Abril-Maio : caricatura de Democracia e de Estado ?!

     

     Manifestação/ concentração em Lisboa, no 1º Maio 2014
    CGTP :  14:30 -  do Martim Moniz até Alameda  -- ["Lutar"]
    UGT :    - Jardins da Torre de Belém      -- ["Festa"]
 ( Sindicalistas e organizações de Esquerda/... continuam divididos ... a bem da Direita !! )
----
 CUMPRIR ABRIL !
    Sejamos claros! São poucos os que hoje acreditam nesta democracia que temos entre mãos!
    São muitos os cidadãos de esquerda, incluindo muitos militares de abril, que não acreditam nesta caricatura de democracia que apenas nos permite falar e realizar manifestações bem comportadas!
    São igualmente muitos à direita, inclusive no governo, que não acreditam nesta democracia! Aliás, nunca acreditaram e são democratas apenas por conveniência!
    Daí que á esquerda e á direita, pese a riqueza das iniciativas, se comemorem os 40 anos do 25 de Abril com olhares para o passado!
    O presente é demasiado negro, é a Troika com o seu calvário de cortes nos salários e pensões, a concentração da riqueza nas mãos de alguns, os custos da energia e dos transportes aumentando assustadoramente e a dívida numa espiral suicida!
    Mas é no futuro que é necessário pensar, construindo as bases políticas para um novo 25 de abril !
    E para essa nova revolução será necessário mobilizar toda a gente, mas, muito particularmente, os mais novos!
    As Revoluções com futuro fazem-se, é certo, com a experiência e a sabedoria dos mais velhos. Todavia, os mais novos serão a mola essencial da mudança que é necessário fazer!
    Mudança que faça cumprir os ideais de ABRIL !  Mudança que traga futuro a toda a gente !


Publicado por Xa2 às 00:01 de 01.05.14 | link do post | comentar |

6 comentários:
De Sindicalismo, trabalhadores e política a 2 de Maio de 2014 às 17:58
Triste espectáculo sindical

Neste país minúsculo, 40 anos não chegaram para as duas centrais sindicais festejarem em conjunto o Dia do Trabalhador, mesmo no estado em que o país está.

Uma coisa é defender-se consensos políticos absurdos entre partidos só «porque sim», outra bem diferente é este espectáculo divisionista dos sindicatos. Depois queixam-se de serem considerados correntes de transmissão de partidos! São mesmo.
.
by Joana Lopes

---Victor Nogueira
Mas a UGT não foi criada pelo ps(d) na sequência da "Carta Aberta" para "quebrar a espinha à Intersindical"? E ao longo destes anos a UGT não tem feito todos os fretes aos sucessivos Governos ps(d)cds para tirar direitos aos trabalhadores ? São os partidos todos iguais ? Onde é que já ouvi isso e quem beneficia com "os partidos são todos iguais""todos querem só ]a porca da}política", quando "a minha política é o trabalho" ? A UGT faz o seu papel divisionista, e o actual secretário -geral bancário até foi falar antes com o patrão Ricardo Salgado, banqueiro, que declarou aos jornais que tinha orgulho em que o seu bancário fosse ... sindicalista ?

---Joana Lopes
A existência de mais de uma central sindical foi uma batalha primeiro perdida por Mário Soares, mais tarde vitoriosa.
Parece-me demasiado redutor o retrato que faz da UGT, já que ela engloba muitos milhares de trabalhadores que não se identificam com o que descreve.
E a celebração conjunta do 1º de Maio seria um patamar mínimo, desejável, de entendimento. unidade de

---almada
Mas há alguma "unidade" possivel com "correias de transmissão" dos patrões ???

---Victor Nogueira
Joana Lopes. Eu não confundo as direcções dos sindicatos e das centrais com os trabalhadores associados. A UGT foi criada com uma finalidade específica e essa é a de dividir o movimento sindical e dos trabalhadores. É a Joana que fala em "correias de transmissão partidária", como se os partidos defendessem objectiva e subjectivamente os mesmos interesses de classe ou como se os militantes partidários na sua intervenção política ou nos sindicatos tivessem de despir a camisola numa de "consenso". O que divide os trabalhadores e o eleitorado é a sua consciência de classe, a consciência da finalidade última dos respectivos programas e do conteúdo de palavras abstractas como liberdade”, “unidade”, “consenso” “democracia”, “ditadura” …
Os partidos políticos são associações de interesses para a conquista e manutenção do poder político. Aos trabalhadores interessa a unidade na acção. Ao patronato interessa a divisão da consciência dos trabalhadores e do eleitorado. E as palavras e programas políticos nascem da prática e é na prática que demonstram a sua validade e falsidade ou não. Se é "fácil" perceber porque não se "entendem" os partidos, e não se entendem porque defendem interesses antagónicos, incompatíveis com governos de “salvação”, “acalmação” ou “união” nacionais, então porque há quem pretenda mascarar a realidade e por no mesmo pé de igualdade as confederações sindicais, reduzindo a questão a ser ou não correia de transmissão partidária ou à “gravidade” da situação económico-financeira ou à dimensão do país ? Então na Suíça ou em Portugal de pequena dimensão territorial e populacional não deveria haver mais do que uma central sindical com os “seus” sindicatos, mas tal já seria admissível por exemplo, no Brasil ou nos EUA?
Então não é em nome da gravidade da situação que cavaco, barroso, Soares dos Santos Salgado mário soares eanes sampaio reclamam ou “aconselham”, unidos no que é essencial ?.
Então para melhor explicitação, onde se lê “UGT” leia-se “direcções da UGT a todos os níveis”. Não esquecendo que tal como no patronato, também nas classes trabalhadoras há camadas com interesses e objectivos (aparentemente) antagónicos, há camadas com diferentes graus de consciência de classe, que interessa ao núcleo duro da classe dominante manter desunida. Afinal o Socialismo em Liberdade conduziu à Liberdade do Súcialismo e ao Estado “Súcial”. Escrevia Eça que “sob o manto diáfano da fantasia, a nudez forte da verdade”. A verdade de com artifícios e com enganos, se governar contra a maioria, em nome da “democracia” e da “liberdade”. Do socialismo, já eles nem falam.
Durante muito tempo o PS foi contra a Const


De Centrais sindicais, partidos, política.. a 2 de Maio de 2014 às 18:01

...
...
--- Vitor Nogueira:
...Durante muito tempo o PS foi a ponta de lança contra a Constituição de 1976 e os direitos e garantias nela consignados. Hoje, o PSD dispensa o PS mas os compromissos deste são de tal ordem que “ordeiramente” espera por 2015.

--- Joana Lopes
Vítor, comento com uma resposta que dei a posições semelhantes à sua, numa longa discussão sobre este tema, que leu ou poderá ler, no meu mural do Facebook,: « Vamos lá ver se me faço entender: não pretendo escamotear as diferenças entre a UGT e a CGTP, nunca fui a qualquer manifestação ou actividade da 1ª. Isso não me impede de considerar que é lamentável que os trabalhadores portugueses que uma e outra representam (e que não se identificam todos, necessariamente, com os seus dirigentes) não se unam no patamar mínimo que é a comemoração do 1º de Maio. Até porque já o fizeram!
Btw, também não alinho nesse endeusamento da CGTP que bem precisava de um «arejamento» e, sim, de ter uma direcção menos enfeudada ao PCP. Ingénua não sou, se não se importam!»

---Victor Nogueira
Sei que as palavras são como as cerejas! Mas sou responsável apenas por aquilo que digo e na exacta medida do que digo. O resto está no olhar de quem me lê e ouve. Que pode ou não ter os mesmos códigos e chaves de leitura ou não. E procuro não enveredar por atalhos esquecendo o que está de essencial em cima da mesa.

Eu não tenho deus(es) nem deusa(s). Estive mesmo para escrever no meu comentário imediatamente anterior que não tenho visões maniqueístas, a tal ponto que até percebo e aceito que o Capital defenda os seus "interesses" e o que considera serem os seus direitos. E que use as suas (deles) armas. E que o Capital tenha a sua própria Ética.

E sei por saber de experiência feito que a luta de classes atravessa também as organizações dos trabalhadores e os sindicalistas. Há óptimas pessoas entre os patrões (m/f) como há péssimas pessoas entre os trabalhadores (m/f). Mas o que está em causa é que interesses reais defendem a UGT e a CGTP. E os seus dirigentes e activistas (m/f). Em cujo seio se reflectem e actuam as contradições de classe. Em que barricadas a sua prática os coloca, para além das “palavras”.

Mas a Joana, cujo blog aprecio, apesar de eventuais e naturais discordâncias, põe em mim atitudes e posições que não expressei. Quanto à revolução, elas fazem-se com os homens e mulheres com as virtudes e defeitos do tempo e lugar em que estão. São diferentes, opostas, as barricadas do Capital e do Trabalho/Humanidade.

No meu comentário quanto a partidos, mencionei apenas o PS(d)CDS. Não falei em qualquer outro partido. Isso, seria outra discussão. Pública no que é para ser público, privada no que é para ser lá dentro.

E, parafraseando Espinoza, quanto aos Homens (Humanidade), “nem o riso, nem as lágrimas, nem a indignação, mas apenas o entendimento”, isto é, a compreensão dialéctica das causas e da praxis.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO