De Confederação ou ... guerra? a 18 de Março de 2014 às 17:22
---Crimeia junta-se à Rússia… e agora?

(-por Francisco , 18/3/2014, blog5dias.net)
...
...
...Confederação… a única forma de evitar a guerra civil?


A actual Ucrânia confronta-se com profundas contradições:

■políticas – fascistas a ocidente vs comunistas saudosistas da URSS a leste.
■sociais – camponeses a ocidente vs operariado a leste.
■económicas – reformulação/saque e integração do sector produtivo da Ucrânia na UE vs defesa da Indústria a leste que faz parte de cadeias logísticas com importantes componentes na Rússia.
■culturais – fala-se Ucraniano a oeste e Russo a leste.
■históricas – ligação com a Polónia e o Império Austro-Hungaro a Ocidente, com a Rússia a leste (mapas interessantes aqui e aqui).
■geo-políticas – fronteira leste da NATO e da UE, se estes blocos se querem expandir a Ucrânia é o próximo passo (e uma regra básica de qualquer “sistema” é que se não está em expansão, então está em contracção…).
Último buffer de protecção do “core” da Rússia, localização de importante base naval e relevante fornecedor e mercado para a economia Russa.

A longo prazo estas contradições devem ser superadas por uma luta contra a oligarquia cleptocráctica que domina tanto o ocidente, como o oriente da Ucrânia.
Os fantásticos recursos naturais e a indústria e infra-estrutura da Ucrânia devem ser colocados ao serviço do povo e sob o controlo dos trabalhadores.

Um novo regime verdadeiramente democrático deve seguir uma política de paz, independente de qualquer bloco militar imperialista.
Mas, sem abandonar este “programa”, o curto prazo exige respostas mais urgentes, consentâneas com a relação de forças no terreno e capazes de dar uma resposta rápida às contradições que ameaçam fazer explodir o país.

A divisão/guerra civil só poderá ser evitada, parece-me, se a Ucrânia se transformar numa confederação.
Se tiver um governo central fraco e pouco mais do que simbólico, com o poder de decisão concentrado nas regiões.
Claro que num modelo desses não é possível a integração tout court da Ucrânia na NATO, UE ou na União Aduaneira da Rússia.
É esta a opinião também de alguns “experts” (aqui), da Rússia (aqui) e do PCU.

A maioria da população do sudeste, a curto prazo, ficaria satisfeita com uma solução destas.
A população a ocidente também acho que aceitaria bem uma Ucrânia confederal, sobretudo quando a alternativa é a divisão do país e a guerra civil.
Mas aceitará a UE um plano destes?
E a NATO e os EUA?
Ainda para mais depois do chapadão que levaram agora na Crimeia?
A Crimeia na Rússia e uma Ucrânia garantidamente fora da UE e da NATO seria, objectivamente, uma grandiosa vitória do renascido “Império Russo” face às potências ocidentais…
Dificilmente o imperialismo Yankee-Europeu irá aceitar isso, mesmo que o preço a pagar seja a guerra e mesmo que seja essa a vontade do povo Ucraniano.
Como se a UE ou a NATO façam o que quer que seja pela “democracia” e liberdade” LOL LOL LOL

Ainda para mais, parece-me que os líderes (ou os “decision makers”) das potências ocidentais não têm noção nenhuma das consequências das suas acções…
nunca nos esqueçamos da catástrofe que foi a invasão do Iraque, do Afeganistão e recentemente da Líbia (inclusive para o próprio Império!)…
apesar de ser bastante óbvio que qualquer destas intervenções seriam um salto para o abismo,
as elites ocidentais atiraram-se de cabeça para todas estas aventuras (um pouco maior resistência do eixo franco-alemão no caso do Iraque, mas nada de muito significativo)…

Além disso, isto é mesmo gente com muito pouca profundidade.
Quando a Merkel diz “O Putin não está neste mundo”, está a demonstrar toda a sua impotência e ignorância.
Claro que Putin não está no mundo da Merkel, não está subjugado à burocracia de Bruxelas ou aos ditames da Alemanha, qual Grécia ou Portugal…

Claro que Putin se for preciso manda avançar os tanques e ponto final,
qual regulamentação da Comissão Europeia, qual ameaça do Banco Central Europeu…
Este é outro jogo e outro mundo, muito diferente das disputas domésticas da UE a que a Merkel está habituada…
...
...


De Guerra civil, de classes e imperialis !! a 5 de Maio de 2014 às 09:46
A Ucrânia morreu em Odessa
-- Maio 4, 2014 por Francisco, 5Dias

“The aim is to completely clear Odessa [of pro-Russians],” said Dmitry Rogovsky, another activist from Right Sector whose hand had been injured during the fighting. “They are all paid Russian separatists.” (Guardian aqui)

IMF: Ukraine losing east would mean new bailout. “Should the central government lose effective control over the East, the programme will need to be redesigned.” (Telegraph aqui)

O Massacre de Odessa foi ainda pior do que primeiro estimado (aqui), pelo menos cerca de 40 pessoas foram vítimas da violência Nazi (aqui, aqui e aqui). O massacre ocorreu exactamente um dia depois do FMI ter avisado a junta de kiev que o acordo aprovado só seria implementado se o leste e o sul do país estiverem sob controlo da junta, ou seja, disponíveis para pilhar. É preciso sublinhar que os Nazis não foram mais do que cães de fila ao serviço dos Oligarcas, FMI, NATO e UE. Aliás, o grosso das tropas de choque nem eram membros dos gangs nazis (sector de direita), mas sim membros de claques de futebol… Na Ucrânia a maioria dos clubes é propriedade oligarcas e as claques actuam como jagunços ao serviço dos oligarcas.

Enquanto em Odessa se dava o pogrom, no leste, sobretudo na região de Donetsk, as tropas e milícias leais à junta desencadearam uma operação de “limpeza”. Desta vez não houve as mesmas hesitações em confrontar manifestantes desarmados e vários cidadãos do leste que tentavam bloquear o avanço das forças da junta foram pura e simplesmente executados (aqui).

Como se o Massacre realizado em Odessa não fosse suficientemente grave por si só, a resposta e reacções vindas do Ocidente são sintomáticas do total desprezo pelas opiniões e vida das populações do sudeste. Longe de sentirem qualquer empatia com as vítimas ou tomarem uma acção que desanuvia-se a tensão, como declarar um cessar fogo, ou libertar presos políticos, não… A reacção dos responsáveis máximos pelo massacre é atirar a culpa para as vítimas, dizer que mereceram morrer e prosseguir a campanha de terror no leste. Esta peça da BBC é bastante reveladora, consiste numa colecção de vários comentários feitos por personalidades pró-junta (não só políticos), deixo aqui um exemplo: Forgive me, but I cannot feel sorry at all for the separatists in Odessa. There is and there cannot be any joy, but I am struggling to find any sympathy… e isto são declarações de responsáveis, a base do movimento reaccionário maindan celebrou o massacre sem qualquer problema de consciência!

Os apoiantes da junta fascista têm divulgado várias imagens nas redes sociais a gozar com as vítimas e celebrar o massacre

A mensagem da Junta e dos seus apoiantes é clara. A população que se opõe à Junta, à violência de rua nazi, ao acordo com o FMI e a UE só tem duas opções: morrer (queimada viva , executados a tiro ou com uma “bala perdia”) ou aceitarem tudo o que a Junta impuser e serem uma espécie de cidadãos de segunda, relegados à categoria de Untermensch.

Vadim Negaturov, poeta morto no massacre

Vjaceslav Markin, membro do conselho regional de Odessa morto no Massacre

No leste o impacto do massacre está a ser profundíssimo. Em Odessa propriamente dita ontem realizou-se uma espécie de missa/memorial às vítimas, os sentimentos de perda, dor, angústia e raiva estão à flor da pele (aqui e aqui). Ao contrário do que diz a propaganda de Kiev os activistas massacrados eram todos “filhos da terra” (pelo menos até ao momento não há confirmação de nenhum “agente russo” entre as vítimas), a morte de tanta gente, naquelas condições macabras está a gerar um profundo sentimento de revolta. De Kharkov a Lugansk, para toda a população do sudeste, este massacre vem apenas reiterar de forma brutal tudo o que antes já havia sido dito acerca do modus operandi da junta e seus aliados fascistas. Na própria Russa, o massacre também está a gerar uma enorme onda emocional (aqui).

Odessa não se rende e todo o sudeste está a entrar em “modo Estalinegrado 43“.

Se o plano dos nazi-fascistas e do FMI+NATO+UE era submeter pelo terror a população do sudeste, enganaram-se redondamente. Este massacre veio reforçar a determinação dos insurgentes do sudeste. Mesmo após o massacre populares saíram à rua para travarem desarmados ...


De «Ninguém esperava isto» ... ? !! !! a 5 de Maio de 2014 às 09:54
A Ucrânia morreu em Odessa
...Mesmo após o massacre populares saíram à rua para travarem desarmados as colunas blindadas de Kiev (aqui). Em Mariupol, após cantarem o hino soviético (aqui), os rebeldes foram confrontar a agressão Nazi e queimaram a sede do principal banco privado Ucraniano na cidade (aqui e aqui). Em Kramatorsk as tropas da junta chegaram a entrar na cidade, mas hoje a cidade foi retomada pelos insurrectos (aqui e aqui). Sloviansk está sob cerco mas os nazi-fascistas a mando do FMI, mas os criminosos foram repelidos sempre que tentaram entrar na cidade (aqui e aqui). Em Donetsk novos edifícios foram tomados e foi anunciada a criação do “Exército Repúblicano” que irá unificar todas as milícias anti-fascistas (aqui). Em Lugansk o centro de recrutamento foi tomado pelos insurgentes e na principal praça da cidade civis estão a ser treinados no uso de armas de fogo (aqui e aqui). Em Odessa manifestantes cercaram a sede da polícia e conseguiram libertar todos os camaradas que foram presos aquando do massacre (aqui, aqui e aqui, impressionante… em Odessa o regime Nazi prendeu as vítimas, não os carrascos, mas felizmente o povo libertou-os!).

Odessa não se rende! Activistas anti-junta cercam a esquadra da polícia e libertam os camaradas presos aquando do massacre (no dia do massacre as vítimas foram presas e os assassinos deixados em liberdade)

Acresce a isto que as possíveis pontes entre o leste e o oeste estão a ser queimadas, como é demonstrado pela tentativa de assassinato do presidente da câmara de Kharkov (uma personagem que tentava estar dos dois lados da barricada) ou a desistência das eleições do candidato “pró-russo” (aqui).

Em Odessa não foram apenas 40 activistas anti-junta que faleceram… Nas ruínas queimadas da sede sindical de Odessa foi a própria Ucrânia que morreu.

A tentativa da junta e dos seus patronos imperiais de impor os seus dictacts pela força bruta , sem qualquer compromisso, empurrou o país para a Guerra Civil. Convém sublinhar isso! Desde que a crise começou, para lá de promessas da tanga, a junta não tomou nenhuma acção de boa-vontade (e.g. libertar presos políticos ou repor a emissão de canais de televisão Russos), as únicas acções vindas de Kiev foram de agressão e intimidação. O mais grave é que isto parte tanto ou mias de Kiev, como de Washington e Bruxelas. Relembro o que aqui escrevi há um mês e meio:

A divisão/guerra civil só poderá ser evitada, parece-me, se a Ucrânia se transformar numa confederação. Se tiver um governo central fraco e pouco mais do que simbólico, com o poder de decisão concentrado nas regiões. Claro que num modelo desses não é possível a integração tout court da Ucrânia na NATO, UE ou na União Aduaneira da Rússia. (…) A maioria da população do sudeste, a curto prazo, ficaria satisfeita com uma solução destas. A população a ocidente também acho que aceitaria bem uma Ucrânia confederal, sobretudo quando a alternativa é a divisão do país e a guerra civil. Mas aceitará a UE um plano destes? E a NATO e os EUA? Ainda para mais depois do chapadão que levaram agora na Crimeia? A Crimeia na Rússia e uma Ucrânia garantidamente fora da UE e da NATO seria, objectivamente, uma grandiosa vitória do renascido “Império Russo” face às potências ocidentais… Dificilmente o imperialismo Yankee-Europeu irá aceitar isso, mesmo que o preço a pagar seja a guerra e mesmo que seja essa a vontade do povo Ucraniano.

Ora, o imperialismo Yankee-Europeu não aceitou nenhum compromisso e desencadeou uma guerra que, provavelmente, será pior que a da Jugoslávia…ainda não sei se por vontade explicita ou pura ignorância, ou seja, por acreditarem na sua própria propaganda que a insurreição a leste é composta apenas por “terroristas” e “agentes russos”.

Quando há três semanas escrevi “Ucrânia, começou a GUERRA CIVIL” estou certo que muitos leitores pensaram que estaria a exagerar. Pois agora já poucos duvidam que é mesmo isso que se está a passar, ..recentes títulos dos media anglo-saxónicos:

Ukraine crisis: ‘It’s war, civil war’
Kiev hits back at pro-Russia rebels as Ukraine moves towards civil war

Ukraine crisis: we are now at war with pro-Russia rebels, states Kiev
Civil war looming in Ukraine?

A BBC “Nobody expected this" ... o materialismo-dialéctico ...


De Abaixo Nazis, oligarcas e Nato+UE+FMI. a 5 de Maio de 2014 às 10:00
A Ucrânia morreu em Odessa
...
A BBC tem uma peça intitulada “Nobody expected this” … Ora, o materialismo-dialéctico não é uma “bola de cristal”, mas é o melhor substituto que conheço…

Uma guerra de classes

Abaixo deixo ligações e excertos de vários artigos que considero terem informação e/ou análise muito relevante para melhor perceber o que se está a passar e até fazer algumas previsões quanto ao que é mais provável acontecer em seguida. Os textos dão uma excelente perspectiva dos campos em confronto e do que é que está em disputa. Para lá de uma luta entre “Pró-Russos” e “Ucranianos” o que se está a passar é uma guerra de classes em que uns queimam Sindicatos e os outros queimam Bancos…

How to Save Ukraine – Why Russia Is Not the Real Problem - Much the same is true for membership in the European Union. If the matter were up for a referendum, which it will not be anytime soon, 90 percent would vote yes in the west, 29 percent would vote yes in the south, and 22 percent would vote yes in the east.(…) It is thus time to face some hard facts. A pro-European, pro-NATO government ruling a regionally divided country — and one that is quite vulnerable to Russian military intervention — is a recipe for instability, not for European integration. Simply pushing forward with EU association and NATO integration without pushing the government in Kiev to address its illegitimacy problems through means other than arrest is not much of a strategy. It’s not even much of a gamble, as it is almost certain to fail.

Ukraine crisis strains family ties in divided Donetsk - Political views do not follow clear generational lines (…) But the political differences do appear to have some socioeconomic basis: groups of coalminers and other blue-collar workers have come out to support the Donetsk occupation, arguing that the region’s heavy industry is suffering from the recent disruption to trade with Russia.

‘We Will Shoot Back’: All Eyes on Russia as Ukraine Begins Offensive in East -“The mood wasn’t actually quite prepared for an insurgency.” But the government’s announcement that inefficient mines in the region would be closed, combined with rising fuel prices, quickly changed the mood in the city.

Kiev admits losing control of Donetsk and Lugansk provinces - Andrea Cellino, leader of an Organisation for Security and Co-operation in Europe monitoring team in Lugansk who witnessed Tuesday’s government building takeover. “The population is mostly either sympathetic or openly supports the occupiers and their motives.”

Kiev loses control of Donbas – What next in Ukraine crisis? - Workers in Donetsk do not need Vladimir Putin to tell them that their industries will be closed once Ukraine joins the EU. They can see what has happened in countries like Hungary, Romania or the Baltic States, which have joined the EU. Moreover, the integration of Russia in the capitalist world economy has led to the export of natural resources, with the resultant closure of thousands of factories. The problem here is not a national problem but a problem of the capitalist system itself. The economic ruin, mass unemployment and high cost of living affect everyone: the ethnically Ukrainian, Russian, Armenian or Hungarian – all are victims of the crisis of capitalism and the rule of the oligarchs.

Ukraine: Miners strike in Lugansk region

It’s not Russia that’s pushed Ukraine to the brink of war

Exclusive: Meet the Pro-Russian Separatists of Eastern Ukraine

RUSSIAN ROULETTE: THE INVASION OF UKRAINE - Série de reportagens no “olho do furacão” por repórteres pró-imperiais, apesar dos preconceitos dos autores os vídeos têm muitas imagens e entrevistas que transmitem muito do sentimento no leste da Ucrânia (o autor é o famoso Simon Ostrovsky que esteve detido pelos insurgentes cerca de 4 dias).

A People’s War in East Ukraine - Each Banderite scum, each rat of the National Guard and other gangs must know this: you came to our land with weapons! You’ve come to kill us in our land! So don’t expect any mercy from us! You will find only grim death! Because you have not yet tasted Slavic-Russian anger! But it will overwhelm you in a severe, violent flame! Do you think we are afraid? We, Russians in the South-East afraid? You are very, very deepl


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres