De Anti-fascists na batalha Económic-Social a 12 de Março de 2014 às 10:18
http://5dias.wordpress.com/2014/03/09/ucrania-anti-fascista-dezenas-de-milhares-nas-ruas-de-donetsk-governador-pro-junta-fascista-foge-de-lugansk/
-------

...
Na verdade a “festa” ainda agora começou,
os acordos com o FMI e a UE irão implicar um duríssimo pacote de austeridade sobre toda a população, mas esse pacote será especialmente destrutivo para o leste e sul do país.

É que a indústria Ucraniana está concentrada aí e já se está mesmo a ver o que o “programa” do FMI+UE vai impor à Ucrânia…
o desmantelamento dessas indústrias que serão vendidas a retalho e afogadas por regulações e importações vindas do ocidente…

Para lá das questões históricas e culturais é esta batalha económica e social que está por detrás do conflito que divide a Ucrânia.
O que está em curso é portanto uma contra-revolução neo-liberal imposta pela força das botas cardadas nazis.

Só se fossem parvos ou suicidas é que a malta do leste e sul (+- o operariado Ucraniano) se renderia a esta gente, independentemente da vontade de Putin...


De "Bons" e "Maus", os enganados e os agent a 12 de Março de 2014 às 12:23
6.3.14 - (JPP) http://abrupto.blogspot.pt/

UCRÂNIA – CUIDADO COM OS “BONS” E OS “MAUS”

Lá estamos nós outra vez a embarcar num ciclo entre a propaganda e a ignorância, associado a muita impotência, a pretexto da Ucrânia.
Já temos os “bons”, os revoltosos da Praça Maidan, os ucranianos ocidentais, a União Europeia (imagine-se!) e os EUA, aliados às forças da “liberdade” e “democracia”,
e os “maus”, os ucranianos orientais pró-russos (cujas manifestações não passam na televisão), os russos propriamente ditos, invadindo a Crimeia a pedido de um Presidente corrupto (neste caso é pura verdade).
Já foi assim nos Balcãs, agora é na Ucrânia.

A União Europeia, porque não lhe convém, nada diz da Geórgia, ou da Moldávia, onde partes do território estão sob “protecção russa” de governos pró-moscovitas e populações que querem os russos para os proteger dos nacionalistas pró-georgianos e pró-romenos.
E, mesmo nos Balcãs, situações apodrecidas e apenas mantidas num congelador subsistem até ao próximo conflito, na Sérvia, na Croácia, na Bósnia ou no Kosovo.
São o retrato de intervenções ocidentais apressadas, politicamente correctas, mas não oferecendo a esses “países” senão linhas divisórias mantidas em “paz” por forças estrangeiras.

Uma política irresponsável da União Europeia e dos EUA face à Ucrânia, incentivando uma revolta dos ucranianos ocidentais, que nunca quiseram a hegemonia russa e tem todo o direito a não querer,
conduziu a uma secessão de facto do país, solução para que a União empurrou a revolta, mas não pode sancionar juridicamente.
Mas, qualquer pessoa que conheça a história ucraniana, com muito sangue à mistura, não imagina que a Ucrânia oriental aceite ser governada por radicais nacionalistas com uma genealogia complicada desde os anos vinte do século XX, que para essas populações são “fascistas”.
E o termo, a julgar pela história, tem alguma razão de ser.
O que mais assusta é a facilidade com que se aceita esta dualidade na comunicação social e nos governos.
Escrevo isto depois de ler páginas e páginas da imprensa portuguesa, em que o “europeísmo” exacerbado leva a estas mobilizações politicamente correctas dos “bons” contra os “maus”, que acabam sempre num impasse. Veja-se a Síria.

Em países ou áreas do mundo como é o Leste da Europa ou as Balcãs, no Cáucaso ou até no Báltico, não se podem atear fogos nacionalistas, - que é o que a muito pouco nacionalista União está a fazer,
- sem estar disposto a mudar as fronteiras, a coisa mais razoável a fazer em casos em que os países foram artificialmente criados a partir de territórios muito heterogéneos.
Ou mesmo sem ser capaz de aceitar deslocações de populações, que a muito civilizada Sociedade das Nações fez no século XX entre a Grécia a Turquia, e agora seria um anátema.
O resultado é forçar “limpezas étnicas” feitas na guerra e na violência extrema, como aconteceu na Bósnia de que muito se fala e na Krajina sérvia dentro da Croácia, em números a mais significativa, mas de que não se fala.

A crise ucraniana está só no seu começo.
Os russos mandam tropas, alguns grupos mais radicais vão disparar no sítio errado contra a gente errada, com os habituais apoios dos serviços secretos,
a União Europeia, que não tem tropas, vai ficar, como sempre, dependente dos americanos, e os americanos que estão a sair militarmente de todo o lado vão pressionar a Rússia com sanções económicas.
Quem pagará o preço serão os ucranianos, de um lado ou de outro da Ucrânia.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres