De Sombra desGovernante de escravos a 27 de Janeiro de 2014 às 15:51
António Arnaut. Portugal está a ser invadido por “sombra tenebrosa e sufocante”

[Lusa, 23-01-2014]

António Arnaut afirmou, indignado, que [os governantes] “amarraram os escravos até à exaustão da esperança”, frisando que “há fome nas bocas e nas almas” dos portugueses

Portugal está a ser invadido por uma “sombra tenebrosa e sufocante” que não tem “regras nem açaimes”, afirmou hoje, em Coimbra, o antigo ministro e ex-deputado do PS António Arnaut.

O fundador do Serviço Nacional de Saúde (SNS) falava, ao final da tarde de hoje, no auditório da reitoria da Universidade de Coimbra (UC), na “sessão cívica em defesa da Constituição, da democracia e do Estado social”, promovida por um grupo de cidadãos de Coimbra, “de todos os quadrantes políticos”.

“Anda pelo país uma sombra tenebrosa e sufocante que invade todos os pontos cardeais”, alertou António Arnaut, considerando que essa mesma sombra não tem “regras nem açaimes”, sendo como “um vómito asqueroso e repulsivo”.

A Constituição da República "foi escarnecida" e, enquanto a pobreza, o medo e o desemprego “aumentaram”, os “bilionários multiplicaram-se”, sublinhou o fundador do SNS.

António Arnaut referiu que, ao mesmo tempo, assiste-se no país
a “uma gestão danosa e à corrupção” por parte de governantes “incompetentes e submissos ao grande capital”.

Governantes esses que apelidou de “corja”, palavra que António Arnaut diz ter-se lembrado no dia 01 janeiro de 2014, data em que escreveu o seu discurso, quando viu duas crianças a gritar de “fome e de frio” enquanto remexiam no lixo à procura de comida, como contou, emocionado.

“O dinheiro é um Deus supremo e este sistema [financeiro] deve ser condenado por todos os homens livres”, defendeu o também antigo ministro de Mário Soares e deputado à Assembleia Constituinte.

António Arnaut afirmou, indignado, que [os governantes] “amarraram os escravos até à exaustão da esperança”, frisando que “há fome nas bocas e nas almas” dos portugueses.

Na sessão, em que participaram cerca de meio milhar de pessoas, também falaram José Dias (independente), o antigo deputado do CDS Ferreira Ramos, a bloquista Catarina Isabel Martins, o comunista Jorge Gouveia Monteiro, o antigo candidato à Presidência da República Manuel Alegre e o social-democrata Jaime Ramos.

Jaime Ramos, antigo deputado e ex-governador civil de Coimbra, falou em substituição do antigo presidente da Assembleia da República António Barbosa de Melo, que não participou na sessão por razões de saúde, segundo explicou António Arnaut, que presidiu à iniciativa.

O encontro reuniu pessoas de “todos os quadrantes políticos, desde a área da democracia cristã à área comunista”, como sublinhou a organização, referindo, no entanto, que os oradores falavam em nome pessoal.

Na sessão participaram, entre outros, Manuel Machado (presidente da Câmara de Coimbra), Helena Freitas (vice-reitora da UC), Leal Pedrosa (vigário geral da Diocese de Coimbra), Rosário Gama (presidente da APRE), Rui Alarcão e Seabra Santos (antigos reitores da UC), José Reis (diretor da Faculdade de Economia da UC), os professores universitários Joaquim Gomes Canotilho, Abílio Hernandez, José Manuel Pureza, Luís Reis Torgal e Agostinho Almeida Santos, os sindicalistas Fátima Carvalho e Ricardo Pocinho, a antiga deputada e ex-presidente da Misericórdia de Lisboa Fernanda Mota Pinto e os antigos deputados Teresa Alegre Portugal e António Campos.


De Fisco anti-democrático: + irs, - irc. a 29 de Janeiro de 2014 às 10:44
Democracia fiscal (falsa)


Por josé simões, 24/1/2014, http://derterrorist.blogs.sapo.pt/ )


Assim como com a reforma do IRC, onde a opção foi reduzir o imposto às grandes empresas de forma --- a aumentar a mais-valia aos accionistas e aos patrões !!--- a que o dinheiro poupado fosse reinvestido na economia para a criação de emprego e riqueza e blah-blah-blah,
a reforma do IRS passará por uma redução dos escalões de modo a torná-lo um imposto mais democrático e, em nome da democracia e da igualdade, --- vamos assistir a um alívio fiscal para quem mais ganha !!--- a percentagem a aplicar vai ser igual para quem ganha mil ou para quem ganha um milhão por mês, como incentivo à "mobilidade social" e blah-blah-blah também.
E uma vez que o paradigma [gloup!] é a Irlanda talvez fiquemos --- democraticamente celtas !! --- reduzidos a dois escalões de IRS.


«Para já, o Governo prepara-se para nomear uma comissão para a reforma do IRS, algo que prevê concretizar até ao final deste mês. Quem liderar este processo terá, […] quatro grandes orientações:
“simplificar o imposto”, acolher “as melhores práticas internacionais”, “facilitar a mobilidade social” e fazer com que o IRS “atenda mais à dimensão das famílias”»


«Portugueses pagaram a maior factura de sempre de IRS em 2013»


O mesmo Paulo Núncio em Setembro de 2012:
«Portugal tem "hoje um número de escalões que não existe noutros países europeus" e sinalizou que
a reforma fiscal que será feita nesta legislatura irá implicar uma "significativa redução" daqueles escalões».


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres