Estados democráticos ou "quintas de animais" ?

A quinta dos animais ou o triunfo dos porcos 

Passam 70 anos sobre a primeira edição de "Animal Farm", de George Orwell, que, à letra, intitulava-se "A quinta dos animais, uma história de encantar". Por cá, e noutras línguas, também foi recebido como "O triunfo dos porcos", "O porco triunfante" ou "A revolução dos bichos". Esta extraordinária fábula política, escrita antes do final da guerra, metaforizava o universo concentracionário do regime estalinista e, de certo modo, o fracasso "humanista" da revolução russa.    Todavia o ironismo da obra tem permitido que se recorra a ela para denunciar, ou simplesmente ilustrar, qualquer organização ou sistema aberrantemente totalitário criado à sombra das melhores intenções.  Orwell, numa carta posterior, explicou o propósito com meridiana clareza:

    "Não há revoluções a menos que sejamos nós próprios a fazê-las uma vez que inexiste algo parecido com ditadores, ou ditaduras, benevolentes". Quem diz revoluções, diz democracias liberais e democratas liberais. Os maus hábitos de civilidade entranhados nos regimes pós-guerra, do Atlântico aos Urais, fazem de grande parte deles autênticas "quintas dos animais" no sentido orwelliano do termo.     Os (altos) burocratas das administrações públicas, da economia, da finança, dos partidos e das corporações triunfam alarvemente enquanto a liberdade e a iniciativa crítica recuam.  

    Aos cavalos sucederam os porcos: "os porcos não trabalhavam efectivamente, antes dirigiam e supervisionavam os outros" e "toda a administração e organização desta quinta repousam sobre os (seus) ombros".   E a bravura?   "A bravura não chega - disse Tagarela. A lealdade e a obediência são mais importantes". Por isso - e aqui podemos entrar, por exemplo, pelo calçadão de Quarteira, por "agendas para a década" ou pela "reforma do Estado" reflectida num grosso de pequeninos e grandes chefes sem mundo ou biografia - dá "a impressão de que a quinta enriquecera sem que os próprios animais tivessem enriquecido - exceptuando, é claro, os porcos e os cães".   É que os porcos têm de "labutar todos os dias para completar coisas misteriosas chamadas "arquivos", "relatórios", "minutas" e "memorandos" a fim de zelar pelo bem-estar da quinta onde todos somos iguais embora uns sejam mais iguais do que outros.   Afinal, como escreveu Orwell num prefácio premonitório que nunca chegou a sair, "são os liberais que temem a liberdade", esse "direito de dizer às pessoas o que elas não querem ouvir".   - Jornal de Notícias



Publicado por Xa2 às 12:01 de 03.10.15 | link do post | comentar |

1 comentário:
De Canadá, Portugal, Grécia, U.E.. a 14 de Outubro de 2015 às 16:28
Carta do Canadá: a casa da avó

(http://aventar.eu/2015/10/14/carta-do-canada-a-casa-da-avo/#more-1236957 , fLeitao)
... ...
...
... Queriam saber como era o povo canadiano.
É bom, ajuda todos, mas não dá palmadinhas nas costas nem convida logo para casa. Mas quando chega a convidar, isso quer dizer que temos ali amigos para toda a vida.
E como é o país? É seguro e tem respeito pelas pessoas, adiantamos. Suspiram que, no Brasil, não há segurança nem respeito. É a vida, consolamos nós.
Viajam muito?, queremos nós saber. Que sim, o dentista e a mulher fazem todos os anos uma grande viagem, de preferência pela Europa. De Tomar, dizem: “ah a cidade dos templários, como é linda!”. Conhecem o quê em Portugal? Tudo, ao comprimento e à largura. E explicam: quando chegam ao fim duma grande viagem, seja em que continente for, tiram sempre uns dias de repouso em Portugal. Ora essa! Porquê? Entreolham-se, sorriem tímidos e a senhora esclarece:
“Sabe, Portugal tem bom clima, boa comida, bom vinho, um povo óptimo. Sentimo-nos mimados, acompanhados. É como ir todos os anos a casa da avó”.

Portugal, Casa da Avó, pode haver coisa mais terna e linda?

Por isso mais entristece , e revolta, que por causa de MAUS políticos, FALSOS políticos, Portugal seja muitas vezes pátria MADRASTA dos seus nacionais.
Madrasta que os trata mal, lhes mente, os manda embora, porque os bens públicos são USURPADOS em favor de um pequeno grupo.

Talvez seja tempo de pedir ao povo bom, meigo, generoso, que não transforme a RAIVA em fado.
Talvez seja tempo de ao povo lhe dar uma travadinha que inverta esta situação.
Não sugiro direitas nem esquerdas, porque em democracia não se exclui ninguém, como quer aquele senhor que está em Belém a brincar de rei.
Desejo que seja em frente, em linha recta, cortando a direito e aproveitando o que há de melhor num lado e no outro.
Sem complexos, sem medo, por amor de Portugal.

Tanta má língua contra a Grécia e, afinal, nenhum chega aos calcanhares do Tsipras ou do Varoufakis.
Esses, vê-se que são antigos, são milenares, têm a sabedoria que lhes permite estar acima da espuma medíocre. E o povo apoia-os.
E a União Europeia, ou leva uma volta, ou acaba.


Comentar post

DESTAQUE DO MÊS
14_04_botão_CUS
MARCADORES

todas as tags

CONTACTO

Email - Blogue LUMINÁRIA

ARQUIVO

Novembro 2019

Junho 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Online
RSS
blogs SAPO