De .Falhas da UE, situação Líbia e ... a 5 de Fevereiro de 2016 às 16:09
A UE e a situação na Líbia

(-por AG , CausaNossa, 3/2/2016)


União Europeia e Estados Membros falharam em agir como Europa coesa e coerente para ajudar os governos de transição líbios na tarefa que devia ter sido prioritária, sem a qual era óbvio que não funcionariam Estado, nem governação:
a construção de forças de segurança sob comando nacional, o que implicava desmobilizar as milícias,
não deixar que fossem infiltradas por redes criminosas e terroristas, explorando os arsenais de Khadafi no "bazar de armas" que ainda aqui hoje denunciou o Presidente da Nigéria.

UE e Estados-Membros continuam a enterrar a cabeça na areia, tudo reduzindo a lutas tribais entre líbios:
continuam em denegação da "guerra por procuração" conduzida em terreno líbio por potências rivais sunitas
- Egipto e Emiratos, atrás da Arábia Saudita que financia os grupos salafistas, contra Turquia e Qatar, que apoiam a Irmandade Muçulmana.
"Guerra por procuração" que organiza a desintegração da Líbia e a expansão do Daesh e outros grupos terroristas no terreno.

O Acordo Político Líbio que o Representante do SGNU Martin Kobler conseguiu negociar oferece uma oportunidade que o povo líbio, a UE e a região não podem desperdiçar:
é uma oportunidade "in extremis" para impedir a escalada da violência.
Um ataque terrorista organizado a partir da Libia contra europeus não ficará sem resposta.
E ninguém saberá controlar os impactos de uma intervenção militar externa.

Para o Acordo Político Líbio e o Governo de Acordo Nacional vingarem é vital que a UE imponha imediatamente sanções direccionadas contra qualquer indivíduo ou organização, líbio ou estrangeiro, que boicote o Acordo e o governo.

A Europa tem de assumir que é sua obrigação e interesse vital investir na segurança da Líbia.
A erradicação de santuários terroristas implica trabalhar na desmobilização, desarmamento e reintegração de qualquer milícia, no combate ao tráfico de armas e de seres humanos, e na formação de forças de segurança líbias sob comando unificado.

Sem se restabelecer segurança, não haverá transição democrática na Líbia, nem capacitação para a governação,
nem respeito pelos direitos humanos, nem gestão dos recursos petrolíferos, nem controlo de fluxos migratórios.

A UE tem de se empenhar na Líbia e interessar-se pelo povo líbio.
Só assim assegurará a sua própria segurança e a segurança da região.


(Minha intervenção em debate esta tarde no PE sobre a situação na Líbia)


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres