De Intermediários sanguessuga e ETTemporári a 29 de Janeiro de 2014 às 11:22

Bobone e os negócios de Famiglia

(29/1/ 2014 por António Mariano, blog.5Dias.net)


A Associação Comercial de Lisboa (ACL) apela ao Governo para que minimize os impactos na economia portuguesa da greve dos estivadores, que começa esta segunda-feira e se prolonga para Fevereiro: “Lisboa vai deixar de ter um porto, deixar de ter interesse para todos os operadores e, provavelmente, vamos começar à procura de alternativas. E esses senhores que se estão a queixar de que o que têm é pouco vão ficar sem nada”, avisa o presidente da associação, Bruno Bobone. Segundo ele “esta greve demostra mais uma vez que os estivadores não estão preocupados com a situação dramática da economia portuguesa, não se importam de prejudicar um país que está a precisar de todo o apoio para resolver os seus problemas”.

Minimizar como? Acabando com o direito à greve? Vontade, está à vista, não lhes falta.

As ameaças com o encerramento do porto comercial, reincidentes, apenas porque ainda existem por ali uns estivadores que não aceitam voltar às condições miseráveis do início do século passado, não são aceitáveis e só são solução para quem olha para os trabalhadores sem o mínimo de respeito. Como aqui afirmei, por quem quer que a estiva, à imagem de todos os outros sectores do trabalho, passe a ser regulada pelos fanáticos da precariedade.

É espantoso que este comissionista-intermediário venha afirmar que aquele que já foi o maior porto comercial do mundo, por enquanto ainda com condições excelentes para desenvolver ou ampliar a sua actividade, deixe de ter interesse porque os senhores dos portos não conseguem impor em Lisboa a sua agenda neoliberal, ao contrário do que já conseguiram noutros portos com estivadores ainda mais escravizados. Portos com os quais os operadores jogam nos desvios de cargas, no seu interesse económico, mesmo que contra o tão propalado interesse da economia nacional, já nada os detém na hora de desviar as cargas que abastecem o país e os contentores que daqui levariam as milagrosas exportações.

Bruno Bobone pede ao governo que anualmente faça uma actualização da lei do trabalho portuário a caminho da liberalização para os capatazes atingirem o seu oásis, a jorrar euros à custa do sangue de trabalho escravo.

A ACL deveria sim apelar às empresas de estiva para que parassem com este terrorismo laboral de introduzir fura-greves mal preparados e pagos a preço de saldo no circuito operacional da movimentação de cargas. Só que Bobone está ao lado do modelo laboral neoliberal e é um dos arquitectos de mais esta tentativa de transformação dos trabalhadores em matéria descartável.

Mas Bobone, sendo ao mesmo tempo Presidente da Associação que deveria defender as empresas comerciais de Lisboa e Presidente dos Agentes de Navegação as quais sangra com as comissões que lhes cobra pela “factura portuária”, interessa-lhe muito mais esta sua última faceta, deixando sempre para depois a defesa do interesse nacional. O seu relacionamento íntimo com as empresas de estiva leva-o a apoiar um modelo esclavagista de estivadores com que sempre tanto lucrou e cujos métodos terá aprendido da sua família que há séculos vive na opulência às custas desse trabalho escravo que o porto extraia e que estão habituados a ter ao serviço, exclusivo, do crescimento das suas fortunas. Curiosamente, ou talvez não, também há séculos que a mesma família está à frente desta Associação Comercial da capital do País.

Como disse na mesma reportagem onde Bobone explanou a sua agenda, “foram ilicitamente despedidos 47 estivadores – 18 em Janeiro de 2013 e mais 29 em Junho – e neste momento o que existe é uma empresa de trabalho portuário que penso que terá uma dúzia de trabalhadores a quem terá alegadamente dado alguma formação. Mas nem sequer estarão preparados para trabalhar no porto, como já demonstraram em algumas situações que se passaram nos últimos dias. A questão é que não aceitamos trabalhar nessas condições de falta de segurança com pessoas ao nosso lado que não sabem o que estão a fazer”.
------

Bobone faz «agenciamento»
(Julho 9, 2013 por Raquel Varela )
...
É o mesmo Sr. que quer «fazer desaparecer os estivadores», que carregam e descarregam as mercadorias essenciais à vida de todos nós, da cidade, e aos quais propuseram passar de 1700 € para 550€ ...


De DESPEDIR administradors/dirigentsSELVAG a 30 de Janeiro de 2014 às 12:38
« Poder DESPEDIR com base na avaliação de desempenho ...» -- dito por quem é ... é de rir e chorar ao mesmo tempo.

A proposta do Governo que dá primazia à avaliação na escolha dos trabalhadores a despedir em caso de extinção de posto de trabalho ainda é vaga e gera dúvidas na sua aplicação.
... ... ...

---Antonio Alfaro Cadete
...hà muito que já é praticado no privado...tenta-se tudo para desmoralizar os mais antigos (pois os mais caros)...
para entrarem mais novos ainda inexperientes, que custam mais barato...ex., na hotelaria é o dia a dia !!

----Jose
-Cadete, Tem toda a razão. Há muitos anos que se pratica essa chantagem até bullying para substituir profissionais experientes por estagiários pagos em parte pelo Estado.
Mas fazem-no ilegalmente, praticam crime contra a sociedade.
Ora o que estes critérios absurdos querem é legalizar o crime.
Não é possível o despedimento sem justa causa.

Se o patrão geriu mal e está em apuros tem de assumir as suas responsabilidades de gestor desatento, inábil, mau gestor e partir para soluções configuradas no direito.
Pode extinguir um posto de trabalho, mas tem de fazer prova da necessidade dessa extinção e posto extinto não pode ser ocupado.

Nesse caso paga as indemnizações e protege a antiguidade para não despedir alguém que vai para o desemprego e segue para pedinte.

---Miguel S.,Trondheim
-É um facto consumado. O discurso de orientação vazio de ideias e estratégias deste grupo de indigentes incapazes de superar condicionalismos ideológicos e alcançar o óbvio é para manter e aplicar.
Os trabalhadores Portugueses são apreciados no estrangeiro, são reconhecidos e acarinhados.

A diferença é a gestão, mas, claro que para este grupinho de pseudo-liberais deslumbrado, o problema são os trabalhadores.

O que é de lamentar um pouco (embora talvez esteja aqui a ser um pouco hipócrita) é o que estão a fazer ao país a troco de aspirações pessoais.

Não passam de um grupo de mercenários criminosos a soldo do dono. Lamentável.

----minhoto
-Inteiramente de acordo. Resta acrescentar que têm vários donos
- chineses, angolanos, espanhóis, brasileiros, alemães, etc. - que, quando eles saírem do governo, vão premiar a sua traição aos interesses da generalidade dos portugueses com postos bem-remunerados nas empresas que eles têm entregue ao capital estrangeiro.

A "avaliação do desempenho" dos nossos governantes feita pelos seus donos estrangeiros é, sem dúvida, EXCELENTE!

----Vieira
-O primeiro a despedir era este imbecil deste ministro que nem falar sabe. Parece que esta a ler redacoes daprimeira classe. Depois despedia-se o chefe da quadrilha o paulinho e metiam o gajo na prisao por fraude que e a unica coisa que ele sabe fazer.

---Anónimo
-bastava apenas demitir o lixo que está no topo da hierarquia.
Nunca fizeram nada por Portugal e não iam fazer falta.



Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres