2 comentários:
De Sist. Financeiro corrupto e malévolo a 4 de Junho de 2014 às 15:24
Xanana Gusmão diz que o sistema financeiro mundial está avariado e corrupto

(30/05/2014 , Lusa/Sol)

O primeiro-ministro timorense, Xanana Gusmão, acusou o sistema financeiro mundial de ser corrupto e estar avariado, num discurso proferido durante a terceira reunião ministerial do G7+, presidido por Timor-Leste, que terminou hoje em Lomé, no Togo.

"Vivemos num mundo caracterizado por um sistema financeiro avariado e corrupto, em que o suor e o sangue dos nossos povos beneficiam os super-ricos internacionais", afirmou Xanana Gusmão, recordando que os povos dos países frágeis continuam a sofrer.

O primeiro-ministro timorense chegou quarta-feira ao Togo para participar na reunião do G7+, organização criada em Abril de 2011 que reúne 18 Estados-membros, entre os quais, Timor-Leste e Guiné-Bissau, e que defende reformas no modo como a comunidade internacional apoia os países frágeis ou em situação de pós-conflito.

"É um mundo em que a divisão nos nossos países ajuda os poderosos a ditar as condições dos pobres, ao mesmo tempo que transferem o seu dinheiro de um lado para o outro a fim de evitar pagar impostos e assim contribuir para o bem-estar humano. Infelizmente, as elites globais beneficiam do perpetuar da divisão, da intolerância e do ódio", salientou.

Segundo Xanana Gusmão, o mundo actual enfrenta uma "crise de confiança", que vai desde o "fracasso das instituições financeiras internacionais ao comportamento político dos poderosos".

"No nosso mundo subdesenvolvido, a crise é uma crise de liderança. Actualmente a liderança não consiste em ter um líder, mas sim em ter um entendimento nacional e um compromisso por parte dos homens e das mulheres relativamente aos interesses colectivos do país e às aspirações do povo", disse.

No discurso, o primeiro-ministro timorense insistiu que o "mundo precisa mudar" e que os Estados frágeis têm de ser activos naquela mudança.


De Uns pagam outros fogem. a 30 de Maio de 2014 às 12:03
Não pagamos, dizem eles

27/05/2014 por João José Cardoso, Aventar


Na Suiça há €24 mil milhões não declarados, fugidos de Portugal. Nós pagamos.


Comentar post