaram para a complexidade e o excesso de burocracia do modelo de avaliação; insistiram na necessidade de se optar por um modelo simplificado e de fácil aplicação; denunciaram o evidente objectivo financista do estatuto do Professor; defenderam o fim do conflito entre Ministério e Profissionais da Educação; exortaram ao exercício do diálogo como instrumento político privilegiado numa governação socialista. Tudo em vão!

A palavra de ordem era votar favoravelmente apenas e só as propostas governamentais, sem qualquer abertura, uma fresta sequer para uma opinião diferente, uma proposta de alteração, ou o conhecimento das propostas alternativas.

Esse tempo parlamentar caracterizou-se por um certo entendimento da Democracia Parlamentar, reduzida grosseiramente ao voto previamente assegurado pela maioria dos Deputados socialistas.

Tenho para mim que a vida parlamentar tem outra tradição, feita de confronto de ideias, suportada por uma retórica fina, ao serviço de uma argumentação inteligente, preparada e criativa. Confirmam-no muitas das publicações recentemente editadas pela Assembleia da República sobre parlamentares que deixaram a sua marca, como Passos Manuel e José Estêvão, ou as pinturas de Columbano que ornamentam as paredes dos Passos Perdidos e nos confrontam com Alexandre Herculano ou Almeida Garrett, entre outros. Desses ficou o registo, como certamente ficará dos que, na nossa vida contemporânea, deram corpo à Democracia na defesa da legislação necessária a um País renascido para o mundo moderno, mais justo e mais igualitário.

Ganhar no debate ou mesmo no exercício duma negociação em busca dos consensos possíveis será sempre um ganho a favor da Democracia e dos seus instrumentos mais válidos ainda que os mais difíceis. Ganhar com o recursos único à maioria numérica pode equivaler a uma perda democrática e pode apoucar a essência da diversidade parlamentar. É com hábitos destes que também se começa a questionar o sentido da vida democrática.

O voto livre que a democracia nos restituiu não pode servir para anular o contributo das forças parlamentares minoritárias. O que está em causa é, acima de tudo, a autonomia do Parlamento no seu todo enquanto órgão de soberania. Não pode um grupo parlamentar, mesmo quando em situação de maioria absoluta, abdicar duma leitura política crítica e transformar-se num instrumento a ser usado pelo Governo apenas e só em sua defesa. Estou certa que os eleitores que, com o seu voto, dão maioria a este ou àquele partido político esperam mais dos Deputados – exigem-lhes o seu contributo pessoal, o seu compromisso, a sua motivação para que a política melhore as suas vidas e o País. A vida política precisa de uma outra cultura no dia-a-dia do Parlamento – uma cultura de mais diálogo e menos fechamento entre as forças maioritárias e a oposições. Nem o partido maioritário se deve enclausurar na sua única verdade, nem os partidos minoritários de devem limitar a uma mera oposição de princípio.

O novo quadro político do Parlamento, que mantém a maioria do Partido Socialista, uma vez perdida a maioria absoluta, vai obrigar o PS a fazer o que podia ter feito na legislatura anterior: ouvir, dialogar, negociar, seleccionar consensos e soluções, também nas divergências. Na anterior legislatura esteve surdo às opiniões contrárias, indiferente aos sinais da sociedade, mesmo aos mais expressivos, falou sempre e só para dentro de si.

Veremos como a nova realidade política conseguirá alterar hábitos e posturas deformadoras duma vivência em democracia mais sadia e mais produtiva. O primeiro dos testes fica nas mãos da Ministra da Educação e dos deputados que, em sede da Comissão de Educação, irão apreciar os projectos da oposição sobre a Avaliação.

Nos próximos dias, uns e outros nos dirão se aprenderam a lição subtil dos resultados eleitorais (maioria sim / maioria absoluta não) e se estão disponíveis para fazer da governação do Ministério da Educação a grande Aventura que o País precisa.

[Diário de Coimbra, Teresa Portugal  via  Cão como tu]



Publicado por Xa2 às 13:36 de 12.11.09 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

A aventura de Isabel Alçada

Se Isabel Alçada estava convencida de que ontem era o seu primeiro dia de "uma aventura com os professores" estava equivocada. Ao que ela deu início foi a "uma aventura com os sindicatos", coisa bem diferente. Acresce que esta nova etapa de "uma aventura" é desconhecida para Isabel Alçada e é um terreno mais ou menos minado, um teste muito duro para uma nova ministra.

Não sendo uma política, a ministra deve estar convenientemente "briefada" para estes embates e deve ter uma retaguarda de apoio a funcionar em regime de S.O.S. permanente. Mas nem assim será fácil. O conflito do anterior Governo com os professores chegou onde chegou e foi o principal tónico dos partidos da Oposição, pelo que a ministra, não podendo contar com facilidades dos negociadores sindicais, vai ter ainda de suportar o peso político dos partidos parlamentares, totalmente indisponíveis para cederem num terreno em que conhecem as enormes fragilidades que, nesta matéria, o Governo traz da anterior legislatura.

É evidente que a ministra pode sentar-se diante dos sindicatos e dar conta da disponibilidade para ceder dentro de determinados parâmetros. A boa vontade e o espírito de abertura chegariam se o Governo pudesse contar com a compreensão popular. Mas o Governo também perdeu essa batalha e sabe-se hoje que a opinião pública não apoiará finca-pés do Governo ou recuos mais ou menos simulados. Pelo que, das duas, uma: ou Isabel Alçada tem em mãos uma solução milagrosa que surpreenda os sindicatos e não deixe o Governo malvisto em relação ao passado recente; ou então, a par da manutenção das negociações em bom clima - é essencial que estes primeiros encontros recoloquem a confiança entre as partes -, Isabel Alçada terá de jogar em dois tabuleiros, porque não poderá descurar uma conveniente informação para o público em geral deixando claramente definidas as fronteiras em que se move e a razão de ser de tais limites.

O que tudo isto quer dizer é que ao seu peso específico, os sindicatos dos professores juntam hoje o apoio - quase incondicional - dos partidos da Oposição, bem como a simpatia de uma fatia significativa da opinião pública. Isabel Alçada tem a seu favor o facto de ser nova na tarefa, o ter sido professora e, por sinal, delegada sindical e, finalmente, o facto de pertencer a um partido que ganhou as eleições. Aos sindicatos, e até a certa Oposição, pouco interessará quem ganhou as eleições, porque vêem o problema pelo lado da perda da maioria absoluta. A verdade é que é tudo isto o que está nos pratos da balança. E se ela pender para um dos lados, seja por acção sindical, da Oposição ou do Governo, ai de quem provocar o desequilíbrio e prefira o confronto a uma solução. Os deslizes pagam-se caro.

[Jornal de Notícias, José Leite Pereira]



Publicado por JL às 00:05 de 12.11.09 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

O lado negro da escola privada confessional (qualquer)

No topo do ranking das escolas: o ''meu'' colégio Mira Rio ou o meu mergulho na Opus Dei

Passei os olhos por aqui e fiquei a saber que o colégio que frequentei entre os 3 e os 14 anos, este ano, ficou no topo do ranking das escolas. Cada pessoa é um mundo. Cada pessoa tem a sua experiência. Os pais são livres, naturalmente, de escolherem a escola dos seus filhos. Mas nem sempre os filhos, quando são pequenos, bastante pequenos, contam aos pais o que os amedronta. Lembro-me da provocação do C. Hitchens ao perguntar se a religião é abuso de menores. Às vezes é.

No Mira Rio onde cresci, nunca ouvi falar de um deus misericordioso, de um deus pai, nunca ouvi falar de amor. A religião foi-me essencialmente incutida por duas vias:

a via dogmática, que se traduzia em muito cedo já saber declamar as provas extra-bíblicas da existência de Cristo;

e a via do medo, esta muito eficaz, porque o pecado, venial e mortal, nas suas consequências, se não sanados, eram ilustrados até à náusea.

Insistia-se bastante no limbo, mas, sobretudo, e este é o aspecto fulcral do meu Mira Rio, havia uma atenção doentia, por parte do colégio e do preceptorado, aos pecados da carne. De resto, os sacerdotes do opus dei ajudavam no terror.

A primeira aproximação que tive às consequências do fenómeno do desenvolvimento (futuro) do meu corpo e da minha cabeça pecadora foi a explicação de que o dito corpo era o templo do espírito santo. Ora, o templo não pode sentir o que quer que seja. Isto foi terrivelmente explorado ao ponto de ser convocada uma reunião com a directora do colégio no dia em que a mesma entendeu que nós, a minha turma, já teríamos sido visitadas por um acontecimento que inicia fatalmente a inclinação para o pecado da carne, de resto bastante provocado por uma espécie que nos era estranha - os rapazes. Esse acontecimento era a menstruação. Sim, ele foi-nos explicado em associação com o pecado.

A tarde estava amena, eu era muito pequena, mais do que as outras, e pela primeira vez na vida percebi a dor da diferença. É que eu ainda não era menstruada. Eu nunca tinha pensado em sexo. Quando a directora desatou a falar no fenómeno sanguinário, no pecado, na gravidez fora do santo matrimónio, na propensão masculina para nos atrair para o pecado, senti-me uma ilha e, claro, comecei, nesse dia, a pensar em sexo.

Na confissão, precedida de uma lista de presença pública semanal, recebíamos uma folha com os dez mandamentos e para cada um, sugestões de pecados. Assim, o nosso exame de consciência seria induzido e mais completo. No sexto mandamento, o fatídico da castidade, perguntava-se, por exemplo: demoro-me, no banho, a contemplar o meu corpo?

Lembro-me de ser muito nova e de pensar demoradamente nesta pergunta. Lembro-me de tomar banho em dois minutos para não pecar. E lembro-me de pensar demoradamente noutras perguntas do mesmo calibre.

Tal como na inquisição, a sugestão é tão minuciosa que a criança acaba por acreditar que fez aquilo, mesmo que o não tenha feito, e que se o fez cometeu o tal pecado digno do fogo que a Virgem Maria fez a graça de mostrar aos três pastorinhos e que a professora nos deu a ver ilustrado num desenho.

O sacerdote fez-me perguntas de uma minúcia que nunca vi, como advogada, serem feitas em tribunal. O meu corpo, o corpo de uma criança, foi escrutinado atrás de uns quadradinhos de madeira, o confessionário. Havia também a professora Sofia, que depois de uma asneira grande que fiz com 9 anos, vendo-me comungar, me levou para uma sala fechada e explicou-me que eu recebera do corpo de Cristo em pecado mortal. Convenceu-me, sem apelo nem agravo, de que estava condenada ao inferno.

Passei muitas noites da minha quarta classe a adormecer com medo, com uma ideia da esperança de vida, tendo a minha por inútil, já que fatalmente condenada ao inferno. A professora Sofia torturou-me de muitas outras maneiras.

O ensino era bom? Sim. Havia professoras boas? Sim. Havia boas pessoas? Sim. Fiz amigas e apesar de tudo, com elas, recordações felizes? Claro.

Mas às vezes a religião é abuso de menores. Este é apenas uma parte do meu relato pessoal. Não é um relato de ensino de sucesso.

Aos 14 anos fui para a escola pública. Fiquei em choque durante um mês. Descobri rapazes, pobres, ateus, conflitos sociais e debate livre de ideias. Ao mesmo tempo, descobri outros católicos.

Católicos que me falaram pela primeira vez em amor em vez de pecado, em perdão em vez de castigo, em fazer em vez de apenas rezar. Descobri, com esses católicos, a acção social. Descobri que há um deus de todos que a todos ama e que a todos aceita. Na verdade, um pai, que nunca, por natureza, renega um filho.

Foi assim, na escola pública, no meu Rainha Dona Amélia, que não ficou no topo do ranking das escolas, que me deram a dimensão de pessoa. Mais tarde disse adeus a Deus. Mas sem mágoa, porque foi de outro deus que me despedi.

[Jugular, Isabel Moreira  via  Esquerda Republicana]



Publicado por Xa2 às 07:44 de 05.11.09 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Laicidade, democracia e justiça

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos condena a Itália por violação da liberdade religiosa.

Em Portugal, muitas escolas mantêm crucifixos nas salas, apesar de a lei os proibir.

Na sequência desta decisão inédita do tribunal Europeu, a Associação República e Laicidade volta a defender que Ministério da Educação deve tirar símbolos religiosos de todas as escolas.

A Associação República e Laicidade (ARL) está "a reflectir" se avança com nova exigência para a retirada dos crucifixos de todas as escolas do Estado. A hipótese foi admitida por Ricardo Alves, desta associação, e surge na sequência de uma decisão do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, conhecida ontem, condenando a existência destes símbolos em estabelecimentos públicos.

Alem desta exigência a ARL deveria, também, exigir a retirada das torres das igrejas os altifalante que durante o dia e a desoras da noite emitem cânticos religiosos sem qualquer respeito pelo descanso das populações e do principio da liberdade religiosa, obrigando a quem não seja católico ter de ouvir as, por vezes, mais disparatadas prédicas dos párocos respectivos.

Na sentença, o tribunal deu razão ao protesto de uma mãe italiana, relativo à escola frequentada pelos seus dois filhos em 2001-2002, condenando este país a indemnizar a queixosa em cinco mil euros por ter sistematicamente recusado os seus apelos.

A decisão do Tribunal Europeu decorre da queixa de Soile Lautsi, que, em 2002, considerou a presença de um crucifixo na sala de aula do filho contrária aos princípios com que pretendia educá-lo. Lautsi levou o caso ao Tribunal Constitucional (que afirmou não ter jurisdição sobre o assunto) e depois ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, em Estrasburgo. Reconhecida legitimidade à queixa, o estado italiano foi condenado a pagar uma indemnização de 5 mil euros à mãe do rapaz. Embora reconhecendo que a exibição do crucifixo "pode ser encorajadora para os alunos religiosos", os juízes consideraram que pode também ser "incómoda" para os fiéis de outras religiões ou para os ateus.

Mandará o bom senso e o respeito pela diferença que os símbolos se restrinjam aos seus espaços próprios. À igreja o que é da igreja, ao Estado o que é do Estado e aos cidadãos a liberdade de escolherem livre e conscientemente as sua crenças.



Publicado por Zurc às 12:33 de 04.11.09 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

O cerco

Mário Nogueira desdobra-se em conselhos e declarações ao governo e à oposição, chegando ao desplante de avisar o governo que era melhor que este suspendesse a marcação dos calendários para o novo ciclo avaliativo.

Mário Nogueira desdobra-se em contactos e compromissos, chegando-se ao espantoso de se ouvir, no último Expresso da Meia-Noite, o CDS, pela voz de Diogo Feio, dizer que o modelo de avaliação do desempenho deve basear-se na auto-avaliação e que deve ser feito apenas de 4 em 4 anos.

Ouvimos também a defesa, por parte de Mário Nogueira, Diogo Feio e Pedro Duarte, do fim da divisão artificial entre duas categorias de professores, acabando com o Estatuto da Carreira Docente.

Ouvimos Diogo Feio dizer que o governo, cujos secretários de estado ainda não tinham tomado posse e cujo programa ainda nem sequer tinha sido aprovado, deveria ter dado um importantíssimo sinal no importantíssimo dia 31 de Outubro, de que suspenderia a política de educação do último governo.

Talvez fosse conveniente ler a famosa proposta do CDS/PP, se é a que consegui encontrar na internet (penso ser a proposta elaborada para a Assembleia da República, que foi convenientemente chumbada pela ausências dos deputados do PSD) e compará-la com a lei em vigor que, já agora, convinha cumprir.

Ouvimos Mário Nogueira dizer que tinha sido uma boa notícia para os professores a substituição de Maria de Lurdes Rodrigues como ministra da Educação. Pois é pena que também não tivesse sido substituído o líder da FENPROF. Teria sido uma excelente notícia para os professores e para o país.

[Defender o Quadrado, Sofia Loureiro dos Santos]



Publicado por JL às 00:02 de 03.11.09 | link do post | comentar |

Mau exemplo

A existência de casos de violência no Colégio Militar, agora do conhecimento público, assume uma importância em termos de sociedade que vai além da dos incidentes particulares, já de si muito graves.

Em primeiro lugar porque, tratando-se de uma escola, coloca em questão a própria reprodução de valores fundamentais reclamados pelos militares, entre os quais avultam o civismo, o respeito pela vida humana, a lealdade, a verdade, a honra, a coragem.

Banhos gelados, agressões com moca, bofetadas, imposição de exercícios físicos violentos, maus-tratos recorrentes configuram situações em que a violência física anda de mãos dadas com a violência psicológica. E, sendo cometidos por alunos mais velhos, "graduados", sobre alunos mais novos, alguns destes ainda crianças, evidenciam, sem sombra de dúvida, comportamentos que substantivam exactamente o contrário do civismo, da lealdade, da coragem, da honra.

E o mais preocupante de tudo isto é que os casos conhecidos não são seguramente eventos isolados, porque não se vê como poderiam ocorrer desligados do costume próprio do Colégio e com desconhecimento da hierarquia. De resto, o que se lê nos jornais é que "os castigos são hábito normal" da instituição, em nome de um outro valor central da sociedade castrense, precisamente a disciplina.

Aos "graduados", base da cadeia hierárquica, cabe disciplinar os mais novos, o que significa imporem a sua representação do que é a cultura da disciplina, dominante no Colégio. Essa imposição, como é comum em contextos de reprodução da masculinidade, remete para o corpo, como território próprio para a produção da submissão.

Haverá, portanto, no Colégio Militar um código não escrito, fundador de uma prática que nos ajuda a compreender o facto de, num único ano lectivo, ter havido, segundo a Imprensa, cerca de 600 punições a alunos. Ou de os ministérios da Defesa e da Educação terem, já este ano, ordenado uma inspecção conjunta ao Colégio Militar e ao Instituto dos Pupilos do Exército.

As conclusões da diligência não são conhecidas e deviam ser. Porém, afirma-se que delas decorre o reconhecimento institucional da necessidade de medidas imediatas, capazes de garantir o bem-estar e integridade física dos alunos mais jovens. Elucidativo.

Bem pode o país interrogar-se como é possível, mais uma vez, que numa instituição gerida pelo Estado crianças e jovens estejam sujeitos aos mais abjectos maus-tratos, aos mais condenáveis abusos. Como, em nome de valores nobres, se produzem exactamente os seus contrários, imprimindo-os no corpo e no espírito de homens a quem, em tese, se pede que estejam disponíveis para a maior das generosidades, dar a vida em defesa da Nação.

[Jornal de Notícias, Mário Contumélias]



Publicado por JL às 00:02 de 26.10.09 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

A minha escola é melhor que a tua

Todos os anos ficamos a saber quais as escolas com notas de exames nacionais mais elevadas. É essa a informação dada pelos rankings esta semana publicados. Ou seja, a classificação dos alunos é transformada em classificação das escolas. A informação deixa certamente muito satisfeitos os pais que têm filhos nas escolas de topo. Acontece que a eventual qualidade da escola é apenas uma entre muitas variáveis que explicam boas prestações académicas. O mérito pessoal, a origem social e a localização geográfica são, pelo menos, igualmente relevantes. Aliás, se todos os anos "descobrimos" que as escolas privadas lideram os rankings, tendemos a não reparar que há uma outra clivagem mais persistente, a que separa as escolas do litoral das do interior, independentemente de serem públicas ou privadas.

Que fazer perante estas desigualdades? É-nos frequentemente dito que a liberdade de escolher a escola resolveria parte dos problemas. Será verdade? Provavelmente não.

Desde logo porque nem todas as famílias estão na posse da informação que permite escolher de modo adequado, mas, acima de tudo, há poucos professores bons que queiram leccionar nas escolas más e não há oferta de qualidade que se queira deslocar para os lugares mais difíceis. Os rankings só são úteis se discutirmos os factores que verdadeiramente explicam o mérito e o demérito nos desempenhos escolares dos alunos e não nos limitarmos a ordenar escolas em páginas de jornais. Pode ser que depois sejamos capazes de intervir, de facto, nesses factores.

[Arquivo, Pedro Adão e Silva]


MARCADORES: ,

Publicado por JL às 00:03 de 19.10.09 | link do post | comentar | ver comentários (3) |

Leia e guarde esta lição

 

Na abertura do ano escolar, o Presidente Obama falou aos alunos...

Sei que para muitos de vocês hoje é o primeiro dia de aulas, e para os que entraram para o jardim infantil, para a escola primária ou secundária, é o primeiro dia numa nova escola, por isso é compreensível que estejam um pouco nervosos. Também deve haver alguns alunos mais velhos, contentes por saberem que já só lhes falta um ano. Mas, estejam em que ano estiverem, muitos devem ter pena por as férias de Verão terem acabado e já não poderem ficar até mais tarde na cama.

Também conheço essa sensação. Quando era miúdo, a minha família viveu alguns anos na Indonésia e a minha mãe não tinha dinheiro para me mandar para a escola onde andavam os outros miúdos americanos. Foi por isso que ela decidiu dar-me ela própria umas lições extras, segunda a sexta-feira, às 4h30 da manhã.

A ideia de me levantar àquela hora não me agradava por aí além. Adormeci muitas vezes sentado à mesa da cozinha. Mas quando eu me queixava a minha mãe respondia-me: "Olha que isto para mim também não é pêra doce, meu malandro..."

Tenho consciência de que alguns de vocês ainda estão a adaptar-se ao regresso às aulas, mas hoje estou aqui porque tenho um assunto importante a discutir convosco. Quero falar convosco da vossa educação e daquilo que se espera de vocês neste novo ano escolar.

Já fiz muitos discursos sobre educação, e falei muito de responsabilidade. Falei da responsabilidade dos vossos professores de vos motivarem, de vos fazerem ter vontade de aprender. Falei da responsabilidade dos vossos pais de vos manterem no bom caminho, de se assegurarem de que vocês fazem os trabalhos de casa e não passam o dia à frente da televisão ou a jogar com a Xbox. Falei da responsabilidade do vosso governo de estabelecer padrões elevados, de apoiar os professores e os directores das escolas e de melhorar as que não estão a funcionar bem e onde os alunos não têm as oportunidades que merecem.

No entanto, a verdade é que nem os professores e os pais mais dedicados, nem as melhores escolas do mundo são capazes do que quer que seja se vocês não assumirem as vossas responsabilidades. Se vocês não forem às aulas, não prestarem atenção a esses professores, aos vossos avós e aos outros adultos e não trabalharem duramente, como terão de fazer se quiserem ser bem sucedidos.



Publicado por Xa2 às 00:01 de 16.09.09 | link do post | comentar | ver comentários (3) |

Passe sub23@superior.tp

Hoje pela 11h00, na novíssima estação do Metro de S. Sebastião II foi realizado o acto publico de lançamento do passe para estudantes do ensino superior.

Conforme aprovação de 1 de Julho pelo Conselho de Ministros, em Decreto-Lei, que cria um novo passe para os transportes públicos, destinado aos jovens até aos 23 anos, inclusive, que frequentem o ensino superior, as operadoras de transportes criaram o passe sub23 @superior.tp

Este novo passe vem completar o universo estudantil, que é actualmente conferido às crianças e jovens entre os 4 e os 18 anos, permitindo a redução de 50% no custo do uso regular do transporte, público ou privado, urbano.

Esta medida visa o reforço dos apoios sociais aos estudantes do ensino superior e o incentivo ao uso do transporte colectivo em detrimento do transporte individual.

Espera-se que, simultaneamente, e a partir das camadas mais jovens se criem hábitos de maior uso dos transportes públicos em desfavor da poluição e favorecimento de mais amplos comportamentos ecológicos e ambientais.

Mais informações em Agarra já o teu passe sub23@superior.tp


MARCADORES: ,

Publicado por Zé Pessoa às 14:07 de 01.09.09 | link do post | comentar |

A Milú

Em relação à ministra da Educação a atitude mais fácil é o silêncio cobarde ou alinhar com as críticas ou mesmo com os ataques brejeiros de alguns dos nossos educadores. Há mesmo algumas personalidades do PS que quando querem aparecer nas primeiras páginas criticam a ministra, é receita certa. Jornais como o Público dedicaram muitos dos seus editoriais a elogiar a ministra até ao momento em que os patrões se decidiram por mudar de posição em relação ao poder, o próprio Cavaco Silva chegou a elogiar as reformas quando estava na moda elogiar a ministra. Agora que a ministra da Educação parece estar na mó de baixo são raras as vozes em sua defesa.

Devo dizer que não concordo com tudo o que foi feito, o concurso para professores titulares foi um desastre, o modelo de avaliação, tal coimo foi inicialmente proposto, era um pesadelo burocrático, a equipa de secretários de Estado é de competência questionável. Maria de Lurdes Rodrigues poderia ter feito como muitos dos seus antecessores, ia ao beija-mão da Fenprof e limitava-se a preparar os anos lectivos. O debate em torno dos problemas da educação limitar-se-ia às notícias sobre as escolas que começavam as aulas com atraso devido à colocação de professores.

Hoje já ninguém se recorda da peixeirada que era a colocação dos professores, discutimos a qualidade do ensino, o sucesso ou o insucesso escolar.

Poucos ministros teriam tido a coragem ou a teimosia de Maria de Lurdes Rodrigues, muitos dos nossos políticos de barba rija teriam feito xixi pelas calças abaixo, não teriam suportado a pressão a que foi sujeita a ministra, os tomates atirados por alunos “exemplares”, as piadas brejeiras de alguns professores, a pressão política manipulada pelo PCP e pelo Bloco de Esquerda. Poucos políticos teriam a paciência que Maria de Lurdes Rodrigues teve para negociar com Mário Nogueira, um sindicalista que foi para todas as rondas negociais com o objectivo de chegar a um confronto que pudesse favorecer o seu partido.

É bom lembrar que a guerra dos sindicatos à ministra começou muito antes do estatuto ou da avaliação, a ministra já era odiada pelos sindicalistas por causa das aulas de substituição que puseram fim a situações absurdas.

É verdade que sem professores que se sintam realizados a escola não terá sucesso, mas também é verdade que o facto de os professores estarem felizes não significa igualmente o sucesso da escola. Anos e anos de ministros cobardes, incapazes de enfrentar interesses instalados, que conquistaram a simpatia dos sindicatos à custa da qualidade das escolas e do erário público, levara as escolas públicas a padrões de qualidade incompatíveis com as exigências actuais do desenvolvimento económico. Não se recupera o atraso em relação à Europa enquanto nas nossas escolas se aprende muito menos do que nas escolas dos nossos parceiros.

Mal ou bem a ministra teve a coragem de tentar melhorar a escola pública e foram dados muitos passos nesse sentido, desde a generalização da utilização da Net à modernização das escolas, passando pela mudança das regras de gestão. Por mais simpática que tivesse sido teria tido sempre a oposição dos sindicatos, para estes a “Escola Pública” há muito que o deixou de ser para se transformar numa coutada privativa dos “mários nogueiras”. Não é por causa dos professores que os “mários nogueiras” odeiam a ministra, é por ter melhorado a Escola Pública sem o seu consentimento e contra a sua vontade, é porque provou ser possível gerir o sistema de ensino sem pedir autorização ao PCP. [O Jumento]



Publicado por JL às 14:06 de 01.09.09 | link do post | comentar | ver comentários (4) |

No país das maravilhas

Em Abril, o “The Economist” recomendava para Portugal um investimento na qualificação da mão-de-obra.

Que as políticas nacionais devem ter a tecnologia e a inovação no seu centro estratégico, foi o conselho de Charles Wessner, que veio em Julho ao Porto explicar que a crise internacional só pode ser superada com o auxílio das universidades.

Estas intervenções recentes são análogas a muitas outras a que temos assistido ao longo dos anos, concordantes no diagnóstico e na terapia, aumentar a competitividade reformando o tecido produtivo e qualificando a mão-de-obra. Esta terapia, como explicou o conselheiro de Obama, passa necessariamente pelas universidades, em particular pelas escolas públicas de ciência e tecnologia que são incubadoras da inovação e empreendedorismo que urgem em Portugal.

Mas parece que nem todos os nossos políticos estão conscientes de que é necessário assegurar as condições para que estas escolas possam preparar os seus alunos para responderem aos desafios de uma nova era, em que a tecnologia e a inovação são determinantes na competitividade. Há quem viva num país das maravilhas, onde basta dizer que é prioritário aumentar a competividade e tudo se compõe num passe de mágica, sem esforço nem investimento.

De facto, se o programa do PS indica que aprenderam com os erros dos últimos anos, a antevisão do programa do PSD é deveras preocupante. Em relação ao primeiro, para além do reconhecimento de que não se pode investir apenas em ciência e desinvestir no ensino superior, a página 23 parece um mea culpa que promete livrar-nos do insustentável peso burocrático que o Código dos Contratos Públicos acarretou para as universidades.

Já as linhas gerais do programa eleitoral do PSD são intrigantes. O último ponto, sobre educação, indica que, para o PSD, esta se resume ao ensino básico e secundário. Mas, realmente mistificante é o ponto sobre políticas económicas, do qual transparece que melhorar a competitividade das empresas é, simultaneamente, premissa, meio e objectivo central. Em nenhum ponto ou preâmbulo se explica como, apenas que importa romper com políticas que "atiram dinheiro para cima dos problemas, endividando ainda mais o país". O que, aplicado ao ensino superior, inovação ou tecnologia, é catastrófico. Porque, não tenhamos ilusões, a economia global em que competimos só tem correspondência com o clássico de Lewis Carroll no excerto que por acaso deu nome a uma teoria científica: "É preciso correr o máximo possível, para permanecermos no mesmo sítio". Assim, rasgar, romper ou nada fazer é receita certa para ficar para trás. [Diário Económico, Palmira Silva]


MARCADORES: , ,

Publicado por JL às 00:03 de 09.08.09 | link do post | comentar |

Uma história de sucesso

As nossas sociedades vivem sob o espectro do envelhecimento.

Não deixa de ser paradoxal que o que durante muito tempo foi uma ambição quase utópica, uma vez concretizado, se tenha transformado na questão social dominante.

O efeito conjugado da melhoria dos cuidados de saúde, do ‘baby-boom' do pós-guerra e da actual baixa da natalidade, criou um mundo em que, pela primeira vez, o número de pessoas com mais de 65 anos superará o de crianças com menos de cinco. Esta é uma história de sucesso, mas torná-la sustentável passou a ser um desafio difícil de enfrentar.

Portugal encontra-se, a este como a muitos outros respeitos, numa situação particularmente preocupante: combina traços de modernidade (é um dos países mais envelhecidos) com marcas do passado persistentes. O que faz com que estejamos a envelhecer mais depressa do que a enriquecer, muito por força de taxas de emprego elevadas, mas assentes em baixos salários, o que tem levado a um declínio da fertilidade. Precisamos, por isso, de continuar a aumentar a qualidade de vida dos nossos idosos - libertando-os da pobreza e garantindo melhores cuidados de saúde - mas temos de criar condições para que seja possível compatibilizar trabalho com a possibilidade de ter filhos. A escola a tempo inteiro e a universalização da rede de pré-escolar foram passos decisivos nesse sentido. O desafio agora é, por exemplo, aumentar a taxa de cobertura de creches, dos actuais 30% para um valor que permita de facto compensar o envelhecimento da população com o nascimento de mais crianças. [Arquivo, Pedro Adão e Silva]


MARCADORES: ,

Publicado por JL às 00:02 de 01.08.09 | link do post | comentar |

Professores em fim de carreira são os mais bem pagos da UE

Os professores portugueses em final da carreira são os mais bem pagos da União Europeia atendendo ao nível de vida do país, revela um relatório divulgado hoje, quinta-feira, pela Comissão Europeia em Bruxelas.

A edição 2009 dos Dados Essenciais da Educação na Europa apoia-se na análise de 121 indicadores para dar uma imagem do conjunto das tendências mais recentes (a maior parte dos dados utilizados são de 2006/2007) em matéria de organização e de funcionamento dos sistemas de ensino de 31 países europeus (27 da União Europeia mais Islândia, Liechtenstein, Noruega e Turquia.

Se o salário bruto de um professor português no início da sua carreira é de 97,3 por cento do PIB percapita (indicador do nível de vida de um país), essa percentagem aumenta para 282,5 por cento no final dos seus anos de trabalho, de longe o valor mais elevado dos países analisados.

Para os professores alemães, o país com maior percentagem depois de Portugal, recebem entre 108,9 (início de carreira) e 209,1 (fim de carreira) por cento do PIB per capita, enquanto em Espanha as percentagens são 115,2 e 187,6, respectivamente.

O relatório também sublinha o facto de Portugal (juntamente com a Espanha, França, Grécia e Chipre) ser dos poucos países europeus a dar um "estatuto de carreira" com garantia de emprego "para toda a vida". [Jornal de Notícias]

O mesmo não acontece com as restantes profissões.

Que dirão disto os professores (essa classe tão penalizada!!!) que acompanharam a Frenprof nas manifestações?


MARCADORES: ,

Publicado por Izanagi às 17:18 de 16.07.09 | link do post | comentar | ver comentários (4) |

Acompanhar filhos e responsabilizar pais

Debatida petição pela responsabilização de pais pelo comportamento dos filhos na escola.

A petição lançada por um professor para a responsabilização dos pais pelo comportamento dos filhos na escola vai ser debatida no plenário da Assembleia da República.

A 8 de Abril foram entregues na AR cerca de 15 000 assinaturas a pedir alterações legislativas que responsabilizem os pais pelo comportamento dos filhos nas escolas.

«Temos hoje uma situação ao nível das escolas de violência e indisciplina e quando confrontamos os pais não temos muito sucesso», disse em Maio passado Luís Braga, presidente do conselho executivo do Agrupamento de Escolas de Darque, Viana do Castelo, perante os deputados da Comissão de Educação da Assembleia da República (AR), ao explicar os motivos que originaram a petição.

Luís Braga considerou que as associações de pais são por vezes pouco representativas do universo de alunos e lamentou que quando chama os encarregados de educação à escola seja frequentemente confrontado com a indisponibilidade destes por motivos laborais, propondo alterações nestas áreas para acautelar uma maior representatividade e instrumentos legais que permitam a todos os pais acompanhar os filhos.

O estatuto do aluno foi também alvo de críticas, com o professor a defender que «devia ser feito de novo».

«Devíamos ter mecanismos para convocar os pais de forma mais oficial», sugeriu, acrescentando que o estatuto do aluno foi feito «por pessoas que não sabem o que é o dia-a-dia nas escolas».

O autor da petição propõe inclusive multas para as famílias negligentes e a retirada de prestações sociais. Luís Braga pediu ao Parlamento «um sinal claro» sobre as agressões a professores e restantes funcionários das escolas: «Temos pessoal a ganhar 450 a 500 euros e que vivem num stress que as forças de segurança não vivem».

Segundo o professor, muitas vezes os pais reagem mal às sanções aplicadas pelos docentes, como a saída da sala, e a transferência de alunos de escola é «apenas encostar os problemas ao lado». [SOL]



Publicado por Xa2 às 23:08 de 08.07.09 | link do post | comentar |

Votação escandalosa do PSD na Assembleia Municipal de Lisboa

Foi um autêntico escândalo a votação do PSD na Assembleia Municipal que decorreu no passado dia 7 de Julho.

Efectivamente, o PSD chumbou com a sua maioria na AM o programa de reabilitação das escolas do Primeiro Ciclo de Lisboa. Para o efeito, a CML tinha negociado com os “Fundos de Investimento Europeus” 200 milhões de euros que, assim, deixam de ser utilizados por Portugal num programa de alto mérito e susceptível de garantir uns tantos postos de trabalho nas reparações como nos fabricantes de diversos materiais de construção, mobiliário escolar, etc.

O actual presidente da Junta de Freguesia do Lumiar, Dr. Nuno Roque do PSD, tem criticado a ausência do referido programa e exigiu e conseguiu que a escola 91 do Bairro da Cruz vermelha fosse reabilitada. De resto, todas as escolas de Lisboa estavam incluídas, excepto algumas como a antiga EB 1-2-3 de Telheiras que está a ser construída para substituir as instalações de pavilhões pré-fabricados no âmbito de um programa governamental que não depende da “criminosa” maioria parlamentar do PSD na Assembleia Municipal de Lisboa. Contudo, o mesmo Nuno Roque votou contra o referido Programa, portanto, contra a reabilitação das escolas da Freguesia do Lumiar, mostrando que serve mais os baixos interesses do seu partido do que as crianças do Lumiar. Nuno Roque não merece ser eleito de novo presidente da Junta de Freguesia do Lumiar.

Curiosamente, o PSD de Manuela Ferreira Leite tem duas políticas altamente contraditórias. Em Lisboa, com Santana Lopes, quer obras faraónicas como o alargamento do túnel do Marquês e não quer pequenas obras como a reabilitação das escolas.

A nível nacional, MFL, não quer auto-estradas, aeroporto, TGV, mas quer pequenas obras, excepto as escolas do primeiro ciclo que são da competência dos Municípios.

Chama-se a isto uma Política de Verdade. Será?

Enfim, já vimos de tudo como alunos a protestarem na escola de artes António Arroios por estar a ser reparada uma parte do edifício. Incitados por professores, os alunos gritaram que Sócrates é fascista por o Ministério da Educação mandar fazer reparações.



Publicado por DD às 12:02 de 08.07.09 | link do post | comentar | ver comentários (2) |

Regras para ter sucesso no estudo

Não basta ser inteligente, ser filho de famílias muito educadas e cultas ou estudar a toda a hora. Há fórmulas para o sucesso.

Sozinhos ou acompanhados, em silêncio ou com música de fundo, em isolamento ou com o computador e o MSN ligados. Os hábitos são os mais variados quando se trata de estudar. Mas, normalmente, a técnica foge pouco do manual e dos clássicos apontamentos.

É assim que mais de 250 mil alunos têm passado por agora os dias, preparando-se para os exames nacionais do básico e secundário de 2009. E era assim que também Rita Figueiral, 13 anos, estudava. Até que descobriu uma nova forma de treinar o que tinha aprendido nas aulas. Passou a pôr-se na pele dos professores e a fazer testes 'iguaizinhos' aos deles. 


MARCADORES:

Publicado por Xa2 às 09:41 de 23.06.09 | link do post | comentar | ver comentários (1) |

Mudar a escola

As reformas que tanto têm agitado professores, sindicatos, partidos da oposição e opinião pública, são insignificantes se pensarmos naquilo que é urgente fazer. Afinal toda esta balbúrdia foi motivada por meia dúzia de coisas tão banais como garantir que as crianças não ficam sem actividade quando falta um professor; avaliar os mesmos; premiar os melhores; garantir uma gestão mais racional e responsável das escolas. Nada portanto susceptível de motivar tanta controvérsia, não fosse o conservadorismo e a manipulação política. E, no entanto, é preciso ir muito mais longe na adaptação das escolas aos tempos actuais.

O nosso sistema de ensino ainda assenta em grande medida na imitação e na repetição. O professor fornece um conjunto de informações que o aluno deve repetir o mais fielmente possível. Ora este processo encontra-se claramente em crise por dois motivos fundamentais. Desde logo, ele é pouco estimulante para o desenvolvimento das capacidades de inventividade, imaginação e criatividade dos alunos. Depois, dada a grande aceleração do conhecimento, aquilo que se obriga os alunos a memorizar e repetir é já, muitas das vezes, um saber ultrapassado. Se a isto se acrescentar que a aquisição de conhecimentos não é hoje um exclusivo do meio escolar, e entra, literalmente, por todos os lados, desde a Internet às redes sociais, é evidente a inadequação do velho sistema da transmissão repetitiva do saber.

Por outro lado, este tipo de ensino, fortemente hierarquizado, condiciona a emergência do novo. Sendo totalmente dependente do próprio conhecimento de cada professor, de fraca interactividade e fechado ao exterior, limita-se a transmitir o que o professor sabe e não o que efectivamente se sabe sobre qualquer assunto. Os alunos não partem assim de um saber actualizado, mas frequentemente de um já ultrapassado.

Igualmente limitativa é a forte separação disciplinar. Pensada para uma intensa industrialização, tinha por objectivo fornecer ao velho capitalismo uma mão-de-obra especializada destinada a um trabalho repetitivo e nada criativo. Mas hoje a nova economia exige muita versatilidade conceptual e comportamental, num contexto de combinação de distintos saberes e atitudes. Já ninguém aprende para a vida. O conhecimento, fortemente impulsionado pelas tecnologias da informação, é instável e mutante. Necessita de uma capacidade de aprendizagem permanente, uma enorme abertura de espírito e muita audácia imaginativa.

Não menos importante é a própria dinâmica do saber, naquilo que este tem de objectividade, mas igualmente de erro. Aquilo que se sabe a cada momento diz-nos alguma coisa sobre o futuro, mas, a história demonstra-o, é também altamente falível. Daí que o erro seja uma componente essencial da criatividade. É dele que frequentemente nascem as grandes invenções. Ao censurar fortemente o erro, sobrevalorizando a repetição do que supostamente está adquirido, a escola não promove a experimentação e a imaginação. A tentativa e erro, processo maior da evolução natural - que já faz parte, por exemplo, da prática artística corrente -, deve integrar o ensino como uma componente essencial da aprendizagem e da descoberta.

Por fim, há que não esquecer o papel determinante da tecnologia. Existe uma evidente confusão entre o uso de tecnologias cada vez mais sofisticadas e uma pretensa desumanização. Esquece-se que as novas tecnologias estão aí para nos facilitar a vida, nos tornar mais criativos, inteligentes e aptos. Daí que sejam tão atraentes e se disseminem a alta velocidade, desde logo junto dos mais jovens menos contaminados por ideologias e moralismos pseudo-humanistas. A escola não pode ser um lugar de resistência, ludista, às tecnologias. Pelo contrário ela deve ser altamente tecnológica e avançada.

Em resumo, tudo isto exige mudanças radicais. As sociedades mais avançadas dependem já hoje fortemente da criatividade e da inovação. A imaginação e o talento tornaram-se importantes recursos naturais. Só uma escola aberta aos novos saberes, às tecnologias mais avançadas, à criatividade, à experimentação e à diversidade poderá contribuir para o desenvolvimento do País.

[Leonel Moura, Jornal de Negócios]


MARCADORES: ,

Publicado por JL às 19:58 de 21.06.09 | link do post | comentar | ver comentários (6) |

A menina mimada

Diz-se democrata mas não pratica a democracia.

Ana Drago é autoritária, insolente e mal-educada. Reage como uma menina mimada, quando contrariada.

Na Comissão Parlamentar de Educação, perde completamente o controle e começa aos gritos a tentar calar a Ministra da Educação, desferindo sucessivos murros no tampo da bancada da Assembleia, obrigando mesmo à interrupção dos trabalhos.

Não se livrou de levar um puxão de orelhas/raspanete pelo presidente da Comissão.

 



Publicado por JL às 23:49 de 03.06.09 | link do post | comentar | ver comentários (8) |

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO