De Destruir Portugal e os cidadãos. a 17 de Outubro de 2014 às 14:58
Destruir a PT, destruir Portugal
Por Ana Gomes , 14/10/2014

Sentimo-nos atordoados, nos últimos dias, com a destruição de valor e da autonomia estratégica que a empresa Portugal Telecom representava para a nossa economia e para a afirmação do país nos espaços lusófono e global.
Mas o começo da derrocada da PT não é de agora: viu-se já quando os seus administradores se prestaram a caucionar jogadas de baixa política, como a tentativa atribuída a Sócrates de controlar politicamente a TVI e subsequente escandalosa isenção de imposto pela venda da VIVO em finais de 2010.
Recente é a constatação pública de que, afinal, quem MANDAVA na PT era o GES/BES: com a derrocada do Grupo ficou a perceber-se que a PT estava ao serviço e era comandada pelo bando que montara a associação criminosa em que se convertera a Espírito Santo/Rioforte.
Agora que Granadeiro já bazou, Zeinal Bava baza com uma indemnização milionária e os 12.000 empregados da PT tremem, realizando que a empresa parece, de facto, uma "OI Portugal" e está prestes a ser vendida a patacos a um grupo FINANCEIRO desconhecido, multiplicam-se apelos lancinantes ao Governo que abdicou da "golden share", para que intervenha e use o controlo que ainda tem ao seu alcance, via Novo Banco, para impedir a venda da PT.
Mas isto é o mesmo que pedir à raposa que não pilhe galinhas do galinheiro que foi aberto a seu jeito!

Pois, não foi Pedro Passos Coelho que assumiu querer pôr mãos "no pote", ou seja no ESTADO, justamente para o DESMANTELAR, para destroçar tudo o que dependa de controlo do Estado? Pois não é precisamente isso que vem fazendo o Governo há 3 anos, com a desculpa da Troika, atacando os FUNCIONÁRIOS públicos, subcontratando a escritórios de ADVOGADOS e consultores o que deveria ser acautelado como interesses do Estado, PRIVATIZANDO tudo o que é rentável, por mais estratégico que seja para a segurança e a competitividade nacionais - da EDP e REN à ANA, aos CTT, à EGF, aos ENVC? Não é este Governo que ainda não desistiu de privatizar a TAP, as Águas de Portugal e que não desiste de fazer rebentar ou esvaziar a RTP/RDP e a CGD?
Pois, não veio há dias o PM dar o dito por não dito e admitir que, se a venda do Novo Banco não cobrir o empréstimo do Fundo de Resolução bancário, lá terá a CGD de suportar perdas proporcionalmente, além da factura que irá direitinha para os contribuintes?
Convém lembrar que há semanas Min.das Finanças e PM mentiram aos portugueses, ao afiançarem que a solução "fundo de resolução" se justificava por não ter encargos para os contribuintes e ao encenarem a farsa de que a intervenção no BES, via fundo de resolução, fora imposta pela C.Europeia. Ao mesmo tempo que o Governo legislava secretamente, em preparação daquela intervenção, e deixava escapar informação interna para certos PRIVILEGIADOS que venderam de sopetão as suas participações no BES antes da derrocada, PM e Ministra - em coro o Gov. do BdP e pelo PR- encorajavam outros investidores a participarem no último aumento de capital do BES, assegurando que o banco estava sólido...
Este Governo dissuade qualquer investidor estrangeiro sério de vir investir num país onde a JUSTIÇA está em "estado de Citius". Esfalfa-se a por em pé de guerra a ESCOLA PÚBLICA. Encoraja o sentimento de IMPUNIDADE da associação de malfeitores que dirigia o GES/BES - que outra leitura pode ter aquele jantar do PM no Algarve com José M.Ricciardi? BES/GES por detrás da maioria dos NEGÓCIOS RUINOSOS para o ESTADO feitos na ultimas décadas e que este Governo encobriu e prosseguiu. Porquê esperar que mexa um dedo para salvar a PT?
Há quem acorra a explicar que o Governo nada pode fazer para suprir problemas estruturais do capitalismo português, que não tem suficiente capital. BRANQUEIA-se assim, miseravelmente, a RESPONSABILIDADE de sucessivos governos - e deste, em particular - CÚMPLICES na fuga organizada, legal e ilegal, de capital para paraísos fiscais, enquanto são brutalmente sobrecarregados com impostos aqueles que efectivamente os pagam. Os famigerados RERTs - Regimes Especiais de Regularização Tributária- foram versões, refinadas na perversão, deste criminoso mecanismo para descapitalizar a nossa economia....
... Um dia destes acordamos com a Torre de Belém e o Mosteiro dos Jerónimos em basta pública!...


De Fisco, isenções às SGPS,fundações e pobr a 17 de Outubro de 2014 às 16:08
O problema eram as fundações

( por josé simões, http://derterrorist.blogs.sapo.pt/ 16/10/2014)


Uma das soluções para moralizar e disciplinar as contas do Estado e acabar de vez com a rebaldaria despesista socialista passava por fechar a torneira do erário público às fundações. E não digam que não porque ainda nos lembramos bem.

«As contas do Estado deixam de fora mais de mil milhões em benefícios fiscais, cerca de metade das despesas fiscais.

Só em benefícios fiscais atribuídos a Sociedades Gestoras de Participações Sociais, as SGPS, o Estado deixou de arrecadar, em 2012, 1.045 milhões de euros.
Um valor que sozinho já ultrapassa todas as despesas fiscais inscritas nesse ano na Conta Geral do Estado, que somaram apenas 1.030 milhões de euros.

Há milhões de euros em benefícios omitidos, atribuídos por reinvestimento, prejuízos fiscais, regime especial de tributação de sociedades ou até residentes não habituais em território português, entre outros exemplos.

A despesa fiscal em IRC, IVA e Imposto de Selo está subavaliada. Em imposto único de circulação não está sequer quantificada [...]»

---- http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=24&did=165425

--------------
Mais pobres e a ganhar menos do que em 1974.

Um em cada quatro portugueses está em risco de pobreza e quem recebe o salário mínimo ganha menos 12 euros do que em 1974, descontando a inflação, segundo os últimos dados divulgados pela base de dados Pordata.

Portugal era, em 2011, o nono país da União Europeia com uma taxa de risco de pobreza mais elevada. No ano passado, havia 360 mil pessoas a receber o Rendimento Social de Inserção, quase metade delas com menos de 25 anos.

De acordo com a Pordata, o país é o sexto da União Europeia com maiores desigualdades de rendimentos.

Outros números, do Instituto Nacional de Estatística, indicam que 29,3 por cento da população infantil encontrava-se, no ano passado, em privação material, ou seja, sem acesso a três bens de uma lista de nove considerados importantes,

São os números que indicam que o risco de pobreza das famílias com crianças dependentes se tem vindo a agravar, tal como se tem agravado a taxa de intensidade de pobreza, e a diferença entre Portugal e a média da União Europeia.

No dia em que se assinala o Dia Mundial para a Erradicação da Pobreza, a organização não-governamental Oikos lembra também que mais de mil milhões de pessoas passam fome em todo o mundo e há 200 milhões de desempregados.
---- http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=25&did=165607


De Banco Alimentar FRACOS Jonet a 4 de Novembro de 2015 às 11:26
Os fracos, os mais fracos e os mais fracos dos mais fracos
(- Aventar, 4/11/2015 por António Fernando Nabais)

O Estado Social, segundo Isabel Jonet (pres. do Banco Alimentar contra a fome), deve limitar-se a ajudar os mais fracos dos mais fracos. O Estado Social não deve, portanto, ajudar os que são apenas fracos, porque os fracos, no fundo, são fortes e fortes do pior tipo. O fraco é um forte que se limita a fazer força para parecer fraco. Não é por acaso que dos fracos não reza a História: não porque não sejam fortes, mas porque não são suficientemente fracos. Para Isabel Jonet, fraqueza é algo que se resolve com um copo de água e açúcar.

E os mais fracos? Não deveria o Estado Social ajudá-los? Os mais fracos são só fraquinhos, gente tão desprezível que é olhada de lado pelos fracos. Cálculos recentes permitem, aliás, saber que um fraco terá a força de dez mais fracos.

Os mais fracos terão, todavia, força suficiente para, pelo menos, pedir esmola, o que isenta o Estado Social do dever de os ajudar. Se os mais fracos, aliás, tiverem deficiências físicas, Isabel Jonet poderá, até, dizer-lhes: “Vá lá pedir esmola, que tem muito mau corpo para isso!” Não há, afinal, como uma boa chaga para que o mais fraco não vá chagar o Estado Social.

Sobram, então, os mais fracos dos mais fracos. Espero que, a bem da seriedade, sejam obrigados a apresentar atestados de fraqueza extrema. O candidato a esta condição deverá reunir uma série de requisitos mínimos. Está acamado e impossibilitado de se movimentar? Terá direito a ajuda do Estado Social, desde que comprove que não tem ninguém que possa ajudá-lo (caso contrário, passará à categoria de “mais fraco”). Não consegue alimentar-se sozinho? O Estado Social irá entregar-lhe uma sopa diária no passeio em que reside (se pernoitar, uma vez que seja, debaixo de um tecto, será inscrito como “mais fraco”). Respira com dificuldade e quase não tem pulso? Venha de lá o Estado Social!

A grande vantagem do mundo criado por Isabel Jonet consiste, ainda, no facto de que o Estado Social precisará de pouquíssimos funcionários, bastando um pequeno contingente de coveiros. Os fracos e os mais fracos, como é evidente, serão obrigados a cavar a própria sepultura.
-----------
E.Biribó:
Jonéte disse:
“O Estado deve confiar às IPSS os cuidados, até porque estas estão mais próximas.
Mas não deve meter-se de mais, para coisas para as quais não tem vocação.
O papel do Estado deve limitar-se exclusivamente à garantia desses direitos, a assegurar que a gestão é correta e a satisfação das necessidades está assegurada.”

Na verdade Madame Jonéte queria dizer: o estado deve assegurar o(s tachos e o) LUCRO das IPSS (Instituições particulares de solidariedade social.),
não se meter mais no assunto, e permitir a essas IPSS escolher os seus “clientes” mais endinheirados.

Entretanto os “pobrezinhos”, esses que se lixem, e os menos pobres que os sustentem com donativos e bancos alimentares e afins.

Madame La Patrone Jonéte fazendo uso de todos os mecanismos de MANIPULAÇÂO existentes, nada fez contra a probreza.
(antes ajuda a Mantê-la e a manter o seu tacho de presidenta da caridadezinha e voluntariado...)

---------------
AnaA:
Excelente texto!
A maior fraqueza do ser humano reside na sua pobreza de espírito.
No mundo desta “benemérita” para que serve a organização social?
Não será para que a dignidade humana, apesar de tudo, não seja destruída?!
Ou é só para “amparar” os mais desgraçados que foram pisados pelo caminho, na voragem das turbas pelo seu lugar ao sol?!
Para isso, já existe um tipo de regime:
a Lei da Selva, onde os mais fracos serão inexoravelmente destruídos e assim deixarão de poluir o ambiente, que tanto incómodo traz!


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres