5 comentários:
De Banqueiro inapto contra Trabalhadores a 25 de Setembro de 2014 às 17:55
Carlos Costa e os frequentadores de centros de saúde

(24/09/2014 por A.F. Nabais , Aventar)


Carlos Costa (pres. do Banco de Portugal) propôs hoje que os trabalhadores que tenham uma longa carreira contributiva e que não se tenham adaptado às “novas condições de trabalho” sejam encaminhados para a pré-reforma. Talvez seja melhor traduzir: “novas condições de trabalho” corresponde a ‘trabalhar mais horas e ganhar menos’; “pré-reforma” significa ‘despedimento disfarçado de reforma, com indemnização muito reduzida’.

Esta linguagem cifrada faz parte do código dos senhores do mundo, os mesmos que chamam “colaboradores” aos trabalhadores e “redimensionamento” a despedimentos. Como se isso não bastasse, Carlos Costa acrescenta a estas suaves sacanices um arremesso indiscriminado de lodo:


Seria necessário pensar (…) em como encontrar formas adequadas de ‘pré-pensionamento’ destes trabalhadores que, por razões ligadas à sua formação, à sua longa história de trabalho e até por razões ligadas à própria inadequação às novas condições [de trabalho], hoje frequentam sobretudo centros de saúde para obter licenças médicas e outros mecanismos de ausência temporária.



Carlos Costa nem sequer coloca a hipótese de que as pessoas possam faltar ao trabalho por estarem doentes: as razões para frequentarem os centros de saúde são outras e nenhuma delas resulta de problemas de saúde. Pelo meio, ainda ataca os médicos que, pelos vistos, aceitam participar nesta rábula.

É uma técnica habitual usada pelo pessoal que tem como passatempo atacar os direitos dos trabalhadores ou a solidariedade devida aos mais frágeis: basta lembrar, por exemplo, a referência de Paulo Portas a pessoas que perderam o direito ao Rendimento Social de Inserção por terem mais de cem mil euros na conta bancária. É claro que o vice-primeiro-ministro não disse quantas pessoas havia nessas condições, mas a lama ficou colada a todos, que os porcos não têm cuidado.

Finalmente, Arménio Carlos relembra, e bem, que Carlos Costa deverá ser coerente e pedir a sua reforma, porque tem revelado uma absoluta inadaptação às funções que deveria desempenhar. Ainda assim, espero que não perca muito dinheiro quando se reformar e que se possa dedicar à frequência dos centros de saúde, porque é sempre bom uma pessoa ter uma distracção na velhice.


De Bangster BdP :Neoliberal selvagem a 25 de Setembro de 2014 às 18:02


Ó Carlos BdP, pense antes na eutanásia
(imposta pelo desgoverno neoliberal selvagem e concessionada a bangsters amigos! ) , era mais barato…

-----coelhopereira says:
25/09/2014 às 01:41


É isto a “elite” deste país… Atiram os mais velhos (aqueles a quem aumentaram a idade da reforma, pois descobriram que alguém à beira dos setenta está a entrar na buliçosa adolescência…) para o caixote do lixo e sobra quem, neste momento, para dar algo de válido ao país? Tenham calma, este senhor mais os seus queridos amigos: com a sangria desatada de fuga de gente nova altamente qualificada que este país está a sofrer (e sofrerá ainda mais), um dia destes até aos lares de terceira idade irão buscar jovens “colaboradores”. Pensavam que a malta ficava cá a levar, dia sim, dia também, com o esterco que lhes sai daquela tripa a que chamam cérebro? Enganaram-se. O que vão ter é a chamada “retomazinha” da economia cozinhada por trafulhices estatísticas e uma força laboral que é um cortejo doloroso de andarilhos e arrastadeiras, pois quem quer ter um futuro já se pôs a andar daqui para fora. E não volta.
Que mal fizemos nós para merecermos tal sorte?


----António Joaquim Aragão Aires says:
25/09/2014 às 05:59

Mas como é que ele sabe da frequência dos bancos nos centros de saude e passou-lhe ao lado essa coisa dos bancos do capital?



Comentar post