1 comentário:
De Trabalhar como servos ou escravos?! a 9 de Abril de 2014 às 13:01
A contra-reforma laboral
• Francisco Madelino, O salário mínimo: reviravolta ou insensatez? (e campanha eleitoral):

«É sob este contexto que se lembra aqui a afirmação, de 6 de Março de 2013, feita pelo sr. primeiro-ministro, na Assembleia da República,
de que seria insensato aumentar o salário mínimo, face às propostas das oposições.
Ao longo destes três anos, o salário mínimo desvalorizou-se 5,3%.
A contratação coletiva foi desmantelada, sendo as portarias de extensão bloqueadas, diminuindo 90% em apenas dois anos.
Os acordos coletivos foram limitados, na sua aplicação, a trabalhadores e empresas não filiadas nas confederações e associação acordantes.
Assim, o INE, no último inquérito sobre rendimentos, informaria que o limiar de pobreza estava em 409€ (416 em 2009),
próximo do salário mínimo, logo 10,9% dos portugueses empregados (cerca de 500 mil), trabalham, mas, porém, pobres.»

⇒ Miguel Abrantes, 9.4.14, Camara Corporativa


Comentar post