De desgoverno ultraLiberal: crise sem saída a 30 de Janeiro de 2014 às 16:42

"Não há nenhuma saída livre" para Portugal

Tópicos da entrevista hoje 30/1/2014 dada por António Costa (presid.CMLisboa, PS) ao Jornal de Negócios:

• "No final deste ajustamento temos hoje menos activos, menos população qualificada, menos recursos e uma dívida maior do que a que tínhamos".

• "Não há nenhuma saída livre, porque todo o quadro de política orçamental europeia é altamente constrangedor para os próximos anos.
Vamos sair em liberdade? Não!
Vamos sair com as condicionalidades.
A questão é saber se é preciso uma condicionalidade adicional sob a forma de acordo próprio ou se a condicionalidade geral já é tida como suficiente.
A minha convicção é que o objectivo claro da União Europeia é chegar às próximas eleições europeias tendo decretado 'urbi et orbi' que a crise passou.
Porque isso é importante para os países sob ajustamento
e é muitíssimo importante nos países que não estando sob ajustamento estão sob a fortíssima pressão de candidaturas populistas que têm grande hipótese de afirmação eleitoral e portanto é decisivo
para os partidos do Governo na Holanda poderem dizer: temos o Sul na ordem. O mesmo na Finlândia, na Alemanha e em todo o sítio."

• "O último erro que os socialistas cometeram, e espero que seja mesmo o último, foi o Tratado Orçamental, porque ele veio consagrar duradouramente um desequilíbrio assimétrico no funcionamento e na gestão da nossa moeda".

• Guinada de Hollande? "Estamos todos um bocado como a Madame Trierweiler". ('encornados' pela deriva à direita/neoliberal do presid.francês "PS")

• "O que é grave é que os partidos socialistas tenham esquecido que a razão de ser da sua existência, desde a origem, é precisamente a de enfrentar a desigualdade".

• "(…) o peso dos salários, no rendimento mundial, está absolutamente esmagado".

• Regressar daqui a um ano e meio, na qualidade de primeiro-ministro, ao Jornal de Negócios?
"Eu posso combinar vir cá daqui a ano e meio. Agora, nessas condições, não depende mim".

• E se o PS perder as europeias, António José Seguro deve demitir-se?
"Não é para mim um cenário credível o PS perder as eleições europeias".

• Entusiasma-o ser Presidente? "Eu já sou presidente [da Câmara de Lisboa] e gosto."

• O engenheiro José Sócrates tem perfil para ser candidato presidencial? "Se tem perfil? Ah, tem perfil para tudo."


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres