De Diogo a 17 de Junho de 2014 às 23:53
1 – Não há neoliberalismo e nenhumas ideologias aqui em jogo! O que existe é uma ditadura do monopólio financeiro. O que há é ladrões com muito dinheiro que querem ainda mais dinheiro.


2 - O Iraque estava e paz e sossego (não obstante o carniceiro Saddam Hussein que lá foi posto pelos EUA).

Em 2003, os EUA, com base nas mentiras publicamente assumidas das «armas de destruição maciça e das ligações à al-qaeda», invadiu o Iraque.

Em 2007, o Los Angeles Times estimava que já teriam morrido mais de um milhão de civis iraquianos «graças à libertação». Tudo para encher os bolsos do complexo militar-industrial norte-americano e para controlar a produção de petróleo iraquiano.

Até hoje, não faço ideia de quantos iraquianos já morreram graças a este crime monumental – aquilo a que se pode chamar um verdadeiro HOLOCAUSTO!


De "nossos ditadores" ok ... outros não ! a 18 de Junho de 2014 às 18:01
Iraque, Líbia, Síria... não eram "OS NOSSOS" ditadores...!

Os Jihadistas do Estado Islâmico do Iraque e do Levante ( ISIS) uma versão mais abrangente da Al Quaeda já ameaça Bagdad. Cerca de 300 mil pessoas abandonaram há dias a cidade de Mossul e fogem do terror, na província de Anbar são agora 500 mil os refugiados. O caos agrava-se todos os dias no Iraque.

Grosso modo é uma guerra dos extremistas sunitas contra os fundamentalistas xiitas que foram postos no governo pela intervenção americana e contam com o apoio do Irão dos Ayatollahs . Enfim uma aliança EUA-Irão para os assuntos do Iraque. A população sunita constituía a parte mais moderna, mais laica e preparada do país.

Sadan era um ditador horrível, igual aos dos países vizinhos, mas no Iraque que ele governava as mulheres podiam sair à rua sem véu na cabeça, sem a companhia obrigatória de um homem, guiar automóveis (na Arábia saudita não!) podiam ir à escola, frequentavam as universidades, podiam ter emprego e usar calças ou saias que mostrassem… horror dos horrores, o tornozelo ou o joelho ou o que quisessem. Quase como por aqui.

O Iraque era na região, tal como a Síria, o país mais livre quanto aos costumes, um Estado laico e o mais moderno.
Mas, em contrapartida, o governo do Iraque, um dos maiores produtores de petróleo do mundo, revelava, pela mão de Sadan, no plano político e económico comportamentos absolutamente intoleráveis à boa ordem do Tio Sam, o primeiro das quais era julgar que o petróleo do Iraque era dos iraquianos e em consequência querer mandar nele.
E, despautério dos despautérios, decidir que ia vender o petróleo do Iraque sem ser obrigatoriamente em dólares, como os EUA impunham no seu comércio mundial. Impunham… onde chegasse o seu braço armado, é claro.

Na base norte-americana das Lages, nos Açores português, em Março de 2003, com o testemunho do trabalhista britânico Blair, do conservador espanhol Aznar e do português do PSD (ex- MRPP, ex- stalinista “viva Stalin!”, “Viva Stalin!!”) Durão Barroso, e o protofascista, republicano, evangélico/renascido, W. Bush “provou” que o horrível Sadan tinha armas nucleares capazes de arrasar o mundo e invadiu o Iraque para,
com a máscara da defesa da Paz, dos direitos humanos, da liberdade, da democracia e tal
deitar a mão ao petróleo.

Enforcou-se o homem e impôs-se a ordem ou seja o controlo norte-americano do petróleo do Iraque.
Morreram e ficaram feridos milhões de homens? Arrasadas cidades inteiras ? Milhões de deslocados? Terrorismo e o caos todo estes anos e que aumenta hoje?
Pois, isso é lamentável, mas não se pode ter tudo! O petróleo e ao mesmo tempo a paz, a ordem e o agradecimento das vítimas do terror e do caos. Paciência.

Foi assim no Iraque, foi assim na Líbia, foi assim ou quase assim na Síria.
Que tinham afinal de comum estes países para lá de serem os mais ocidentalizados, os mais livres, os mais laicos, sem a escravatura das mulheres, o que tinham de comum era…
era terem ao comando dos seus países ditadores. Mas se todos os países da região tinham ou têm ditadores!
Se alguns são muito mais execráveis e têm a simpatia e apoio dos EUA!!
Bem, o que tinham em comum é que não eram “OS NOSSOS” ditadores visto o mundo do alto da Casa Branca, do Capitólio e do Pentágono.


# posted by Raimundo Pedro Narciso, PuxaPalavra, 14/6/2014


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres