De Colaborando com a Destruição do Estado. a 17 de Janeiro de 2014 às 14:41

Não se esqueçam
( : estão a COLABORAR com a DESTRUIÇÃO do Estado, dos Funcionários Públicos, da classe média, da Democracia, da Justiça, da Saúde, do Ensino, ... --- não se esqueçam e, depois, não se queixem !!! será tarde ...)

(-OJumento, 17/1/2014)

O país está assistindo ao espectáculo mais indigno de que há memória, uma boa parte dos portugueses aderiram por mero oportunismo à FALSA conclusão de que os funcionários públicos são privilegiados,
para aceitarem confortavelmente que uma pequena parte dos portugueses sejam brutalizados e suportem quase em exclusivo a crise financeira.

Os mesmos que em tempos justificavam os baixos vencimentos no Estado com a estabilidade, concordam agora com cortes brutais nos vencimentos dos funcionários públicos com o argumento de que ganham muito acima da média.

Para os ricos é preferível que sejam os que não são ricos a pagar a crise,
para os pobres é preferível que seja a classe média
e para os trabalhadores do sector privado é preferível que sejam os do sector privado.

O governo sintetizou e cada vez que precisa de reduzir défice vai buscar o dinheiro aos funcionários públicos no activo e aos que se aposentaram.

O governo apregoa um milagre económico e uma boa parte dos portugueses fica contente porque o vaso caiu em cima do vizinho.

Os funcionários públicos estão suportando as consequências das más políticas de governos que todos elegeram,
estão pagando as consequências de uma lógica política iniciada por Cavaco Silva segundo a qual os portugueses votavam nos que faziam mais obras para inaugurar,
estão a pagar as consequências da evasão fiscal,
estão a suportar a redução do IRC,
estão a financiar as ajudas ao sistema bancário,
estão a pagar o BPN,
estão suportando as perdas resultante da venda do pavilhão Atlântico ao preço da uva mijona
e até estão suportando os lucros chorudos que a família de Cavaco Silva ganhou com as acções da SLN.

Se for necessário mais um esforço orçamental os portugueses podem estar descansados,
este governo faz mais uma declaração,
uma calibração ou uma aproximação ao sector privado, e volta a cortar 10% nos vencimentos e pensões da Função Pública.

Os portugueses que não pertencem ao grupo dos eleitos podem estar descansados,
vivem no país sem austeridade, num país onde desce o IRC,
onde só paga impostos quem quer,
onde os banqueiros só podem ter lucros.

Os outros portugueses, os funcionários públicos e pensionistas do Estado,
são gente inferior que vive num gueto onde não há direitos, onde os salários são fixados arbitrariamente.

Esta é a situação de um país onde só há unanimidade no funeral do Eusébio ou onde só há nação quando o Ronaldo joga,
no resto do tempo somos um povo onde não faltam canalhas, corruptos e oportunista,
gente sem qualquer solidariedade,
eleitores que à sua escala são tão oportunistas quanto os políticos.

Mas é bom que políticos sem princípios e eleitores oportunistas não se esqueçam de que um dia destes
quando estiverem numa urgência hospitalar o médico que os vai tratar ganha menos do que uma empregada doméstica,
o polícia que vai proteger os seus bens vive pior do que o ladrão,
o engenheiro que verifica a segurança das pontes está ao nível do servente de pedreiro.

Os que agora sorriem porque a austeridade só recai sobre o vizinha não se esqueçam de que estão COLABORANDO com a DESTRUIÇÃO do Estado .

Mas é óbvio que se vão esquecer e daqui a uns tempos
políticos, jornalistas e cidadãos comuns vão dizer
que os funcionários públicos são incompetentes,
que entram tarde, que não fazem nada e ainda ganham mais do que os outros.

Cada país tem o povo que merece
e começa a ser tempo de considerar todas as equações
quando se estudam as causas do nosso subdesenvolvimento endémico.

Se fizessem aos empregados de uma empresa aquilo que está sendo feito aos funcionários públicos há muito que essa empresa estaria falida.
Mas no Estado os funcionários ainda insistem na velha cultura do serviço público
e apesar do que lhes é feito ainda se comportam com dignidade.
Mas já faltou mais para que comecem a "arrear"
e quando isso suceder é bom que os que agora se calam não se esqueçam do seu oportunismo e cobardia.


De o dia em que acabou a crise. perd.30anos a 19 de Janeiro de 2014 às 13:29

Convido-vos a tomarem consciência da assustadora realidade, convido-vos a pensarem se este futuro que está à porta é o futuro que querem para vocês, para os vossos filhos, para os vossos netos.

Concha Caballero é licenciada em filosofia e letras, é professora de línguas e literatura. Entre 1993 e 2008 ocupou um lugar no parlamento da Andaluzia. Deputada autonómica entre 1994 e 2008 foi uma das deputadas chave na aprovação da Reforma do Estatuto Autonómico da Andaluzia a que imprimiu um caracter mais social e humano do que, no princípio, os grupos maioritários do parlamento pretendiam.

Actualmente colabora em diferentes meios de comunicação. Escreve sobre actualidade politica. Em 2009 publicou o livro “Sevilha cidade das palavras”.
-----------------
“O dia em que acabou a crise!

Quando terminar a recessão teremos perdido 30 anos de direitos e salários…

Um dia no ano 2014 vamos acordar e vão anunciar-nos que a crise terminou. Correrão rios de tinta escrita com as nossas dores, celebrarão o fim do pesadelo, vão fazer-nos crer que o perigo passou embora nos advirtam que continua a haver sintomas de debilidade e que é necessário ser muito prudente para evitar recaídas. Conseguirão que respiremos aliviados, que celebremos o acontecimento, que dispamos a atitude critica contra os poderes e prometerão que, pouco a pouco, a tranquilidade voltará às nossas vidas.

Um dia no ano 2014, a crise terminará oficialmente e ficaremos com cara de tolos agradecidos, darão por boas as politicas de ajuste e voltarão a dar corda ao carrocel da economia. Obviamente a crise ecológica, a crise da distribuição desigual, a crise da impossibilidade de crescimento infinito permanecerá intacta mas essa ameaça nunca foi publicada nem difundida e os que de verdade dominam o mundo terão posto um ponto final a esta crise fraudulenta (metade realidade, metade ficção), cuja origem é difícil de decifrar mas cujos objectivos foram claros e contundentes:

Fazer-nos retroceder 30 anos em direitos e em salários

Um dia no ano 2014, quando os salários tiverem descido a níveis terceiro-mundistas; quando o trabalho for tão barato que deixe de ser o factor determinante do produto; quando tiverem ajoelhado todas as profissões para que os seus saberes caibam numa folha de pagamento miserável; quando tiverem amestrado a juventude na arte de trabalhar quase de graça; quando dispuserem de uma reserva de uns milhões de pessoas desempregadas dispostas a ser polivalentes, descartáveis e maleáveis para fugir ao inferno do desespero, ENTÃO A CRISE TERÁ TERMINADO.

Um dia do ano 2014, quando os alunos chegarem às aulas e se tenha conseguido expulsar do sistema educativo 30% dos estudantes sem deixar rastro visível da façanha; quando a saúde se compre e não se ofereça; quando o estado da nossa saúde se pareça com o da nossa conta bancária; quando nos cobrarem por cada serviço, por cada direito, por cada benefício; quando as pensões forem tardias e raquíticas; quando nos convençam que necessitamos de seguros privados para garantir as nossas vidas, ENTÃO TERÁ ACABADO A CRISE.

Um dia do ano 2014, quando tiverem conseguido nivelar por baixo todos e toda a estrutura social (excepto a cúpula posta cuidadosamente a salvo em cada sector), pisemos os charcos da escassez ou sintamos o respirar do medo nas nossas costas; quando nos tivermos cansado de nos confrontarmos uns aos outros e se tenham destruído todas as pontes de solidariedade. ENTÃO ANUNCIARÃO QUE A CRISE TERMINOU.

Nunca em tão pouco tempo se conseguiu tanto. Somente cinco anos bastaram para reduzir a cinzas direitos que demoraram séculos a ser conquistados e a estenderem-se. Uma devastação tão brutal da paisagem social só se tinha conseguido na Europa através da guerra.

Ainda que, pensando bem, também neste caso foi o inimigo que ditou as regras, a duração dos combates, a estratégia a seguir e as condições do armistício.

Por isso, não só me preocupa quando sairemos da crise, mas como sairemos dela. O seu grande triunfo será não só fazer-nos mais pobres e desiguais, mas também mais cobardes e resignados já que sem estes últimos ingredientes o terreno que tão facilmente ganharam entraria novamente em disputa.

Neste momento puseram o relógio da história a andar para trás e ganharam 30 anos para os seus interesses...


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres